Abrir menu principal

Claudio Tognolli

Jornalista brasileiro
Claudio Tognolli
Foto tirada nos estúdios da rádio em São Paulo.
Nome completo Claudio Júlio Tognolli
Nascimento 23 de agosto de 1963 (55 anos)
São Paulo SP Brasil
Ocupação Jornalista
Radialista
Escritor
Músico
Professor
Nacionalidade brasileiro
Trabalhos notáveis Jovem Pan
USP
ABRAJI
VEJA
Site oficial
Claudio Júlio Tognolli (São Paulo, 23 de agosto de 1963)[1] é um jornalista,[2] músico[3] e escritor,[4] brasileiro, membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).[2] É formado pela Universidade de São Paulo (USP) e doutorado em Ciências da Comunicação pela USP[5] e em violão clássico e composição, com o maestro Hans Joachimm-Koellreutter.[6] Seu coorientador de mestrado foi o psicólogo Timothy Leary, com quem fez a última entrevista no leito de morte.[7]

BiografiaEditar

É mestre em psicanálise,[8] doutor em filosofia das ciências e livre-docente em história, todos os títulos pela USP.[9] É diretor fundador da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).[10]

Entre seus prêmios constam o Esso, pela Abraji, o Jabuti de Literatura 1997 (livro "O Século do Crime"),[8] e Grande Prêmio Folha de Jornalismo, em 1993, com Fernando Rodrigues, pela série de 500 reportagens intitulada "Conexão Manágua".[11]

Escreveu a biografia do engenheiro de som Roy Cicala, para a editora Saraiva/Benvirá,[12] e a "História do Politicamente Incorreto" (Record), com o humorista Danilo Gentili, ambos no prelo. Desde novembro de 2016, escreve a biografia do senador Delcídio do Amaral.[13]

Em julho de 2017, ao lado de Joice Hasselmann e Felipe Moura Brasil, ancorou o programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan.[14] Fora seu trabalho na Jovem Pan, Tognolli também já trabalhou nas rádios CBN e Eldorado, e nas revistas Consultor Jurídico, Galileu, Rolling Stone, Joyce Pascowitch e Caros Amigos.[15] Foi repórter especial do Jornal da Tarde e da Folha de S.Paulo, para quem foi correspondente nos EUA.[16] Fez reportagens em 35 países.[17] Foi colunista da AOL Brasil[18] e do jornal digital Brasil 247[19] e mantém, desde 2014, um blog dentro do portal Yahoo!.[20] e no portal TopBuzz.[21]

Tognolli fez colegial técnico de jornalismo antes de entrar na ECA-USP, em 1982. Começou sua carreira como pesquisador do Departamento de Documentação da Editora Abril (Dedoc). Dois anos depois, virou repórter de política da revista Veja. Por concurso, também, entrou na Folha de S. Paulo, em 1988. Dois anos depois, era nomeado correspondente em Miami, encarregado também de cobrir pessoalmente Cuba e Haiti. Saiu da Folha de S. Paulo, onde era repórter especial, para ocupar o mesmo cargo no Jornal da Tarde e na rádio CBN, e assumir os cargos de professor na ECA-USP e Unifiam-Faam, em que ficou por 21 anos. Fez coberturas em mais de 30 países.

Deu aulas para mais de 10 mil alunos, em 23 anos. Orientou cerca de 400 trabalhos de conclusão de curso.

Entre as suas colaborações musicais, destacam-se: tocou com RPM no disco Zum Zum (2004), em álbum solo do produtor Apollo Nove (2005) e em faixas dos cantores Seu Jorge e Ceo. Em 2016 fez a trilha sonora do filme Apneia, do diretor Maurício Eça.[carece de fontes?]

Em 2007 foi admitido como jurado do prêmio da Fundação Nuevo Perodismo Iberoamericano, na Colômbia, fundada por Gabriel García Márquez.[carece de fontes?]

Em 11 de dezembro de 2014, lançou seu livro em parceria com Romeu Tuma Júnior, "Assassinato de Reputações", lançado em 11 de dezembro de 2014, vendeu 120.000 cópias em quatro meses.[22]

Em janeiro de 2016, Claudio Tognolli passou a fazer parte do programa Morning Show, da rádio Jovem Pan. Ele comandou a bancada do matinal ao lado de Edgard Piccolli, Paula Carvalho, José Armando Vannucci.[23]

Em março de 2016 lançou o livro "Assassinato de Reputações II", novamente com Romeu Tuma Junior.[24][25] Tuma viria a prefaciar seu livro "A Caixa Preta da Abin", escrito com o tenente-coronel André Soares.[26]

Tognolli permaneceu na Jovem Pan até 15 de novembro de 2016, quando foi demitido da emissora.[27] O jornalista acusou o colega de casa, Reinaldo Azevedo, de "pedir a sua cabeça" para a direção da rádio, o que foi negado pelo mesmo.[28] Nos meses seguintes, Reinaldo Azevedo pediu demissão da Jovem Pan, deixando a ancoragem de Os Pingos nos Is.[29] Para substituí-lo, a emissora acabou recontratando Claudio Tognolli para fazer parte da nova equipe do programa,[30] que passou a ser ancorado por ele, por Joice Hasselmann e Felipe Moura Brasil a partir do dia 3 de julho de 2017.[31]Em 10 de outubro, Claudio Tognolli foi substituído no Os Pingos nos Is pelo também jornalista Augusto Nunes, pois Tognolli havia sido convocado para atuar novamente no programa Morning Show da mesma emissora.[32]

Dois de seus livros, "Assassinato de Reputações" e "Bem Vindo ao Inferno" estão em processo de filmagem. "Bem Vindo ao Inferno" teve prefácio assinado pelo juiz Sérgio Moro e de sua mulher, Rosângela Wolf Moro.[33]

Em 2017, lançou a versão impressa de seu primeiro romance, "Balenciaga Torres e os Corações Pelludos", que apareceu em versão digital em 2007.[34]

O jornalista estudou violão clássico e tem como time do coração o Corinthians.[35]

Seu livro "Laços de Sangue", lançado em novembro de 2017 pela Editora Matrix, junto ao procurador Márcio Sérgio Christino, gerou reação do PCC.[36]

Em janeiro de 2018 lançou seu vigésimo livro, "Nomes aos Bois", pela Matrix: uma profunda investigação contra a JBS.[37]

Na véspera do casamento real, divulgou fotos de Meghan de topless, o que causou reação na mídia inglesa.[38]

Na "Antologia do Politicamente Correto dos anos 80", obra com 24 faixas gravada pelo roqueiro Lobão, Tognolli fez os arranjos de guitarra de "Leve Desespero", originalmente gravada pelo Capital Inicial.[carece de fontes?]

Em 13 de julho de julho de 2017 o ex-senador Delcídio do Amaral foi inocentado pela Justiça das acusações que lhe pesavam. Foi dado assim sinal verde para conclusão da biografia de Delcídio, razão pela qual Tognolli abandonou a rádio Jovem Pan para poder se dedicar integralmente ao livro e cuidar de seu novo site www.claudiotognolli.com.br

BibliografiaEditar

  • 1996 - O Século do Crime (The Century of Crime) with José Arbex Jr. (Boitempo). ISBN 85-85934-09-3
  • 1997 - O Mundo Pós-Moderno (The Post-Modern World) (Scipione).
  • 2001 - A Sociedade dos Chavões (Escrituras). ISBN 85-7531-015-1
  • 2003 - Falácia Genética: a Ideologia do DNA (Genetic Fallacy: the DNA ideology) (Escrituras). ISBN 85-7531-109-3
  • 2007 - Mídia, Máfias and Rock n Roll (Editora do Bispo)
  • 2010 - 50 anos a mil, a biografia de Lobão (Nova Fronteira/Ediouro). ISBN 9788520924464
  • 2013 - Milton Neves, uma biografia (Lazuli/Companhia Editora Nacional). ISBN 9788578650759
  • 2014 - Assassinato de Reputações - Um crime de Estado (Topbooks). ISBN 9788574752280
  • 2016 - Assassinato de Reputações II – Muito além da Lava Jato. ISBN 9788582302422
  • 2016 - Ex-Agente Abre a Caixa Preta da ABIN (Escrituras). ISBN 9788575316436
  • 2017 - Balenciaga Torres e os Corações Pelludos (romance), (Matrix). ISBN 9788582303108
  • 2017 - Laços de Sangue: A História Secreta do PCC. 1. ed. São Paulo: Matrix. v1. 248p 
  • 2017 - Nomes aos Bois: A História das Falcatruas na JBS, 1 ed, São Paulo, Matrix, v1. 381 p ISBN 9788582304525
  • 2018 - A Porta Mágica: a História de Roy Cicala, o maior engenheiro de som do mundo, Saraiva/Benvirá, 144p

Referências

  1. «Claudio Tognolli». Virgula. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  2. a b «Our Journalists: Brazil» (em inglês). icij.org. Consultado em 5 de abril de 2016. Arquivado do original em 16 de abril de 2016 
  3. Revoluções por minuto "Claudio Julio Tognolli, 46 anos, não vendeu mais de 3 milhões de discos em sua carreira. Não fez parte da banda mais popular do país nos anos 80, não tocou em todos os programas de televisão, não foi objeto de descabelamento de milhares de mulheres nem inveja de milhares de homens no Brasil. Ele escreveu sete livros, trabalha hoje na biografia do músico Lobão e é professor, além de um dos maiores jornalistas investigativos do país." Consultado em 5 de abril de 2016.
  4. «Tognolli, Claudio Julio - LC Linked Data Service (Library of Congress)». id.loc.gov. Consultado em 5 de abril de 2016 
  5. «Currículo do Sistema de Currículos Lattes (Cláudio Júlio Tognoli)». USP. Consultado em 5 de abril de 2016 
  6. Eduardo Horácio Jr. (2 de novembro de 2013). «Entrevista / Claudio Tognolli». Observatório da Imprensa. Consultado em 8 de julho de 2017. Arquivado do original em 27 de maio de 2017 
  7. «Surfando o caos». Galileu. Consultado em 8 de julho de 2017. Cópia arquivada em 8 de julho de 2017 
  8. a b Terlânia Bruno (18 de abril de 2005). «Repórter do Futuro: Cláudio Tognolli inaugura novo módulo». Oboré. Consultado em 8 de julho de 2017 
  9. «Claudio Tognolli». Vírgula. UOL. 8 de novembro de 2011. Consultado em 8 de julho de 2017 
  10. «PF investiga Paulo Pinheiro por contas milionárias no exterior». Imprensa ABC. 6 de agosto de 2016. Consultado em 8 de julho de 2017 
  11. «Prêmio Folha de Jornalismo - 1993». Currículo Folha. Folha de S.Paulo. 10 de fevereiro de 1994. Consultado em 8 de julho de 2017 
  12. Jotabê Medeiros (22 de janeiro de 2014). «Morre em São Paulo Roy Joel Cicala, produtor de Sinatra e John Lennon». Cultura. O Estado de S. Paulo. Consultado em 8 de julho de 2017 
  13. Gabriel Mascarenhas (27 de março de 2017). «Livro conta a trajetória de um delator: Delcídio do Amaral». Radar On-line. Veja. Consultado em 8 de julho de 2017. (pede subscrição (ajuda)) 
  14. «Cláudio Tognolli retorna a Jovem Pan para reforçar Os Pingos nos Is». Portal Comunique-se. 26 de junho de 2017. Consultado em 27 de junho de 2017 
  15. «Cláudio Tognolli lista as bombas do momento e decreta: "a República vai cair"». Jovem Pan Online. UOL. 23 de junho de 2015. Consultado em 8 de julho de 2017 
  16. Miriam Abreu. «Cláudio Tognolli é o mais novo membro do Icij». O Jornal. Consultado em 8 de julho de 2017 
  17. «Participe do debate com jornalistas que discutem sobre redes sociais». Jornal da Paraíba. 27 de março de 2017. Consultado em 8 de julho de 2017 
  18. «Claudio Tognolli». AOL Notícias. AOL Brasil. Consultado em 8 de julho de 2017. Arquivado do original em 4 de maio de 2006 
  19. «Claudio Julio Tognolli». Brasil 247. Consultado em 8 de julho de 2017 
  20. «Claudio Tognolli e Alex Antunes estreiam como blogueiros no Yahoo Brasil». Portal dos Jornalistas. 23 de abril de 2014. Consultado em 8 de julho de 2017 
  21. Claudio Tognolli. «PCC do Ceará faz reza e promete levante». Topbuzz. Consultado em 11 de julho de 2017 
  22. «"Assassinato de Reputações" é o único livro de jornalismo entre os mais vendidos de 2014». Portal VOX. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 5 de abril de 2016. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  23. «Jornalista Claudio Tognolli retorna à Jovem Pan na bancada do Morning Show». Jovem Pan. 16 de janeiro de 2016. Consultado em 5 de abril de 2016 
  24. «Assassinato de Reputações – o X9 está de volta». Exame. 15 de março de 2016. Consultado em 5 de abril de 2016. Arquivado do original em 10 de abril de 2016 
  25. «Tuma Jr. descreve indústria de dossiê e acusa Lula de ter sido informante do Dops». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 31 de julho de 2017 
  26. «Ex-agente da Abin abre a tampa do esgoto». Folha de S.Paulo. Uol. 21 de maio de 2015. Consultado em 31 de julho de 2017 
  27. «Clima tenso: Jovem Pan demite Cláudio Tognolli e jornalista acusa Reinaldo Azevedo de pedir sua cabeça». DABEMTV. Consultado em 27 de novembro de 2016 
  28. Nathália Carvalho (22 de novembro de 2016). «Claudio Tognolli acusa Reinaldo Azevedo de pedir sua cabeça na Jovem Pan». Comunique-se. Consultado em 25 de junho de 2017 
  29. Carlos Massaro; Daniel Starck (23 de maio de 2017). «Plantão: Reinaldo Azevedo deixa Jovem Pan. 3 em 1 substitui Os Pingos nos Is». Tudo Rádio. Consultado em 25 de junho de 2017 
  30. «Jovem Pan anuncia Claudio Tognolli no programa 'Os Pingos Nos Is'». Reaçonaria. 23 de junho de 2017. Consultado em 25 de junho de 2017 
  31. Fabrício Falcheti (21 de junho de 2017). «Jovem Pan fecha com Joice Hasselmann e Felipe Moura Brasil para novo "Os Pingos nos Is"». NaTelinha. UOL. Consultado em 25 de junho de 2017 
  32. «Os Pingos nos Is - Edição de 10/10/2017». Jovem Pan Online. 10 de outubro de 2017 
  33. Robson Bonin. «Vana Lopes, a mulher que foi vítima e algoz de Roger Abdelmassih». VEJA. Abril. Consultado em 9 de julho de 2017 
  34. «Bandidagem literária». Trip. Uol. Consultado em 31 de julho de 2017 
  35. «Claudio Tognolli». Virgula. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  36. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/11/1935551-em-novo-livro-procurador-de-sp-diz-que-marcola-foi-informante-da-policia.shtml
  37. https://www.folhageral.com/noticia/2018/01/livro-conta-historia-das-trapacas-da-jbs/#axzz56VFgrCHL
  38. https://www.inquisitr.com/4905828/meghan-markle-again-the-victim-of-topless-photo-and-video-leak-ahead-of-royal-wedding/

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikidata Base de dados no Wikidata