Abrir menu principal

Condoreirismo

parte de uma escola literária da poesia brasileira
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde agosto de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2015). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

Condoreirismo ou condorismo, é uma parte de uma escola literária da poesia brasileira, a terceira fase romântica, marcada pela temática social e a defesa de ideias igualitárias.

As décadas de 1860 e 1870 representam para a poesia brasileira um período de transição. Ao mesmo tempo que muitos dos procedimentos da primeira e da segunda geração são mantidos, novidades de forma e de conteúdo dão origem à terceira geração da poesia romântica, mais voltada para os problemas sociais e com uma nova forma de tratar o tema amoroso.

Fugindo um pouco do egocentrismo dos ultrarromânticos, os condoreiros desenvolveram uma poesia social, comprometidos com a causa abolicionista e republicana. Em geral são poemas de tom grandiloquente, próximos da oratória, cuja finalidade é convencer o leitor-ouvinte e conquistá-lo para a causa defendida.

O nome da corrente, condoreirismo, associa-se ao condor ou outras aves, como a águia, o falcão e o albatroz, que foram tomadas como símbolo dessa geração de poetas com preocupações sociais. Identificando-se com o condor, ave de voo alto e solitário, com capacidade de enxergar a grande distância, os poetas condoreiros supunham ser eles também dotados dessa capacidade e, por isso, tinham o compromisso, como poetas-gênios iluminados por Deus, de orientar os homens comuns para os caminhos da justiça e da liberdade.

O poeta Tobias Barreto, patrono da cadeira 38 da Academia Brasileira de Letras, é considerado o fundador do condoreirismo brasileiro.

Castro AlvesEditar

 Ver artigo principal: Castro Alves

Chamado de o poeta dos escravos, Castro Alves é considerado a principal expressão condoreira da poesia brasileira. Além da poesia social, Castro Alves cultivou ainda a poesia lírica, a épica e o teatro.

Sua obra representa, na evolução da poesia romântica brasileira, um momento de maturidade e de transição. Maturidade em relação a certas atitudes ingênuas das gerações anteriores, como a idealização amorosa e o nacionalismo ufanista, às quais Castro Alves dará um tratamento mais crítico e realista.

A poesia socialEditar

Em vez de uma visão idealizada e ufanista da pátria, Castro Alves retrata o lado esquecido pelos primeiros românticos: a escravidão dos negros e a opressão e a ignorância do povo brasileiro. É importante ressaltar que os escritores condoreiros apreciavam debates sociais, ao contrário dos ultrarromânticos que preferiam o isolamento.

A linguagem utilizada por Castro Alves é grandiosa, caracterizada pelo uso de apóstrofe. Encontramos também hipérbole e metáforas condoreiras (águia, condor, céu, mar, infinito, abismo, sol...)

Características e temas de sua poesia social:

  • Libertação dos escravos
  • Defesa da república
  • Hipérbole e metáforas condoreiras (citadas acima)

O Navio NegreiroEditar

 Ver artigo principal: Navio Negreiro

"O Navio Negreiro" é um poema épico-dramático que integra a obra Os escravos e, ao lado de "Vozes d"África", da mesma obra, vem a ser uma das principais realizações épicas de Castro Alves. Seu tema é a denúncia da escravização e do transporte de negros para o Brasil.

Poesia amorosaEditar

Embora a lírica amorosa de Castro Alves ainda contenha um ou outro vestígio do amor platônico e da idealização da mulher, de modo geral ela representa um avanço decisivo na tradição poética brasileira, por ter abandonado tanto o amor convencional e abstrato dos clássicos quanto o amor cheio de medo e culpa dos primeiros românticos.

Em vez de "virgem pálida", a mulher de boa parte dos poemas de Castro Alves é um ser corporificado e, mais que isso, participa ativamente do envolvimento amoroso. E o amor é viável, concreto, capaz de trazer tanto a felicidade e o prazer quanto a dor.

A poesia amorosa de Castro Alves é caracterizada por:

  • Mulher sensual/erotizada
  • Paixão tórrida
  • Repúdio da morte (a morte é citada em sua poesia, porém ela é repudiada)
  • Melancolia/tédio

Referências

  • CEREJA, William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Cochar. Literatura Brasileira.
  • ABAURRE, Maria Luiza M e PONTARA, Marcela. Literatura: tempos, leitores e leituras, volume único. 2 ed. - São Paulo: Moderna, 2010.
  Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.