Companhia Riograndense de Telecomunicações

Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT) foi uma empresa pública brasileira operadora de telefonia fixa e móvel (com o nome de Celular CRT) que operava no estado do Rio Grande do Sul, exceto nas cidades de Pelotas e Capão do Leão, que eram atendidas pela CTMR.

CRT
Razão social Companhia Riograndense de Telecomunicações
Empresa estatal (1962-1995)
Sociedade de economia mista (1995-1998)
Atividade Telecomunicações
Fundação 16 de fevereiro de 1962
Encerramento dezembro de 2000
Sede Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Área(s) servida(s) Estado do Rio Grande do Sul (exceto região de Pelotas e Capão do Leão)
Proprietário(s) Governo do Estado do Rio Grande do Sul (1962-1998)
Telefónica (1998-2000)
Subsidiárias Celular CRT
Antecessora(s) Companhia Telefônica Nacional
Sucessora(s) Brasil Telecom (atual Oi)

HistóriaEditar

Foi criada em 16 de fevereiro de 1962, durante o governo de Leonel Brizola, que cassou as concessões e estatizou a antiga Companhia Telefônica Nacional (na época, uma filial da estadunidense International Telephone and Telegraph), que atuava no estado.[1][2] Entre os anos de 1972 a 1998, a CRT foi associada ao sistema Telebras. Em 1993, foi considerada pela revista Exame como a melhor empresa de serviços públicos do país.[3]

Em 1995, foi privatizada parcialmente e em 1998, foi vendida à Telefónica, durante o governo de Antonio Britto. Em julho de 2000, a Telefónica anunciou a venda da CRT para a Brasil Telecom pelo valor de US$ 800 milhões, sendo incorporada à empresa em dezembro do mesmo ano.[4] Em 2008, a Brasil Telecom foi vendida à Oi.[3] O sistema celular continuou como Telefônica Celular, que em 2003 foi uma das formadoras da Vivo.[carece de fontes?]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do Brasil. «TELEBRAS». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  2. ALMEIDA, PAULO ROBERTO DE (1 de janeiro de 2017). O homem que pensou o brasil. [S.l.]: Appris Editora e Livraria Eireli - ME. ISBN 9788547304850 
  3. a b «1973: confira a foto da inauguração do primeiro orelhão de Porto Alegre». GaúchaZH. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  4. «Brasil Telecom compra a CRT por US$ 800 milhões». Folha de Londrina. Consultado em 18 de novembro de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre telefonia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.