Abrir menu principal
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   |- style="font-size: 85%;"
       | Erro::  valor não especificado para "continente"


' قه ره قویونلو — قرا قویونلو — قرا قویونلو
Confederação do Cordeiro Preto
Blank.png
1374 – 1468 DesmembramientoDelIljanato1337–1432.svg
Localização de {{{nome_comum}}}
Capital Tabriz
Língua oficial Línguas oguzes
Governo Federação tribal
Governante
 • 1374-1378 Bairam Coja
 • 1467-1468 Haçane Ali ibne Jaã Xá
História
 • 1374 Fundação
 • 1468 Dissolução

A Confederação do Cordeiro Preto (em persa: قرا قویونلو; transl.: Kara Koyunlu ou Qara Qoyunlu; em turco: قه ره قویونلو; transl.: Garagoýunly) eram uma confederação [1] tribal xiita[2][3] turcomana que governou o território incluído no que hoje é a Arménia, o Azerbaijão, Azerbaijão meridional, Irã Ocidental, Turquia oriental e Iraque de cerca de 1375 até 1468.[4]

O estabelecimento da confederaçãoEditar

A confederação surgiu dos elementos turcomenos empurrados para o leste pelas invasões mongóis. [1] A família reinante pertencia ao clã oguz Ivä.[1]

Os cordeiros negros estabeleceram sua capital em Herate, na Pérsia oriental. [5] O segundo representante da dinastia, Qara Muhammad Turemish, tornou-se vassalo da dinastia jalaírida de Bagdá e Tabriz. [1] Ele governou Mosul. Seu filho, Qara Yusuf, acabou se rebelando contra os jalaíridas e conquistou a independência da dinastia graças à conquista de Tabriz. [1] O núcleo de seu poder estava nos territórios ao norte dos lagos Van e Urmia, de onde eles estenderam seus domínios para o Azerbaijão e parte da Anatólia oriental. [1]

Em 1400, os exércitos do Emir Tamerlão derrotaram os cordeiros negros, e Cara Iúçufe fugiu para o Egito para buscar refúgio com os mamelucos, [1] reuniu um exército em 1406 tinha recuperado Tabriz. [1] Depois disso, a confederação se dedicou principalmente ao enfrentamento de seus rivais, a Confederação do Cordeiro Branco, com centro em Diarbaquir-, os georgianos, xás de Xirvã no Cáucaso e seus soberanos teóricos, os Timúridas da Pérsia ocidental. [1]

Em 1410, os cordeiros negros capturaram Bagdá. O estabelecimento de uma sucursal da dinastia da Confederação nesta cidade acelerou a queda dos jalaíridas, e serviu no passado. Apesar das lutas internas entre os descendentes de Cara Iúçufe, após sua morte, em 1420 e a crescente ameaça dos Timúridas, os cordeiros negros, firmemente influenciou sobre as regiões que controlavam.

O estabelecimento da confederação na Pérsia oriental e Iraque, favorecida pela população turcomana na região, acabou transformando o Azerbaijão em culturalmente turco, e marcou o fim do domínio iljánida e mostrou a incapacidade dos timúridas a dominarem essas áreas. [3]

Jaã Xá e o fim da confederaçãoEditar

Embora Jaã Xá tenha assinado a paz com o timúrida Shāh Ruj Mirzā, o pacto era efêmero. Quando o xá Ruje morreu em 1447, os cordeiros negros anexaram parte do Iraque, a costa oriental da Península Arábica e o Irã oriental, até então controlados pelos timúridas. [1]

Embora o território controlado pela Confederação tenha crescido consideravelmente durante sua administração, o reinado do Xá Jaã estava cheio de tribulações, gerados pelas transgressões de seus filhos e de conflitos com os governantes de Bagdá, que tinham a ampla autonomia-, aos que expulsou em 1464. [1]

 
Uma estátua com uma cabeça de ovelha em Karakoyunlu, Iğdır

Em 1466, Jaã Xá tentou tomar Diarbaquir dos cordeiros brancos. A empresa tornou-se uma falha catastrófica que resultou na morte de Jaã Xá e no fim do controle dos Turcomenos do "Carneiro Negro" do Oriente Próximo. [1] Em 1468, os cordeiros brancos - então em seu auge durante o reinado de Uzune Haçane (r. 1452–1478) - haviam debelado os cordeiros negros e conquistado o Iraque, o Azerbaijão e o oeste do Irã. [6] O filho de Jaã Xá, Haçane Ali, retornou do exílio para suceder seu pai, mas, incapaz de obter a lealdade das tropas, ele foi morto em 1478, que pôs fim à dinastia. [1]

Lista de soberanos (bei) da confederação tribalEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Bosworth 1967, p. 168.
  2. Firearms of the Islamic World by Robert Elgood, p.114
  3. a b Bosworth 1967, p. 169.
  4. Encyclopedia Britannica. "Kara Koyunlu". Online Edition, 2007
  5. Patrick Clawson. Eternal Iran. Palgrave Macmillan. 2005 ISBN 1-4039-6276-6 p.23
  6. Stearns, Peter N.; Leonard, William (2001). The Encyclopedia of World History. [S.l.]: Houghton Muffin Books. 122 páginas. ISBN 0395652375 

BibliografiaEditar

  • Bosworth, Clifford. The New Islamic Dynasties, 1996.
  • Bosworth, Clifford Edmund (1967). The Islamic dynasties : a chronological and genealogical handbook (em inglés). [S.l.]: Edinburgh University Press. 245 páginas. OCLC 912966 
  • Morby, John. The Oxford Dynasties of the World, 2002.
  Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.