Abrir menu principal

Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Comitê Central foi o mais alto corpo dirigente do Partido Comunista da União Soviética.

De acordo com as regras do Partido, o Comitê dirigia todo o Partido e as atividades governamentais entre cada Congresso do Partido Comunista, com o Politburo eleito e se reportando ao Comitê Central. Os membros deste comitê eram eleitos a cada cinco anos no congresso do partido. Durante a maior parte de sua existência, seu poder foi limitado pela inconstância na frequência de suas reuniões - apenas duas vezes por ano em reuniões que duravam dois dias - e pelo grande número de membros e o verdeiro poder foi exercido pelo Politburo; na verdade, ele funcionava na prática como um carimbo e dava uma aura de consenso às decisões tomadas pelo Politburo.

De 1917 a 1934, o Comitê Central atuou como um Parlamento (e, nos primeiros anos, como um Politburo de facto), mas uma ocasional oposição a Josef Stalin ocasionou um expurgo em suas fileiras no final dos anos 30 e até a morte de Stalin seu papel tornou-se quase inexistente. Após a morte do líder, houve um período de liderança coletiva que revitalizou o Comitê até ele retornar a seu lugar de preponderância na política soviética.

Entretanto, o Comitê teria um papel crítico na carreira política de Nikita Kruschev. Em 1957, ele recusou uma decisão do Presidium (nome do Politburo no período) a favor da deposição do secretário-geral e líder do comitê. Kruschev, com a ajuda do Marechal Jukov, conseguiu o apoio do Comitê contra o que ele chamou de grupo anti-partido, comandado por ex-líderes stalinistas como Viatcheslav Molotov e Gueórgui Malenkov. Sete anos depois, em outubro de 1964, uma reunião deste mesmo Comitê assinaria a deposição de Kruschev.

Sua última decisão digna de nota ocorreu em março de 1985 quando elegeu o político reformista Mikhail Gorbachev como secretário-geral do PCUS com a margem de apenas um voto contra o "linha-dura" Viktor Grishin. Foi finalmente dissolvido após a tentativa de golpe de 1991, junto com o Partido Comunista da URSS.

Líderes do Comitê Central do Partido ComunistaEditar