Abrir menu principal

Conflito na Irlanda do Norte

Conflito na Irlanda do Norte
Ireland stub3.svg
Data 1968–1998
Local Irlanda do Norte.
Violência estendida para a Inglaterra, a República da Irlanda e a Europa continental.
Desfecho Impasse militar[1] e cessar-fogo dos paramilitares
Acordo de Belfast
Acordo de St Andrews
Combatentes
 Reino Unido

 Irlanda

IrishRepublicanFlag.png Republicanos Irlandeses
  • IRA
  • Exército de Libertação Nacional Irlandês
  • Organização Popular Irlandesa de Libertação
Ulster loyalist flag.svg Lealistas do Ulster
  • Milícias e forças de segurança
Total de mortos: 3 532 (incluindo 1 841 civis)[2]
Total de feridos: ~ 47 500[3]

O conflito na Irlanda do Norte (também conhecido em inglês como The Troubles ou O Problema ou ainda As Tretas) foi um conflito de grande violência pelo estatuto político da Irlanda do Norte, que causou grande perda de vidas durante a segunda metade do século XX. Tratava-se, em primeiro lugar, da população protestante (maioria), em favor de preservar os laços com a Grã-Bretanha, e do outro lado a população católica (minoria), em favor da independência ou da integração da província com a República da Irlanda, ao sul, país predominantemente católico. Ambas as partes recorreram às armas, e a província mergulhou em uma espiral de violência que durou desde o final da década de 1960 até a assinatura do Acordo de Belfast, ou Acordo da Sexta-Feira Santa, em 10 de Abril de 1998, que estabeleceu as bases para um novo governo em que católicos e protestantes compartilhassem o poder.[4][5][6][7][8] No entanto, a violência continuou após essa data e ainda continua de forma ocasional e em pequena escala [9].

O conflito começou na segunda metade dos anos 1960 pelo movimento dos direitos civis contra a segregação religiosa vivida pelos católicos. A oposição entre os republicanos (principalmente o Exército Republicano Irlandês), lealistas e unionistas sobre o futuro da Irlanda do Norte resultou em um aumento da violência durante trinta anos pelos grupos paramilitares de oposição de cada lado, a Policia Real do Ulster, diferentes seções do exército britânico, mas também grande parte da população civil. As campanhas de violência, acompanhadas pela incapacidade do poder político na Irlanda do Norte, levaram a Grã-Bretanha e a República da Irlanda ao estabelecimento de uma solução pacífica com o Acordo de Belfast, apesar da pressão da comunidade internacional.

O conflito tem sido repetidamente descrito como terrorismo,[10] um conflito étnico,[11] uma guerra de guerrilha,[12] um conflito de baixa intensidade e até como uma guerra civil.[13] A violência do conflito muitas vezes ultrapassou as fronteiras da Irlanda do Norte, estendendo-se à República da Irlanda e ao Reino Unido. O conflito tinha tanto dimensões políticas quanto militares (ou paramilitares). Seus participantes incluíam políticos e ativistas políticos de ambos os lados, republicanos e lealistas paramilitares, e as forças de segurança do Reino Unido e da República da Irlanda. Enquanto que o conflito nunca foi uma guerra declarada, o grande número de baixas sofrido pelas forças britânicas (725 mortos e milhares de feridos), os recursos utilizados pelo governo britânico por mais de 25 anos, a destruição causada em muitas cidades e ao povo da Irlanda do Norte e à Inglaterra, e o complexo arsenal utilizado pelos grupos paramilitares sugerem que o conflito foi uma guerra de facto.

ContextoEditar

 
A Batalha do Boyne (12 de julho de 1690) por Jan van Huchtenburg

1609–1791Editar

Em 1609, colonos escoceses e ingleses, conhecidos como plantadores, receberam terras tomadas dos irlandeses nativos na plantação de Ulster.[14] Juntamente com a imigração protestante para áreas "não plantadas" do Ulster, particularmente Antrim e Down, isso resultou em conflito entre os católicos nativos e os "plantadores", levando, por sua vez, a dois sangrentos conflitos religiosos conhecidos como as Guerras Confederadas Irlandesas (1641-1653) e a Guerra Guilhermista (1689–1691), ambas resultando em vitórias protestantes.

O domínio anglicano na Irlanda foi assegurado pela aprovação das Leis Penais que restringiam os direitos religiosos, legais e políticos de qualquer pessoa (incluindo católicos e protestantes, como presbiterianos) que não se conformassem com a igreja estatal, a Igreja Anglicana da Irlanda. Quando as Leis Penais começaram a ser extintas na última parte do século XVIII, houve mais competição por terras, pois foram levantadas restrições aos alugueis para os irlandeses católicos. Com os católicos romanos autorizados a comprar terras e a entrar em negócios dos quais haviam sido banidos anteriormente, surgiram tensões, resultando nos protestantes "Peep O'Day Boys"[15] e os "Defenders" católicos. Isso criou uma polarização entre as comunidades e uma redução drástica de reformadores entre os protestantes, muitos dos quais estavam se tornando mais receptivos à reforma democrática.[15]

1791–1912Editar

Após a fundação da Sociedade dos Irlandeses Unidos por presbiterianos, católicos e anglicanos liberais e republicanos, e a resultante Rebelião Irlandesa de 1798, a violência sectária entre católicos e protestantes continuou. A Ordem de Orange (fundada em 1795), com seu objetivo declarado de manter a fé e a lealdade protestantes aos herdeiros de Guilherme de Orange, permanece ativa até hoje.[16]

Com os Atos de União de 1800 (que entraram em vigor em 1 de janeiro de 1801), um novo quadro político foi formado com a abolição do Parlamento irlandês e a incorporação da Irlanda no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. O resultado foi uma ligação mais estreita entre anglicanos e os ex-republicanos presbiterianos como parte de uma comunidade protestante "lealista". Embora a emancipação católica tenha sido alcançada em 1829, eliminando amplamente a discriminação oficial contra católicos romanos (então cerca de 75% da população da Irlanda), dissidentes e judeus, a campanha da Associação pela Derrogação para revogar a União de 1801 falhou.

No final do século XIX, o movimento pelo Auto Governo foi criado e serviu para definir a divisão entre a maioria dos nacionalistas (geralmente católicos), que buscavam a restauração de um parlamento irlandês, e a maioria dos unionistas (geralmente protestantes), que tinham medo de ser minoria sob um parlamento irlandês dominado pelos católicos e tendiam a apoiar a união contínua com a Grã-Bretanha.

Os unionistas e os defensores do governo local eram as principais facções políticas na Irlanda do final do século XIX e do início do século XX.[17]

 
O Pacto de Ulster foi emitido em protesto contra a Terceiro Lei do Auto Governo, em setembro de 1912.
 
A Proclamação da República da Irlanda foi publicada durante a Revolta da Páscoa de abril de 1916.

1912–1922Editar

 Ver artigo principal: Partição da Irlanda

Na segunda década do século XX, o auto governo irlandês limitado estava prestes a ser concedido devido à agitação do Partido Parlamentar Irlandês. Em resposta à campanha pelo Auto Governo, iniciada na década de 1870, os unionistas, principalmente protestantes e concentrados em Ulster, resistiram ao auto governo e à independência da Irlanda, temendo pelo seu futuro em um país predominantemente católico dominado pela Igreja Católica Romana. Em 1912, os unionistas liderados por Edward Carson assinaram o Pacto de Ulster e prometeram resistir ao auto governo, pela força, se necessário. Para isso, eles formaram a Força Voluntária Paramilitar de Ulster (UVF, em inglês).[18]

Em resposta, os nacionalistas liderados por Eoin MacNeill formaram os Voluntários Irlandeses, cujo objetivo era se opor à UVF e garantir a promulgação da Terceira Lei do Auto Governo em caso de recalcitrância britânica ou unionista. A eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914, e o envolvimento da Irlanda na guerra, temporariamente evitaram possíveis guerras civis na Irlanda e atrasaram a resolução da questão da independência da Irlanda. O auto governo, embora aprovado no Parlamento britânico com o consentimento real, foi suspenso durante a guerra.

Os Voluntários Irlandeses se dividiram, com a maioria deles, conhecidos como Voluntários Nacionais, apoiando o esforço de guerra, e alguns se juntando a regimentos irlandeses do Novo Exército Britânico. Muitos dos que ficaram fora da guerra eram nacionalistas radicais, entre eles infiltrados da Irmandade Republicana Irlandesa. Destas fileiras vieram os que realizaram a Revolta da Páscoa em Dublin em 1916, liderados por Padraig Pearse e James Connolly. Dois anos e meio após as execuções de quinze dos líderes da Revolta, o partido separatista Sinn Féin venceu as eleições gerais de dezembro de 1918 na Irlanda, com 48% dos votos e a maioria dos assentos, e estabeleceu a Primeira Dáil de 1919 (Parlamento irlandês) em Dublin. Sua vitória foi auxiliada pela ameaça de recrutamento para o serviço da Primeira Guerra Mundial. A Guerra da Independência da Irlanda se seguiu, levando à eventual independência em 1922 para o Estado Livre Irlandês, que compreendia 26 dos 32 condados irlandeses. Em Ulster, particularmente nos seis condados que se tornaram a Irlanda do Norte, o Sinn Féin se saiu relativamente mal nas eleições de 1918, e os unionistas ganharam a maioria.[18]

A Lei do Governo da Irlanda de 1920 dividiu a ilha da Irlanda em duas jurisdições distintas, a Irlanda do Sul e a Irlanda do Norte, ambas regiões devolutas do Reino Unido. Esta partição da Irlanda foi confirmada quando o Parlamento da Irlanda do Norte exerceu seu direito, em dezembro de 1922, sob o Tratado Anglo-Irlandês de 1921, de "optar por não participar" do recém-estabelecido Estado Livre Irlandês.[19] Uma parte do tratado assinado em 1922 determinou que uma comissão de fronteira se sentasse para decidir onde a fronteira do estado do norte estaria em relação ao seu vizinho do sul. Após a Guerra Civil Irlandesa de 1922 a 1923, essa parte do tratado recebeu menos prioridade pelo novo governo de Dublin, liderado por W. T. Cosgrave, e foi abandonada. Como os condados Fermanagh e Tyrone e as áreas fronteiriças de Londonderry, Armagh e Down eram principalmente nacionalistas, a Comissão de Fronteira Irlandesa poderia reduzir a Irlanda do Norte para quatro condados ou menos.[18]

A Irlanda do Norte permaneceu uma parte do Reino Unido, embora sob um sistema de governo separado, pelo qual recebeu seu próprio parlamento e um governo delegado. Embora esse acordo atendesse aos desejos dos sindicalistas de permanecer parte do Reino Unido, os nacionalistas viam a partição da Irlanda como uma divisão ilegal e arbitrária da ilha contra a vontade da maioria de seu povo. Eles argumentaram que o estado da Irlanda do Norte não era legítimo nem democrático, mas criado com uma maioria unionista que deliberadamente realizou a prática de gerrymandering. Os católicos compunham inicialmente cerca de 35% de sua população.[20] Um total de 557 pessoas, a maioria católicas, foram mortas em violências políticas ou sectárias entre 1920 e 1922 nos seis condados que se tornariam a Irlanda do Norte, durante e após a Guerra da Independência da Irlanda.[21] O resultado foi um conflito comunitário entre católicos e protestantes,[22] com alguns historiadores descrevendo essa violência, especialmente a de Belfast, como um pogrom,[23][24] embora o historiador Peter Hart argumente que o termo não é apropriado, dada a reciprocidade da violência na Irlanda do Norte.[25]

 
Sir James Craig, 1º Primeiro Ministro da Irlanda do Norte, que disse: "Tudo o que me orgulho é que somos um Parlamento Protestante e um Estado Protestante".

1922–1966Editar

Um remanescente marginalizado do Exército Republicano Irlandês (IRA) sobreviveu à Guerra Civil Irlandesa. Isso teria um grande impacto na Irlanda do Norte. Embora o IRA tenha sido proscrito nos dois lados da nova fronteira irlandesa, ele permaneceu ideologicamente comprometido em derrubar os governos da Irlanda do Norte e do Estado Livre pela força de armas para unificar a Irlanda. O governo da Irlanda do Norte aprovou a Lei de Poderes Especiais em 1922, concedendo amplos poderes ao governo e à polícia para internar suspeitos sem julgamento e para administrar punições corporais, como açoitamentos, para restabelecer ou preservar a lei e a ordem. A lei continuou a ser usada contra nacionalistas por muito tempo após o fim da violência desse período.[26] Em 1920, nas eleições locais realizadas sob representação proporcional, os nacionalistas haviam conquistado o controle sobre muitos governos locais, incluindo os conselhos municipais de Fermanagh e Tyrone, e o conselho de Londonderry, que governa Derry. Em resposta, em 1922, o novo governo unionista reformulou as fronteiras eleitorais para dar aos seus partidários uma maioria e aboliu a representação proporcional em favor de uma maioria simples. Isso resultou no controle unionistas de áreas como Derry, Fermanagh e Tyrone, onde eram na verdade uma minoria de eleitores.[27]

As posições dos dois lados passaram a ser rigorosamente definidas após esse período. De uma perspectiva unionista, os nacionalistas da Irlanda do Norte eram inerentemente desleais e determinados a forçar uma Irlanda unida. Essa ameaça justificava o tratamento preferencial dos unionistas em termos de habitação, emprego e outros campos. A prevalência de famílias maiores e, portanto, o potencial para um crescimento populacional mais rápido entre os católicos, eram vistos como uma ameaça. Os governos unionistas ignoraram o aviso de Edward Carson, em 1921, de que alienar católicos tornaria a Irlanda do Norte inerentemente instável. Após o início da década de 1920, houve incidentes ocasionais de distúrbios sectários na Irlanda do Norte. Isso incluía tumultos severos em Belfast nas décadas de 1930 e 1950, e a breve Campanha do Norte do IRA na década de 1940 e a Campanha de Fronteira entre 1956 e 1962, que não gozavam de amplo apoio popular entre os nacionalistas. Depois que o IRA interrompeu sua campanha em 1962, a Irlanda do Norte tornou-se relativamente estável por um breve período.[18]

Referências

  1. Taylor, Peter, Behind the mask: The IRA and Sinn Féin, Chapter 21: Stalemate, pp. 246–261.
  2. Malcolm Sutton's Index of Deaths from the Conflict in Ireland: Status summary. Conflict Archive on the Internet (CAIN)
  3. Security and defence-related statistics. Conflict Archive on the Internet (CAIN)
  4. The Politics of Northern Ireland: Beyond the Belfast Agreement by Arthur Aughey (ISBN 978-0-415-32788-6), page 7
  5. Holland, Jack: Hope against History: The Course of Conflict in Northern Ireland. Henry Holt & Company, 1999, page 221. ISBN 0-8050-6087-1
  6. Historical Dictionary of the Northern Ireland Conflict by Gordon Gillespie (ISBN 978-0-8108-5583-0), page 250
  7. Elliot, Marianne: The Long Road to Peace in Northern Ireland: Peace Lectures from the Institute of Irish Studies at Liverpool University. University of Liverpool Institute of Irish Studies, Liverpool University Press, 2007, page 2. ISBN 1-84631-065-2
  8. Goodspeed, Michael: When reason fails: portraits of armies at war : America, Britain, Israel, and the future. Greenwood Publishing Group, 2002, pp. 44 and 61. ISBN 0-275-97378-6
  9. «Draft List of Deaths Related to the Conflict. 2002-». Consultado em 31 de julho de 2008 
  10. «Northern Ireland». MI5. Consultado em 2 de outubro de 2007. Arquivado do original em 5 de outubro de 2007 
  11. Coakley, John. «Ethnic Conflict and the Two-state Solution: The Irish Experience of Partition». Consultado em 2 de outubro de 2007. Arquivado do original em 3 de abril de 2012 
  12. Knickerbocker, Brad (20 de setembro de 2004). «Classic Guerrilla war forming in Iraq». Christian Science Monitor. Consultado em 2 de outubro de 2007 
  13. Guerra civil en Irlanda del Norte 1968-1994 On War, 16 de diciembre de 2000
  14. «Out of trouble: How diplomacy brought peace to Northern Ireland». CNN (em inglês). 17 de março de 2008. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  15. a b Wright, Frank (1996). Two lands on one soil: Ulster politics before home rule (em inglês). Dublin: Gill & Macmillan. ISBN 0717121798. OCLC 34557595 
  16. «Profile: The Orange Order». BBC News (em inglês). 4 de julho de 2001. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  17. English, Richard (2007). Irish freedom : the history of nationalism in Ireland (em inglês). Londres: Pan Books. ISBN 9780330427593. OCLC 165407005 
  18. a b c d Coogan, Tim Pat (2002). The troubles: Ireland's ordeal, 1966-1996, and the search for peace (em inglês) Palgrave ed. Nova Iorque: Palgrave for St. Martin's Press. ISBN 0312294182. OCLC 48799823 
  19. «House of Commons Hansard Debates for 15 Dec 1993». publications.parliament.uk. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  20. Taylor,, Peter (1989). Families at war: voices from the troubles (em inglês). Londres: BBC Books. ISBN 0563207884. OCLC 20970228 
  21. English, Richard (2005). Armed struggle: the history of the IRA (em inglês). Oxford: Oxford University Press. ISBN 0195177533. OCLC 57377440 
  22. «CRESC Working Paper Series: Working Paper No. 122» (PDF). web.archive.org. 1 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  23. Meehan, Niall (1 de janeiro de 1970). «Facts and Figures of the Belfast Pogrom 1920-1922 G.B. Kenna 1922». Academia.edu (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2019 
  24. «Tit-for-tat: the War of Independence in the northern counties». History Ireland. 4 de março de 2013. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  25. Hart, Peter (2003). The I.R.A at war : 1916-1923 (em inglês). Oxford: Oxford University Press. ISBN 9780191530944. OCLC 252697712 
  26. K. Dohonue, Laura (1988). «Regulating Northern Ireland: The Special Powers Acts, 1922–1972». The Historical Journal. 1 (4) 
  27. «Revisiting the Northern Ireland Civil Rights Movement: 1968-69». The Irish Story (em inglês). 3 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de agosto de 2019 

BibliografiaEditar

  • McKittrick, David y McVea, David; Making Sense of the Troubles; Penguin Books Ltd, 2001; ISBN 0-14-100305-7

Ver TambémEditar