Abrir menu principal

Conflito coreano

Conflito coreano
Conflito coreano
Map korea english labels.png
Data 15 de agosto de 1945 – presente
Local Coreia
Situação em andamento
Mudanças territoriais
Beligerantes
 Coreia do Sul  Coreia do Norte
Comandantes
   

O conflito coreano baseia-se na disputa entre a República Popular Democrática da Coreia ao norte e a República da Coreia ao sul, que reivindicam ser o governo de todo o país. Durante a Guerra Fria, a Coreia do Norte foi apoiada pela União Soviética, pela China e outros estados comunistas, e a Coreia do Sul foi apoiada pelos Estados Unidos e seus aliados. A divisão da Coreia ocorreu no final da Segunda Guerra Mundial em 1945 e as tensões resultantes eclodiriam na Guerra da Coreia em 1950.

Quando a guerra terminou, o país estava devastado, porém a divisão permaneceu. A Coreia do Norte e a Coreia do Sul continuaram num impasse militar com confrontos periódicos. O conflito sobreviveu ao colapso do Bloco Oriental de 1989 a 1991. Os Estados Unidos mantêm uma presença militar no sul para impedir uma invasão do norte. Em 1997, o presidente Bill Clinton descreveu a divisão da Coreia como a "última divisão da Guerra Fria". [1] Em 2002, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, descreveu a Coreia do Norte como membro de um "Eixo do Mal". [2][3] Diante do crescente isolamento, a Coreia do Norte começou a desenvolver mísseis nucleares.

Índice

AntecedentesEditar

A Coreia foi anexada pelo Império do Japão em 1910. Nas décadas seguintes, durante a ocupação japonesa da Coreia, grupos nacionalistas e radicais surgiram, principalmente no exílio, para lutar pela independência. Divergentes em suas perspectivas e abordagens, estes grupos não conseguiriam se unir em um movimento nacional. [4][5] Com base na China, o governo provisório coreano não conseguiu um amplo reconhecimento. [6] Syngman Rhee, pressionava o governo dos Estados Unidos, e o comunista Kim Il-sung, lutava numa guerra de guerrilha contra os japoneses na vizinha Manchúria ao norte da Coreia.[7] Os coreanos que permaneceram em sua terra natal após a anexação foram submetidos a duras repressões políticas e forçados a aderir aos padrões culturais japoneses, enquanto o Japão tentava incorporar a Coreia.

Após o fim da ocupação, muitos coreanos de alta patente foram acusados de colaborar com o imperialismo japonês. [8] Uma luta intensa entre várias figuras e grupos políticos que aspiravam liderar a Coreia se seguiu, e muitos, como Kim Gu e Lyuh Woon-hyung, foram assassinados ou reprimidos.[9]

Fim do domínio japonês e partiçãoEditar

Em 9 de agosto de 1945, nos dias finais da Segunda Guerra Mundial, a União Soviética declarou guerra ao Japão e avançou até a Coreia. Embora a declaração de guerra soviética tivesse sido acordada pelos Aliados na Conferência de Yalta, o governo dos Estados Unidos ficou preocupado com a perspectiva de que toda a Coreia ficasse sob controle soviético. O governo estadunidense, portanto, solicitou que as forças soviéticas parassem seu avanço no 38º paralelo norte, deixando o sul da península, incluindo a capital, Seul, para ser ocupada pelos Estados Unidos. Isto seria incorporado na Ordem Geral nº 1 às forças japonesas após a rendição do Japão em 15 de agosto. Em 24 de agosto, o Exército Vermelho entrou em Pyongyang e estabeleceu um governo militar sobre a Coreia ao norte do paralelo. As forças estadunidenses desembarcariam no sul em 8 de setembro e estabeleceram o Governo militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia.[10]

Os Aliados tinham inicialmente previsto uma tutela conjunta que conduziria a Coreia à independência, porém a maioria dos nacionalistas coreanos desejavam a independência imediatamente.[11] Enquanto isso, a cooperação durante o período de guerra entre a União Soviética e os Estados Unidos se deteriorava à medida que a Guerra Fria se agravava. Ambas as potências ocupantes passaram a promover a posições de autoridade coreanos alinhados com seu lado da política e marginalizar seus oponentes. Muitos desses líderes políticos emergentes exilados estavam retornando, com pouco apoio popular.[12][13] Na Coreia do Norte, a União Soviética apoiou os comunistas coreanos. Kim Il-sung, que desde 1941 estava servindo no exército soviético, tornou-se a principal figura política.[14] A sociedade foi centralizada e coletivizada, seguindo o modelo soviético.[15] A política na Coreia do Sul foi mais tumultuada, porém o fortemente anticomunista Syngman Rhee, que tinha sido educado nos Estados Unidos, foi posicionado como o político mais proeminente.[16]

Como resultado, surgiram dois proto-estados antagônicos, com sistemas políticos, econômicos e sociais diretamente opostos. Na Coreia do Sul, uma eleição geral foi realizada em 10 de maio de 1948. A República da Coreia foi estabelecida com Syngman Rhee como presidente e substituiu formalmente a ocupação militar dos Estados Unidos em 15 de agosto. Na Coreia do Norte, a República Popular Democrática da Coreia foi declarada em 9 de setembro, com Kim Il-sung, como primeiro-ministro. Esses eventos solidificaram a partição da Coreia em dois estados antagônicos. As forças de ocupação soviéticas deixaram a República Popular Democrática da Coreia em 10 de dezembro de 1948. As forças dos Estados Unidos deixaram a República da Coreia no ano seguinte, embora o Korean Military Advisory Group dos Estados Unidos continuasse a treinar o Exército da República da Coreia.[17] Os novos regimes também adotaram diferentes nomes para a Coreia: o Norte escolheu Choson e o Sul optou por Hanguk.[18]

Ambos os governos opositores consideraram-se o governo de toda a Coreia (ambos fazem tais reivindicações até hoje), além disso, consideraram a divisão como temporária. [19][20] Kim Il-sung tentou persuadir Josef Stalin e Mao Tsé-Tung para um apoio em uma guerra de reunificação. Syngman Rhee repetidamente expressou seu desejo de conquistar o Norte. [21][22] Em 1948, a Coreia do Norte, que possuía quase todos os geradores, desligou o fornecimento de eletricidade para a Coreia do Sul. [23] No período que antecedeu o início da Guerra da Coreia, houve frequentes confrontos ao longo do paralelo 38, especialmente em Kaesong e Ongjin, iniciados por ambos os lados.[24][25]

Durante todo esse período houve revoltas no Sul, como a Revolta de Jeju e a Rebelião Yeosu–Suncheon, que foram brutalmente reprimidas. Ao todo, mais de cem mil pessoas perderam suas vidas em combates na Coreia antes da Guerra da Coreia começar.[26]

Guerra da CoreiaEditar

 
Mapa da Guerra da Coreia mostrando:
  Forças da Coreia do Norte, da China e comunistas
  Forças da Coreia do Sul, dos Estados Unidos e das Nações Unidas
 Ver artigo principal: Guerra da Coreia

Em 1950, a Coreia do Norte tinha uma clara superioridade militar sobre a Coreia do Sul. Os ocupantes soviéticos a tinham armado com o armamento excedente e fornecido treinamento. Muitos soldados que retornaram à Coreia do Norte estavam endurecidos pela batalha por sua participação na Guerra Civil Chinesa, que acabara de terminar. [27][28] Kim Il-sung esperava uma rápida vitória, prevendo que haveria levantes pró-comunistas no Sul e que os Estados Unidos não iriam intervir. [29] Ao invés de perceber o conflito como uma guerra civil, no entanto, o Ocidente considerou em termos da Guerra Fria como uma agressão comunista, relacionada com os recentes acontecimentos na China e na Europa Oriental. [30]

A Coreia do Norte invadiu o Sul em 25 de junho de 1950 e rapidamente avançou pela maior parte do país. Em setembro de 1950, a força das Nações Unidas, liderada pelos Estados Unidos, interveio para defender o Sul e, após o desembarque de Incheon e a retirada ao perímetro de Busan, avançou rapidamente para a Coreia do Norte. Assim que se aproximaram da fronteira com a China, as forças chinesas intervieram em nome da Coreia do Norte, mudando o equilíbrio da guerra novamente. Os combates terminaram em 27 de julho de 1953, com um armistício que restaurou aproximadamente os limites originais entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. [31]

A Coreia ficou devastada. Mais de um milhão de civis e soldados foram mortos. Seul estava em ruínas, tendo trocado de mãos quatro vezes.[32] Quase todos os principais edifícios da Coreia do Norte haviam sido destruídos. [33][34] Como resultado, os norte-coreanos desenvolveram uma inimizade profundamente arraigada em relação aos Estados Unidos. [35]

ArmistícioEditar

As negociações para um armistício começaram em 10 de julho de 1951, enquanto a guerra continuava. As principais questões foram o estabelecimento de uma nova linha de demarcação e a troca de prisioneiros. Depois que Josef Stalin morreu, a União Soviética negociou concessões que levaram a um acordo em 27 de julho de 1953. [36]

Syngman Rhee opôs-se ao armistício porque este deixava a Coreia dividida. À medida que as negociações chegavam ao fim, ele tentou sabotar os arranjos para a libertação dos prisioneiros e liderou manifestações em massa contra o armistício. [37] Ele se recusou a assinar o acordo, mas relutantemente concordou em respeitá-lo. [38]

O armistício inaugurou um cessar-fogo oficial, mas não conduziu a um tratado de paz. [39] Estabeleceu a Zona Desmilitarizada Coreana, uma zona tampão entre os dois lados, que cruza o paralelo 38 mas não o segue. [40] Apesar de seu nome, a fronteira era, e continua a ser, uma das mais militarizadas do mundo.[41]

A Coreia do Norte anunciou que não cumpriria mais o armistício em pelo menos seis ocasiões: nos anos de 1994, 1996, 2003, 2006, 2009 e 2013. [42][43]

Conflito após a Guerra da CoreiaEditar

Depois da guerra, as forças chinesas partiram, porém as forças estadunidenses permaneceram no sul. O conflito esporádico continuou entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. Em 1 de outubro de 1953, os Estados Unidos e a Coreia do Sul assinaram um tratado de defesa. [44] Em 1958, os Estados Unidos posicionaram armas nucleares na Coreia do Sul. [45] Em 1961, a Coreia do Norte assinou tratados de defesa mútua com a União Soviética e a China. [46] Durante esse período, a Coreia do Norte foi descrita pelo ex-diretor da CIA, Robert Gates, como o "alvo de inteligência mais difícil do mundo". [47] Ao lado do confronto militar, ocorreu uma guerra de propaganda, incluindo campanhas de propaganda de balões.

Os regimes opostos alinharam-se com lados opostos na Guerra Fria. Ambos os lados receberam o reconhecimento como governo legítimo da Coreia pelos blocos opostos. [48][49]

A Coreia do Norte se apresentou como defensora do comunismo ortodoxo, distinto da União Soviética e da China. O regime desenvolveu a doutrina do Juche ou autossuficiência, que incluía a mobilização militar extrema. [50] Em resposta à ameaça de guerra nuclear, construiu extensas instalações subterrâneas e nas montanhas. [51][52] O Metrô de Pyongyang foi aberto na década de 1970, com capacidade para funcionar como abrigo contra bombas. [53] Até o início dos anos 1970, a Coreia do Norte era economicamente igual a Coreia do Sul. [54]

A Coreia do Sul tornou-se uma ditadura militar fortemente anticomunista e esteve profundamente envolvida na Guerra do Vietnã. [55] A ocupação da Coreia do Norte deixou para trás um movimento de guerrilha que persistiu nas províncias de Cholla. [56]

As tensões entre o Norte e o Sul aumentaram no final dos anos 1960 com uma série de confrontos armados de baixo nível conhecidos como Conflito da Zona Desmilitarizada da Coreia. Em 1966, Kim declarou a "libertação do sul" como um "dever nacional". [57] Em 1968, os comandos norte-coreanos lançaram o ataque a Casa Azul, uma tentativa mal sucedida de assassinar o presidente sul-coreano Park Chung-hee. Pouco depois, o navio de espionagem estadunidense Pueblo foi capturado pela marinha norte-coreana. [58] Os estadunidenses perceberam a crise em termos de confronto global com o comunismo, porém ao invés de orquestrar o incidente, o governo soviético estava preocupado com ele.[59] Kim estava, no entanto, inspirado pelos sucessos comunistas na Guerra do Vietnã. [60]

Em 1969, a Coreia do Norte derrubou um avião de espionagem estadunidense EC-121 sobre o Mar do Japão, matando todos os 31 tripulantes a bordo, no que constituiu a maior perda de tripulação aérea dos Estados Unidos durante a Guerra Fria.[61] Em 1969, um avião YS-11 da Korean Air Lines foi sequestrado e levado para a Coreia do Norte. Da mesma forma, em 1970, os sequestradores do voo 351 da Japan Airlines receberam asilo na Coreia do Norte. [62] Em resposta ao ataque a Casa Azul, o governo sul-coreano criou uma unidade especial para assassinar Kim Il-sung, mas a missão foi abortada em 1972. [63]

Em 1974, um simpatizante do regime norte-coreano tentou assassinar o presidente Park e matou a primeira-dama, Yuk Young-soo.[64] Em 1976, o incidente do machado conduziu à morte de dois oficiais do exército estadunidense na Zona Desmilitarizada da Coreia e ameaçou desencadear uma guerra mais ampla. [65][66] Na década de 1970, a Coreia do Norte sequestraria vários cidadãos japoneses.[67]

Em 1976, em minutas agora desclassificadas, o Subsecretário de Defesa dos Estados Unidos William Clements informava Henry Kissinger a ocorrência de 200 ataques ou incursões na Coreia do Norte a partir da Coreia do Sul, mas não pelos militares estadunidenses.[68] Os detalhes de apenas algumas dessas incursões tornaram-se públicas, incluindo incursões das forças sul-coreanas em 1967 que haviam sabotado cerca de 50 instalações norte-coreanas. [69]

Na década de 1970, tanto o Norte quanto o Sul começaram a aumentar sua capacidade militar. [70] Descobriu-se que a Coreia do Norte havia cavado túneis sob a Zona Desmilitarizada que poderiam acomodar milhares de tropas. [71] Alarmados com a perspectiva do desengajamento dos Estados Unidos, a Coreia do Sul iniciou um programa secreto de armas nucleares, que foi fortemente contestado por Washington. [72]

Em 1977, o presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter propôs a retirada das tropas da Coreia do Sul. Houve uma repercussão generalizada nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, e os críticos argumentaram que isso permitiria ao Norte capturar Seul. Carter adiou a ação, mas seu sucessor Ronald Reagan inverteu a política, aumentando o número de tropas para quarenta e três mil.[73] Depois que Reagan forneceu a Coreia do Sul os caças F-16 e depois que Kim Il-sung visitou Moscou em 1984, a União Soviética reiniciou sua ajuda militar e cooperação com o Norte.[74]

Os distúrbios no Sul viriam à tona com a Revolta de Gwangju em 1980. A ditadura equiparou a dissidência com a subversão norte-coreana. Por outro lado, alguns jovens manifestantes viam os Estados Unidos como cúmplices da repressão política e se identificavam com a propaganda nacionalista do Norte. [75][76]

Na década de 1980, dois atentados à bomba foram atribuídos à Coreia do Norte: o atentado em Rangum em 1983, uma tentativa fracassada de assassinato contra o presidente sul-coreano Chun Doo-hwan durante uma visita à Birmânia,[77] e o ataque ao Voo 858 da Korean Air em 1987. [78] Como resultado do ataque ao avião, o governo dos Estados Unidos colocaria a Coreia do Norte em sua lista de países terroristas. [79]

Depois da Guerra FriaEditar

Com o fim da Guerra Fria, a Coreia do Norte perdeu o apoio da União Soviética e mergulhou numa crise econômica. Ao mesmo tempo, Kim Il-sung falecia. [80] Houve expectativas de que o governo norte-coreano entraria em colapso e que a península seria reunificada. [81][82]

Em 1998, o presidente sul-coreano Kim Dae-jung iniciou a Política do Sol, que visava promover melhores relações com o Norte. [83] No entanto, após os ataques de 11 de setembro, o presidente dos Estados Unidos George W. Bush, não apoiou a política e, em 2002, classificou a Coreia do Norte como membro de um "Eixo do Mal". [84][85] A Política do Sol seria abandonada formalmente pelo presidente sul-coreano Lee Myung-bak após sua eleição em 2007. [86]

Enquanto isso, em resposta ao seu crescente isolamento, a Coreia do Norte redobrou seus esforços para desenvolver armas nucleares e mísseis balísticos intercontinentais. Em 1994, o presidente Bill Clinton considerou bombardear o reator nuclear de Yongbyon. Mas foi aconselhado de que, caso a guerra estourasse, poderia custar 52 mil soldados estadunidenses e 490 mil soldados sul-coreanos nos primeiros três meses, bem como um grande número de vítimas civis. [87][88] As negociações das seis partes envolvendo a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, os Estados Unidos, a Rússia, o Japão e a China começaram em 2003, mas não conseguiram resolver a questão. Em 2006, a Coreia do Norte anunciou que havia realizado com êxito seu primeiro teste nuclear. [89]

No início do século XXI, estimava-se que a concentração de poder de fogo na área entre Pyongyang e Seul era maior do que na Europa Central durante a Guerra Fria. [90] O Exército Popular da Coreia possuía numericamente o dobro do tamanho das forças armadas da Coreia do Sul e tinha a capacidade de devastar Seul com bombardeios de artilharia e mísseis. As forças armadas da Coreia do Sul, no entanto, foram avaliadas como sendo tecnicamente superiores em muitos aspectos. [91][92] As forças estadunidenses mantiveram-se na Coreia do Sul e realizam exercícios militares anuais com as forças sul-coreanas, incluindo Key Resolve, Foal Eagle e Ulchi-Freedom Guardian. Estes têm sido rotineiramente denunciados pela Coreia do Norte como atos de agressão. [93][94][95] Entre 1997 e 2016, o governo da Coreia do Norte acusou outros governos de declarar guerra contra si 200 vezes. [96]

Durante este período, dois submarinos norte-coreanos foram capturados após serem encalhados na costa sul-coreana, um perto de Gangneung em 1996 e outro perto de Sokcho em 1998. Em dezembro de 1998, a marinha sul-coreana afundou um semissubmersível norte-coreano na Batalha de Yeosu. Em 2001, a guarda costeira japonesa afundou um navio de espionagem norte-coreano na Batalha de Amami-Ōshima.

O conflito intensificou-se perto da fronteira marítima disputada conhecida como Linha de Limite Norte no Mar Amarelo. Em 1999 e 2002, houve confrontos entre as marinhas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul, conhecida como Primeira e Segunda Batalha de Yeonpyeong. Em 26 de março de 2010, um navio da marinha sul-coreana, o ROKS Cheonan, afundou perto da ilha de Baengnyeong no Mar Amarelo e um torpedo norte-coreano foi responsabilizado. Em 23 de novembro de 2010, em resposta a um exercício militar conjunto, a Coreia do Norte disparou sua artilharia na maior ilha sul-coreana de Yeonpyeong no Mar Amarelo e a Coreia do Sul retaliou.

Em 2013, em meio as tensões sobre seu programa de mísseis, a Coreia do Norte forçou o encerramento temporário da Região Industrial de Kaesong operada em conjunto. [97] A zona foi fechada novamente em 2016. [98] Um parlamentar sul-coreano seria condenado por planejar uma campanha de sabotagem para apoiar a Coreia do Norte em 2013 e preso por 12 anos. [99]

Em 2016, em face aos protestos, a Coreia do Sul decidiu implantar o sistema anti-mísseis THAAD. [100] Depois do quinto teste nuclear da Coreia do Norte em setembro de 2016, foi relatado que a Coreia do Sul havia desenvolvido um plano para destruir Pyongyang caso houvesse sinais de um ataque nuclear iminente vindo do norte. [101]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Hyung Gu Lynn (2007). Bipolar Orders: The Two Koreas since 1989. [S.l.]: Zed Books 
  2. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7 
  3. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  4. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 31–37. ISBN 0-415-23749-1 
  5. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 156–160. ISBN 0-393-32702-7 
  6. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 159–160. ISBN 0-393-32702-7 
  7. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 35–36,46–47. ISBN 0-415-23749-1 
  8. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 48–49. ISBN 0-415-23749-1 
  9. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  10. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  11. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  12. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 50–51, 59. ISBN 0-415-23749-1 
  13. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 194–195. ISBN 0-393-32702-7 
  14. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  15. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  16. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 66, 69. ISBN 0-415-23749-1 
  17. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 255–256. ISBN 0-393-32702-7 
  18. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  19. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  20. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 505–506. ISBN 0-393-32702-7 
  21. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 249–258. ISBN 0-393-32702-7 
  22. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  23. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  24. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 247–253. ISBN 0-393-32702-7 
  25. Stueck, William W. (2002), Rethinking the Korean War: A New Diplomatic and Strategic History, ISBN 0-691-11847-7, Princeton, NJ: Princeton University Press 
  26. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. ISBN 978-1-84668-067-0 
  27. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  28. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. pp. 114–115. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  29. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 72, 77–78. ISBN 0-415-23749-1 
  30. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  31. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  32. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  33. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 297–298. ISBN 0-393-32702-7 
  34. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. pp. 237–242. ISBN 978-1-84668-067-0 
  35. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  36. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 81–82. ISBN 0-415-23749-1 
  37. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. pp. 278–281. ISBN 978-1-84668-067-0 
  38. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  39. Hyung Gu Lynn (2007). Bipolar Orders: The Two Koreas since 1989. [S.l.]: Zed Books 
  40. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  41. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  42. «Chronology of major North Korean statements on the Korean War armistice». News. Yonhap. 28 de maio de 2009. Cópia arquivada em 8 de março de 2013 
  43. «North Korea ends peace pacts with South». BBC News. 8 de março de 2013. Cópia arquivada em 8 de março de 2013 
  44. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  45. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7 
  46. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  47. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. p. 48. ISBN 9780465031238 
  48. Wertz, Daniel; Oh, JJ; Kim, Insung (2015). The DPRK Diplomatic Relations (PDF) (Relatório). National Committee on North Korea 
  49. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. p. 123. ISBN 9780465031238 
  50. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 93, 95–97. ISBN 0-415-23749-1 
  51. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7 
  52. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  53. Springer, Chris (2003). Pyongyang: the hidden history of the North Korean capital. [S.l.]: Entente Bt. p. 125. ISBN 978-963-00-8104-7 
  54. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  55. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 107, 116. ISBN 0-415-23749-1 
  56. Robinson, Michael E (2007). Korea's Twentieth-Century Odyssey. Honolulu: University of Hawaii Press. ISBN 978-0-8248-3174-5 
  57. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. ISBN 978-1-84668-067-0 
  58. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  59. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. ISBN 978-1-84668-067-0 
  60. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 50–51. ISBN 9780465031238 
  61. Larson, George A. ] (2001). Cold war shoot downs: Part two. Air Classics. [S.l.]: Challenge Publications Inc. 
  62. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  63. Hyung Gu Lynn (2007). Bipolar Orders: The Two Koreas since 1989. [S.l.]: Zed Books 
  64. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 42–45. ISBN 9780465031238 
  65. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  66. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 59–66. ISBN 9780465031238 
  67. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  68. «Minutes of Washington Special Actions Group Meeting, Washington, August 25, 1976, 10:30 a.m.». Office of the Historian, U.S. Department of State. 25 de agosto de 1976. Clements: I like it. It doesn't have an overt character. I have been told that there have been 200 other such operations and that none of these have surfaced. Kissinger: It is different for us with the War Powers Act. I don't remember any such operations. 
  69. Lee Tae-hoon (7 de fevereiro de 2011). «S. Korea raided North with captured agents in 1967». The Korea Times 
  70. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 47–49, 54–55. ISBN 9780465031238 
  71. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 45–47. ISBN 9780465031238 
  72. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 55–59. ISBN 9780465031238 
  73. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. pp. 396–413. ISBN 978-1-84668-067-0 
  74. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 122–123. ISBN 9780465031238 
  75. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. pp. 417–424. ISBN 978-1-84668-067-0 
  76. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 98–103. ISBN 9780465031238 
  77. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  78. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  79. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. pp. 46–47. ISBN 978-07456-3357-2 
  80. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. pp. 173–176. ISBN 0-415-23749-1 
  81. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7 
  82. Hyung Gu Lynn (2007). Bipolar Orders: The Two Koreas since 1989. [S.l.]: Zed Books 
  83. Buzo, Adrian (2002). The Making of Modern Korea. London: Routledge. ISBN 0-415-23749-1 
  84. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7 
  85. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  86. South Korea Formally Declares End to Sunshine Policy, Voice of America, 18 de Novembro de 2010
  87. Jager, Sheila Miyoshi (2013). Brothers at War – The Unending Conflict in Korea. London: Profile Books. ISBN 978-1-84668-067-0 
  88. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. p. 247. ISBN 9780465031238 
  89. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  90. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. ISBN 978-07456-3357-2 
  91. Bluth, Christoph (2008). Korea. Cambridge: Polity Press. pp. 138–143. ISBN 978-07456-3357-2 
  92. Hyung Gu Lynn (2007). Bipolar Orders: The Two Koreas since 1989. [S.l.]: Zed Books. pp. 142–143 
  93. «Backgrounder: How DPRK has condemned U.S.-S. Korea joint military exercises». Xinhua. 22 de agosto de 2016 
  94. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun: A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. pp. 488–489, 494–496. ISBN 0-393-32702-7 
  95. Oberdorfer, Don; Carlin, Robert (2014). The Two Koreas: A Contemporary History. [S.l.]: Basic Books. pp. 61, 213. ISBN 9780465031238 
  96. Byrne, Leo (8 de Julho de 2016). «China, North Korea criticize new U.S. sanctions». NK News 
  97. K .J. Kwon (16 de setembro de 2013). «North and South Korea reopen Kaesong Industrial Complex». CNN 
  98. «South Korea to Halt Work at Joint Industrial Park With North». NBC News. 10 de fevereiro de 2016 
  99. «Leftist lawmaker gets 12-year prison term for rebellion plot». Yonhap News Agency. 17 de fevereiro de 2014 
  100. Ahn, JH (22 de agosto de 2016). «S.Korea to review possible new sites for THAAD deployment». NK News 
  101. «S. Korea unveils plan to raze Pyongyang in case of signs of nuclear attack». Yonhap News Agency. 11 de Setembro de 2015 


  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Korean conflict».