Colônia de New Haven

   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   


Colônia de New Haven

Colônia da Inglaterra

1638 – 1664 Red Ensign of Great Britain (1707–1800, square canton).svg

Bandeira de {{{nome_comum}}}

Bandeira da Inglaterra
Localização de {{{nome_comum}}}
Mapa das colônias de Connecticut, New Haven e Saybrook.
Continente América do Norte
Capital New Haven
Língua oficial Inglês
Religião Puritanismo
Governo Monarquia Constitucional Colonial
História
 • 1638 Criação do assentamento em 1637
 • 1664 Absorção pela Colônia de Connecticut
Atualmente parte de  Estados Unidos
   Connecticut

A Colônia de New Haven, foi uma pequena colônia inglesa na América do Norte de 1637 a 1664, no que é hoje o estado de Connecticut.[1]

HistóricoEditar

A história da colônia foi uma série de decepções e fracassos. O problema mais sério era que a colônia de New Haven nunca possuiu uma carta-patente que desse título legal à existência. A colônia maior e mais forte de Connecticut, ao Norte, tinha uma carta-patente, e Connecticut foi agressivo ao usar sua superioridade militar para forçar uma aquisição.

New Haven também tinha outras fraquezas: os líderes eram empresários e comerciantes, mas nunca foram capazes de construir um comércio grande ou lucrativo porque sua base agrícola era pobre, cultivar o solo rochoso era difícil e o local era isolado. O sistema político de New Haven estava restrito apenas aos membros da igreja, e a recusa em ampliá-lo afastou muitas pessoas.

Oliver Cromwell recomendou que todos os colonos de New Haven migrassem para a Irlanda ou para os territórios espanhóis que ele planejava conquistar, mas os puritanos de New Haven estavam comprometidos com sua nova terra. Uma a uma, entre 1662 e 1664, as cidades se uniram à Colônia de Connecticut até restarem apenas três, e se submeteram totalmente a Connecticut em 1664.[2] Tornou-se a atual cidade de New Haven.

FundaçãoEditar

Em 1637, um grupo de comerciantes de Londres e suas famílias se mudaram para Boston com a intenção de criar um novo assentamento. Os líderes eram John Davenport, ministro puritano, e Theophilus Eaton, um rico comerciante que trouxe £ 3.000 para o empreendimento. Ambos tinham experiência em equipar embarcações para a "Colônia da Baía de Massachusetts". Os dois navios que fretaram chegaram a Boston em 26 de junho de 1637. Eles aprenderam sobre a área ao redor do rio Quinnipiac com milícias envolvidas na Guerra de Pequot, então Eaton partiu para ver a área no final de agosto.[3] O local parecia ideal para o comércio, com um bom porto entre Boston e a cidade holandesa de Nova Amsterdã, em Manhattan, e bom acesso às peles dos assentamentos de Hartford e Springfield no vale do rio Connecticut.

Theophilus Eaton voltou a Boston, deixando sete homens para permanecer durante o inverno e fazer os preparativos para a chegada do resto da empresa. O corpo principal de colonos desembarcou em 14 de abril de 1638, totalizando cerca de 250, com a adição de alguns de Massachusetts. Várias das primeiras habitações eram cavernas ou "celas", parcialmente subterrâneas e esculpidas em encostas.[3]

Os colonos não tinham nenhuma carta oficial. Em seu livro, Channing diz que eles eram invasores,[4] enquanto em outro livro, Atwater sustenta que a compra de terras aos nativos locais foi efetuada algum tempo antes de sua chegada em abril, embora nenhuma escritura tenha sido assinada até 24 de novembro de 1638.[3] Uma segunda escritura foi assinada em 11 de dezembro de 1638 para uma área ao Norte da primeira compra. A escritura com os indígenas Wepowauge (Milford) foi assinada em 12 de fevereiro de 1639 e a com os Menunkatuck (Guilford) em 29 de setembro de 1639.[5]

Acordo fundamentalEditar

Em 1639, os colonos adotaram um "Acordo Fundamental" ("Fundamental Agreement of the New Haven Colony") para o autogoverno, em parte como resultado de uma ação semelhante na Colônia de Connecticut. De acordo com seus termos, um tribunal composto por 16 burgesses foi estabelecido para nomear magistrados e oficiais e conduzir os negócios da colônia. Os únicos eleitores capacitados foram "plantadores" que eram membros de algumas igrejas "aprovadas" da Nova Inglaterra. Isso excluiu servidores contratados, residentes temporários e pessoas transitórias, consideradas como não tendo interesse permanente na comunidade.[6]

Eles determinaram ainda que: "a palavra de Deus será a única regra a ser observada na ordenação dos assuntos do governo nesta plantação".[6] Theophilus Eaton foi escolhido primeiro magistrado.

Em 23 de outubro de 1643, New Haven foi combinada com as cidades independentes de Milford e Guilford e denominada Colônia de New Haven. Eaton serviu como governador até sua morte em 1658. A Bíblia não contém nenhuma referência a julgamento por júri, de modo que os colonos o eliminaram e os magistrados comandavam os julgamentos.[7]

Os líderes tentaram inúmeros empreendimentos de comércio, mas todos falharam. Grande parte do dinheiro foi para um grande navio enviado para Londres em 1646, com £ 5.000 em carga de grãos e peles de castores. Ele nunca chegou.[8] O ministro Davenport era um intelectual formado em Oxford e fundou uma escola de gramática e queria estabelecer uma faculdade. O "Yale College" foi aberto em 1701, muito depois de sua morte.

Confederação das Colônias Unidas da Nova InglaterraEditar

O sucesso da colônia logo atraiu outros crentes, bem como aqueles que não eram puritanos. Eles se expandiram para outras cidades (chamadas "plantações"), estabelecendo Milford e Guilford no continente em 1639, e Stamford e Southold no "North Fork" de Long Island em 1640, formando o componente original da confederação que se autodenominava Colônias Unidas da Nova Inglaterra.[3] A cidade de Branford ingressou em 1643 e foi a última plantação oficial da Confederação de New Haven. Eles basearam seu governo no da Colônia da Baía de Massachusetts.

Nova Jersey, Filadélfia e Oceano PacíficoEditar

Em 1641, a colônia reivindicou a área que atualmente é South Jersey e Filadélfia depois de comprar terras ao Sul de Trenton, ao longo do rio Delaware, da tribo Lenape. Cape May e Salem ambas em Nova Jérsei, estavam entre as comunidades que foram fundadas.[9]

O tratado com os Lenape não impunha nenhum limite para o Oeste nas terras que ficavam também a Oeste do Delaware, que se tornou a base legal para uma reivindicação "mar a mar" de Connecticut de possuir toda a terra em ambos os lados do Delaware, do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico. Isso preparou o terreno para a Guerra Pennamite-Yankee que aconteceria 150 anos depois.

Em 1642, 50 famílias em um navio capitaneado por George Lamberton se estabeleceram na foz do rio Schuylkill para estabelecer o posto comercial no que é hoje a Filadélfia. Os holandeses e suecos que já estavam na área queimaram seus prédios, e um tribunal na Nova Suécia condenou Lamberton de "invasão conspirada com os índios".[10] A colônia de New Haven não recebeu apoio de seus patronos da Nova Inglaterra, e o governador puritano John Winthrop testemunhou que a "Colônia de Delaware" "se dissolveu" devido a "doenças e mortalidade".[11]

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Andrews (1936), p. 144-194.
  2. Andrews (1936), p. 187-194.
  3. a b c d Atwater, Edward Elias (1881). History of the Colony of New Haven to Its Absorption Into Connecticut (em inglês). [S.l.]: Author. 611 páginas. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  4. Channing, Edward (1905). A History of the United States (em inglês). [S.l.]: University Press of America (publicado em 1993). p. 408-411. 550 páginas. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  5. White, Henry; et al. (1865). Papers of the New Haven Colony Historical Society (em inglês). 1. [S.l.]: New Haven Colony Historical Society. p. 1-10. 395 páginas. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  6. a b Bacon, Leonard; et al. (1865). Papers of the New Haven Colony Historical Society (em inglês). 1. [S.l.]: New Haven Colony Historical Society. p. 11-27. 395 páginas. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  7. McManus, Edgar J. (1993). Law and Liberty in Early New England: Criminal Justice and Due Process, 1620-1692 (em inglês). [S.l.]: University of Massachusetts Press. p. 103. 279 páginas. ISBN 978-0-87023-824-6. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  8. Calder, Isabel M. (1937). The New Haven Colony (em inglês). [S.l.]: Yale University Press. 301 páginas. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  9. Benson J. Lossing, LL.D. (2011). «1638 - New Haven - The Independent Colony» (em inglês). ColonialWarsCT.org. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  10. Eric William Lamberton (20 de setembro de 2004). «Re: Capt. George Lamberton». LAMBERTON-L Archives (em inglês). rootsweb.com. Consultado em 1 de novembro de 2019. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2007 
  11. Fred Kunchick (2002). «New Sweden» (em inglês). USGenNet. Consultado em 1 de novembro de 2019 

BibliografiaEditar

Leitura adicionalEditar

Ligações externasEditar