Abrir menu principal

Contos da Montanha

Contos da Montanha é um livro de vinte e três contos da autoria do escritor português Miguel Torga e publicado em 1941 . Estes textos pretendem demonstrar e descrever o comportamento , as emoções e os sentimentos humanos de uma pequena aldeia no interior rural de Portugal (mais precisamente na região de Trás-os-Montes ) , durante o regime do Estado Novo na época de Antonio Oliveira Salazar .

Contos da Montanha
Autor Miguel Torga
Idioma língua portuguesa
País Portugal
Assunto Retrato social
Género Ficção, Contos
Localização espacial Trás-os-Montes
Editora Coimbra
Lançamento 1941
ISBN 9789896600303


ContosEditar

  • A Maria Lionça - Neste conto , o autor da a conhecer ao leitor Maria Lionça , a protagonista deste conto . Maria é uma mulher respeitada , amada , pobre , bonita e forte . Viveu em Galafura , durante setenta anos , onde encontrou o amor da sua vida , Lourenço Ruivo , com quem casou e teve um filho chamado Pedro . No entanto , Lourenço acaba por provocar um enorme desgosto amoroso a Maria , quando foge para o Brasil sem dar noticias previas . O conto avança quinze anos no tempo , onde Lourenço regressa extremamente doente para Portugal e Maria acaba por perdoa-lhe o desgosto . Pouco tempo depois , Lourenço morre (vitima da sua doença) e Maria fica novamente sozinha a cuidar do filho , que também acaba por adoecer e morre nos braços da própria mãe . No fim do conto , Maria acaba por morrer depois de dedicar toda a sua vida a ajudar os outros.
  • Um Roubo - Neste conto , o autor conta-nos a historia de Faustino , um ladrão tem o velho sonho : assaltar a Senhora da Saúde . Decide que precisa de alimentar a sua familia , mas para tal efeito , roubará a caixa das esmolas da igreja . Depois desse roubo , Faustino começa a ser marginalizado pelos da aldeia .
  • Amor ;
  • Homens de Vilarinho - Neste conto , o autor conta a historia de Firmo , personagem marcada pela indignação que sente à sua própria terra natal . Nem mesmo o facto de ter mulher e filhos que o levavam a ficar no lugar . E nem mesmo , as inúmeras repreensões e tentativas do padre João , pároco da aldeia , para convence-lo a ficar . Mas por Firmo possuir um desejo de conhecer o mundo para lá da sua pequena aldeia , isto não o permite permanecer . Por possuir esta mentalidade , Firmo é caraterizado no conto como aquele que "desorientava Vilarinho" . Por não cultivar o sentimento de permanecer na sua terra natal e nem ao seu lar , é caraterizado ao longo da narrativa como um desertor .
  • O cavaquinho - Neste conto , narra-se a historia de uma família muito pobre que vivia num casebre a "três léguas" de Vilela , onde o patriarca da família decide prometer uma prenda de Natal ao filho de 10 anos , como forma de o recompensar pelo bom desempenho no primeiro exame da escola . A criança entusiasmada e bastante curiosa em saber o que iria receber , uma vez que conhecia a fraca condição financeira dos pais . O facto de poder receber algo novo , deixava-o incrivelmente fascinado . No entanto , na noite em que , supostamente , iria descobrir o que seria o seu presente , recebe a triste noticia de que o seu pai morrera vitima de uma facada , perto de um cavaquinho que trazia ; terminando desta forma o conto .
  • A ressurreição ;
  • Um filho ;
  • A promessa ;
  • Maio moço ;
  • O bruxedo ;
  • A paga ;
  • Inimigas ;
  • Solidão ;
  • A ladainha ;
  • O vinho ;
  • O Lugar de sacristão ;
  • Justiça ;
  • A vindima ;
  • Um coração desassossegado ;
  • A revelação ;
  • O desamparo de São Frutuoso ;
  • O castigo ;
  • O pé tolo ;

Contexto históricoEditar

Miguel Torga fez parte do Presencismo, movimento literário de extrema relevância. O Presencismo, também conhecido como a segunda fase do modernismo português, teve início no ano de 1927 com a publicação da Revista Presença: Folha de Arte e Crítica. A Revista Presença reuniu aqueles que não participaram do Orfismo literário em Portugal , em virtude de divergências estéticas. Ao contrário do Orfismo, que tinha como objetivo apresentar poesia que rompesse com os padrões literários vigentes, ao chocar e provocar a opinião dos críticos e do público em geral , mais especificamente a burguesia da época . O Presencismo tinha como ideal interrogar o sentido da existência humana. A sua obra reflete as apreensões, as esperanças e as angústias da sua época e da população das aldeias portuguesas , traduzindo-se numa grande audácia contra as injustiças e demonstrava uma enorme revolta para com os abusos do poder , as suas obras abordaram temas bucólicos , como : a angústia da morte, a revolta, a justiça , a liberdade, o amor, e deixou transparecer uma aliança íntima e permanente entre o homem e a terra.

PrefáciosEditar

O prefácio mais conhecido seria o da quarta edição , onde o autor denuncia inumerosos problemas e denuncias sociais pelo qual as aldeias do interior português na época :

  • Quarta Edição : São Martinho de Anta , Natal de 1968 ( Contos da Montanha 7.ª ed. Coimbra .)

Ver TambémEditar

BibliografiaEditar

  1. Torga , Miguel (1941) - Contos da Montanha 7.ª ed. Coimbra . 228 páginas ;
  2. Lousada , Vitor José Gomes (1961) - Viajar com... Miguel Torga . 63 paginas , ISBN 978-989-8309-75-4 ;