Comunismo pré-marxista

Apesar da crença comum de que Marx e seu manifesto lançaram as bases do pensamento socialista, o comunismo pré-marxista na verdade o precedeu em pelo menos setenta anos, remontando à revolução francesa (1789).[1] O próprio Marx via o comunismo primitivo como o estado original de caçador-coletor da humanidade. Marx teorizou que somente depois que a humanidade foi capaz de produzir excedentes a propriedade privada se desenvolveu.[2]

Pré-históriaEditar

 Ver artigo principal: Comunismo primitivo

Karl Marx e outros primeiros teóricos comunistas acreditavam que as sociedades de caçadores-coletores, como as encontradas no Paleolítico até as sociedades hortícolas, como as encontradas no Calcolítico, eram essencialmente igualitárias.[3][4] e ele, portanto, chamou sua ideologia de comunismo primitivo.[5] Desde Marx, sociólogos e arqueólogos desenvolveram a ideia e a pesquisa sobre o comunismo primitivo.[6] Um dos primeiros escritores a adotar a crença no comunismo primitivo do passado foi o filósofo estóico romano Sêneca, que afirmou: "Quão feliz era a era primitiva quando as generosidades da natureza eram comum a todos... Eles tinham toda a natureza em comum, o que deu-lhes a posse segura dos bens públicos. "[7]Por causa disso, ele acreditava que essas sociedades primitivas eram as mais ricas, pois não havia pobreza. xx Outros escritores greco-romanos que acreditavam em uma humanidade pré-histórica que praticava o comunismo incluem Diodorus Siculus, Virgilo e Ovídio.[8]

Devido à forte evidência de uma sociedade igualitária, falta de hierarquia e falta de desigualdade econômica, o historiador Murray Bookchin argumentou que Çatalhöyük foi um dos primeiros exemplos de anarco-comunismo e, portanto, um exemplo de comunismo primitivo em uma protocidade.[9]

Referências

  1. «Building Utopia: The most important pre-Marx socialists | Books on Trial». Books on Trial – Exploring the most controversial books (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  2. «Communist Manifesto (Chapter 2)». www.marxists.org. Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  3. E., Trigger, Bruce G. Washburn, Wilcomb (2008). The Cambridge history of the native peoples of the Americas. [S.l.]: Cambridge University Press. OCLC 857220362 
  4. Feinman, Gary M. (junho de 2003). «The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas: Vol. 2: Mesoamerica, Part 1.; The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas: Vol. 2: Mesoamerica, Part 2.:The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas: Vol. 2: Mesoamerica, Part 1.;The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas: Vol. 2: Mesoamerica, Part 2.». American Anthropologist (2): 380–380. ISSN 0002-7294. doi:10.1525/aa.2003.105.2.380. Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  5. «Introduction to Karl Marx, Module on Stages of Development». cla.purdue.edu. Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  6. «Primitive communism: life before class and oppression». Socialist Worker (Britain). Consultado em 8 de dezembro de 2021 
  7. Laidler, Harry W. (4 de julho de 2013). History of Socialism: An Historical Comparative Study of Socialism, Communism, Utopia (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  8. Ree, Erik van (22 de maio de 2015). Boundaries of Utopia - Imagining Communism from Plato to Stalin (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  9. Murray., Bookchin, (1987). The rise of urbanization and the decline of citizenship. [S.l.]: Sierra Club Books. OCLC 301131720 
  Este artigo sobre comunismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.