Abrir menu principal

Os Condes de Amiens tinham domínio sobre a região conhecida como l'Amiénois, que é uma parte territorial de Haute-Picardie, no departamento de Somme. O condado formou-se durante o período Carolíngio e era composto, além do Amiens, pelas regiões de Conty, Poix de Picardie, Doullens, Picquigny e Rubempré.

Os Condes de Amiens eram vassalos do bispo da cidade até 1185. Filipe Augusto uniu então o condado à Coroa, mas Carlos VII cedeu a região, através de um tratado a Filipe, o Bom, duque da Borgonha, em 1435.

Brasão de Armas de Amiens

À morte de Carlos, o Temerário passou a Luís XI em 1477, e foi assegurada pelo Tratado de Arras em 1482.

Dinastia nibelungidaEditar

 Ver artigo principal: Dinastia nibelungida

Casa de Valois-Vexin-AmiensEditar

Casa de BovesEditar

Casa de VermandoisEditar

Casa de Clermont-en-BeauvaisisEditar

Casa de BovesEditar

  • Roberto de Boves (1146-1191), senhor de Boves e conde de Amiens, filho de Tomás de Marle, casou-se com Beatriz Saint-Pol, filha de Hugo II de Saint-Pol e Margarida de Clermont, que trouxe o condado de Amiens como dote de casamento.

Casa de VermandoisEditar

  • Raul I de Vermandois (Até-1152). Segundo alguns autores, ele deu o condado de Amiens em dote a sua filha Isabel de Vermandois, que se casou com Filipe da Alsácia em 1156. De acordo com outros autores, Raul II de Vermandois tinha governado o concelho de Amiens até sua morte em 1164.
  • Filipe de Alsácia e Elisabete de Vermandois (1156 ou 1164-1185), filha de Raul I. Com a morte de Isabel de Vermandois (1183), Filipe da Alsácia mantém os feudos trazido por sua esposa para o casamento, em violação dos direitos de Leonor de Vermandois, irmã de Elisabete. Em 1185, no entanto, ele teve que vender o condado de Amiens (e a maioria do Vermandois) ao rei da França, Filipe Augusto, que havia convencido Leonor de Vermandois sobre a transferência de seus bens à coroa.

Referências e bibliografiaEditar

1. Augustin Thierry, Essais sur l'histoire de la formation do tiers état, p. 209 2. Léon Vanderkindere, La Formation territoriale des principautés belges au Moyen Äge, tome I, 176.

Ver tambémEditar