Conselho Militar Siríaco

O Conselho Militar Siríaco (em siríaco: ܡܘܬܒܐ ܦܘܠܚܝܐ ܣܘܪܝܝܐ Mawtbo Fulhoyo Suryoyo, MFS; em árabe: المجلس العسكري السرياني السوري) é uma organização militar siríaca/assíria na Síria. A criação da organização foi anunciada a 8 de janeiro de 2013. De acordo com o Conselho Militar Siríaco, o seu objetivo é defender os direitos nacionais dos cristãos siríacos e proteger o povo assírio e siríaco-arameu na Síria.[3] A organização combate sobretudo nas áreas de povoamento assírio da província de Hasakh.[4]

Conselho Militar Siríaco
País Síria
Subordinação Forças Democráticas Sírias
Partido da União Siríaca
Missão Defesa regional
Tipo de unidade Milícia
Sigla MFS
Criação 8 de janeiro de 2013
História
Guerras/batalhas Guerra Civil Síria
Logística
Efetivo +2.000[1]
Comando
Líder Gewargis Hanna[2]

A 16 de dezembro de 2013, o Conselho Militar Siríaco anunciou a fundação de uma nova academia militar chamada "Mártir Abgar".[5] A 24 de dezembro, o MFS revelou fotografias mostrando o seus membros controlando a aldeia siríaca de Ghardukah, a 8 kms a sul de Al-Qahtaniyah(Tirbespiyê/Qabre Hewore). A igreja da aldeia tinha sido completamente destruída pela Al-Nusra, que tinha ocupado a localidade antes de, em meados de outubro, ter sido expulsa noma operação das Unidades de Proteção Popular (YPG),[6] em que membros do MFS poderão ter participado.

Em setembro de 2015 o Conselho Militar Siríaca criou uma brigada feminina chamada Forças de Proteção das Mulheres de Bethnahrain (HSNB).[7][8][9]

HistóriaEditar

Operações em Tell Brak e Tel Hamis (2013-14)Editar

O MFS participou na ofensiva das YPG contra a Al-Nusra e o Estado Islâmico, que começou a 26 de dezembro de 2013 na área de Tel Hamis.[10] As YPG e o MFS não conseguiram manter a aldeia de Tell Brak nem caputar Tel Hamis, e suspenderam a ofensiva no princípio de janeiro. No entanto, a 23 de fevereiro, um ataque feito antes do amanhecer pelas YPG e pelo MFS capurou Tell Brak.[11]

Ofensiva de junho de 2014 na fronteira Síria-IraqueEditar

O MFS participou com forças das YPG numa ofensiva ao longo da fronteira entre a Síria e o Iraque. As forças conjuntas conseguiram repelir as forças do Estado Islâmico após este ter tomado Mossul e a maior parte da província de Ninawa durante a sua ofensiva de junho de 2014. A operação resultou na tomada de Til-Koçar, no lado Sírio da fronteira, e de Rabia, no lado iraquiano.[12][13]

Ofensiva de agosto de 2014 em Ninawa e no SinjarEditar

Junto com as YPG e outros aliados, o MFS participou numa ofensiva no distrito iraquiano de Sinjar, na província de Ninawa, para proteger as minorias dos ataques do EI.[14]

Operaçãos no Vale do Khabur (2015-16)Editar

O Estado Islâmico lançou uma série de ataques no final de fevereiro de 2015 contra aldeias cristãs nordeste de província de Hassakej, no vale do rio Khabur,[15] com o objetivo de caputar a estratégica localidade de Tel Tamer, controlada pelas YPG e pelo MFS.[16] No princípio de março de 2015, unidades do Conselho Militar Siríaco e das YPG participaram em violentos combates na região, nomeadamente junto às aldeias de Tel Nasri e Tel Mghas.[17] A 15 de março de 2015, o Conselho declarou ter controlado Tel Mghas.[18]

A 11 de outubro de 2015, o Conselho Militar Siríaco tornou-se um dos grupos fundadores das Forças Democráticas Sírias (em árabe: قوات سوريا الديمقراطية, translit. Quwwāt Sūriyā al-Dīmuqrāṭīya, QDS). A 31 de outubro, as QDS lançaram uma ofensiva em direção ao sul, ao longo do rio Khabur. As QDS, que incluem as YPG, as YPJ, o MFS, as forças al-Sanadid, a Brigada de Libertação e o Exército dos Revolucionários, capturaram a localidade de al-Hawl a 13 de novembro. Após a captura de al-Hawl, a localidade de al-Shaddadi mais a sul passou a ser o próximo objetivo das QDS.[19]

A 16 de fevereiro de 2016, as QDS lançaram a ofensiva Shaddadim que resultou na captura da localidade e de centenas de outras aldeias, Durante a ofensiva, o Estado Islâmico libertou 45 refêns assírios que tinha raptado em fevereiro de 2015.[20]

Raqqa (2016–17)Editar

O Conselho Militar Siríaco, em cojunto com a Força de Proteção das Mulheres de Bethnahrin estão participando na ofensiva das ODS contra Raqqa que começou a 6 de novembro de 2016. A 7 de novembro, o MFS declarou que "A luta contra os terroristas é a luta pela existência do nosso povo siríaco-assírio e não podemos descansar está esta luta estar ganha."[21] Em janeiro de 2017, 6 combatentes do MFS foram mortos durante a ofensiva de Raqqa .[22][23]

A 22 de janeiro de 2017, a União Siríaca Europeia em Bruxelas apelou aos Estados Unidos e à Administração Trump para darem mais apoio às componentes assírias e curdas das Froças Democráticas Sírias. Os EUA alegadamente favoreceriam as componentes árabes das QDS.[24] A 3 de abril, o MFS e a HSNB voltaram a pedir mais apoio aos EUA.[25]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Syrien: Christen lassen sich von IS nicht vertreiben». Die Welt. 14 de março de 2015. Consultado em 14 de março de 2015 
  2. «20 Minuten - Schweizer Christen kämpfen gegen den IS - News». 20 Minuten (em alemão) 
  3. Khalel, Sheren; Vickery, Matthew (24 de fevereiro de 2015). «Syria's Christians Fight Back». Foreign Policy Magazine (em inglês) 
  4. «Syriacs establish military council in Syria». Hürriyet Daily News. 2 de fevereiro de 2013. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  5. «The Academy Martyr Abgar (Sohdo Abgar) of Syriac Military Council was founded!». YouTube (em inglês). 16 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  6. «Sher Tirbesipi» (em curdo). Rûdaw Kurdish. 14 de outubro de 2013. Consultado em 26 de fevereiro de 2014 
  7. «Bethnahrin Women Protection Forces Founded against ISIS» (em inglês). Bianet 
  8. «Assyrian Female Fighters Joined Battlefronts Against ISIS in Northeastern Syria» (em inglês). Assyrian International News Agency 
  9. «The revolutionaries of Bethnahrin: cooperation between Christians and Kurds». Links International Journal of Socialist Renewal (em inglês) 
  10. «Interview with Christian SMC fighters and local Sunni Arabs who fights along YPG and YPJ». YouTube. 3 de janeiro de 2014. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  11. «Syrian Kurds take town from Islamists: watchdog». Reuters (em inglês). 22 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de abril de 2017 
  12. «Presence of the MFS at the border of Iraq». Syriac International News Agency (em inglês). 16 de junho de 2014. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  13. «أراء مقاتلي وحدات حماية الشعب في بلدة ربيعة». YouTube (em árabe). 16 de junho de 2014. Consultado em 12 de outubro 2014 
  14. «Video: YPG and MFS arrived in Shingal Mountains Sinjar to protect the refugees who fled from Shingal and other Towns». Frequency. Consultado em 17 de abril de 2017. Arquivado do original em 9 de agosto de 2014 
  15. «Assyrian Christian leaders call for help against renewed ISIS offensive in Hassakeh». Christian Today. 11 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  16. Burger, John (7 de março de 2015). «Christian Area in Northeast Syria Said to Be Under Heavy ISIS Assault». Aleteia. Consultado em 17 de abril de 2017 
  17. «ISIS Crosses River in New Attacks on Assyrian Villages in Syria». 7 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  18. «MFS and YPG liberated the church of Tel Mghas and are present there now». SyriacMilitaryMFS. 15 de março 2015. Consultado em 17 de abril de 2017 
  19. Haji, Siber; Miste, Qehreman (21 de novembro de 2015). «War on ISIS unites Syrian Kurds, Arabs and Christians». ARA News (em inglês) 
  20. Miste, Qehreman (23 de fevereiro de 2016). «ISIS releases 42 Christian hostages northeast Syria». ARA News (em inglês) 
  21. «SDF marching on Raqqa is mix of ethnicities, religions, genders». Rudaw (em inglês). 7 de novembro de 2016 
  22. «FIVE FIGHTERS OF THE SYRIAC MILITARY COUNCIL HAVE FALLEN AS MARTYRS IN RAQQA». Syriac International News Agency (em inglês). 19 de janeiro de 2017 
  23. «Kurds confirm death of third US volunteer as part of Raqqa campaign» (em inglês). ARA News. 27 de janeiro de 2017. Consultado em 17 de abril de 2017. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  24. «ESU: URGENT APPEAL AFTER MANY CHRISTIANS FELL IN THE STRUGGLE TO LIBERATE RAQQA» (em inglês). European Syriac Union. 22 de janeiro de 2017. Consultado em 17 de abril de 2017 
  25. «MFS: WE ASK THE US FOR EQUAL SUPPORT AS IS GIVEN TO THE ARABS». Syriac Military Council. 3 de abril de 2017