Liga dos Campeões da UEFA

competição de clubes de futebol europeus
(Redirecionado de Copa dos Campeões da Europa)

A Liga dos Campeões da UEFA (em inglês: UEFA Champions League) é uma competição anual de futebol em nível continental, organizada pela União das Associações Europeias de Futebol (UEFA) e disputada por clubes da Europa. É um dos torneios mais prestigiados do mundo e a competição de clubes mais prestigiada no futebol europeu, disputada pelas equipes mais bem classificadas nas respectivas ligas nacionais na temporada anterior, sendo o número de vagas atribuído consoante o coeficiente da UEFA. A final da Liga dos Campeões da UEFA é o evento esportivo anual mais visto em todo o mundo. A final da edição de 2012–13 teve o maior número de audiências até o momento, atraindo 360 milhões de telespectadores.[1]

Liga dos Campeões da UEFA
Temporada, competição ou edição atual:
evento esportivo atual Liga dos Campeões da UEFA de 2023–24
Outros nomes UEFA Champions League (em inglês)
Anteriormente Taça dos Clubes Campeões Europeus
Organização UEFA
Desporto Futebol
Região Europa
Fundada 1955; há 69 anos
Formato Grupos e eliminatórias
Nº de times 32 (fase de grupos)
79, 80 ou 81 (total)
Acesso à Copa do Mundo de Clubes da FIFA
Copa Intercontinental da FIFA
Supercopa da UEFA
Campeão
atual
Inglaterra Manchester City (1º título)
(2022–23)
Maior campeão Espanha Real Madrid (14 títulos)
Transmissão Lista de transmissoras
Competições
relacionadas
Liga Europa da UEFA (2º nível)
Liga Conferência Europa da UEFA (3º nível)
Sítio eletrónico www.uefa.com/uefachampionsleague/

Introduzida em 1955 como Coupe des Clubs Champions Européens (em francês para Taça dos Clubes Campeões Europeus (português europeu) ou Copa dos Clubes Campeões Europeus (português brasileiro)), foi inicialmente um torneio eliminatório apenas aos campeões das ligas nacionais da Europa, com o seu vencedor considerado como o campeão europeu de clubes. A competição assumiu o nome atual em 1992, acrescentando uma fase de grupos todos contra todos em 1991 e permitindo vários participantes de determinados países desde 1997.[2] Desde então, foi expandido e, embora a maioria das ligas nacionais da Europa ainda só possa inscrever o seu campeão, as ligas mais fortes agora oferecem até quatro equipes.[3][4] Os clubes em seguida das ligas nacionais que não se qualificam para a Liga dos Campeões, são elegíveis para a competição da Liga Europa da UEFA, a segunda divisão, e, desde 2021, para a Liga Conferência Europa da UEFA, a terceira divisão.[5]

No seu formato atual, a Liga dos Campeões começa em meados de julho com uma rodada preliminar e quatro rodadas pré-eliminatórias. As dez equipes sobreviventes entram na fase de grupos, juntando com outras 22 equipes previamente qualificadas. As 32 equipes são colocadas em oito grupos de quatro equipes e jogam em um sistema ida e volta. As oito vencedoras dos grupos e as oito segundos classificadas avançam para a fase eliminatória, que culmina com a partida final em maio ou início de junho.[6] O vencedor da Liga dos Campeões se qualifica para a Liga dos Campeões da temporada seguinte, bem como para a Supercopa da UEFA e a Copa do Mundo de Clubes da FIFA.[7][8]

Os clubes espanhóis acumulam o maior número de vitórias (19 vitórias), seguido da Inglaterra (15 vitórias) e Itália (12 vitórias). A Inglaterra tem o maior número de times vencedores, com seis clubes conquistando o título. A competição foi vencida por 23 clubes, 13 dos quais venceram mais de uma vez e oito defenderam o título com sucesso.[9] O Real Madrid é o clube com mais títulos da história da competição, tendo ganho o torneio 14 vezes, incluindo as primeiras cinco temporadas.[10] Apenas um clube venceu todas as suas partidas em um único torneio a caminho da vitória no torneio: o Bayern de Munique na temporada 2019–20.[11] O Manchester City é o atual campeão europeu, tendo derrotado a Internazionale por 1 a 0 na final de 2023 para conquistar seu primeiro título.

História editar

 
O Real Madrid é o clube de maior sucesso na competição, com um total de 14 títulos conquistados.

A primeira vez que os campeões de duas ligas europeias se encontraram foi no que foi apelidado de 1895 World Championship, quando o campeão inglês Sunderland derrotou o campeão escocês Hearts por 5 a 3.[12] O primeiro torneio pan-europeu foi a Challenge Cup, uma competição entre clubes do Império Austro-Húngaro.[13] Três anos depois, em 1900, os campeões da Bélgica, Holanda e Suíça, que eram as únicas ligas existentes na Europa continental na época, participaram do Coupe Van der Straeten Ponthoz, sendo assim apelidado de "campeonato de clubes do continente" pelos jornais locais.[14][15]

A Mitropa Cup, uma competição inspirada na Challenge Cup, foi criada em 1927, uma ideia do austríaco Hugo Meisl, e foi disputada entre clubes da Europa Central.[16] Em 1930, a Coupe des Nations, a primeira tentativa de criar uma copa para clubes campeões nacionais da Europa, foi jogada e organizada pelo clube suíço Servette.[17] Realizada em Genebra, reuniu dez campeões de todo o continente. O torneio foi conquistado pela Újpest da Hungria.[17] As nações latino-europeias se uniram para formar a Copa Latina, em 1949.[18]

Segundo um especial Rede Globo da Liga dos Campeões, após receber reportagens de seus jornalistas sobre o bem-sucedido Campeonato Sul-Americano de Campeões de 1948, organizado pelo Colo-Colo e vencido pelo Vasco da Gama, Gabriel Hanot, editor do L'Équipe, começou a propor a criação de um torneio continental.[19] Em entrevistas, Jacques Ferran (um dos fundadores da Taça dos Clubes Campeões Europeus, junto com Gabriel Hanot),[20] disse que o Campeonato Sul-Americano de Campeões foi a inspiração para a Taça dos Clubes Campeões Europeus. No El Mercurio disse que era certa a inspiração, mas desmentiu para o periodista Florent Torchut as várias publicações de que tinha acompanhado o evento em Ñuñoa.[21][22] Depois que Stan Cullis declarou o Wolverhampton Wanderers "campeão do mundo" após uma série de amistosos bem-sucedidos na década de 1950, em particular uma vitória amistosa por 3 a 2 contra o Budapest Honvéd, Hanot finalmente conseguiu convencer a UEFA a colocar em prática tal torneio.[23] Foi concebida em Paris em 1955 como a Taça dos Clubes Campeões Europeus, e que em 1992, foi renomeada para Liga dos Campeões da UEFA.[23]

Em 2019, a UEFA passou a adotar o sistema de árbitro de vídeo (VAR) a partir da fase preliminar da competição do ano.[24]

Formato editar

Qualificação editar

 Ver artigo principal: Coeficientes da UEFA
 
Mapa dos países da UEFA cujos times alcançaram a fase de grupos da Liga dos Campeões da UEFA
  País membro da UEFA que foi representado em fase de grupos
  País membro da UEFA que não foi representado na fase de grupos

Desde a temporada de 2009–10, a competição começa com uma fase de grupos com jogos de ida e volta, que é precedida por rodadas de qualificação para equipes que não recebem entrada direta no torneio propriamente dito. As rodadas de qualificações são divididas entre as equipes qualificadas em virtude de serem campeões da liga e as qualificadas do 2º ao 4º no seu campeonato nacional.

O número de equipes que cada associação tem para a competição baseia-se nos coeficientes da UEFA das associações membros. Esses coeficientes são gerados pelos resultados dos clubes que representam cada associação durante as últimas temporadas da Liga dos Campeões e da Liga Europa. Quanto maior o coeficiente de uma associação, mais equipes representam a associação na Liga dos Campeões e menos nas rodadas de qualificação.

Cinco dos dez lugares restantes da qualificação são concedidos aos vencedores de um torneio de quatro turnos entre os restantes 40 ou 39 campeões nacionais, nos quais os campeões de associações com coeficientes mais altos recebem adeus para rodadas posteriores. Os outros cinco são concedidos aos vencedores de um torneio de qualificação de duas rodadas entre os 15 clubes das associações classificadas 1 a 15, que se qualificaram com base em terminar segundo, terceiro ou quarto em sua respectiva liga nacional.

Além de critérios esportivos, qualquer clube deve ser licenciado por sua associação nacional para participar da Liga dos Campeões. Para obter uma licença, o clube deve atender a determinados requisitos de estádios, infraestrutura e finanças.

Na temporada 2005–06, Liverpool e Petržalka Akadémia se tornaram as primeiras equipas a chegarem à fase de grupos da Liga dos Campeões depois de jogar nas três rodadas de qualificação. Na temporada 2008–09, BATE Borisov e Anorthosis Famagusta alcançaram o mesmo feito. O Real Madrid mantém o recorde de participações consecutivas na fase de grupos, tendo se qualificado 21 vezes seguidas (1997–presente). Eles são seguidos pelo Arsenal em 19 (1998–2016) e Manchester United em 18 (1996–2013).

Entre 2003 e 2008, nenhuma diferenciação foi feita entre campeões e não campeões em qualificação. As 16 maiores equipes classificadas se espalham pelas maiores ligas domésticas qualificadas diretamente para a fase de grupos do torneio. Antes disso, três rodadas preliminares de eliminatórias diminuíram as equipes restantes, com equipes diferentes começando em rodadas diferentes.

Uma exceção ao sistema de qualificação europeu usual aconteceu em 2005, depois que o Liverpool venceu a Liga dos Campeões no ano anterior, mas não terminou em um lugar de qualificação da Liga dos Campeões na Premier League naquela temporada. A UEFA deu uma dispensa especial para o Liverpool entrar na Liga dos Campeões, dando a Inglaterra cinco vagas. A UEFA posteriormente decidiu que o campeão em atividade qualifica-se para a competição no ano seguinte, independentemente da colocação da liga doméstica. No entanto, para as ligas com quatro participantes na Liga dos Campeões, isso significou que, se o vencedor da Liga dos Campeões ficasse fora dos quatro melhores da liga doméstica, seria qualificado à custa da equipe do quarto colocado no campeonato. Até 2015–16, nenhuma associação poderia ter mais de quatro participantes na Liga dos Campeões. Em maio de 2012, o Tottenham terminou em quarto lugar na Premier League de 2011–12, dois lugares à frente do Chelsea, mas não conseguiu se qualificar para a Liga dos Campeões da UEFA de 2012–13, depois que o Chelsea venceu a final de 2012. O Tottenham foi transferido a Liga Europa da UEFA de 2012–13.

Em maio de 2013, foi decidido que, a partir da temporada 2015–16 (e continuando pelo menos para o ciclo de três anos até a temporada 2017–18), os vencedores da Liga Europa da UEFA da temporada anterior se qualificaria para a Liga dos Campeões da UEFA, entrando pelo menos na rodada de play-off e entrando na fase de grupos se a vaga reservada para os titulares dos campeões da Liga dos Campeões não fosse usado. O limite anterior de um máximo de quatro equipes por associação foi aumentado de quatro para cinco, o que significa que uma equipe de quarta posição de uma das três principais associações classificadas só teria que ser transferida para a Liga Europa se alguma equipe do campeonato nacional fosse campeão da Liga dos Campeões.

As três principais ligas da Europa tem vagas para quatro equipes na Liga dos Campeões. Michel Platini, o presidente da UEFA, propôs ter um lugar nas três principais ligas e alocá-lo aos vencedores da Copa da Nação. Esta proposta foi rejeitada em uma votação na reunião do Conselho de Estratégia da UEFA. Na mesma reunião, no entanto, foi acordado que a equipe de terceira colocada nas três principais ligas receberia qualificação automática para a fase de grupos, em vez de entrar na terceira rodada de qualificação, enquanto a equipe do quarto colocado entraria no play-off para não campeões, garantindo um oponente de uma das 15 principais ligas da Europa. Isso fazia parte do plano da Platini para aumentar o número de equipes que se qualificavam diretamente na fase de grupos, ao mesmo tempo em que aumentava o número de equipes de países de baixa classificação na fase de grupos.

Fase de grupos e fase eliminatória editar

O torneio começa com uma fase de grupos de 32 equipes, divididas em oito grupos. Os grupos são definidos através de sorteio, sendo que equipes do mesmo país não podem cair em grupos iguais. Cada equipe se encontra com os outros em sua casa e fora em um formato de ida e volta. As equipes que ficarem em primeiro e segundo lugar de cada grupo passam para a próxima rodada. A equipe que fica na terceira colocação entra na Liga Europa da UEFA.

Para este estágio, a equipe vencedora de um grupo joga contra os vice-campeões de outro grupo, e os times da mesma associação podem se enfrentar um contra o outro. A partir das quartas de final, o sorteio é inteiramente aleatório, sem proteção de associação. O torneio usa a regra do gol fora de casa: se a pontuação agregada dos dois jogos estiver empatada, então a equipe que marcou mais golos no estádio do seu oponente avança.

A fase de grupos ocorre de setembro a dezembro, enquanto o mata-mata começa em fevereiro. O sistema de mata-mata também é de ida e volta, com exceção da final. A final geralmente ocorre nas últimas duas semanas de maio.

Distribuição de vagas editar

A partir da edição de 2018–19, o campeão da Liga dos Campeões inicia na fase de grupos. O número máximo de equipes que uma associação pode acessar no torneio também foi aumentado de quatro para cinco. A seguir está a lista de acesso padrão.[25]

Lista de acesso para a Liga dos Campeões da UEFA de 2018–19 a 2023–24
Equipes que entram nesta rodada Equipes que avançam da rodada anterior
Rodadas preliminares
(4 equipes)
  • 4 campeões das associações 52–55
Primeira pré-eliminatória
(34 equipes)
  • 33 campeões das associações 18–51 (exceto Liechtenstein)
  • 1 vencedor da rodada anterior
Segunda
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(20 equipes)
  • 3 campeões das associações 15–17
  • 17 vencedores da primeira pré-eliminatória
Caminho da Liga
(6 equipes)
  • 6 segundo colocados de associações 10–15
Terceira
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(12 equipes)
  • 2 campeões das associações 13–14
  • 10 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da Liga
(8 equipes)
  • 3 segundo colocados das associações 7–9
  • 2 terceiro colocados das associações 5–6
  • 3 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Pré-eliminatória final Caminho dos Campeões
(8 equipes)
  • 2 campeões de associações 11–12
  • 6 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da Liga
(4 equipes)
  • 4 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Fase de grupos
(32 equipes)
  • Detentores do título da Liga dos Campeões da UEFA
  • Detentores do título da Liga Europa da UEFA
  • 10 campeões das associações 1–10
  • 6 segundo colocados das associações 1–6
  • 4 terceiro colocados das associações 1–4
  • 4 quarto colocados das associações 1–4
  • 4 vencedores da pré-eliminatória final
    (Caminho dos Campeões)
  • 2 vencedores da pré-eliminatória final
    (Caminho da Liga)
Fase eliminatória
(16 equipes)
  • 8 vencedores dos grupos da fase de grupos
  • 8 segundo colocados da fase de grupos
↑UEL : Os detentores da Liga Europa podem ser promovidos para a fase de grupos se o vencedor da Liga dos Campeões se classificarem para a fase de grupos através da sua liga doméstica. Se o vencedor da Liga dos Campeões vierem de uma associação classificada em 13º ou menor e não se qualificaram para a rota não campeã com base em sua performance doméstica, os detentores da Liga Europa entrarão na rodada de play-off para os campeões. A lista de acesso é ajustada de acordo para garantir um máximo de dez equipes na rodada de play-off de cada fluxo.
↑UCL : Se ambos os vencedores da Liga dos Campeões e da Europa League são da mesma associação classificados 1 a 3 e nem se qualificam para a Liga dos Campeões através da sua liga doméstica, a equipe do quarto colocado se qualifica para a Liga Europa.

Futura distribuição de vagas editar

Lista de acesso para a Liga dos Campeões da UEFA de 2024–25 em diante
Equipes que entram nesta rodada Equipes que avançam da rodada anterior
Primeira pré-eliminatória
(32 equipes)
  • 33 campeões das associações 23–55 (exceto Liechtenstein)
Segunda
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(24 equipes)
  • 8 campeões das associações 15–22
  • 16 vencedores da primeira pré-eliminatória
Caminho da Liga
(6 equipes)
  • 6 segundo colocados de associações 10–15
Terceira
pré-eliminatória
Caminho dos Campeões
(12 equipes)
  • 12 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da Liga
(8 equipes)
  • 3 segundo colocados das associações 7–9
  • 1 terceiro colocado da associação 6
  • 1 quarto colocado da associação 5
  • 3 vencedores da segunda pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Pré-eliminatória final Caminho dos Campeões
(10 equipes)
  • 4 campeões de associações 11–14
  • 6 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho dos Campeões)
Caminho da Liga
(4 equipes)
  • 4 vencedores da terceira pré-eliminatória
    (Caminho da Liga)
Fase da liga
(36 equipes)
  • Detentores do título da Liga dos Campeões da UEFA
  • Detentores do título da Liga Europa da UEFA
  • 10 campeões das associações 1–10
  • 6 segundo colocados das associações 1–6
  • 5 terceiro colocados das associações 1–5
  • 4 quarto colocados das associações 1–4
  • 2 equipes de associações com o maior coeficiente em 1 ano
  • 5 vencedores da pré-eliminatória final
    (Caminho dos Campeões)
  • 2 vencedores da pré-eliminatória final
    (Caminho da Liga)

Premiação editar

Troféus e medalhas editar

 Ver artigo principal: European Cup
 
O troféu da Liga dos Campeões da UEFA, introduzido em 1967.

Todos os anos, a equipe vencedora conquista a Taça dos Clubes de Campeões da Europa, cuja versão atual é atribuída desde 1967. Da temporada 1968–69 até a temporada 2008–09, qualquer equipe que tenha vencido a Liga dos Campeões por três anos consecutivos ou cinco vezes no total recebeu o troféu oficial de forma permanente.[26] Cada vez que um clube conseguia isso, um novo troféu oficial tinha que ser forjado para a temporada seguinte. Cinco clubes possuem uma versão do troféu oficial: Real Madrid, Ajax, Bayern de Munique, Milan e Liverpool. Desde 2008, o troféu oficial permanece com a UEFA e os clubes recebem uma réplica.[26]

O troféu atual tem 74 cm de altura e é feito de prata, pesando 11 kg. Foi desenhado por Jürg Stadelmann, joalheiro de Berna, na Suíça, depois que o original foi entregue ao Real Madrid em 1966, em reconhecimento dos seus seis títulos até aquele momento. O troféu custa 10 mil francos suíços.

A partir da temporada 2012–13, 40 medalhas de ouro são cedidas aos vencedores da Liga dos Campeões e 40 medalhas de prata aos vice-campeões.[27]

Prêmio em dinheiro editar

A partir de 2021–22, o valor fixo do prêmio em dinheiro pago aos clubes participantes é o seguinte.[28]

  • Pré-eliminatória final: 5.000.000
  • Taxa base para a fase de grupos: 15.640.000 €
  • Vitória por partida no grupo: 2.800.000 €
  • Empate por partida no grupo: 900.000 €
  • Oitavas de final: 9.600.000 €
  • Quartas de final: 10.600.000 €
  • Semifinais: 12.500.000 €
  • Vice-campeão: 15.500.000 €
  • Campeão: 20.000.000 €

Isto significa que, na melhor das hipóteses, um clube pode ganhar 85.140.000 € de prêmios em dinheiro ao abrigo desta estrutura, sem contar as partes das rodadas pré-eliminatórias e a quota de mídia.

Uma grande parte das receitas distribuídas da Liga dos Campeões da UEFA está ligada ao "market pool" (quota de mídia), cuja distribuição é determinada pelo valor do mercado de televisão em cada país. Para a temporada 2019–20, o Paris Saint-Germain, que foi vice-campeão, ganhou quase 126,8 milhões de euros no total, dos quais 101,3 milhões de euros foram da premiação em dinheiro, em comparação com os 125,46 milhões de euros ganhos pelo Bayern de Munique, que venceu o torneio e recebeu 112,96 milhões de euros da premiação em dinheiro.[29]

Marca editar

 
O logotipo "bola estelar" está incorporado ao design da bola oficial da competição, a Adidas Finale.

Em 1991, a UEFA pediu à sua parceira comercial, Television Event and Media Marketing (TEAM), que ajudasse a promover a Liga dos Campeões. Isso resultou no hino, nas "cores da casa" preto e branco ou prata e em um logotipo, e na "bola estelar". A bola estelar foi criada pela Design Bridge, uma empresa com sede em Londres selecionada pela TEAM após uma competição.[30] A TEAM dá atenção especial aos detalhes de como as cores e a bola estelar são representadas nas partidas. De acordo com a TEAM, "Independentemente de ser um espectador em Moscovo ou Milão, verá sempre os mesmos materiais de vestimenta do estádio, a mesma cerimónia de abertura com a cerimónia do círculo central da "bola estelar" e ouvirá o mesmo Hino da Liga dos Campeões da UEFA". Com base na pesquisa realizada, a TEAM concluiu que, em 1999, "o logotipo da bola estelar alcançou uma taxa de reconhecimento de 94% entre os fãs".[31]

Hino editar

 Ver artigo principal: Hino da Liga dos Campeões da UEFA
 
As duas equipas alinham-se para o Hino da Liga dos Campeões da UEFA antes de cada jogo e uma bandeira com o logótipo "bola estelar" da Liga dos Campeões é agitada no círculo central.

O hino da Liga dos Campeões da UEFA, oficialmente intitulado simplesmente como "Champions League", foi escrito por Tony Britten e é uma adaptação do hino de 1927 de George Frideric Handel, Zadok the Priest (um dos seus hinos da coroação).[32][33] Em 1992, a UEFA fez o pedido a Britten para organizar um hino, o arranjo foi realizada pela Orquestra Filarmônica Real de Londres e cantada pela Academy of Saint Martin in the Fields.[32] Afirmando que "o hino é agora quase tão icónico como o troféu", o sítio oficial da UEFA acrescenta que é "conhecido por deixar os corações de muitos dos melhores jogadores de futebol do mundo agitados".[32]

O coro contém as três línguas oficiais usadas pela UEFA: inglês, alemão e francês.[34] O momento culminante é marcado pelas exclamações 'Die Meister! Die Besten! Les Grandes Équipes! The Champions'.[35] O coro do hino é tocado antes de cada jogo, bem como no início e no final das transmissões de televisão das partidas. O hino completo tem cerca de três minutos de duração e tem dois versos curtos além do coro.[34]

Na final de 2009 em Roma, o tenor Andrea Bocelli entoou o hino da Liga dos Campeões, no ano seguinte foi a vez de Juan Diego Flórez na final de 2010. A banda All Angels atuou no final de 2011. Jonas Kaufmann foi o tenor da final da Liga dos Campeões da UEFA de 2012, enquanto David Garrett tocava com o violão. O hino nunca foi lançado comercialmente em sua versão original.

Patrocínio editar

Como a Copa do Mundo da FIFA, a Liga dos Campeões da UEFA é patrocinada por um grupo de corporações multinacionais, em contraste com o único patrocinador principal, tipicamente encontrado nas ligas nacionais. Quando a Liga dos Campeões foi criada em 1992, foi decidido que um máximo de oito empresas deveriam patrocinar o evento, sendo cada corporação atribuída quatro placas publicitárias ao redor do perímetro do campo, bem como a colocação de logotipos em pré e entrevistas pós-jogo e um certo número de ingressos para cada partida. Isso, combinado com um acordo para garantir que os patrocinadores do torneio tenham prioridade em propagandas de televisão durante as partidas, assegurou que cada um dos patrocinadores principais do torneio recebeu exposição máxima.[36]

 
O Real Madrid foi proibido de usar as camisas patrocinadas pela bwin quando jogou contra o Galatasaray, na Turquia, em abril de 2013, onde os anúncios de jogos de apostas são proibidos.

Na fase de mata-mata de 2012–13, a UEFA usou painéis publicitários de LED instalados em estádios, incluindo o estágio final. A partir da temporada de 2015–16, a UEFA usou da rodada de play-off até a final.

Os principais patrocinadores do torneio para o ciclo 2021–24 são:

A Adidas é patrocinadora secundária e fornece a bola de partida oficial, a Macron oferece os uniformes dos árbitros assim como para todas as competições da UEFA. O FIFA (série) da EA Sports se tornou um patrocinador secundário como o jogo oficial da Liga dos Campeões a partir da Liga dos Campeões da UEFA de 2018–19.

Os clubes individuais podem usar camisas com publicidade. No entanto, apenas um patrocínio é permitido, além do fabricante do kit (as exceções são feitas para organizações sem fins lucrativos), que podem ser exibidas na frente da camisa, incorporadas com o patrocinador principal ou em seu lugar; ou na parte de trás, abaixo do número do esquadrão ou na área do colarinho.

Se os clubes desempenham uma partida em um país onde a categoria de patrocínio relevante é restrita (como a restrição da publicidade de álcool na França), eles devem remover esse logotipo de suas camisetas.

Cobertura da mídia editar

A competição atrai uma grande audiência de televisão, não apenas na Europa, mas em todo o mundo. A final do torneio foi, nos últimos anos, o evento esportivo anual mais assistido no mundo. A final de 2013 foi a final mais vista até agora, atraindo 360 milhões de telespectadores.

No Brasil editar

A transmissão da Liga dos Campeões da UEFA começou de maneira tímida no Brasil. Uma vez que, nos anos 70, a Embratel chegasse a disponibilizar sinal de satélite para transmissões da competição, nenhuma emissora de TV na época solicitou à empresa estatal autorização para exibir as partidas devido à então baixa popularidade do certame no país.[47] Coube a TVS do Rio de Janeiro, de propriedade do empresário e apresentador Silvio Santos, realizar a primeira exibição da história da televisão brasileira de uma partida da Champions em maio de 1979: o jogo da final entre Nottingham Forest e Malmö foi mostrado na grade do canal em videotape as 19h30m do horário de Brasília no dia 30 de maio daquele ano.[47]

A primeira transmissão ao vivo de uma partida da UEFA Champions League na TV brasileira só ocorreu em 1984, quando a Rede Globo exibiu às 15h (horário de Brasília) do dia 30 de maio a final do torneio daquele ano entre Liverpool da Inglaterra e Roma da Itália.[47] Desde então, a emissora carioca passou a exibir todas as finais da competição até o ano de 1995, quando decidiu não adquirir mais os direitos de exibição do torneio.[47] Após a desistência da Globo, outros canais começaram a transmitir partidas da Champions naquela década, como a TV Cultura e a extinta Rede Manchete.[47]

Desde a temporada 2003/2004, os direitos de transmissão pertencem à empresa de marketing e mídia TopSports Ventures. As temporadas 2003/2004 e 2004/2005 foram transmitidas pela RedeTV!. Por causa de uma briga judicial envolvendo Topsports e RedeTV!, a temporada 2005/2006, por sua vez, foi transmitida pela Band. A Rede Record transmitiu as temporadas 2006/2007,2007/2008 e 2008/2009 juntamente com a outra emissora do grupo, a Record News.

Com realização de um acordo histórico junto à UEFA, a Rede Globo adquiriu os direitos de transmissão para os jogos de quarta-feira para as temporadas 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013, sem necessidade de veicular na programação as publicidades dos parceiros da entidade. Em 2011 a emissora renovou seu contrato até a temporada 2014/2015. Antes, a TV Globo só transmitia os jogos a partir das quartas de final, enquanto que os restantes eram exibidos pela Rede Bandeirantes. Os direitos desta temporada também foram comercializados com o Esporte Interativo para transmissão de um jogo de terça-feira, e para a ESPN no sistema de TV fechada.

No dia 21 de novembro de 2014, foi anunciada a compra dos direitos para a TV fechada pelos canais Esporte Interativo, sendo anunciada também a transmissão de todos os jogos, seja na televisão como na internet até a temporada 2017/2018.

A partir da temporada 2016/2017, devido aos altos índices de audiência registrados, a TV Globo começou a transmitir a competição a partir das oitavas de final, independente de data ou horário, podendo transmitir um ou dois jogos por rodada. A transmissão escolhida das oitavas de final foi o jogo da volta entre Paris Saint-Germain e FC Barcelona, partida histórica que ficou conhecida como La Remontada da equipe catalã.

Nas temporadas a partir de 2018/19 até 2020/21 a Turner do Brasil (hoje WarnerMedia Brasil, por meio dos canais TNT, Space e o portal Esporte Interativo Plus, hoje Estádio TNT Sports) renovou para mais estas três temporadas os direitos de transmissão para televisão paga. A novidade fica para a transmissão aberta, que deixa a televisão tradicional (habitualmente as Redes Globo e Bandeirantes) e migra para o streaming Facebook Watch, cujas transmissões ficam a encargo da equipe do Esporte Interativo, atual TNT Sports (que desde o encerramento das transmissões em canais próprios, ainda como Esporte Interativo, utiliza os canais Turner para as transmissões ao vivo e para programas até então presentes nos canais EI). Em abril de 2021, o SBT adquire os direitos de transmissão em TV aberta para o ciclo de 2021 a 2023, renovando para até 2027.[48][49]

Em Portugal editar

Desde o lançamento do canal, os direitos de transmissão da Liga dos Campeões na televisão paga foram sempre pertencentes à Sport TV, embora Pais do Amaral (em 2011) e a BTV (em 2014) já tenham tentado tirar os direitos de transmissão, mas sem sucesso. Por sua vez, os direitos de transmissão em sinal aberto foram pertencentes à RTP desde a sua primeira edição até 2012, ano em que os direitos para o triénio 2012/2015 foram adquiridos pela TVI, tendo as transmissões começado com o jogo Braga e Udinese. Durante a sua exibição no canal de Queluz de Baixo, as transmissões foram extremamente criticadas por diversas razões, entre as quais a falta de imparcialidade dos comentadores e o facto de o canal emitir os jogos em 4:3. No final de 2014, a estação pública recuperou os direitos da competição de forma controversa, principalmente pelo valor oferecido pela reaquisição dos direitos, o que causou a destituição de Alberto da Ponte. Por outro lado, a reaquisição dos direitos foi bem recebida pelos telespectadores, especialmente pelo facto de os jogos passarem a ser emitidos em 16:9 em sinal aberto e em HD nas plataformas pagas. As transmissões da Liga dos Campeões para o triénio 2015/2018 contam com transmissão em direto na RTP1, na Antena 1 e na RTP Play, tendo sido retomadas com o jogo Sporting CP e CSKA Moscovo.

Desde a época 2018–19 a competição é transmitida em exclusivo num novo canal, a Eleven Sports.[50] A empresa britânica comprou os direitos para TV paga e nenhum canal em sinal aberto fez uma proposta à UEFA por achar os preços demasiado elevados.[51] Contudo, a 20 de julho de 2018 foi anunciado que a TVI iria transmitir um jogo por jornada/mão onde esteja presente pelo menos uma equipa portuguesa, bem como a final, em sinal aberto depois de ter feito um acordo de sublicenciamento com a Eleven Sports, um acordo firmado a 1 de agosto de 2018.[52][53]

Campeões editar

Campeões da Liga dos Campeões da UEFA
Ano Sede da final Final Semifinalistas[nota 1]
Campeão Placar(es) Vice-campeão
1955–56
Detalhes
 
Parc des Princes
 
Real Madrid
4 – 3  
Stade Reims
 
Milan
 
Hibernian
1956–57
Detalhes
 
Santiago Bernabéu
 
Real Madrid
2 – 0  
Fiorentina
 
Manchester United
 
Estrela Vermelha
1957–58
Detalhes
 
Heysel
 
Real Madrid
3 – 2 (pro)  
Milan
 
Vasas
 
Manchester United
1958–59
Detalhes
 
Neckarstadion
 
Real Madrid
2 – 0  
Stade Reims
 
Atlético de Madrid
 
Young Boys
1959–60
Detalhes
 
Hampden Park
 
Real Madrid
7 – 3  
Eintracht Frankfurt
 
Barcelona
 
Rangers
1960–61
Detalhes
 
Wankdorf
 
Benfica
3 – 2  
Barcelona
 
Rapid Viena
 
Hamburgo
1961–62
Detalhes
 
Olímpico de Amsterdã
 
Benfica
5 – 3  
Real Madrid
 
Tottenham
 
Standard Liège
1962–63
Detalhes
 
Wembley
 
Milan
2 – 1  
Benfica
 
Dundee
 
Feyenoord
1963–64
Detalhes
 
Praterstadion
 
Internazionale  
3 – 1  
Real Madrid
 
Borussia Dortmund
 
Zürich
1964–65
Detalhes
 
Giuseppe Meazza
 
Internazionale
1 – 0  
Benfica
 
Liverpool
 
Győri ETO
1965–66
Detalhes
 
Heysel
 
Real Madrid
2 – 1  
Partizan
 
Internazionale
 
Manchester United
1966–67
Detalhes
 
Nacional do Jamor
 
Celtic
2 – 1  
Internazionale
 
Dukla Praga
 
CSKA Sófia
1967–68
Detalhes
 
Wembley
 
Manchester United
4 – 1 (pro)  
Benfica
 
Real Madrid
 
Juventus
1968–69
Detalhes
 
Santiago Bernabéu
 
Milan
4 – 1  
Ajax
 
Manchester United
 
Spartak Trnava
1969–70
Detalhes
 
Giuseppe Meazza
 
Feyenoord
2 – 1 (pro)  
Celtic
 
Légia Varsóvia
 
Leeds United
1970–71
Detalhes
 
Wembley
 
Ajax
2 – 0  
Panathinaikos
 
Atlético de Madrid
 
Estrela Vermelha
1971–72
Detalhes
 
De Kuip
 
Ajax  
2 – 0  
Internazionale
 
Benfica
 
Celtic
1972–73
Detalhes
 
Estrela Vermelha
 
Ajax
1 – 0  
Juventus
 
Real Madrid
 
Derby County
1973–74
Detalhes
 
Heysel
 
Bayern de Munique
1 – 1 (pro)
4 – 0
 
Atlético de Madrid
 
Újpest
 
Celtic
1974–75
Detalhes
 
Parc des Princes
 
Bayern de Munique
2 – 0  
Leeds United
 
Saint-Étienne
 
Barcelona
1975–76
Detalhes
 
Hampden Park
 
Bayern de Munique
1 – 0  
Saint-Étienne
 
Real Madrid
 
PSV Eindhoven
1976–77
Detalhes
 
Olímpico de Roma
 
Liverpool
3 – 1  
Borussia Mönchengladbach
 
Zürich
 
Dínamo de Kiev
1977–78
Detalhes
 
Wembley
 
Liverpool
1 – 0  
Club Brugge
 
Borussia Mönchengladbach
 
Juventus
1978–79
Detalhes
 
Olímpico de Munique
 
Nottingham Forest  
1 – 0  
Malmö
 
Colônia
 
Austria Viena
1979–80
Detalhes
 
Santiago Bernabéu
 
Nottingham Forest
1 – 0  
Hamburgo
 
Ajax
 
Real Madrid
1980–81
Detalhes
 
Parc des Princes
 
Liverpool  
1 – 0  
Real Madrid
 
Bayern de Munique
 
Internazionale
1981–82
Detalhes
 
De Kuip
 
Aston Villa
1 – 0  
Bayern de Munique
 
Anderlecht
 
CSKA Sófia
1982–83
Detalhes
 
Olímpico de Atenas
 
Hamburgo
1 – 0  
Juventus
 
Real Sociedad
 
Widzew Łódź
1983–84
Detalhes
 
Olímpico de Roma
 
Liverpool  
1 – 1
4 – 2 (pen)
 
Roma
 
Dínamo de Bucareste
 
Dundee United
1984–85
Detalhes
 
Heysel
 
Juventus
1 – 0  
Liverpool
 
Bordeaux
 
Panathinaikos
1985–86
Detalhes
 
Ramón Sánchez Pizjuán
 
Steaua Bucareste
0 – 0
2 – 0 (pen)
 
Barcelona
 
Anderlecht
 
Göteborg
1986–87
Detalhes
 
Praterstadion
 
Porto
2 – 1  
Bayern de Munique
 
Dínamo de Kiev
 
Real Madrid
1987–88
Detalhes
 
Neckarstadion
 
PSV Eindhoven
0 – 0
6 – 5 (pen)
 
Benfica
 
Real Madrid
 
Steaua Bucareste
1988–89
Detalhes
 
Camp Nou
 
Milan  
4 – 0  
Steaua Bucareste
 
Real Madrid
 
Galatasaray
1989–90
Detalhes
 
Praterstadion
 
Milan
1 – 0  
Benfica
 
Bayern de Munique
 
Olympique de Marselha
1990–91
Detalhes
 
San Nicola
 
Estrela Vermelha  
0 – 0
5 – 3 (pen)
 
Olympique de Marselha
 
Bayern de Munique
 
Spartak Moscou
1991–92
Detalhes
 
Wembley
 
Barcelona
1 – 0 (pro)  
Sampdoria
 
Sparta Praga
 
Estrela Vermelha
1992–93
Detalhes
 
Olímpico de Munique
 
Olympique de Marselha  
1 – 0  
Milan
 
Rangers
 
Göteborg
1993–94
Detalhes
 
Olímpico de Atenas
 
Milan  
4 – 0  
Barcelona
 
Monaco
 
Porto
1994–95
Detalhes
 
Ernst-Happel
 
Ajax  
1 – 0  
Milan
 
Bayern de Munique
 
Paris Saint-Germain
1995–96
Detalhes
 
Olímpico de Roma
 
Juventus
1 – 1
4 – 2 (pen)
 
Ajax
 
Nantes
 
Panathinaikos
1996–97
Detalhes
 
Olímpico de Munique
 
Borussia Dortmund
3 – 1  
Juventus
 
Manchester United
 
Ajax
1997–98
Detalhes
 
Amsterdam Arena
 
Real Madrid
1 – 0  
Juventus
 
Borussia Dortmund
 
Monaco
1998–99
Detalhes
 
Camp Nou
 
Manchester United  
2 – 1  
Bayern de Munique
 
Juventus
 
Dínamo de Kiev
1999–00
Detalhes
 
Stade de France
 
Real Madrid
3 – 0  
Valencia
 
Bayern de Munique
 
Barcelona
2000–01
Detalhes
 
Giuseppe Meazza
 
Bayern de Munique
1 – 1
5 – 4 (pen)
 
Valencia
 
Real Madrid
 
Leeds United
2001–02
Detalhes
 
Hampden Park
 
Real Madrid
2 – 1  
Bayer Leverkusen
 
Barcelona
 
Manchester United
2002–03
Detalhes
 
Old Trafford
 
Milan
0 – 0
3 – 2 (pen)
 
Juventus
 
Internazionale
 
Real Madrid
2003–04
Detalhes
 
Veltins-Arena
 
Porto
3 – 0  
Monaco
 
Deportivo La Coruña
 
Chelsea
2004–05
Detalhes
 
Olímpico Atatürk
 
Liverpool
3 – 3
3 – 2 (pen)
 
Milan
 
Chelsea
 
PSV Eindhoven
2005–06
Detalhes
 
Stade de France
 
Barcelona  
2 – 1  
Arsenal
 
Milan
 
Villarreal
2006–07
Detalhes
 
Olímpico de Atenas
 
Milan
2 – 1  
Liverpool
 
Manchester United
 
Chelsea
2007–08
Detalhes
 
Lujniki
 
Manchester United  
1 – 1
6 – 5 (pen)
 
Chelsea
 
Barcelona
 
Liverpool
2008–09
Detalhes
 
Olímpico de Roma
 
Barcelona
2 – 0  
Manchester United
 
Chelsea
 
Arsenal
2009–10
Detalhes
 
Santiago Bernabéu
 
Internazionale
2 – 0  
Bayern de Munique
 
Barcelona
 
Lyon
2010–11
Detalhes
 
Wembley
 
Barcelona
3 – 1  
Manchester United
 
Real Madrid
 
Schalke 04
2011–12
Detalhes
 
Allianz Arena
 
Chelsea
1 – 1
4 – 3 (pen)
 
Bayern de Munique
 
Barcelona
 
Real Madrid
2012–13
Detalhes
 
Wembley
 
Bayern de Munique
2 – 1  
Borussia Dortmund
 
Barcelona
 
Real Madrid
2013–14
Detalhes
 
Estádio da Luz
 
Real Madrid
4 – 1 (pro)  
Atlético de Madrid
 
Bayern de Munique
 
Chelsea
2014–15
Detalhes
 
Olímpico de Berlim
 
Barcelona
3 – 1  
Juventus
 
Bayern de Munique
 
Real Madrid
2015–16
Detalhes
 
Giuseppe Meazza
 
Real Madrid
1 – 1
5 – 3 (pen)
 
Atlético de Madrid
 
Manchester City
 
Bayern de Munique
2016–17
Detalhes
 
Millennium Stadium
 
Real Madrid
4 – 1  
Juventus
 
Atlético de Madrid
 
Mônaco
2017–18 Detalhes  
Olímpico de Kiev
 
Real Madrid
3 – 1  
Liverpool
 
Bayern de Munique
 
Roma
2018–19
Detalhes
 
Metropolitano
 
Liverpool
2 – 0  
Tottenham
 
Barcelona
 
Ajax
2019–20
Detalhes
 
Estádio da Luz
 
Bayern de Munique  
1 – 0  
Paris Saint-Germain
 
Lyon
 
RB Leipzig
2020–21
Detalhes
 
Estádio do Dragão
 
Chelsea
1 – 0  
Manchester City
 
Real Madrid
 
Paris Saint-Germain
2021–22
Detalhes
 
Stade de France
 
Real Madrid
1 – 0  
Liverpool
 
Manchester City
 
Villarreal
2022–23
Detalhes
 
Olímpico Atatürk
 
Manchester City  
1 – 0  
Internazionale
 
Real Madrid
 
Milan
  Conquistou o título de forma invicta.[54]


Por equipe editar

Clubes Títulos Vices
  Real Madrid 14 (1955–56, 1956–57, 1957–58, 1958–59, 1959–60, 1965–66, 1997–98, 1999–00, 2001–02, 2013–14, 2015–16, 2016–17, 2017–18 e 2021–22) 3 (1961–62, 1963–64 e 1980–81)
  Milan 7 (1962–63, 1968–69, 1988–89 , 1989–90, 1993–94 , 2002–03 e 2006–07) 4 (1957–58, 1992–93, 1994–95 e 2004–05)
  Bayern de Munique 6 (1973–74, 1974–75, 1975–76, 2000–01, 2012–13 e 2019–20 ) 5 (1981–82, 1986–87, 1998–99, 2009–10 e 2011–12)
  Liverpool 6 (1976–77, 1977–78, 1980–81 , 1983–84 , 2004–05 e 2018–19) 4 (1984–85, 2006–07, 2017–18 e 2021–22)
  Barcelona 5 (1991–92, 2005–06 , 2008–09, 2010–11 e 2014–15) 3 (1960–61, 1985–86 e 1993–94)
  Ajax 4 (1970–71, 1971–72 , 1972–73 e 1994–95 ) 2 (1968–69 e 1995–96)
  Internazionale 3 (1963–64 , 1964–65 e 2009–10) 3 (1966–67, 1971–72 e 2022–23)
  Manchester United 3 (1967–68, 1998–99  e 2007–08 ) 2 (2008–09 e 2010–11)
  Juventus 2 (1984–85 e 1995–96) 7 (1972–73, 1982–83, 1996–97, 1997–98, 2002–03, 2014–15 e 2016–17)
  Benfica 2 (1960–61 e 1961–62) 5 (1962–63, 1964–65, 1967–68, 1987–88 e 1989–90)
  Chelsea 2 (2011–12 e 2020–21) 1 (2007–08)
  Nottingham Forest 2 (1978–79  e 1979–80) 0
  Porto 2 (1986–87 e 2003–04) 0
  Celtic 1 (1966–67) 1 (1969–70)
  Hamburgo 1 (1982–83) 1 (1979–80)
  Steaua Bucareste 1 (1985–86) 1 (1988–89)
  Olympique de Marseille 1 (1992–93 ) 1 (1990–91)
  Borussia Dortmund 1 (1996–97) 1 (2012–13)
  Manchester City 1 (2022–23 ) 1 (2020–21)
  Feyenoord 1 (1969–70) 0
  Aston Villa 1 (1981–82) 0
  PSV Eindhoven 1 (1987–88) 0
  Estrela Vermelha 1 (1990–91 ) 0
  Atlético de Madrid 0 3 (1973–74, 2013–14 e 2015–16)
  Stade de Reims 0 2 (1955–56 e 1958–59)
  Valencia 0 2 (1999–00 e 2000–01)
  Fiorentina 0 1 (1956–57)
  Eintracht Frankfurt 0 1 (1959–60)
  Partizan 0 1 (1965–66)
  Panathinaikos 0 1 (1970–71)
  Leeds United 0 1 (1974–75)
  Saint Etienne 0 1 (1975–76)
  Borussia Mönchengladbach 0 1 (1976–77)
  Brugge 0 1 (1977–78)
  Malmö 0 1 (1978–79)
  Roma 0 1 (1983–84)
  Sampdoria 0 1 (1991–92)
  Bayer Leverkusen 0 1 (2001–02)
  Monaco 0 1 (2003–04)
  Arsenal 0 1 (2005–06)
  Tottenham 0 1 (2018–19)
  Paris Saint-Germain 0 1 (2019–20)

 Campeão invicto

Por país editar

Após a vitória do Manchester City, a cidade de Manchester, na Inglaterra, se juntou à cidade de Milão da Itália, como as únicas cidades que ostentam mais de um time campeão da Champions League.

País Títulos Vices Participações Clube(s) Campeões Aprov.
  Espanha 19 11 30 2 62,07%
  Inglaterra 15 11 26 6 57,6%
  Itália 12 17 29 3 41,37%
  Alemanha 8 10 18 44,44%
  Países Baixos 6 2 8 75%
  Portugal 4 5 9 2 44,4%
  França 1 6 7 1 14,28%
  Escócia 1 2 50%
  Roménia 50%
  Sérvia 50%
  Bélgica 0 1 0 0%
  Grécia
  Suécia

Recordes e estatísticas editar

Locais que mais sediaram finais editar

Por país editar

País Finais Cidades
  Itália
9
Milão (4), Roma (4), Bari (1)
  Inglaterra Londres (8), Manchester (1)
  Alemanha Munique (5), Stuttgart (2), Gelsenkirchen (1), Berlim (1)
  Espanha
8
Madrid (5), Barcelona (2), Sevilha (1)
  França
6
Paris (3), Saint-Denis (3)
  Bélgica
4
Bruxelas (4)
  Áustria Viena (4)
  Países Baixos Roterdã (2), Amsterdã (2)
  Portugal Lisboa (3), Porto (1)
  Escócia
3
Glasgow (3)
  Grécia Atenas (3)
  Turquia
2
Istambul (2)
  Iugoslávia
1
Belgrado (1)
  Suíça Berna (1)
  Rússia Moscou (1)
  País de Gales Cardiff (1)
  Ucrânia Kiev (1)

Por estádio editar

Estádio Finais Anos
Estádio de Wembley
8
1962–63, 1967–68, 1970–71, 1977–78, 1991–92, 2010–11, 2012–13, 2023–24
San Siro 4 1964–65, 1969–70, 2000–01, 2015–16
Santiago Bernabéu 1956–57, 1968–69, 1979–80, 2009–10
Estádio Rei Balduíno 1957–58, 1965–66, 1973–74, 1984–85
Praterstadion 1963–64, 1986–87, 1989–90, 1994–95
Olímpico de Roma 1976–77, 1983–84, 1995–96, 2008–09
Olímpico de Munique 3 1978–79, 1992–93, 1996–97
Olímpico de Atenas 1982–83, 1993–94, 2006–07
Parc des Princes 1955–56, 1974–75, 1980–81
Hampden Park 1959–60, 1975–76, 2001–02
Stade de France 1999–00, 2005–06, 2021–22
Camp Nou 2 1988–89, 1998–99
Neckarstadion 1958–59, 1987–88
Estádio De Kuip 1971–72, 1981–82
Estádio da Luz 2013–14, 2019–20
Olímpico Atatürk 2004–05, 2022–23
Allianz Arena 2011–12, 2024–25
Olímpico de Amsterdã 1 1961–62
Estádio Wankdorf 1960–61
Nacional do Jamor 1966–67
Estrela Vermelha 1972–73
Ramón Sánchez Pizjuán 1985–86
Estádio San Nicola 1990–91
Amsterdam Arena 1997–98
Estádio Old Trafford 2002–03
Arena AufSchalke 2003–04
Estádio Lujniki 2007–08
Estádio Olímpico de Berlim 2014–15
Millennium Stadium 2016–17
Olímpico de Kiev 2017–18
Wanda Metropolitano 2018–19
Estádio do Dragão 2020–21

Mais partidas editar

Em negrito, os jogadores ativos na competição na temporada 2022–23[55]

Jogador País Jogos Clube(s)
Cristiano Ronaldo   Portugal 183   Manchester United (59)
  Real Madrid (101)
  Juventus (23)
Iker Casillas   Espanha 177   Real Madrid (150)
  Porto (27)
Lionel Messi   Argentina 157   Barcelona(149)
  Paris Saint-Germain (8)
Xavi   Espanha 151   Barcelona
Ryan Giggs   País de Gales 145   Manchester United
Karim Benzema   França 144   Lyon (19)
  Real Madrid (125)
Raúl González   Espanha 142   Real Madrid (130)
  Schalke 04 (12)
Paolo Maldini   Itália 135   Milan
Thomas Müller   Alemanha 134   Bayern de Munique
Andrés Iniesta   Espanha 130   Barcelona

Mais gols editar

Artilheiros (português brasileiro) ou Goleadores (português europeu)

Estes são os 10 maiores artilheiros da história da Liga dos Campeões da UEFA[56]

Em negrito, os jogadores ativos na competição na temporada 2022–23[57]

 
Cristiano Ronaldo, o maior artilheiro da história da Liga dos Campeões
Jogador País Gols Clube(s)
Cristiano Ronaldo   Portugal 141   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Lionel Messi   Argentina 130   Barcelona,   Paris Saint-Germain
Robert Lewandowski   Polónia 98   Borussia Dortmund,   Bayern de Munique,   Barcelona
Karim Benzema   França 93   Lyon,   Real Madrid
Raúl González   Espanha 71   Real Madrid,   Schalke 04
Ruud van Nistelrooy   Países Baixos 60   PSV Eindhoven,   Manchester United,   Real Madrid
Andriy Shevchenko   Ucrânia 60   Dínamo de Kiev,   Milan,   Chelsea
Thomas Müller   Alemanha 55   Bayern de Munique
Thierry Henry   França 51   Monaco,   Arsenal,   Barcelona
Filippo Inzaghi   Itália 50   Juventus,   Milan

Mais títulos editar

Por jogadores editar

Estes são os vinte futebolistas com o maior número de conquistas:

Jogador Títulos Anos que venceu
  Francisco Gento
6
1955–56, 1956–57, 1957–58, 1958–59, 1959–60, 1965–66
  Alfredo Di Stéfano 5 1955–56, 1956–57, 1957–58, 1958–59, 1959–60
  Héctor Rial
  Juan Alonso
  Juan Santisteban
  Marcos Alonso Imaz
  Enrique Mateos
  Rafael Lesmes
  José María Zárraga
  Paolo Maldini 1988–89, 1989–90, 1993–94, 2002–032006–07
  Alessandro Costacurta
  Cristiano Ronaldo 2007–08, 2013–14, 2015–16, 2016–17, 2017–18
  Toni Kroos 2012–13, 2015–16, 2016–17, 2017–18, 2021–22
  Casemiro 2013–14, 2015–16, 2016–17, 2017–18, 2021–22
  Marcelo
  Luka Modrić
  Isco
  Daniel Carvajal
  Nacho Fernández
  Karim Benzema
  Gareth Bale

Por treinadores editar

Treinador Títulos Anos que venceu
  Carlo Ancelotti 4 2002–03, 2006–07, 2013–14, 2021–22
  Bob Paisley 3 1976–77, 1977–78, 1980–81
  Josep Guardiola 2008–09, 2010–11, 2022–23
  Zinédine Zidane  2015–16, 2016–17, 2017–18

  = Treinador que conquistou o feito em sequência.

Todos os recordes editar

Tabela com os recordes da Competição por jogadores. Cristiano Ronaldo é o atleta com a maior quantidade de recordes quebrados da competição, sendo por isso, considerado amplamente por muitos, o maior jogador da competição.[58][59][60][61][62][63][64]

Recorde Jogador Score Clube(s)
Mais troféus Francisco Gento 6   Real Madrid
Maior goleador Cristiano Ronaldo 141   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Maior assistente Cristiano Ronaldo 48   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Maior artilheiro por edições Cristiano Ronaldo 7   Manchester United,   Real Madrid
Mais gols em uma única edição Cristiano Ronaldo 17   Real Madrid
Mais gols em um único ano civil Cristiano Ronaldo 19   Real Madrid
Mais hat-tricks Cristiano Ronaldo e Lionel Messi 8   Real Madrid,   Juventus

  Barcelona

Mais gols de faltas Cristiano Ronaldo 12   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Mais gols de pênaltis marcados Cristiano Ronaldo 19   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Mais gols em finais Cristiano Ronaldo 4   Manchester United,   Real Madrid
Mais gols em fase de mata mata Cristiano Ronaldo 67   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Mais gols em fase de grupos Lionel Messi 82   Barcelona,   Paris Saint-Germain
Mais partidas ganhas Cristiano Ronaldo 115   Manchester United,   Real Madrid,   Juventus
Mais gols em uma única partida Erling Haaland, Lionel Messi e Luiz Adriano 5   Manchester City,   Barcelona,   Shakhtar Donetsk
Mais partidas seguidas de gol Cristiano Ronaldo 11   Real Madrid
Mais vítimas diferentes Lionel Messi 40   Barcelona,   Paris Saint-Germain
Maior número de gols contra um único adversário Cristiano Ronaldo 10   Manchester United,   Real Madrid
Mais dribles em uma única partida Cristiano Ronaldo 20   Manchester United
Mais dribles em uma final Cristiano Ronaldo 12   Manchester United

O jogador Francisco Gento é o jogador com mais troféus históricos da competição e com mais presença em finais, vencendo cinco das oito disputadas.[65] Mas considerando a nova edição da Liga dos Campeões da EUFA, após sua reformulação, os jogadores Toni Kroos, Casemiro, Marcelo, Luka Modric, Isco, Daniel Carvajal, Nacho Fernández, Karim Benzema, Gareth Bale e o Cristiano Ronaldo, sendo este, o jogador a conquistar por primeiro os cinco títulos da UEFA Champions League, os maiores vencedores da era moderna. Dentre esses jogadores citados, Cristiano Ronaldo também é o jogador que também que mais participou da competição, sendo 187 jogos disputados,[66] e desse número ele tem 115 vitórias, o atleta com mais partidas ganhas. O artilheiro da competição, Cristiano Ronaldo, é simultaneamente o maior goleador jogando dentro e fora de casa. Também é o único jogador a marcar em 11 jogos seguidos da competição, sendo também recorde de partidas seguidas com gols,[67] em 2017 outro recorde quebrado por Cristiano Ronaldo foi na partida contra o Borussia Dortmund aonde se tornou o primeiro jogador a fazer gols em todos os jogos da fase de grupos da Champions.[68] Cristiano Ronaldo foi amplamente considerado o melhor jogador da competição durante as suas cinco conquistas (2008, 2014, 2016, 2017, 2018), em sua última conquista, em 2018, a competição gerou bastante críticas de diversos jornalistas e telespectadores, pelo fato de Luka Modric receber o prêmio de melhor jogador da competição pela UEFA, e então, Ronaldo ocupando o segundo lugar gerando muitas controvérsias, porém considerado o melhor atacante neste ano, e por muitos o melhor jogador.[69][70] Ainda assim, detém os recordes de jogador com mais participação na equipe do ano da UEFA e conquistas do prêmio jogador do ano da UEFA.

Em toda competição, poucos jogadores ganharam a Champions League por clubes diferentes, sendo eles, Cristiano Ronaldo (Manchester United 2007/08, Real Madrid – 2013/14, 2015/16, 2016/17, 2017/18), Gerard Piqué (Manchester United – 2007/08, Barcelona – 2008/09, 2010/11, 2014/15), Deco (Porto – 2003/04, Barcelona – 2005/06), Xherdan Shaqiri (Bayern de Munique – 2012/13, Liverpool – 2018/19), Samuel Eto’o (Barcelona – 2005/06, Inter de Milão – 2009/10), Paulo Ferreira (Porto – 2003-04, Chelsea – 2011-12), José Bosingwa (Porto – 2003-04, Chelsea – 2011-12), Thiago Motta (Barcelona – 2005/06, Inter de Milão – 2009/10), Edwin Van Der Sar (Manchester United – 2007/08, Ajax – 1994/95). O único jogador a conquistar o troféu por por 3 clubes diferentes foi o Clarence Seedorf: Ajax – 1994/95, Real Madrid – 1997/98 e Milan – 2002/03, 2006/07.

O jogador Paolo Maldini foi o mais velho a conquistar uma Champions e a fazer gol numa final, defendendo o Milan. Já o jogador mais jovem a conquistar foi o Nwankwo Kanu, pelo Ajax.[71] Gol mais rápido da história da competição foi pelo Roy Makaay aos 10,12 segundos, em 2007 na vitória do Bayern em cima do Real Madrid.[72] Além disso, vale destacar entre os artilheiros o alemão Gerd Müller por ser o jogador com maior média de gols da competição com 0,97 gols por jogo, à frente de José Altafini , Ferenc Puskás e Alfredo Di Stéfano com média de 0,86. , 0,85 e 0,84 respectivamente.[73]

Na era moderna da Liga dos Campeões, o Real Madrid liderado por Zidane e protagonizado por Cristiano Ronaldo, foi o único clube a ganhar três títulos consecutivos (2016, 2017 e 2018). O português foi o jogador em que mais disputou finais de Champions na nova geração, foram seis finais, com sua única derrota na Final da Liga dos Campeões da UEFA de 2008–09. Nesse período, CR7 quebrou diversos desses recordes apresentados, como por exemplo, foi o primeiro jogador a marcar 100 gols na Champions League com três marcados diante do Bayern de Munique, hoje apenas o português e o argentino Lionel Messi, atingiram essa marca. Na final contra a Juventus em 2017, considerada melhor defesa da competição,[74] o astro português se tornou o único jogador a marcar em três finais de Champions. Esses feitos fizeram que a competição recebesse o apelido de "UEFA Cristiano Ronaldo League" em sua homenagem.

Campeões que foram vencedores como jogadores e técnicos editar

O técnico que mais levantou troféus foi Carlos Ancelotti. O italiano também faz parte da lista daqueles que ganharam a competição tanto como técnicos, tanto como jogadores.[75]

Como jogador: Real Madrid (1956, 1957, 1958). Como técnico: Real Madrid (1960, 1966).

Capitão da equipa do Real Madrid que venceu as duas primeiras edições da Taça dos Campeões Europeus (não jogou na final de 1958), Muñoz era o treinador quando os Merengues conquistaram o quinto troféu e mantinha-se no cargo, seis anos mais tarde, quando festejaram a sexta conquista europeia.

Como jogador: Milan (1963, 1969). Como técnico: Juventus (1985).

O venerável italiano alinhou a médio nas primeiras duas das setes vitórias dos Rossoneri na Taça dos Campeões (a de 1963 diante do Benfica), mas apenas ergueu por uma vez o troféu como treinador, ainda no rescaldo da tragédia de Heysel, em 1985.

Como jogador: Ajax (1971, 1972, 1973). Como técnico: Barcelona (1992).

Exponente mais reverenciado do “Futebol Total”, Cruyff ajudou o Ajax a vencer três títulos europeus consecutivos, tendo marcado por duas vezes na final de 1972. Como treinador do Barça, o holandês encorajou depois um estilo fluído de jogo semelhante que valeu à equipa o triunfo em 1992.

Como jogador: Milan (1989, 1990). Como técnico: Barcelona (2006).

Rijkaard alinhou ao lado de Ancelotti no meio-campo nas finais de 1989 e 1990, tendo marcado o único golo da segunda, frente ao Benfica. Posteriormente alcançou um terceiro título – batendo o Milan na final –, em 1995, antes de levar o Barça à glória em 2006.

Como jogador: Barcelona (1992). Como técnico: Barcelona (2009, 2011), Manchester City (2023).

Elemento da equipa vencedora de Cruyff em Wembley, em 1992, Guardiola desfrutou de mais sucesso no banco em Camp Nou e conduziu os Blaugrana à glória na UEFA Champions League 12 meses após ter sido nomeado treinador principal, repetindo o feito passados dois anos. Teve de esperar uma década até regressar à final mas terminou a noite desiludido, após o Manchester City perder por 1-0 com o Chelsea em Portugal.

Como jogador: Real Madrid (2002). Como técnico: Real Madrid (2016, 2017, 2018).

Como jogador perdeu as finais de 1997 e 1998, ao serviço da Juventus, antes de obter o desejado troféu em 2002, no Real Madrid, marcando um golo memorável frente ao Leverkusen, em Glasgow. Venceu depois a prova três vezes seguidas à frente da antiga equipa na década de 2010, a primeira na sua época de estreia como treinador.

Como jogador: Milan (1989, 1990). Como técnico: Milan (2003, 2007), Real Madrid (2014, 2022).

Jogador da equipe que conseguiu revalidar a conquista do troféu — a grande formação do Milan de 1989/1990 —, Ancelotti é também o único treinador a ter vencido quatro vezes a Taça dos Campeões.

Os gols mais bonitos da competição editar

O jornal espanhol As realizou uma lista com os dez gols mais bonitos já registrados na Champions League.[76]

O primeiro lugar é de Zinedine Zidane, pelo seu clássico voleio na final da Champions 01-02 contra o Bayer Leverkusen, jogo que acabou com o título do Real Madrid. Zidane acertou um chute de esquerda de primeira, da entrada da área. O passe/cruzamento foi do brasileiro Roberto Carlos. Era a decisão da Liga dos Campeões, que terminou com vitória do Real Madrid por 2 x 1 contra o Bayer Leverkusen. O duelo foi no Hampden Park, em Glasgow, Escócia.[77] Na segunda posição aparece uma bicicleta de fora da área de Mauro Bressan, da Fiorentina, contra o Barcelona, pela fase de grupos em 1999.

E para completar o pódio dos três gols mais bonitos elencados, aparece a bicicleta de Cristiano Ronaldo em cima da poderosa Juventos, contra um dos maiores goleiros da história, Gianluigi Buffon. Cristiano Ronaldo saltou mais de dois metros para fazer um antológico gol de bicicleta quando defendia o Real Madrid. O craque português anotou a pintura na vitória de 3 a 0 sobre a Juventus – que viria a defender meses depois – na ida das quartas de final da Liga dos Campeões 2017/18. O golaço foi aplaudido e reverenciado pelos torcedores rivais. Cristiano Rolando não levou o prêmio Puskas naquele ano, perdendo para o gol de Mohamed Salah em votação aberta, o que gerou muita crítica dos torcedores.[78]

Em entrevista, Cristiano Ronaldo admite que este é gol mais bonito de toda sua carreira. "Eu acho que nunca vi um gol de bicicleta como este. O jeito que eu pulei contra o Buffon (goleiro da Juventus)... provavelmente um dos melhores gols que eu já vi no futebol e não é só porque é o meu gol. Se fosse um outro jogador, eu falaria o mesmo."....[79]

Em outra ocasião, ainda pela Champions League, o português ganhou seu primeiro e único prêmio Púskas. Em 2009, ainda jogando pelo Manchester United, Cristiano Ronaldo fez um gol explosivo, um chute que atingiu 117 km/h, numa distância perto do meio de campo. Esse golaço garantiu a vitória de seu time em cima do Porto nas quartas de finais da competição. Foi o único gol da Champions League que recebeu o prêmio Púskas.[80][81]

Controvérsias editar

Algumas edições da Champions League são marcadas por muitas controvérsias e críticas de torcedores em relação aos árbitros. Os jogos que mais levaram suspeitas, com erros ao suficiente para alterarem o resultado dos ganhadores da edição, são listados a seguir.

Champions League 2008-09, Chelsea x Barcelona editar

Embora o Chelsea estivesse como mandante e tivesse conseguido segurar o Barcelona no empate sem gols no Camp Nou na ida, o Barcelona foi para a segunda mão como favorito. O jogo começou bem para o Chelsea e aos nove minutos Michael Essien marcou de voleio de pé esquerdo de 20 jardas após o Barcelona não ter conseguido interceptado um passe de Frank Lampard para a área. O primeiro tempo chegou ao fim com o Chelsea vencendo por 1–0. Apesar do domínio da posse de bola do Barcelona, o Chelsea foi o time mais perigoso, principalmente depois que o Eric Abidal foi expulso por falta sobre Nicolas Anelka. O Chelsea poderia ter cobrado quatro pênaltis, mas nenhum foi marcado pelo árbitro norueguês Tom Henning Øvrebø. Um empate aos 93 minutos de Andrés Iniesta - que acabou sendo o único chute a gol do Barcelona na partida - levou sua equipe à final. Uma reclamação no final da partida depois que a bola bateu na mão de Samuel Eto'o, após o chute de Ballack ter acertado Eto'o na área do Barcelona, foi rejeitada pelo árbitro.

Quase assim que o árbitro Øvrebø deu o apito final, vários jogadores do Chelsea o cercaram de reclamações sobre suas decisões. Alguns jogadores, como Frank Lampard e Iniesta, trocaram de camisa,  enquanto outros, como Michael Ballack, John Terry e Didier Drogba, continuaram discutindo com o árbitro, com Drogba gritando notavelmente: "Isso foi uma desgraça " em uma câmera de televisão ao vivo. Kevin McCarra, escrevendo para o The Guardian, descreveu Øvrebø como "relativamente inexperiente" e declarou que "não inspirava nenhuma confiança".[82]

Na análise pós-jogo no Sky Sports 2, os quatro comentaristas foram unânimes em considerar que dos quatro lances de pênalti não assinalados pelo árbitro, três deles deveriam ter sido concedidos, incluindo o puxão de camisa por Eric Abidal contra Didier Drogba quando era contra contra o goleiro, a mão direita do zagueiro do Barcelona Gerard Piqué que impediu a passagem da bola por estar estendida aos 82 minutos, e o bloqueio de braço no último minuto por Eto'o. As três faltas foram cometidas dentro da área. O árbitro Øvrebø admitiu seus erros em 2018 em uma entrevista depois que os dois times se enfrentaram nas oitavas de final da Liga dos Campeões de 2017–18.[83]

Ver também editar

Notas e referências

Notas

  1. Oficialmente, a UEFA não disponibiliza uma classificação final dos clubes. A ordem nesta tabela é definida por eliminado pelo campeão vs. eliminado pelo vice-campeão.

Referências

  1. «Champions League final at Wembley drew TV audience of 360 million» (em inglês). Sportskeeda. 30 de maio de 2013. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  2. «History | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2023. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2010 
  3. «Clubs» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  4. «Football's premier club competition» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  5. «UEFA Executive Committee approves new club competition | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). 2 de dezembro de 2018. Consultado em 1 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2018 
  6. «Matches» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  7. «Club competition winners do battle» (em inglês). UEFA. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  8. «FIFA Club World Cuppublisher» (em inglês). FIFA. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  9. «European Champions' Cup/Champions League». www.rsssf.org. Consultado em 1 de outubro de 2023 
  10. «Most titles | History | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 6 de junho de 2022 
  11. «Bayern entra na história como o primeiro campeão europeu com 100% de aproveitamento». ge. 23 de agosto de 2020. Consultado em 1 de outubro de 2023 
  12. James, Alexis (2 de setembro de 2019). «When Sunderland met Hearts in the first ever 'Champions League' match». Nutmeg Magazine (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 13 de julho de 2020 
  13. «Austria/Habsburg Monarchy - Challenge Cup 1897-1911». www.rsssf.org. Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de julho de 2022 
  14. «European Cup & Champions League History 1955-2022». europeancuphistory.com. Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2021 
  15. «Coupe Van der Straeten Ponthoz». www.rsssf.org. Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 9 de julho de 2022 
  16. «Mitropa Cup». www.rsssf.org. Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2023 
  17. a b «Coupe des Nations 1930». www.rsssf.org. Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2022 
  18. «Latin Cup». www.rsssf.org. Consultado em 4 de setembro de 2023 
  19. Primeira Libertadores - História (Globo Esporte 09/02/2008), consultado em 4 de setembro de 2023, cópia arquivada em 11 de dezembro de 2021 
  20. UEFA.com (8 de fevereiro de 2019). «European Cup pioneer Jacques Ferran passes away | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 24 de julho de 2021 
  21. «Liga dos Campeões da UEFA - Especial: Liga dos Campeões completa 60 anos, e Neymar ajuda a contar essa história | globo.tv». web.archive.org. 4 de março de 2016. Consultado em 23 de junho de 2023 
  22. «2018-03-13 : Pág. 4». El Mercurio. Consultado em 23 de junho de 2023 
  23. a b UEFA.com. «History | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2010 
  24. UEFA.com (4 de fevereiro de 2019). «UEFA informa clubes da UEFA Champions League sobre o VAR | UEFA Champions League». UEFA.com. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  25. UEFA.com (27 de fevereiro de 2018). «Champions League and Europa League changes next season | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  26. a b UEFA.com (21 de maio de 2018). «How UEFA honours multiple European Cup winners | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  27. «"2012/13 Season". Regulations of the UEFA Champions League: 2012–15 Cycle» (PDF). Union of European Football Associations. p. 8. Consultado em 22 de setembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2012 
  28. «Distribution to clubs from the 2021/22 UEFA Champions League, UEFA Europa League and UEFA Europa Conference League and the 2021 UEFA Super Cup Payments for the qualifying phases Solidarity payments for non-participating clubs» (PDF). UEFA. 20 de maio de 2021. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 28 de maio de 2021 
  29. Trullols, Javier (23 de abril de 2021). «Así repartió la Uefa los 2.419 millones en ingresos de la Champions 2019-2020». Palco23 (em espanhol). Consultado em 28 de março de 2023. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2021 
  30. King, Anthony (setembro de 2004). «The New Symbols of European Football». International Review for the Sociology of Sport (em inglês) (3): 323–336. ISSN 1012-6902. doi:10.1177/1012690204045599. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  31. TEAM. (1999). UEFA Champions League: Season Review 1998/9. Lucerne: TEAM.
  32. a b c UEFA.com (30 de julho de 2020). «UEFA Champions League anthem: lyrics, background, facts | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  33. Bondebjerg, Ib; Madsen, Peter (2008). Media, Democracy and European Culture (em inglês). [S.l.]: Intellect Books 
  34. a b Rhys, Steffan (3 de junho de 2017). «This is where the Champions League music comes from». WalesOnline (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  35. Fornäs, Johan (2012). «Signifying Europe» (PDF). Bristol, England: intellect. pp. 185–187. Consultado em 5 de setembro de 2023. Arquivado do original (PDF) em 10 de fevereiro de 2018 
  36. «Patrocínios da Champions League». Liga dos Campeões da Europa. 11 de fevereiro de 2016 
  37. «FedEx delivers upgrade from Europa League to Champions League sponsor». SportBusiness (em inglês). 5 de maio de 2021. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  38. UEFA.com (1 de fevereiro de 2017). «HEINEKEN extends UEFA club competition sponsorship | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  39. Carp, Sam (23 de março de 2021). «Uefa's Just Eat sponsorship covers Champions League and Women's Euro». SportsPro (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  40. Carp, Sam (12 de fevereiro de 2018). «Uefa cashes in Mastercard renewal». SportsPro (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  41. UEFA.com (18 de julho de 2022). «OPPO becomes UEFA Champions League global sponsor | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  42. UEFA.com (6 de fevereiro de 2018). «PepsiCo renews UEFA Champions League Partnership | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  43. UEFA.com (30 de julho de 2021). «UEFA Champions League and PlayStation® Renew Partnership until 2024 | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  44. «Turkish Airlines to sponsor UEFA Champions League». www.aa.com.tr. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  45. UEFA.com (15 de fevereiro de 2022). «Socios.com becomes the Official Fan Token Partner of UEFA Club Competitions | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  46. «Nissan to pivot from global deals to more 'strategic partnerships' says sponsorship head». SportBusiness (em inglês). 25 de março de 2022. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  47. a b c d e «Como o futebol internacional era transmitido para o Brasil antes das TVs a cabo» [Trivela - Como o futebol internacional era transmitido para o Brasil antes das TVs a cabo]. trivela.uol.com.br. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  48. ANDRADE, DANIEL CASTRO e VINÍCIUS (6 de abril de 2021). «Silvio Santos dá chapéu na Globo e compra Champions League para o SBT». Notícias da TV. Consultado em 11 de junho de 2023 
  49. «SBT consegue renovação de contrato e fica com Champions League até 2027». F5. 29 de novembro de 2023. Consultado em 30 de novembro de 2023 
  50. «ELEVEN SPORTS ASSEGURA OS DIREITOS PORTUGUESES PARA A LIGA DOS CAMPEÕES DA UEFA E A LA LIGA» 
  51. «Champions sem 'borlas'» 
  52. «TVI, Eleven Sports e Nowo ultimam acordo para transmissão dos jogos da Liga dos Campeões em sinal aberto». tvi24. 20 de julho de 2018 
  53. «Liga dos Campeões está de volta à TVI». tvi24. 1 de agosto de 2018 
  54. «VENCEDOR DA LIGA DOS CAMPEÕES». Consultado em 2 de março de 2020 
  55. «History | UEFA Champions League» (em inglês). UEFA.com. Consultado em 30 de outubro de 2022 
  56. «ALL-TIME RECORDS 1955-2018» (PDF). UEFA. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  57. «Histórico jogadores | Melhores marcadores». UEFA.com. Consultado em 30 de outubro de 2022 
  58. UEFA.com. «All-time Player | Top goalscorers Stats | UEFA Champions League». UEFA.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2023 
  59. UEFA.com (15 de julho de 2022). «Recordes e estatísticas da fase de grupos da Champions League». UEFA.com. Consultado em 7 de junho de 2023 
  60. «Tabela de maiores garçons Champions League 2017». pt.besoccer.com. Consultado em 7 de junho de 2023 
  61. «Cristiano Ronaldo Once Completed 20 Dribbles In A Single Game». SPORTbible (em inglês). 12 de dezembro de 2020. Consultado em 27 de julho de 2023 
  62. «Cristiano Ronaldo once completed 20 dribbles in a single match». GiveMeSport (em inglês). 11 de dezembro de 2019. Consultado em 27 de julho de 2023 
  63. Hepburn, Daniel (10 de dezembro de 2021). «20 players with the most goals + assists in Champions League history - Ronaldo v Messi is close». GiveMeSport (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2023 
  64. «Ronaldo's Champions League records revealed as he cements place as best ever». The Sun (em inglês). 14 de junho de 2022. Consultado em 6 de outubro de 2023 
  65. «Gento, o único jogador da história com seis Taça dos Campeões Europeus | Real Madrid CF». Real Madrid C.F. - Web Oficial. Consultado em 28 de julho de 2023 
  66. «UEFA Champions League appearances by player 2022». Statista (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2023 
  67. UEFA.com (26 de março de 2023). «Que recordes da UEFA detém Cristiano Ronaldo?». UEFA.com. Consultado em 8 de junho de 2023 
  68. «CR7 marca contra Borussia e é primeiro a fazer gols em todos os jogos da fase de grupos da Champions». ESPN. Consultado em 8 de junho de 2023 
  69. «Os injustiçados e campeões controversos do prêmio de melhor do mundo - Placar - O futebol sem barreiras para você». 20 de setembro de 2019. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  70. Zirpoli, Cassio (30 de agosto de 2018). «Luka Modric, o melhor jogador da Europa em 2017/2018. Foi mesmo?». Cassio Zirpoli. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  71. UEFA.com (2 de junho de 2023). «Mais jovens na UEFA Champions League: Moukoko bate recorde aos 16 anos | UEFA Champions League». UEFA.com. Consultado em 28 de julho de 2023 
  72. «Gol mais rápido da história da Champions League saiu em 10s; veja lista». www.uol.com.br. Consultado em 28 de julho de 2023 
  73. UEFA.com (12 de agosto de 2020). «Goals per game: Europe's most efficient scorers | UEFA Champions League». UEFA.com (em espanhol). Consultado em 29 de julho de 2023 
  74. «Invicta, melhor defesa e amuleto croata: os números da finalista Juventus na Champions». ESPN. Consultado em 27 de julho de 2023 
  75. UEFA.com (29 de maio de 2021). «Quem venceu a Champions League como jogador e treinador?». UEFA.com. Consultado em 10 de junho de 2023 
  76. «Só um de brasileiro, e foi de bico: jornal escolhe os 10 gols mais bonitos da história da Champions». ESPN.com. 5 de maio de 2020. Consultado em 8 de junho de 2023 
  77. «Vídeo. Golaço de Zidane de voleio na final da Champions completa 18 anos | Metrópoles». Metrópoles | O seu portal de notícias. 15 de maio de 2020. Consultado em 8 de junho de 2023 
  78. «Internet não perdoa Prêmio Puskás para Salah». OneFootball. 2018. Consultado em 8 de junho de 2023 
  79. «Cristiano Ronaldo fala qual foi o título mais importante de sua carreira e revela como foi a comemoração». Bolavip Brasil. 26 de dezembro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2023 
  80. «O espanhol que tem um chute mais potente que CR7 e Roberto Carlos». pt.besoccer.com. Consultado em 8 de junho de 2023 
  81. «The 50 greatest goals in Champions League history have been ranked by France Football». GiveMeSport (em inglês). 4 de maio de 2020. Consultado em 8 de junho de 2023 
  82. McCarra, Kevin (6 de maio de 2009). «Chelsea hearts broken by late, late Iniesta goal for Barcelona». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 20 de junho de 2023 
  83. «Referee Tom Henning Ovrebo admits to errors in Chelsea vs Barcelona in 2009 Champions League». Sky Sports (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2023 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Liga dos Campeões da UEFA