Na mitologia grega, Cranau (em grego: Κραναός, transl. Kranaós) foi o segundo rei de Atenas. Foi o mais poderoso dos atenienses, e sucedeu Cécrope I quando este morreu sem filhos homens.[1]

Era autóctone (nascido da terra),[2][3] assim como seu predecessor. Durante o seu reinado ocorreu o dilúvio da história de Deucalião[2][4] (segundo Eusébio de Cesareia, o dilúvio ocorreu durante o reinado de Cécrope I,[3] em 1526 a.C.[5]). Casou-se com a lacedemônia Pédias, filha de Mines, com quem teve três filhas: Crânae, Cranacme e Átide.[2][Nota 1]

Sua filha Átide deu o seu nome à Ática,[1][2] ao morrer virgem.[2] Em uma versão da lenda citada por Pseudo-Apolodoro, ela teve um filho com Hefesto, Erictônio.[2]

Reinou por nove anos,[3] de 1506 a 1497 a.C.,[5] e foi deposto por Anfictião, seu genro.[1] Segundo William Smith, Anfictião era casado com Crânae.[6]

Ver tambémEditar

Árvore genealógica baseada em Pseudo-Apolodoro com alguma extrapolação (conforme o texto acima, em pontilhado)

Autóctone
Mines
Cranau
Pédias
Anfictião
Crânae
Cranacme
Átide
Hefesto
Erictônio

Notas e referências

Notas

  1. A tradução para o inglês de Sir James George Frazer verte Κραναίχμην, Kranaíchmen, para Menaechme

Referências

  1. a b c Pausânias, Descrição da Grécia, 1.2.6
  2. a b c d e f Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.14.6
  3. a b c Eusébio de Cesareia, Crônica, 66, Os reis dos atenienses
  4. Marco Terêncio Varrão, citado por Agostinho de Hipona, A Cidade de Deus, Livro II, Capítulo 10, O que Varrão diz sobre o termo Areópago e sobre o dilúvio de Deucalião
  5. a b Jerônimo de Estridão, Chronicon
  6. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, Amphyction [ver no wikisource]
Precedido por
Cécrope I
Rei de Atenas
1506 a 1497 a.C.
Sucedido por
Anfictião