Abrir menu principal

Companhia Nacional de Bailado

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Julho de 2008). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Companhia Nacional de Bailado
(CNB)
Fundação 1977
Sede R. Vítor Cordon 20, Lisboa
Paulo Ribeiro
Sítio oficial www.cnb.pt

A Companhia Nacional de Bailado (CNB) é uma companhia de dança clássica portuguesa.[1] Foi criada em 1977 e é considerada o organismo de referência no país em dança clássica.[carece de fontes?] Sediada em Lisboa, é a única companhia estatal com uma programação de dança em Portugal e também a única com um corpo permanente de artistas, que lhe permite garantir temporadas regulares de espetáculos no Teatro Camões (depois de, nas suas duas primeiras décadas, a principal sala da companhia ter sido o Teatro Nacional São Carlos), e um pouco por todo o país (Portugal continental e ilhas), além das digressões ao estrangeiro. 

Fundada por iniciativa governamental com objetivos de serviço público, a companhia tem duas missões, que se complementam: uma de índole patrimonial, a preservação e divulgação do reportório balético mundial, através da produção de espetáculos de bailado clássico; e a permanente atualização desta forma de arte, com a apresentação de coreografias modernas e contemporâneas de coreógrafos nacionais e estrangeiros, algumas das quais concebidas para a CNB no âmbito da sua política de incentivo à criação. O resultado é um reportório acentuadamente eclético, que atravessa séculos, estilos e técnicas, enquanto mantém uma forte marca identitária portuguesa e europeia.

Assim, da sua história fazem parte as primeiras produções profissionais em Portugal de bailados clássicos em versão integral, como La Fille Mal Gardée, O Lago dos Cisnes, Dom Quixote, La Sylphide, La Bayadère, Paquita,Coppélia, Romeu e Julieta, O Pássaro de Fogo ou A Sagração da Primavera, bem como um continuado investimento na revisão e releitura destas obras canónicas, através de encomendas a criadores que as reinterpretam à luz dos nossos dias, frequentemente em diálogo com a História do país. 

Os espetáculos da CNB ao longo destes 40 anos incluem trabalhos da autoria de destacados coreógrafos internacionais como George BalanchineVaslav Nijinsky, Serge Lifar, Kurt Jooss, José Limón, Lar Lubovitch, Michael Corder, Hans van Manen, Robert North, Heinz Spöerli, Nacho Duato, Mauro Bigonzetti,Henri Oguike,Cayetano Soto, Ohad Naharin, William Forsythe, Anne Teresa de Keersmaeker e Akram Khan, e coreógrafos portugueses como Armando Jorge, Fernando Lima, Carlos Trincheiras, Rui Lopes Graça, Olga Roriz, Vasco Wellenkamp, Paulo Ribeiro, Rui Horta, Clara Andermatt ou Fernando Duarte, entre outros. 

A diversidade estética, alimentada também por uma intensa ligação da dança com outras expressões artísticas – música, cinema, drama, poesia, fotografia –, resulta numa companhia reconhecidamente atual, atenta às suas responsabilidades patrimoniais e simultaneamente muito aberta à influência de jovens criadores, incluindo coreógrafos, dramaturgos e compositores emergentes. 

Sofia Campos é a diretora artístico da companhia, sucedendo a Paulo Ribeiro (2016-2018), Luísa Taveira (2010-2016 e 1999-2000), Vasco Wellenkamp (2007-2010), Mehmet Balkan (2002-2007), Marc Jonkers (2001-2002), Jorge Salavisa (1996-1999), Isabel Santa Rosa (1994-1996) e Armando Jorge (1978-1993). A sede da CNB é na Rua Vítor Cordon, no Chiado.

Índice

Directores ArtísticosEditar

Referências

  1. LAGARTINHO, Rui. «As apostas sólidas e inovadoras da Companhia Nacional de Bailado». O CORVO, sítio de Lisboa. Consultado em 12 de abril de 2018.. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2013 

Ligações externasEditar

Referências

  Este artigo sobre dança é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.