Abrir menu principal

Confederação Geral dos Trabalhadores Galegos

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2011). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Confederação Geral dos Trabalhadores Galegos (CGTG) foi um sindicato galego de tipo nacionalista, formado em 1985 como cisão da Intersindical Nacional dos Trabalhadores Galegos (INTG).

OrigensEditar

No contexto do movimentado ano 1984 na Galiza, o sucesso das três greves gerais convocadas pela INTG com Xan Carballo à frente não impediu a formação de uma corrente crítica interna, vinculada principalmente ao recém fundado Partido Socialista Galego-Esquerda Galega (PSG-EG) e formada por quadros e militantes provenientes da Central de Trabalhadores Galegos (CTG) e da Confederação Sindical Galega (CSG). Essa corrente interna, denominada Convergência Sindical Nacionalista (CSN), abandonou a INTG em 1985 e constituiu a CGTG, celebrando o seu I Congresso em outubro de 1985. Nele, Fernando Acuña foi eleito secretário geral.

Eleições de 1986Editar

Nas eleições sindicais de 1986, a CGTG atingiu 1.087 delegados pelos 1.067 delegados da INTG, o que significava claramente que o sindicalismo nacionalista galego se achava cindido e, à vez, parelho em representação.

ReunificaçãoEditar

Contudo, as duas organizações permaneceram agindo separadamente até 1990, quando ambas decidiram formar uma coligação para concorrer às eleições sindicais daquele ano sob o nome de Convergência Intersindical Galega. Sobre essa candidatura unificada de 1990, a unificação orgânica produziu-se em 1994, dando origem à Confederação Intersindical Galega. Fernando Acuña, que tinha sido designado secretário geral da CGTG e que estava vinculado então ao partido Unidade Galega foi designado secretário geral nos dois primeiros congressos do sindicato.

Ver tambémEditar