Cordeiro (Rio de Janeiro)

Cordeiro é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma latitude 22º01'43" sul e a uma longitude 42º21'39" oeste, estando a uma altitude de 485 metros. Sua população estimada em 2010 segundo o IBGE, era de 21.158 habitantes. Possui uma área de 116,38 km².

Cordeiro
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Cordeiro
Bandeira
Brasão de armas de Cordeiro
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Cidade Exposição"
Gentílico cordeirense
Localização
Localização de Cordeiro no Rio de Janeiro
Localização de Cordeiro no Rio de Janeiro
Mapa de Cordeiro
Coordenadas 22° 01' 44" S 42° 21' 39" O
País Brasil
Unidade federativa Rio de Janeiro
Municípios limítrofes Bom Jardim, Cantagalo, Duas Barras, Trajano de Moraes e Macuco
Distância até a capital 190 km
História
Fundação 31 de dezembro de 1943 (77 anos)
Aniversário 31 de dezembro
Administração
Prefeito(a) Leonan Lopes Melhorance (PSC, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 116,044 km²
População total (Censo IBGE/2010[2]) 22,041 hab.
Densidade 0,2 hab./km²
Clima Tropical de Altitude (Cwa)
Altitude 485 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 28540-000
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,729 alto
 • Posição 26º
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 174 972,750 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 8 838,35
Outras informações
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Piedade Sagrado Coração de Jesus
Sítio www.cordeiro.rj.gov.br (Prefeitura)
www.camaracordeiro.rj.gov.br (Câmara)

HistóriaEditar

Inicialmente ocupada por índios goitacases e coroados, a região de Cordeiro constou como rota para os colonos que se aventuravam à procura de ouro e pedras preciosas no interior da colônia, no final do século XVIII.

A colonização de Cordeiro teve origem à margem esquerda do Rio Macuco, próximo da Fazenda Cordeiro, propriedade de João dos Santos Cordeiro, que cedeu parte de suas terras para o trilho do trem de ferro.

Em 1883, novos fluxos de colonização, lavradores e artífices chegaram à região, dando origem ao pequeno núcleo. O desenvolvimento da localidade proporcionou a criação, em 1890, do distrito de Cordeiro, subordinado ao município de Cantagalo.

O progresso apresentado pelo distrito motivou a criação do município de Cordeiro, em 1891, sendo a sede municipal elevada à categoria de vila. No entanto, essa autonomia durou pouco tempo, retornando o município de Cordeiro a sua antiga situação de distrito de Cantagalo. Em 1920, Cordeiro já era o mais importante centro comercial da região Centro-Norte Fluminense.

Esse fato determinou a instalação de um parque industrial, que teve início em 1922 com a Fábrica de Tecidos Nossa Senhora da Piedade.

 
Cordeiro.

Em 1936, Cordeiro foi elevada à categoria de subprefeitura, no governo do almirante Protógenes Guimarães. Data, verdadeiramente, daí, o grande desenvolvimento de Cordeiro, com a execução de inúmeros serviços, dentre os quais se destacam os melhoramentos nos serviços de abastecimento de água, construção de várias linhas de esgoto, pontes, praças públicas, jardins, avenidas etc.

A reintegração na categoria de município somente foi possível pelo Decreto-lei estadual nº 1.055, de 31 de dezembro de 1943. Cordeiro era uma área eminentemente agrícola, cultivando, sobretudo café, que aos poucos foi substituído pela pecuária. Foi instalado em 1 de janeiro de 1944, com a posse do primeiro prefeito nomeado.

A ocupação do núcleo urbano se processou em torno da antiga estação ferroviária, pertencente à extinta Linha do Cantagalo da Estrada de Ferro Leopoldina. [5] A expansão deu-se em direção às áreas planas nas margens do Rio Macuco, ao longo da linha férrea e em direção às principais vias de acesso.

O desenvolvimento econômico da cidade se deu, nos anos noventa e dois mil, com base no comércio, na fabricação de moda íntima e na fabricação de peças e prestação de serviços ao pólo cimenteiro da vizinha Cantagalo.

Entre os políticos de maior destaque nas últimas décadas estão Joaquim Tavares, Leonardo Vieitas, Silvio Daflon, Salomão Lemos, Leandro Monteiro e Luciano Ramos Pinto, todos ocupantes do cargo de prefeito do município entre 1985 e 2018.

A pequena cidade ganhou destaque nos anos noventa, com cobertura da imprensa nacional, por ser a cidade natal da então modelo Aline Wermelinger, que se casou em com o magnata da indústria das top-models e fundador da Elite Models, o empresário John Casablancas.

GeografiaEditar

Clima

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde agosto de 1971 a menor temperatura registrada em Cordeiro foi de 3,2 °C em 7 de julho de 1975 e a maior atingiu 38,7 °C em 15 de outubro de 2015. O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 157,7 milímetros (mm) em 4 de janeiro de 2007. Outros grandes acumulados iguais ou superiores a 100 mm foram 121,1 mm em 14 de abril de 1974, 120 mm em 16 de novembro de 1997, 116,5 mm em 29 de janeiro de 1977, 115,4 mm em 28 de dezembro de 2011 e 113,7 mm em 2 de janeiro de 2012. Janeiro de 2007, com 688,5 mm, foi o mês de maior precipitação.[6]

Dados climatológicos para Cordeiro
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 38,4 36,7 34,9 33,3 32,7 30,6 32,2 35 37,2 38,7 37 36,4 38,7
Temperatura máxima média (°C) 29,6 30,4 29,4 27,8 25,5 24,6 24,3 25,6 26,1 27,3 27,9 28,6 27,3
Temperatura média compensada (°C) 23,8 24 23,4 21,5 18,8 17,7 17,3 18,5 19,8 21,5 22,2 23,2 21
Temperatura mínima média (°C) 19,5 19,4 19 17,2 14,7 13 12,5 13,2 15 17 18,2 19,1 16,5
Temperatura mínima recorde (°C) 12,1 13,2 11,4 9 6,8 3,6 3,2 5 5,4 8,4 8 11,3 3,2
Precipitação (mm) 254,5 135,4 157,9 65,5 33,7 22,5 21,5 17,1 64,6 106 219,3 266,9 1 364,9
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 14 9 11 7 4 3 3 3 7 9 14 17 101
Umidade relativa compensada (%) 80,8 78,8 81,7 82,2 82,7 82,8 80,8 76 75,8 77 80,7 82 80,1
Horas de sol 176,6 184,4 182,5 176,8 172,3 171,8 184,2 196,8 144,7 136,7 131,3 139,3 1 997,4
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica
de 1981-2010;[7] recordes de temperatura: 01/08/1971-presente)[6]

TurismoEditar

No aspecto turístico, Cordeiro é conhecida em todo o estado como a "Cidade-Exposição", devido à fama da Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Cordeiro que todos os anos acontece no Parque Raul Veiga, um dos melhores do país. Além dos tradicionais concursos de animais, dos quais participam bovinos e equinos de todos os cantos do Brasil, os grandes shows atraem milhares de pessoas. A média diária de público que atinge a casa é de 10 mil pessoas.

A mais antiga exposição do país, inaugurada pela primeira vez em 1921, já serviu de palco para grandes nomes da música brasileira.

Apesar de ainda não contar com uma rede hoteleira de grande porte, a cidade recebe muitos visitantes nos finais de semana.

Os pontos turísticos são poucos ainda.

Ex-PrefeitosEditar

•Mario Viana Neto

01/01/1944 a 11/03/1944


•Lindolpho Fernandes Filho

12/03/1944 a 04/08/1944


•João Beliene salgado

1º 05/08/1944 a 15/11/1945

2º 24//02/1946 a 03//08/1946

3º 13/10/1947 a 07/01/1951


•Alice Maria Reis Barros

26/11/1945


•José Amadeu Rodrigues

26/11/1945 a 23/02/1946


•???

24/02/1946 a 29/03/1947


•David Coelho Dos Santos

30/03/1947 a 12/10/1947


•Carlos Pereira G.Filho

03/02/1955 a 31/01/1959


•Carlos Gilson Boaretto

08/09/1962 a 23/10/1962


•Adyr Pinto V.De Abreu

1º 08/01/1951 a 07/01/1955

2º 01/02/1959 a 07/09/1962

3º 23/10/1962 a 01/02/1963


•Cézar De Azevedo Monteiro

02/02/1963 a 31/01/1967


•Wagner Vietas

1º 01/02/1967 a 30/01/1971

2º 31/01/1973 a 31/01/1977


•José Carlos Boareto

1º 31/01/1971 a 30/01/1973

2º 01/02/1977 a 09/12/1982


•Paulo Cesar Vianna P.De Faria

10/12/1982 a 01/02/1983


•José Carvalho Guimaraes

28/07/1986 a 01/09/1986


•Joaquim Gerk Tavares

1º 01/02/1983 a 31/12/1988

2º 01/01/2005 a 31/12/2008


•Antônio Gerk Tavares

01/01/1993 a 31/12/1996


•Leonardo Caldas Vieitas

1º 01/01/1989 a 32/12/1992

2º 01/01/1997 a 24/03/1999


•Silvio Abreu Daflon

1º 31/03/1999 a 31/12/2000

2º 01/01/2001 a 31/12/2004

3º 01/01/2009 a 31/12/2012


•Salomão Lemos Gonçalves

01/01/2012 a 01/03/2012


•Leandro Batatinha

1º 02/03/2012 a 31/12/2017

2º 01/01/2017 a 31/12/2020


CulturaEditar

Conhecido no estado como “Berço de Artistas”, Cordeiro possui talentosos filhos. O saudoso pianista Henrique Duprat é um deles. Atualmente destacam-se artistas plásticos, compositores, cantores, músicos, artesãos, poetas e escritores.

Nos concursos e festivais os filhos talentosos sempre elevam o nome da “Cidade Exposição”. Vários projetos são desenvolvidos, acontecendo em especial nos dois centros culturais locais, o Ione Pecly e a Sociedade Musical Fraternidade Cordeirense.

Depois de resgatado, o carnaval de Cordeiro voltou a ser o melhor de toda a região, recebendo um número expressivo de visitantes. Os desfiles de blocos e escolas de samba e os bailes de rua são os pontos altos da festa.

Os amantes do contato com a natureza também podem desfrutar de vários pontos turísticos de rara beleza. No centro da cidade o destaque é a Mata do Posto, um pedacinho de Mata Atlântica em contato com a civilização. Lá se pode praticar caminhadas e passeios em contato com a natureza.

A pedra do Campanati é outro ponto interessante, pois além do maravilhoso visual, permite a prática de esportes radicais, como o parapente e o rapel.

Hino de cordeiroEditar

Filhos diletos, somos de Cordeiro

dispostos a lutar, a trabalhar

em nossa luta seremos os primeiros

dentre os municípios a palma conquistar.


No trabalho, fluminense

estaremos na vanguarda aqui na serra

sempre ativos cordeirenses

a lutar e elevar a nossa terra.


Terra de flores, flores tão mimosas

florestas verdejantes tão viçosas

voz do macuco, em leve correnteza

entoando hinos de glória a natureza.


No trabalho, fluminense

estaremos na vanguarda aqui na serra

sempre ativos cordeirenses

a lutar e elevar a nossa terra.


Glória a Deus, pelo ambiente

cordato de labore de grandeza

em que se firma a terra estremecida

Cordeiro, querida, que é toda a nossa vida.


No trabalho, fluminense

estaremos na vanguarda aqui na serra

sempre ativos cordeirenses

a lutar e elevar a nossa terra.

Letra: Gil Falcão e Vitorino da Rocha Silva. Música: M. João Batista Pires da Veiga.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 29 de Julho de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Cordeiro -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 25 de agosto de 2020 
  6. a b Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Banco de dados meteorológicos». Consultado em 4 de novembro de 2020 
  7. INMET. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Consultado em 4 de novembro de 2020