Abrir menu principal
Conclave de 1592
O Papa Clemente VIII
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Alfonso Gesualdo
Vice-Decano Innico d'Avalos d'Aragona
Camerlengo Enrico Caetani
Protopresbítero Mark Sittich von Hohenems
Protodiácono Andrea d'Austria
Eleição
Eleito Papa Clemente VIII
(Ippolito Aldobrandini)
Participantes 54
Ausentes 10
Cronologia
Conclave de 1591
Conclave de março de 1605
dados em catholic-hierarchy.org
Brasão papal de Sua Santidade o papa Clemente VIII

O Conclave de 1592 foi a reunião de eleição papal realizada após a morte do Papa Inocêncio IX. Durou de 10 a 30 de janeiro de 1592.[1][2]

Cinquenta e quatro dos sessenta e quatro cardeais entraram no conclave. Este foi o quarto conclave desde a morte do Papa Sisto V, o que não acontecia desde 1276/1277. O Colégio dos Cardeais foi dividido em várias facções. A mais forte delas era a facção espanhola com Ludovico Madruzzo como líder não oficial. Eles apoiaram os interesses do rei Filipe II de Espanha. Seu candidato era Giulio Antonio Santori, chefe da Inquisição romana, chamado o Cardeal S. Severina. Sua candidatura foi apoiada também pela parte "Sistina", que incluiu os velhos favoritos e círculo do Papa Sisto V; seu líder era o cardeal-sobrinho de Sisto V, Alessandro Peretti di Montalto, vice-chanceler da Igreja. Montalto apoiou Santori como uma manobra tática e seu candidato real foi Ippolito Aldobrandini. Houve também um numeroso grupo de cardeais que se opuseram abertamente à Santori. A maioria deles eram dos antigos círculos de Gregório XIII e Pio IV e seus líderes foram Francesco Sforza, Markus Sitticus von Hohenems e Marco Antônio Colonna[3].

Uma vez que nos últimos dois conclaves os candidatos apoiados pela Espanha tinham vencido, imaginava-se que também desta vez apenas papabiles pró-espanha tinha qualquer perspectiva de ganhar a eleição. Além de Santori, apenas Madruzzo, Tolomeo Gallio, Paleotti, Marco Antônio Colonna e Aldobrandini eram aceitáveis ​​para a Espanha e parecia claro que o novo Papa seria um deles [4].

Acabou eleito o cardeal Ippolito Aldobrandini, sênior, assumindo o nome de Papa Clemente VIII.

Cardeais votantesEditar

  1. Alfonso Gesualdo, Deão do Sacro Colégio
  2. Innico d'Avalos d'Aragona, O.S.Iacobis.
  3. Marco Antônio Colonna
  4. Tolomeo Gallio
  5. Gabriele Paleotti
  6. Michele Bonelli, O.P.
  7. Markus Sitticus von Hohenems
  8. Ludovico Madruzzo
  9. Girolamo Simoncelli
  10. Giulio Antonio Santori
  11. Girolamo Rusticucci
  12. Nicolas de Pellevé
  13. Pedro de Deza
  14. Alexandre Otaviano de Médici
  15. François de Joyeuse
  16. Giulio Canani
  17. Anton Maria Salviati
  18. Agostino Valeri
  19. Vincenzo Lauro
  20. Filippo Spinola
  21. Jerzy Radziwiłł
  22. Scipione Lancelotti
  23. Enrico Caetani
  24. Giovanni Battista Castrucci
  25. Domenico Pinelli
  26. Ippolito Aldobrandini, sênior (eleito com o nome de Clemente VIII)
  27. Girolamo della Rovere
  28. Girolamo Bernerio, O.P.
  29. Antonio Maria Galli
  30. Costanzo Buttafoco da Sarnano, O.F.M.Conv.
  31. Benedetto Giustiniani
  32. William Allen
  33. Scipione Gonzaga
  34. Antonio Maria Sauli
  35. Giovanni Evangelista Pallotta
  36. Giovanni Francesco Morosini
  37. Francesco Maria Del Monte
  38. Agostino Cusani
  39. Mariano Pierbenedetti
  40. Gregorio Petrocchini, O.E.S.A.
  41. Paolo Emilio Sfondrati
  42. Ottavio Paravicini
  43. Andreas von Österreich
  44. Simeone Tagliavia d'Aragona
  45. Francesco Sforza di Santa Fiora
  46. Alessandro Peretti Montalto Damasceni
  47. Girolamo Matei
  48. Ascânio Colonna
  49. Frederico Borromeu
  50. Guido Pepoli
  51. Ottavio d'Aquaviva
  52. Odoardo Farnese
  53. Flaminio Piatti
  54. Giovanni Antonio Facchinetti de Nuce

AusentesEditar

Referências

  1. «Catholic Hierarchy» (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2011 
  2. «The Cardinals of the Holy Roman Church» (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2011 
  3. The Triple Crown (em inglês)
  4. História Vaticana (em inglês)