Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Clevelândia do Norte
  Distrito do Brasil  
Estado  Amapá
Município Oiapoque
Criado em 15 de dezembro de 1951
Área
- Total 12 530,0 km²
População (2010)
 - Total 1 253 habitantes
    • Densidade 0,1 hab./km²

Clevelândia do Norte é um distrito do município brasileiro de Oiapoque, no interior do estado do Amapá. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população no ano de 2010 era de 1 253 habitantes, sendo 687 homens e 566 mulheres, possuindo um total de 428 domicílios particulares.[1] Foi criado pela lei federal nº 1.503, de 15 de dezembro de 1951.[2]

Trata-se de uma colônia militar brasileira, criada em 1919, que antigamente era chamada de "Colônia Militar do Oiapoque". Situa-se na margem direita do rio Oiapoque, a cerca de três quilômetros da cidade.

Índice

AcessoEditar

O deslocamento da colônia para Oiapoque é feito por meio de pequenas embarcações através do rio Oiapoque, num trajeto que dura 15 a 20 minutos. A largura do rio no trecho Clevelândia–Oiapoque varia entre 800 a 1 200 metros, com poucas ilhas no seu curso. Também é possível deslocar-se através de uma estrada cujo percurso demora de 5 a 10 min de carro.

Campo de ConcentraçãoEditar

Durante o Governo de Artur Bernardes (1922–1926) foi montado em Clevelândia um violento campo de concentração[3] lembrado como "inferno verde". Sobreviventes do episódio relataram ter sofrido, sob a guarda do Estado, por insalubridade, falta de estrutura, fome, tortura e trabalhos forçados. Em quatro anos dos 946 presos lá internados 491 morreram,[4] principalmente por doenças. Os prisioneiros políticos, vindos principalmente do Rio de Janeiro e São Paulo, eram militantes do movimento anarco-sindicalista que caracterizou as lutas sociais nas primeiras décadas do século XX e foram presos no bojo da repressão ao movimento tenentista. Também havia presos comuns no campo. Frequentemente citada por Monteiro Lobato no livro "Mr. Slang e o Brasil" como o lugar para onde corriam o risco de serem mandados os cérebros pensantes do pais[3].

Ver tambémEditar

Referências

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (16 de novembro de 2011). «Sinopse por setores». Consultado em 29 de setembro de 2013 
  2. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Oiapoque - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 29 de setembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 29 de setembro de 2013 
  3. a b Romani, Carlo. Clevelândia (oiapoque). colônia penal ou campo de concentração? Revista Eletrônica da PUC.
  4. Pinheiro, Paulo Sérgio Viagem ao Núcleo Colonial Cleveland

Ligações externasEditar