Abrir menu principal
Clara Charf
Nascimento 17 de julho de 1925 (94 anos)
Maceió
Prêmios Prêmio Bertha Lutz

Clara Charf (Maceió, 17 de julho de 1925) é uma militante comunista brasileira e ativista pelos direitos das mulheres [1][2][3].

Criada no Recife, começou a militar no PCB em 1945, motivada pela história de Anita Leocádia Prestes, a filha de Luís Carlos Prestes e Olga Benário, que acabava de retornar ao Brasil. Depois de atuar em movimentos populares e feministas, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como secretária da bancada comunista na Câmara dos Deputados.

Em 1962, foi a Cuba para participar de um encontro de mulheres latino-americanas, representando a Liga Feminina do Estado da Guanabara. O evento, porém, acabou sendo eclipsado pela crise dos mísseis, que aconteceu naquele mês. No ano seguinte, representou o Brasil no congresso internacional de mulheres socialistas realizado em Moscou.

Teve seus direitos políticos cassados após o golpe militar de 1964, assim como seu marido, o líder comunista Carlos Marighella. Com a morte de Marighella, decidiu fugir do país e se refugiar em Cuba. Voltou ao Brasil em 1979, com a aprovação da Lei da Anistia.

Filiou-se ao PT, pelo qual se candidatou a deputada estadual em 1982. Recebeu quase 20 mil votos, mas não se elegeu. Atuou na Secretaria de Mulheres e na Secretaria de Relações Internacionais do partido. Fundou em 2003 a Associação Mulheres pela Paz, responsável pelo projeto "1000 Mulheres para o Prêmio Nobel da Paz"[4][5].

Em 1996, ao lado do filho de seu marido, Carlos Augusto Marighella, requereu à Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos o reconhecimento da responsabilidade do Estado na morte de Carlos Marighella. Ao fim do processo, a comissão concluiu que o militante fora assassinado pela polícia, e determinou que a viúva e seu filho fossem indenizados[6].

Recebeu em 2005 o Diploma Bertha Lutz[7].

Referências

  1. A viúva vermelha. O Estado de S.Paulo, 8 de março de 2014
  2. A luz de um sorriso. Secretaria de Políticas para as Mulheres
  3. Clara Charf. Revista TPM, 10 de janeiro de 2013
  4. Uma guerreira incansável. Revista Forum, 12 de dezembro de 2013
  5. Entrevista com Clara Charf, viúva do "inimigo número 1" da ditadura brasileira. Diário Liberdade, 1 de abril de 2014
  6. SANTOS, Sheila Cristina. A Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos e a reparação às vítimas da ditadura militar no Brasil. Págs. 207-210
  7. Congresso Nacional entrega prêmio Bertha Lutz