Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde julho de 2015). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Para as unidades equivalentes de outros países, veja fuzileiros navais.
Corpo de Fuzileiros Navais
Coat of arms of the Brazilian Marine Corps.png
Brasão do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil
País  Brasil
Corporação Marinha do Brasil
Subordinação Forças Armadas do Brasil
Missão Infantaria Naval
Denominação Fuzileiros
Sigla CFN
Criação 1808
Patrono Almirante Sylvio de Camargo
Grito de Guerra Adsumus
Logística
Efetivo 18.000
Insígnias
Estandarte Estandarte fuzileiros navais.gif
Selo Seal of the Brazilian Marines.png
Insígnia Emblem of the Brazilian Marine Corps.gif
Comando
Almirante-de-Esquadra (FN) Alexandre José Barreto de Mattos
Fuzileiros navais brasileiros

O Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) é uma força integrante da Marinha do Brasil.

Encontra-se presente em todo o território nacional, tanto no litoral, quanto nas regiões ribeirinhas da Amazônia, Pantanal, Caatinga Selva, regiões semiáridas entre outras. Atuando em tempos de paz na segurança das instalações do Mar, no apoio às forças de segurança e no auxílio a populações carentes através de ações cívico-sociais desenvolvidas regionalmente pelos Distritos Navais. No exterior, zela pela segurança das embaixadas brasileiras na Argélia, Paraguai, Haiti e Bolívia. Participou de todos os conflitos armados da História do Brasil.

HistóriaEditar

A 6 de Março de 1958 o Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil foi feito Oficial da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal.[1]

Mais recentemente, os Fuzileiros Navais, como Observadores Militares da Organização das Nações Unidas (ONU), atuaram em áreas de conflito, como El Salvador, Bósnia, Honduras, Moçambique, Ruanda, Peru e Equador. Em Angola, como Força de Paz, participaram da Missão de Verificação das Nações Unidas (UNAVEM-III) com uma Companhia de Fuzileiros Navais e um Pelotão de Engenharia.

LemaEditar

O lema do Corpo de Fuzileiros Navais é "ADSUMUS", expressão em latim que, na língua portuguesa, significa "Aqui estamos!". O lema surgiu no ano de 1958, próximo às comemorações do aniversário de 150 anos do CFN, quando o almirante-de-esquadra (FN) Leônidas Telles Ribeiro pediu a sua esposa, sra. Violeta Telles Ribeiro, que sugerisse algo apropriado para ser usado. Após o almirante haver saído para uma caminhada, D. Violeta redigiu o seguinte texto:[2]

VeículosEditar

Para cumprir as suas missões, os fuzileiros são desembarcados de veículos anfíbios ou helicópteros. Para isso contam com o apoio do fogo naval e/ou aeronaval. Uma vez em terra, operam os seus próprios meios, que incluem blindados, artilharia de campanha, artilharia antiaérea, engenharia de combate, comunicações e guerra eletrônica.

Equipamento Origem Tipo Versões Quantidade Observações Imagem
'Veículos Blindados'
SK-105 Kürassier   Áustria Carro de Combate SK 105A2S
4KH7FA
17[3]
1[3]
 
M113   Estados Unidos Veículo blindado de transporte de pessoal M113A1
M125A1
M577A1
XM806E1
M113A1G
24[4]
2[4]
2[4]
1[4]
1[4]
Todas modernizadas no padrão M113MB1.[5][6]  
Mowag Piranha   Suíça Veículo blindado de transporte de pessoal Piranha IIIC 22[7]  
AAV-7A1   Estados Unidos Veículo blindado de transporte de pessoal AAV-7A1
LVTP-7A1
LVTC-7A1
LVTR-7A1
21
22
3
3
 
'Artilharia'
ASTROS II[8]   Brasil Sistema de artilharia terra-terra AV-LMU
AV-RMD
AV-PCC
AV-MET
AV-OFVE
6
3
1
1
1[9]
 
M114[10]   Estados Unidos obus rebocado M114A1 6[11] 155mm

(Devem ser substituídos pelo M777)[12]

 
L118[10]   Reino Unido obus rebocado L118 18 (3 baterias)[13] 105mm  
Soltam K6[10]   Israel Morteiro K6A3 6[11] 120mm  
M29 mortar[10]   Estados Unidos Morteiro M29A1 100 81mm  
M60 Brandt[10]   França Morteiro Brandt ? 60mm
'Artilharia Antiaérea'
Mistral[14]   França Artilharia antiaérea sistema de lançamento de míssil MBDA 24  
RBS 70   Suécia Artilharia antiaérea 12  
Bofors L/70[10]   Suécia Artilharia antiaérea 40 mm 6 Sendo repotencializados  
'Radar'
Radar Saber   Brasil Radar 1  
Bandvagn 206   Suécia Radar 1  
'VANT'
Carcará UAV   Brasil VANT 40
Carcara II   Brasil VANT 2
'Veículos'
Agrale Marruá   Brasil Veículo Utilitário 400+  
Land Rover Defender   Reino Unido Veículo Utilitário 250  
Toyota Bandeirante   Brasil Veículo Utilitário 270  
Unimog   Alemanha Caminhão 228  
MBB 1720   Brasil Caminhão 200  
MBB 1725/42   Alemanha Caminhão 122  
MBB LAK1418   Alemanha Caminhão ?
Volvo NL   Suécia Caminhão ?
Ford Cargo[15]   Estados Unidos Caminhão 15 Viatura cisterna água
AV-VBL 4x4   Brasil Veículo blindado leve 03  

ArmamentoEditar

Armamento Origem Calibre Capacidade do carregador Tipo Imagem
Taurus PT92[14]   Brasil 9x19mm 17+1 Pistola  
M16A2[14]   Estados Unidos 5.56x45 mm 20, 30 Fuzil de assalto  
FN FAL[14]   Bélgica 7.62×51 mm 20 Fuzil de batalha  
M4[16]   Estados Unidos 5.56x45 mm 30 Carabina  
Mossberg 590[14]   Estados Unidos 12ga De 5+1 a 8+1 Espingarda  
PGM Hecate II[17]   França 12,7 x 99 mm NATO 7 Fuzil antimaterial
Taurus MT12[14]   Itália/  Brasil 9x19mm 20, 30 ou 40 Submetralhadora  
FN Minimi[14]   Bélgica 5.56x45 mm 100 ou 200 munições Metralhadora leve  
FN MAG[14]   Bélgica 7.62×51 mm Metralhadora média  
Browning M2[14]   Estados Unidos 12,7 x 99 mm NATO Metralhadora pesada  
SB LAG 40[18]   Espanha 40 mm 24, 32 Lança-granadas automático  
Mk 19[19]   Estados Unidos 40 mm 32, 48 Lança-granadas automático  
AT-4[14]   Suécia 84 mm Anticarro  
 
Fuzileiros navais desembarcando na Amazônia durante treinamento
Outros

UnidadesEditar

 
Fuzileiros navais em treinamento de proteção em resposta a emergências químicas

GrupamentosEditar

Na maioria dos Distritos Navais há um Grupamento de Fuzileiros Navais a ele subordinados.[21] Essas unidades são empregadas em operações de caráter naval, dentre elas: a defesa de instalações navais e portos; operações de segurança interna; e operações de Garantia de Lei e Ordem (GLO).[22]

Especializadas em defesa nuclear, radiológica, biológica e químicaEditar

 
Fuzileiros navais em treinamento de guerra química e biológica

O CFN possui unidades especializadas para prover ações de descontaminação e combate em guerras químicas, biológicas, nucleares e radiológicas e defesa QBRN. São as seguintes:

Banda marcialEditar

 
Desfile da BMCFN

A Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais (BMCFN) é uma tradicional banda pertencente ao CFN, com base na Fortaleza de São José, na Ilha das Cobras.[25] A banda não possui instrumentos convencionais,[26] sendo composta por mor, auxiliar do mor, schellenbaum, baliza, bombos, caixas de guerra, taróis, surdos, quadriton, pratos, liras, gaitas, flautins, trompetes e trombonitos.[27] Seu som ficou famoso pelo uso da gaita de fole, presenteada ao Brasil pela tripulação do navio USS Saint Louis norte-americano, adquirido pela Marinha em 1951 como o Tamandaré. Os que manuseiam esse instrumento recebem manuais da Escócia e Inglaterra.[25]

Entre os eventos dos quais a BMCFN já participou, além do Dia da Pátria, destacam-se a cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos, a inauguração do Monumento de Abertura dos Portos às Nações Amigas, a abertura dos Jogos Mundiais Militares de 2011 e do Velas Sudamérica 2010 e a comemoração dos 200 anos da chegada da Família Real ao Brasil.[27] No exterior, também participou do 39º Festival Intercéltico de Lorient, na França,[25] da coroação da rainha Elizabeth II, na Inglaterra, das Comemorações Cabralinas, em Portugal,[28] do Royal Edinburgh Military Tattoo, na Escócia,[29] e da abertura do desfile de 14 de julho em Paris, no "Ano do Brasil na França".[25]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Corpo de Fuzileiros N. da Marinha do Brasil". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de abril de 2015 
  2. «ADSUMUS». Suplemento Especial Tecnologia & Defesa nº 17 
  3. a b Machado, Miguel (16 de maio de 2011). «FUZILEIROS BLINDADOS (I)». Operacional.pt. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  4. a b c d e Velloso, Ludovico Alexandre Cunha (3 de setembro de 2010). «Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais - Histórico das origens». DefesaNet. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  5. Lopes, Roberto (14 de agosto de 2016). «Segundo a 'Jane's', mês que vem CFN recebe as três últimas viaturas M-113 (de segunda mão) modernizadas pela IMI». Plano Brasil. Consultado em 10 de setembro de 2016. Arquivado do original em 18 de agosto de 2016 
  6. Galante, Alexandre (15 de agosto de 2016). «CFN recebe últimos blindados M113MB1 modernizados». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  7. Poggio, Guilherme (18 de janeiro de 2013). «Última VBTP Piranha do CFN deve ser recebida neste mês». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  8. «Corpo de Fuzileiros Navais recebe ASTROS CFN 2020». Plano Brasil. 7 de abril de 2014. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  9. Galante, Alexandre (26 de março de 2014). «Aquisição de Viatura Oficina do Sistea Astros para o CFN». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  10. a b c d e f «Armamento Pesado». Comando do Material de Fuzileiros Navais. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  11. a b Galante, Alexandre (19 de outubro de 2010). «Marinha do Brasil interessada no obuseiro M777 da BAE Systems». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  12. Galante, Alexandre (19 de setembro de 2010). «Marinha do Brasil interessada no obuseiro M777 da BAE Systems». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  13. Padilha, Luiz (24 de março de 2015). «FFE realiza exercício de Tiro de Artilharia de Campanha na Ilha da Marambaia (RJ)». Defesa Aérea & Naval. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  14. a b c d e f g h i j k «Armamento Leve». Comando do Material de Fuzileiros Navais. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  15. Pinto, E.M. (8 de abril de 2013). «Corpo de Fuzileiros Navais adquire 122 novas viaturas». Plano Brasil. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  16. «269 novos fuzis para o Corpo de Fuzileiros Navais». Portal Defesa. 22 de abril de 2014. Consultado em 11 de setembro de 2016 
  17. «Fuzil PGM HECATE II para o "Batalhão Tonelero" da Marinha do Brasil». Plano Brasil. 5 de setembro de 2014. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  18. Machado, Miguel (16 de maio de 2010). «FUZILEIROS BLINDADOS (II)». Operacional.pt. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  19. «Corpo de Fuzileiros Navais adquire novos CLAnfs». Notícias Infodefensa América. 2 de abril de 2014. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  20. a b «Engenharia (Via Wayback Machine)». Comando do Material de Fuzileiros Navais. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  21. Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
  22. a b «Entrevista com o AE Leal Ferreira - "Forças Distritais"». Defesa Aérea & Naval. 19 de maio de 2015. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  23. a b Olive, Ronaldo (2 de maio de 2015). «Mostra de ativação do Centro de Defesa NQBR dos Fuzileiros Navais». Tecnodefesa. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  24. Lopes, Roberto (26 de setembro de 2015). «DOSSIÊ Impacto do Ajuste Fiscal do CFN: Fuzileiros levarão 15 anos (ou mais) para ativar batalhões nas fronteiras com o Paraguai e a Colômbia». Plano Brasil. Consultado em 10 de setembro de 2016. Arquivado do original em 13 de outubro de 2016 
  25. a b c d Barreto, Lane (7 de junho de 2016). «Banda do Corpo de Fuzileiros Navais mantém tradição com gaitas de fole escocesas». Ministério da Defesa. Consultado em 28 de março de 2017 
  26. Nassif, Luís (5 de janeiro de 2012). «A gloriosa Banda dos Fuzileiros Navais em Paris». GGN. Consultado em 28 de março de 2017 
  27. a b Gaertner, Lívia (24 de julho de 2012). «Banda Marcial de Fuzileiros Navais faz apresentação esta noite em Corumbá». Diário Corumbaense. Consultado em 28 de março de 2017 
  28. «Marinha confirma apresentação da Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais em Imperatriz». Jornal O Progresso. 9 de outubro de 2011. Consultado em 28 de março de 2017 
  29. «Banda da Marinha vai participar de festival na Escócia». Época. 15 de junho de 2015. Consultado em 28 de março de 2017 

Ligações externasEditar