Collateral Damage

filme de 2002 dirigido por Andrew Davis
Collateral Damage
Danos Colaterais[1] (PRT)
Efeito Colateral[2] (BRA)
 Estados Unidos
2002 •  cor •  109 min 
Direção Andrew Davis
Produção Hawk Koch
Nicholas Meyer
Coprodução John Schimmel
Produção executiva Hawk Koch
Nicholas Meyer
Roteiro David Griffiths
Ronald Roose
Elenco Arnold Schwarzenegger
Elias Koteas
Francesca Neri
Cliff Curtis
John Leguizamo
John Turturro
Gênero ação
suspense
Música Graeme Revell
Cinematografia Adam Greenberg
Figurino James W. Tyson
Edição Dave Hoenig
Denis Virkler
Companhia(s) produtora(s) Bel-Air Entertainment
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento Estados UnidosBrasil 8 de fevereiro de 2002[3]
Idioma inglês
espanhol
Orçamento US$ 85 milhões
Receita US$ 78,382,433

Collateral Damage (Brasil: Efeito Colateral /Portugal: Danos Colaterais) é um filme de ação e suspense estadunidense de 2002, dirigido por Andrew Davis e estrelado por Arnold Schwarzenegger, Elias Koteas, Francesca Neri, Cliff Curtis, John Leguizamo e John Turturro. O filme foi lançado nos Estados Unidos em 8 de fevereiro de 2002.[4]

O filme conta a história do bombeiro de Los Angeles, Gordon Brewer (Arnold Schwarzenegger), que procura vingar a morte de seu filho e esposa nas mãos de um comando de guerrilha, viajando para a Colômbia e enfrentando os assassinos de sua família. O roteiro original do filme tinha o mesmo enredo, mas teria abordado a política americana no Oriente Médio ocorrendo na Líbia; o diretor Davis e seus roteiristas escolheram a Colômbia como o novo local, porque não havia sido usado tão extensivamente e não tocava em uma área de conflito geopolítico atual. O notável ativista anti-guerra Stan Goff foi contratado como consultor, mas depois descreveu o filme como horrível e afirmou que assumir o cargo foi o pior erro que ele já havia cometido.

SinopseEditar

Uma bomba detona na praça do edifício do consulado colombiano em Los Angeles, matando nove pessoas, incluindo uma caravana de funcionários colombianos e agentes de inteligência americanos. Entre os civis mortos estão a esposa e o filho do bombeiro do LAFD, capitão Gordon "Gordy" Brewer, que foi ferido na explosão. Uma fita é enviada ao Departamento de Estado dos Estados Unidos, no qual um homem mascarado que se autodenomina "El Lobo" assume responsabilidade, explicando que estava em retaliação à opressão da Colômbia pelos Estados Unidos. O FBI acredita que El Lobo é um terrorista colombiano chamado Claudio Perrini. O agente especial da CIA Peter Brandt, chefe da estação na Colômbia, é severamente repreendido pelo incidente por um Comitê de Supervisão do Senado, que imediatamente encerra todas as operações da CIA na Colômbia. Brandt, irritado, volta a Mompós e se reúne com seus aliados paramilitares para planejar uma grande ofensiva para derrubar Claudio.

Frustrado com a burocracia política referente à investigação, Brewer viaja para Mompós para caçar Claudio, mas é rapidamente preso por entrada ilegal. Os guerrilheiros encenam uma prisão para libertar seus camaradas e raptar Brewer para exigir um grande resgate por ele. A unidade de Brandt é alertada sobre a presença de Brewer na Colômbia, mas chega tarde demais. Brewer escapa da prisão, evita ser capturado e garante um passe na zona de guerrilha do mecânico canadense Sean Armstrong. Armstrong o apresenta ao traficante de drogas Felix Ramirez, gerente da instalação de distribuição de cocaína que financia os guerrilheiros. Fingindo ser mecânico, Brewer produz vários explosivos improvisados ​​e destrói a instalação. Felix é culpado pela destruição da fábrica de drogas e é executado na frente dos olhos de Brewer. Brewer se infiltra na sede de Claudio e planta uma bomba para matá-lo, mas ele é capturado quando tenta impedir que uma mulher, Selena, seja apanhada no raio da explosão junto com seu filho, Mauro. Na casa de Claudio, Selena revela que ela é a esposa de Claudio. Ela e Claudio perderam o próprio filho durante um ataque americano, o que obrigou Claudio a se tornar um terrorista; Selena encontrou e adotou Mauro, cujos pais foram mortos no ataque. No entanto, Selena simpatiza com Brewer e admite que Claudio está planejando outro atentado em Washington, D.C.

Enquanto isso, a unidade de Brandt localiza o complexo de Claudio e lança um ataque. Durante o tiroteio que se seguiu, Selena ajuda a libertar Brewer e, juntamente com Brandt, viaja de volta ao Departamento de Estado em Washington, D.C. para ajudar no esforço de busca de Claudio. Selena identifica Union Station como o alvo, e o FBI investiga. Sob o pretexto de usar o banheiro, Selena se desculpa da sala de comando e fica irritada quando Mauro se recusa a ir com ela. Quando Brewer vê Selena fazendo o mesmo gesto que o homem mascarado que afirmava ser El Lobo na fita, ele percebe que era ela o Lobo o tempo todo, e Claudio serve como sua figura de proa, e que todo o motivo por trás de sua causa é a vingança pessoal, pela morte de sua filha nas mãos dos EUA. Além disso, Brewer supõe que o alvo real é o Departamento de Estado e que ele foi usado para ajudar Selena a superar a segurança do edifício. Brewer rapidamente joga o dinossauro de brinquedo carregado de bomba de Mauro pela janela momentos antes de explodir. Brandt, percebendo as suspeitas de Brewer, é baleado e morto tentando impedir Selena de fugir do prédio.

Brewer persegue Selena até o porão do prédio, onde ela e Claudio andam pelos túneis em uma motocicleta. Brewer encontra o console de controle do túnel e fecha os portões, impedindo sua fuga. São abertas algumas linhas de gás ao longo das paredes do túnel e, quando voltam, Selena atira em Brewer, acendendo o gás. Brewer pula por uma porta no momento em que o túnel inteiro explode. Selena e Claudio sobrevivem à explosão, no entanto, e o atacam simultaneamente. Depois de uma briga curta, corpo a corpo, Selena é eletrocutada ao ser jogada no circuito exposto do painel de controle, e Claudio é finalmente morto quando Brewer joga um machado em seu peito.

No rescaldo, Brewer carrega Mauro em seus braços quando eles saem do Departamento de Estado. Uma narração de um noticiário explica que Brewer receberá a Medalha Presidencial da Liberdade por impedir que um dos piores ataques terroristas da história dos EUA ocorra.

ElencoEditar

 
Francesca Neri interpreta Selena Perrini
  • Arnold Schwarzenegger como Capitão Gordon "Gordy" Brewer, bombeiro de Los Angeles que procura terroristas colombianos responsáveis ​​pela morte de sua esposa e filho.
  • Elias Koteas como Peter Brandt, chefe da estação da CIA na Colômbia.
  • Francesca Neri como Selena Perrini, esposa de Claudio.
  • Cliff Curtis como Claudio Perrini, um terrorista colombiano conhecido como Lobo.
  • John Leguizamo como Felix Ramirez, gerente da instalação de distribuição de cocaína.
  • John Turturro como Sean Armstrong, um mecânico canadense.
  • Lindsay Frost como Anne Brewer, esposa de Gordy.
  • Ethan Dampf como Matt Brewer, filho de Gordy.
  • Miguel Sandoval como agente especial do FBI Joe Phipps, o agente do FBI responsável.
  • Harry Lennix como agente do FBI Dray, parceiro do FBI em Phipps
  • Jane Lynch como agente Russo
  • Tyler Posey como Mauro, filho adotivo de Selena e Claudio.
  • Fernando Sarfati como Federale
  • Jsu Garcia como Roman, o braço direito de Claudio.
  • Michael Milhoan como Jack, companheiro bombeiro de Gordon.
  • Rick Worthy como Ronnie, companheiro bombeiro de Gordon.
  • Raymond Cruz como Junior, companheiro bombeiro de Gordon.
  • J. Kenneth Campbell como Ed Coonts, ex-conselheiro militar da Colômbia que dá conselhos a Brewer para sobreviver à Colômbia.
  • Rodrigo Obregón como Rodrigo
  • Michael Cavanaugh como Presidente Paul Devereaux
  • Nicholas Pryor como Senator Delich

FilmagensEditar

O filme foi filmado em Los Angeles, Nova Iorque e Washington, D.C.. As cenas que representam a Colômbia foram filmadas na cidade de Coatepec, no estado de Veracruz, no México.[3] As filmagens no México duraram dez semanas. Os primeiros foram gravados durante as primeiras oito semanas e depois voltaram a rodar outras duas.[5][ligação inativa]

LançamentoEditar

Os ataques de 11 de setembro de 2001 afetaram o lançamento e a edição do filme final. O trailer original foi descartado porque mostrou um grande ataque a bomba nos Estados Unidos. O filme foi originalmente programado para ser lançado em 5 de outubro de 2001, mas foi adiado devido ao seu tema de terrorismo e finalmente lançado em 8 de fevereiro de 2002. A estréia foi realizada quatro dias antes.[6] Collateral Damage também deveria incluir a atriz colombiana Sofía Vergara no papel de seqüestradora de avião; no entanto, a cena em que Vergara seqüestraria um avião foi cortada do filme.[7] O filme faturou US$78 milhões em todo o mundo com seu orçamento de US$85 milhões.[8] A Warner Brothers lançou o DVD nos Estados Unidos em 30 de julho de 2002.[9]

Referências

  1. Collateral Damage no Canal Hollywood (Portugal)
  2. Collateral Damage no AdoroCinema (Brasil)
  3. a b Schwarzenegger lidera bilheteria nos EUA Estadão
  4. «Warner Bros. Pictures to Release Action Thriller ``Collateral Damage, Starring Arnold Schwarzenegger, Nationwide on February 8, 2002». Business Wire. Berkshire Hathaway. 14 de novembro de 2001. Consultado em 9 de junho de 2019. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2001 – via Yahoo.com 
  5. Schwarznegger.com
  6. Karger, Dave (12 de fevereiro de 2002). «Collateral Damage tops the box office». Entertainment Weekly. Consultado em 13 de junho de 2015 
  7. «Collateral Damage». E! Online. Consultado em 13 de junho de 2015 
  8. «Collateral Damage». Box Office Mojo. Consultado em 13 de junho de 2015 
  9. Holm, D. K. (5 de julho de 2002). «Collateral Damage». DVD Talk. Consultado em 13 de junho de 2015 

Ligações externasEditar

  A Wikipédia tem os portais: