Conflito iraniano-israelita

Conflito iraniano-israelita
Data 3 de agosto de 2005 - presente
Local Médio Oriente
Situação Em andamento
Beligerantes
 Irão

Milícias apoiadas:
InfoboxHez.PNG Hezbollah
Flag of Hamas.svg Hamas (2006-2011) (2017-presente)
Flag of the Islamic Jihad Movement in Palestine.svg Movimento da Jihad Islâmica na Palestina
Red flag.svg PFLP (a partir de 2013)
Harakat as-Sabireen


Apoiado por:

 Síria

 Argélia
 Armênia
 Coreia do Norte
Sudão (até 2015)
 Israel

Milícias apoiadas:
People's Mujahedin Organization of Iran Logo.jpg Organização dos Mujahidin do Povo Iraniano
Flag of Jihad.svg Jundallah
PJAK Flag.jpg Partido da Vida Livre do Curdistão
Flag of Syria 2011, observed.svg Exército Livre da Síria (até 2018)[1][2]


Apoiado por:
 Estados Unidos
Arábia Saudita
 Emirados Árabes Unidos
 Bahrein
 Azerbaijão
Comandantes
Irã Ali Khamenei
Irã Hassan Rouhani (2013-presente)
Irã Mahmoud Ahmadinejad (2005-2013) InfoboxHez.PNG Hassan Nasrallah
Israel Benjamin Netanyahu (2009-)
Israel Ehud Olmert (2006-2009)
   

O conflito por procuração entre o Irão e Israel[3] ou o conflito iraniano-israelita[4] é a guerra de procuração em andamento entre a República Islâmica do Irão e o Estado de Israel. O conflito está vinculado na luta política entre a liderança iraniana e Israel, com Israel a procurar evitar supostas armas nucleares do governo iraniano e a destruição dos seus aliados como o Hezbollah no Líbano. As forças iranianas estão operando na Síria em apoio do governo de Bashar al-Assad[5].

Segundo o chefe da Mossad, Yossi Cohen: "Enquanto o actual regime existir, com o acordo nuclear ou sem ele, o Irão continuará a ser a principal ameaça para a segurança de Israel"[6].

Israel suspeita que Teerão persegue o objectivo de formar uma ponte terrestre contínua do Irão (através do Iraque e da Síria) para o Líbano, e se Teerão consegue "seria uma mudança de jogo estratégica"[7][8][9]. Com a Guerra Civil Síria, na esperança de reforçar a sua logística e demonstrar as capacidades de projecção na área, Teerão pretende abrir um caminho da capital iraniana para Damasco e a costa do Mediterrâneo[10][11]. O governo israelita está convencido de que o Irãi está interessado em criar a contiguidade territorial do Irão ao Mediterrâneo e na transferência de forças militares - incluindo navios de guerra, aviões de combate e milhares de soldados - para bases permanentes na Síria e está tentando "libertar" a Síria e assumir o controlo usando milícias xiitas, como tinha feito com o Hezbollah no Líbano[12]. O ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman, alertou que "tudo será possível para evitar a existência de um corredor xiita de Teerão para Damasco"[13]. A inteligência israelita descobriu que uma base iraniana estava sendo construída na Síria, apenas a 50 km da fronteira israelita[14].

Israel e a Síria observaram uma trégua desde que Israel reafirmou o seu controlo sobre a maioria dos Montes Golan na guerra de 1973, mas a Guerra Civil da Síria, que começou em 2011, levou a vários incidentes de troca de fogo nas fronteiras que antes eram pacíficas. O exército israelita está se preparando para ameaças potenciais se houver um vácuo de poder na Síria. "Depois de Assad e depois de estabelecer ou fortalecer a sua posição na Síria, eles vão se mover e desviar seus esforços e atacar Israel", disse um funcionário israelita à Associated Press em janeiro de 2014. Alguns especialistas dizem que, embora forças militantes se infiltrem na fronteira com Israel a irá levar a um aumento de medidas de segurança por parte do governo israelita, estes avanços não irão a mudar a política de não intervenção por Israel na Guerra Civil Síria[15].

No decorrer da Guerra Civil Síria, em vários incidentes, Israel teria enfrentado as forças do Hezbollah e do Irão na região. Em várias ocasiões, Israel foi suspeitado de perpetrar ou apoiar ataques contra Hezbollah e alvos iranianos nos territórios sírios ou no Líbano. O primeiro incidente deste tipo ocorreu em 30 de janeiro de 2013, quando os aviões israelitas foram acusados ​​de supostamente atacar um comboio sírio transportando armas iranianas para o Hezbollah[16]. Mais incidentes foram atribuídos à Força aérea de Israel (IAF) em maio de 2013, dezembro de 2014, abril de 2015. Alguns desses relatos foram confirmados pela República Árabe da Síria, enquanto outros foram negados. Israel se recusou sistematicamente a comentar sobre os alegados ataques contra posições do Hezbollah e do governo Baathista Sírio em território sírio. Em 2015, alegadamente, militantes do Hezbollah lançaram um ataque às forças israelitas nas fazendas de Shebaa. Em março de 2017, a Síria lançou mísseis antiaéreos em direção a uma parte controlada pelos israelitas do Montes do Golan, supostamente visando aeronaves da IAF, que a Síria afirmou estar a caminho de atacar alvos em Palmira. Após o incidente, o Estado de Israel declarou que estava visando embarques de armas encaminhados para forças anti-israelitas, especificamente o Hezbollah, localizadas no Líbano[17]. Israel negou a afirmação da Síria de que um avião foi abatido e outro danificado. Israel não informou que nenhum piloto ou aeronave desapareça na Síria ou em qualquer outro lugar no Oriente Médio após o incidente. De acordo com algumas fontes, o incidente foi a primeira vez que oficiais israelitas confirmaram claramente um ataque israelita contra alvos do Hezbollah durante a Guerra Civil Síria[18]. Em fevereiro de 2018, um F-16 da Força Aérea Israelita foi abatido pela Defesa Aérea Síria, com Israel a afirmar que tinha efectuado um ataque a posições iranianas após um drone iraniano ter violado o espaço aéreo israelita[19][20][21]. O abate do F-16 israelita simbolizou o primeiro confronto directo entre Irão e Israel[22], bem como o primeiro avião israelita a ser abatido por fogo inimigo desde 1982[23].

O Irão declara que sua política externa baseia-se em ajudar os povos oprimidos em todo o mundo - não para ganhos materiais, mas como uma acção positiva religiosa humanitária[24]. Na política externa do Irão, Israel é conceptualizado como um regime sionista que ameaça as pessoas vulneráveis ​​e a própria religião islâmica[24]. É conhecido como inimigo ideológico do Irão[25]. O Irão, em contacto com os EUA sobre a guerra contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria, disse que Israel estaria em risco se os EUA e sua coligação tentassem derrubar Assad[26]. O ataque do Hezbollah em 7 de outubro de 2014 contra as forças israelitas, a sua primeira operação desde 2006, provou a seriedade da ameaça[27]. Embora a República Islâmica do Irão tenha sido conhecida por sua postura anti-israelita desde do início, o seu apoio contínuo ao Hezbollah evoluiu para quase um confronto directo com Israel, já que o Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica infiltrou-se no Líbano e apoiou directamente o Hezbollah durante a última década. A Faixa de Gaza, dominada pelo Hamas, também tem sido tratada como um satélite do Irão[28].

Referências

  1. Jones, Rory. Israel Gives Secret Aid to Syrian Rebels. The Wall Street Journal. 18 de junho de 2017.
  2. Israel Reportedly Providing Direct Aid, Funding to Syrian Rebels. Haaretz. 19 de junho de 2017.
  3. Zada, John. «Israel's self-fulfilling prophecy on Iran». www.aljazeera.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  4. Gerges, Fawas (5 de maio de 2013). «Israel attacks show Syria's conflict becoming a regional proxy war» (em inglês). ISSN 0307-1235 
  5. Dehghan, Saeed Kamali (28 de maio de 2012). «Syrian army being aided by Iranian forces». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  6. «Mossad chief: Iran will pose threat to Israel with or without nuclear deal». The Jerusalem Post | JPost.com 
  7. «Intelligence Ministry D-G: Threat of Iranian dominance in region 'immediate'». The Jerusalem Post | JPost.com 
  8. «Tehran's land corridor through Syria, a reality». Jordan Times (em inglês). 13 de junho de 2017 
  9. «Iran gaining foothold in the region and nearing Israeli border». Ynetnews (em inglês). 14 de junho de 2017 
  10. «The Race to the Iraqi Border Begins». Stratfor (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  11. Chulov, Martin (16 de maio de 2017). «Iran changes course of road to Mediterranean coast to avoid US forces». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  12. Ravid, Barak (23 de agosto de 2017). «Netanyahu: I Told Putin Iranian Forces Must Be Removed From Syria». Haaretz (em inglês) 
  13. «After alleged Syria strike, Liberman says Israel will prevent Iranian corridor» (em inglês) 
  14. «Iran building a permanent military base in Syria — report» (em inglês) 
  15. «Golan unrest spells militant threat for Israel's Syria borders». Middle East Eye (em inglês) 
  16. «'Israel strikes Syrian weapons en route to Hezbollah'». The Jerusalem Post | JPost.com 
  17. CNN, Oren Liebermann and Euan McKirdy,. «Israeli jets strike inside Syria; military site near Palmyra reportedly targeted». CNN 
  18. «Netanyahu: Syria strikes were to block transfer of weapons to Hezbollah». The Jerusalem Post | JPost.com 
  19. «Israeli jet shot down after bombing Iranian site in Syria». Reuters. Sun Feb 11 00:47:56 UTC 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  20. «Israeli F-16 fighter jet crashes under Syrian anti-aircraft fire amid IDF cross-border raid». RT International (em inglês) 
  21. Khoury, Jack; Reuters (11 de fevereiro de 2018). «Hezbollah: Downing of Israeli F-16 Marks 'Start of New Strategic Phase'». Haaretz (em inglês) 
  22. Pfeffer, Anshel (13 de fevereiro de 2018). «After Years of Covert Proxy Wars, Iran Shifts to Direct Contact With Israel». Haaretz (em inglês) 
  23. Kubovich, Yaniv (11 de fevereiro de 2018). «Israel Army: Drone Was Allowed to Cross Into Israel to Prove Iranian Aggression». Haaretz (em inglês) 
  24. a b «Palestine from the viewpoint of Imam Khomeini [Electronic resources] نسخه متنی». library.tebyan.net (em persa). Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  25. «Palestine from the viewpoint of Imam Khomeini». english.almaaref.org. Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  26. staff, Guardian; agencies (11 de outubro de 2014). «Iran warns of risk to Israel's security should US seek overthrow of Assad». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018 
  27. «The Silent Partnership» 
  28. «Why Is Iran Shipping Arm to Hamas and Hezbollah?». TheBlaze (em inglês). 9 de abril de 2014