Cneu Afrânio Dexter

político

Cneu Afrânio Dexter (em latim: Gnaeus Afranius Dexter; m. 24 de junho de 105) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto para o nundínio de maio a agosto de 105 com Caio Júlio Quadrado Basso[1]. É famoso por ter sido assassinado por seus próprios escravos durante seu mandato. Segundo o direito romano da época, se um senhor de escravos fosse assassinado em sua própria casa por seus escravos, todos poderiam ser executados e seus libertos seria re-escravizados (com base na presunção de que eles deveriam tê-lo defendido). Plínio, o Jovem, relata que ele próprio lutou no Senado para que todos fossem absolvidos[2].

Cneu Afrânio Dexter
Cônsul do Império Romano
Consulado 105 d.C.
Morte 105 d.C.

Depois de sua morte, Quinto Cecílio Honorato foi nomeado sufecto para terminar seu nundínio.

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
'Sexto Ácio Suburano Emiliano II

com Marco Asínio Marcelo

Tibério Júlio Cândido Mário Celso II
105

com Caio Âncio Aulo Júlio Quadrado II
com Caio Júlio Quadrado Basso (suf.)
com Cneu Afrânio Dexter (suf.)
com Quinto Cecílio Honorato (suf.)
com Marco Vitório Marcelo (suf.)
com Caio Cecílio Estrabão (suf.)

Sucedido por:
'Lúcio Ceiônio Cômodo

com Sexto Vetuleno Cívica Cerial
com Lúcio Minício Natal (suf.)
com Quinto Licínio Silvano Graniano Quadrônio Próculo (suf.)


Referências

  1. Fasti Ostienses, edited Ladislav Vidman (Prague: Acadamia, 1982), frag. Ha l. 3; pp. 46, 99
  2. Plínio, o Jovem, Epístolas VIII.14