Conclave de agosto de 1978

O Conclave de agosto de 1978 ocorreu após quando em 6 de agosto de 1978 faleceu o Papa Paulo VI. Com sua morte os cardeais católicos foram até Roma para formarem o conclave que elegeria o novo sucessor de Pedro.

Conclave de agosto de 1978
Albino Luciani como o Papa João Paulo I
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Carlo Confalonieri
Vice-Decano Paolo Marella
Camerlengo Jean-Marie Villot
Protopresbítero Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta
Protodiácono Pericle Felici
Secretário Ernesto Civardi
Eleição
Eleito Papa João Paulo I (Albino Luciani)
Participantes 111
Ausentes 3
Emérito
(acima 80 anos)
15
Escrutínios 4
Cronologia
Conclave de 1963
Conclave de outubro de 1978
dados em catholic-hierarchy.org

No dia 25 de Agosto após dois dias em reunião o cardeal patriarca de Veneza Albino Luciani, de 65 anos, é eleito Papa e toma o nome de João Paulo I. Luciani foi o primeiro papa da história a escolher um nome duplo, "João" era em homenagem a João XXIII e "Paulo" em homenagem a Paulo VI. Foi o último papa italiano a ser eleito continuamente num longo ciclo de mais de 400 anos no qual só italianos eram eleitos (o seu sucessor, o Papa João Paulo II era nascido na Polónia).

O Papa João Paulo I governou apenas 33 dias, morrendo vitimado de uma parada cardíaca fulminante.

PapabiliEditar

Entre os Papabile, ou principais candidatos, estavam Sergio Pignedoli, presidente do Secretariado para os não cristãos, Giuseppe Siri, de Gênova, e Corrado Ursi, de Nápoles. Outros nomeados Giovanni Benelli de Florença, até recentemente Secretário de Estado do Vaticano, Sebastiano Baggio, Prefeito da Congregação para os Bispos, e Anastasio Alberto Ballestrero, não cardeal, Arcebispo de Turim.[1] O não italiano mais frequentemente mencionado foi Johannes Willebrands, arcebispo de Utrecht.[2] Aloísio Lorscheider do Brasil, chefe da Conferência Episcopal da América Latina, favoreceu Albino Luciani, o Patriarca de Veneza, enquanto acredita-se que Luciani tenha favorecido Lorscheider.[3] A Time informou que o Decano do Colégio, Carlo Confalonieri, que foi excluído da participação por causa da idade, foi o primeiro a sugerir Luciani.[4]

Procedimentos e votaçãoEditar

O conclave foi realizado por dois dias, de 25 de agosto a 26 de agosto de 1978 na Capela Sistina no Vaticano. O cardeal John Joseph Wright, funcionário da Cúria Romana, estava nos EUA para tratamentos médicos e não pôde comparecer.[5] Os procedimentos em 25 de agosto de 1978 incluíram uma missa celebrada na Basílica de São Pedro pelos cardeais eleitores pela orientação divina em sua tarefa de eleger o sucessor do Papa Paulo VI. Seis horas depois, os cardeais entraram na Capela Sistina enquanto o coro da capela cantava o hino Veni Creator Spiritus. Monsenhor Virgilio Noè, O mestre de cerimônias papais, deu o comando tradicional de Extra omnes ("Todo mundo fora!"), As portas foram trancadas e, em seguida, o conclave real começou, com o cardeal Villot presidindo (como aconteceria novamente em outubro) por ser o cardeal sênior bispo presente. As janelas da capela continuavam fechadas, algumas fechadas e o calor do verão era opressivo. O cardeal belga Leo-Jozef Suenens escreveu mais tarde: "Meu quarto era um forno. Meu celular era uma espécie de sauna".[6] O conclave de agosto de 1978 foi o maior já montado. Para acomodar os eleitores, os tronos tradicionais com dossel foram substituídos por doze longas mesas. Karol Wojtyła, Aloísio Lorscheider e Bernardin Gantin supostamente serviram como escrutinadores durante a votação.

Luciani havia dito à secretária que recusaria o papado se fosse eleito.[7] Durante a terceira votação, Johannes Willebrands e António Ribeiro, que estavam sentados em ambos os lados de Luciani, sussurraram palavras de encorajamento enquanto ele continuava a receber mais votos. Jaime Sin disse a Luciani: "Você será o novo papa".[8] Luciani foi eleito na quarta votação e quando Jean-Marie Villot perguntou a Luciani se ele aceitou sua eleição, ele disse: "Que Deus te perdoe pelo que você fez" e aceitou sua eleição. Em homenagem a seus dois antecessores imediatos, ele tomou João Paulo como seu nome real. Após a eleição, quando o cardeal Sin prestou homenagem a ele, o novo papa disse: "Você era um profeta, mas meu reinado será breve".[8]

Em 26 de agosto de 1978 às 18:24, horário local (16:24 UTC), os primeiros sinais de fumaça apareceram da chaminé da Capela Sistina. Não ficou claro por mais de uma hora se a fumaça era branca para indicar que um papa havia sido eleito ou preta para indicar que a votação continuaria. Alguns dos cardeais haviam depositado pessoalmente suas anotações e fichas no fogão, escurecendo o que deveria ter sido fumaça branca Pericle Felici, como o principal cardeal diácono, entrou na varanda da Basílica de São Pedro e entregou o Habemus Papam em latim, anunciando a eleição de Luciani.[9] Às 19:31 da manhã, João Paulo I, apareceu na varanda e deu sua bênção. Quando ele apareceu para se dirigir à multidão, lembrou-se de que não era tradicional e retirou-se sem falar mais.[6] Convidou os cardeais eleitores a permanecerem no conclave por mais uma noite e jantou com eles, ocupando a mesma cadeira que ocupara nos jantares de grupo anteriores.[6]

Este foi o primeiro conclave desde 1721 em que três futuros papas participaram - João Paulo I, João Paulo II e Bento XVI - e o primeiro desde 1829 em que dois o fizeram, Pio VIII e Gregório XVI.

Brasão pontifício de João Paulo I
Brasão do Camerlengo no Conclave de 1978
Duração Conclave 2 dias
Numero de Votações 4
ELEITORES 114
Ausentes 3
Presentes 111
África 13
América Latina 19
América do Norte 12
Ásia 8
Europa 56
Oceania 4
Italianos 26
PAPA MORTO PAULO VI (1963-1978)
PAPA ELEITO JOÃO PAULO I (1978)

Presente no conclaveEditar

Composição por consistórioEditar

A presidência do Conclave cabe ao Decano do Colégio de Cardeais ou, não sendo este eleitor, ao Cardeal-Bispo Eleitor presente no Conclave com maior precedência. Como o Cardeal Decano Carlo Confalonieri e o Cardeal Vice-Decano Paolo Marella não eram eleitores, coube ao Cardeal Jean-Marie Villot, Cardeal-Bispo de Frascati, presidir ao Conclave.

Cardeais EleitoresEditar

* Eleito Papa

Cardeais BisposEditar

Cardeais PresbíterosEditar

Cardeais DiáconosEditar

AusentesEditar

Acima de 80 anosEditar

Cardeis BisposEditar

Cardeis PresbíterosEditar

Cardeis DiáconoEditar

VotaçãoEditar

Vários autores forneceram o que afirma ser o resultado das votações do conclave. Os detalhes das várias cédulas, no entanto, não podem ser revelados pelos cardeais, sob pena de excomunhão, mas este foi o primeiro conclave em que foram excluídos cardeais com mais de oitenta anos. No entanto, estes últimos foram admitidos a participar das reuniões preparatórias, mas não foram obrigados a prestar juramento de sigilo como os cardeais eleitores. Portanto, é possível que esses cardeais tenham revelado detalhes ouvidos pelos cardeais que participaram ativamente do conclave.

Contagem de CasariegoEditar

De acordo com as confidências do cardeal Mario Casariego y Acevedo, os votos seguintes seriam os votos das várias cédulas: [10]

Manhã de 26 de agosto, primeira votaçãoEditar

cardeais voto
Giuseppe Siri
25
Albino Luciani
23
Sergio Pignedoli
18
Sebastiano Baggio
9
Franz König
8
Paolo Bertoli
5
Eduardo Francisco Pironio
4
Pericle Felici
2
Aloísio Lorscheider
2
Outros
15

Segunda votaçãoEditar

cardeais voto
Albino Luciani
53
Giuseppe Siri
24
Sergio Pignedoli
15
Karol Wojtyła
4
Outros
15

Tarde de 26 de agosto, terceira votaçãoEditar

cardeais voto
Albino Luciani
70
Giuseppe Siri
12
Sergio Pignedoli
10
Outros
19

Quarta votaçãoEditar

cardeais voto
Albino Luciani
101 (eleito papa)
Outros
10

Contagem de yallopEditar

Conforme descrito por David Yallop no livro Em nome de Deus , os seguintes seriam os votos das várias cédulas:[11]

Manhã de 26 de agosto, primeira votaçãoEditar

cardeais voto
Giuseppe Siri
25
Albino Luciani
23
Sergio Pignedoli
18
Aloísio Lorscheider
12
Sebastiano Baggio
9
Outros (de acordo com Yallop
Paolo Bertoli, Pericle Felici
Eduardo Francisco Pironio, Karol Wojtyła
Joseph Marie Anthony Cordeiro,Franz König)
24

Segunda votaçãoEditar

cardeais voto
Giuseppe Siri
35
Albino Luciani
30
Sergio Pignedoli
15
Aloísio Lorscheider
12
Outros
19

Tarde de 26 de agosto, terceira votaçãoEditar

cardeais voto
Albino Luciani
68
Giuseppe Siri
15
Sergio Pignedoli
10
Outros
18

Quarta votaçãoEditar

cardeais voto
Albino Luciani
99 (eleito papa)
Giuseppe Siri
11
Aloísio Lorscheider
1


Referências

  1. Tanner, Henry (7 de agosto de 1978). «Pope Paul VI is Dead of a Heart Attack at 80; Guided the Church through Era of Change». New York Times. Consultado em 22 de junho de 2018 
  2. Hofmann, Paul (9 de agosto de 1978). «Choice of Non‐Italian Pope Held Possible but Unlikely». New York Times. Consultado em 22 de junho de 2018 
  3. Reese, Thomas (1998). Inside the Vatican. [S.l.]: Harvard University Press. p. 93. Consultado em 22 de junho de 2018 
  4. «A Swift, Stunning Choice»Subscrição paga é requerida. Time. 4 de setembro de 1978 
  5. «Leading U.S. Cardinal To Miss Papal Voting». New York Times. 9 de agosto de 1978. Consultado em 31 de outubro de 2017 
  6. a b c Predefinição:Cite news e
  7. Allen Jr., John L. (2 de novembro de 2012). «Debunking four myths about John Paul I, the 'Smiling Pope'». National Catholic Reporter 
  8. a b Knowles, Leo (2003). Modern Heroes of the Church. [S.l.]: Our Sunday Visitor [falta página]
  9. Nossiter, Bernard D. (27 de agosto de 1978). «Venice Cardinal Elected Pope». Washington Post. Consultado em 22 de junho de 2018 
  10. Zizola
    pp. 269-270.Zizola
  11. Yallop
    pp. 80-84.Yallop