Abrir menu principal

Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo

Companhia de Telecomunicações
do Estado de São Paulo -
Cotesp
Atividade Telecomunicações
Fundação 11 de setembro de 1964 (55 anos)
Encerramento 1 de abril de 1976 (43 anos)
Sede São Paulo
Área(s) servida(s)  São Paulo
Proprietário(s) Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE)
Antecessora(s) Companhia Telefônica Tupi
Sucessora(s) Telecomunicações de São Paulo (TELESP)

Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP) foi uma empresa estadual de telefonia fixa criada no ano de 1964 para atender diversos municípios e regiões que não dispunham até aquela época de serviço telefônico, tanto local como interurbano[1].

HistóriaEditar

InícioEditar

Criada no governo Ademar de Barros, originou-se com a compra das ações da antiga Companhia Telefônica Tupi pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Começou a atuar de forma emergencial nas áreas atendidas pela Companhia Telefônica Tupi (Litoral Norte e Zona da Serra - Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela, Paraibuna e outros, além do município fluminense de Paraty), onde os serviços telefônicos achavam-se em situação de colapso total[1].

Passou a administrar os serviços urbanos explorados pelo DAEE no Litoral Sul (Registro, Cananeia, Pedro de Toledo e outros municípios) e na Alta Araraquarense (diversos municípios entre Fernandópolis e Santa Fé do Sul)[1]. Também assumiu os sistemas intermunicipais que estavam sendo construídos pelo DAEE nas regiões do Alto Ribeira (Serviço Rádio Telefone do Litoral Sul e Alto Ribeira) e Média Noroeste (Serviço Telefônico da Alta Araraquarense e Média Noroeste)[2].

ExpansãoEditar

No final da década de 60 e início da década de 70 incorporou diversos sistemas telefônicos municipais e passou a administrar a Telefônica Sul Paulista de Capão Bonito, a Cia. Telefônica Registro e a Empresa Melhoramentos de Andradina[3].

Só que em 1971 a situação da COTESP estava caótica, levando o governador Abreu Sodré, após ouvidos técnicos do estado e da União, a optar pela incorporação da empresa pela Companhia Telefônica Brasileira como única solução[4]. No entanto, antes que se tornasse efetiva a incorporação, o estado passou a ser administrado pelo governador Laudo Natel, que rejeitou a proposta, justificando a condição de deficitária da COTESP devido a sua missão social de servir as zonas mais pobres do estado.

Em março de 1972 o ministro Hygino Corsetti tenta dissuadir o governador Laudo Natel da posição em que se colocara, para efetivar a incorporação da COTESP pela Companhia Telefônica Brasileira, mas não obteve sucesso. A partir daí teve sua situação agravada ainda mais, assumindo obsoletos serviços municipais, mesmo o Ministério das Comunicações tendo baixado portarias proibindo transferência de concessões[4].

Incorporação pela TelespEditar

Como o Ministério das Comunicações estabeleceu como política básica para realização dos grandes planos de expansão a integração operacional nos estados e territórios, deu entrada na Câmara Federal em junho de 1973 um projeto de lei para desapropriar as ações da COTESP e incorporá-la a Telebras[5].

Mas a incorporação somente começou a se concretizar a partir de outubro de 1973, através de um convênio firmado entre a COTESP e a Telecomunicações de São Paulo (TELESP), empresa-pólo da Telebras no estado e sucessora da Companhia Telefônica Brasileira[6], com a interveniência do governo Laudo Natel e do Ministério das Comunicações (do qual ainda era ministro Hygino Corsetti).

Pelo convênio foram transferidos para a TELESP todo seu serviço interurbano, além das concessões dos serviços urbanos de 89 localidades, além de ser elaborado em conjunto o Plano Diretor Estadual de Telecomunicações, sob a coordenação da Telebras (presidida na época por Euclides Quandt de Oliveira), pelo qual até o ano de 1980 a média de telefones no estado deveria ser de 12 por 100 habitantes e que cidades com mais de 10 mil habitantes deveriam estar interligadas ao sistema DDD[7].

Já os serviços urbanos das demais 86 localidades que faziam parte do seu plano de expansão e do plano geral de automatização só foram transferidos para a TELESP em 1975[8][9] e a empresa incorporada definitivamente em 1976[10].

Centrais telefônicasEditar

Centrais automáticasEditar

A COTESP construiu e implantou centrais telefônicas automáticas nas décadas de 60 e 70, sendo que os prédios das centrais são utilizados até hoje pela Vivo, mas são bens imóveis passíveis de reversão (bens reversíveis)[11][12]. Diferente de outras companhias telefônicas, os prédios das centrais foram projetados para atender as necessidades locais sem perder de vista os aspectos arquitetônicos, harmonizados com as características urbanísticas de cada localidade. Nas menores cidades foram construídos prédios-padrão modulados, e as maiores receberam prédios especiais de até cinco pavimentos.

Andradina, Aparecida, Campos do Jordão (com duas centrais - Abernéssia e Emílio Ribas)[19], Capão Bonito, Itararé e Nhandeara foram as cidades em que a COTESP passou a operar e que já contavam com sistema telefônico automático[2]. Também foram eliminadas zonas mudas a partir do ano de 1971, com a instalação de Postos de Serviços (PS) em diversas localidades[3][20].

Sistemas DDD/DDIEditar

Campos do Jordão foi a única cidade a receber o sistema de Discagem Direta à Distância (DDD) enquanto ainda era atendida pela COTESP, em abril de 1974[21]. Já o sistema de Discagem Direta Internacional (DDI) foi inaugurado na cidade pela TELESP.

Área de coberturaEditar

Localidades transferidas para a Telesp em 1973Editar

Com centrais manuais:

Com postos de serviços (PS):

Localidades transferidas para a Telesp em 1975Editar

Com centrais automáticas MFC:

Com centrais automáticas decádicas e prédios modulados:

Com centrais manuais:

Com postos de serviços (PS):

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Inauguração da COTESP em 1964» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  2. a b «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Empresas telefônicas». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  3. a b «Cotesp - Relatório Anual de 1971» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  4. a b «CTB tenta incorporar a COTESP - janeiro de 1973». Acervo O Estado de São Paulo 
  5. «PL 1414/1973 - AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A DESAPROPRIAR AS AÇÕES DA COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO - COTESP». camara.leg.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  6. «COTESP é incorporada pela TELESP». Acervo Folha de S.Paulo 
  7. «Convênio de incorporação da COTESP pela TELESP - outubro de 1973». Portal da Câmara dos Deputados 
  8. a b «Cotesp - Relatório Anual de 1973» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  9. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de S.Paulo 
  10. «Ata da Reunião Extraordinária da Diretoria da TELESP para incorporação definitiva da COTESP realizada em 31 de março de 1976» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  11. «Anatel - Agência Nacional de Telecomunicações - Bens Reversíveis». www.anatel.gov.br. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  12. «Projeto de Lei da Câmara n° 79, de 2016 - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  13. «Telefonia automática no Vale do Paraíba e Litoral Sul» (PDF). www.imprensaoficial.com.br 
  14. «Central telefônica de Jales» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  15. «Telefones automáticos em sete localidades do Litoral Norte» (PDF). www.imprensaoficial.com.br 
  16. «Centrais telefônicas no Vale do Ribeira» (PDF). www.imprensaoficial.com.br 
  17. a b c «Obras da Cotesp em 1973» (PDF). www.imprensaoficial.com.br 
  18. «Instalação de centrais automáticas no Vale do Ribeira». Edição Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  19. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Campos do Jordão» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  20. «Zonas mudas eliminadas». Edição Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  21. «Telesp - Ano 5». Folha de São Paulo 
  22. «Inaugurado novo serviço de telefones automáticos em Andradina» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  23. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Bananal» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  24. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Caçapava» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  25. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Capão Bonito» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  26. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Ilha Solteira» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  27. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Pariquera-Açu» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  28. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Peruíbe» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  29. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Registro». Edição Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  30. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Salesópolis» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  31. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Sete Barras» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  32. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos em Ubatuba» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 16 de setembro de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre telefonia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.