Abrir menu principal

Crash: Mind Over Mutant

vídeojogo de 2008
Crash: Mind Over Mutant
Desenvolvedora(s) Radical Entertainment
Publicadora(s) Activision
Produtor(es) Kirsten Forbes
Projetista(s) Joe McGinn
Escritor(es) Christopher Mitchell
Programador(es) Ian Gipson
Artista(s) Yousuf Mapara
Compositor(es) Marc Baril
Plataforma(s) Nintendo DS
PlayStation 2
PlayStation Portable
Wii
Xbox 360
Série Crash Bandicoot
Data(s) de lançamento PlayStation 2, Wii
& Xbox 360
  • AN 7 de outubro de 2008
  • EU 31 de outubro de 2008
PlayStation Portable
  • AN 21 de outubro de 2008
  • EU 31 de outubro de 2008
Nintendo DS
  • AN 29 de outubro de 2008
  • EU 31 de outubro de 2008
Gênero(s) Plataforma
Modos de jogo Um jogador
Multijogador
Crash of the Titans
Crash Bandicoot N. Sane Trilogy

Crash: Mind Over Mutant é um jogo eletrônico de plataforma desenvolvido pela Radical Entertainment e publicado pela Activision. Foi lançado mundialmente em outubro de 2008 para Nintendo DS, PlayStation 2, PlayStation Portable, Wii e Xbox 360.

HistóriaEditar

A história é contada através de diferentes animações, feitas em diferentes estilos: Anime, South Park, histórias em quadrinhos, fantoches, etc.

Neo Cortex, com o auxílio de seu antigo parceiro Nitrus Brio, cria um assistente digital chamado "NV" (que em inglês se parece com a palavra "envy", inveja em português), capaz de controlar as mentes de todos. Crash, o único habitante de Wumpa Island que não foi afetado pelo NV, deve salvar Coco e Crunch e impedir que Cortex continue com seus planos de controlar o mundo com o NV.

O jogo mostra em seu vídeo inicial Nina e Cortex fugindo do dominador que caiu em Wumpa Island, logo após a fuga Cortex literalmente chuta nina na escola do mal, na continuidade do filme mostra Cortex e Nitros Brios (devolta a ativa) testando o NV em um inofensivo coelho que se transforma em um monstro que comicamente esmaga Nitros Brio; Em outra parte do vídeo aparece N. Cortex construindo milhares de NVs.

O jogo realmente começa após o segundo filme que mostra Coco pedindo a Crash para lhe trazer espécies de ferramentas que estão espalhadas pela ilha, neste mesmo vídeo vemos Coco realmente em chamas.

Há titãs jogáveis e não jogáveis, Cortex é jogável e o tempo de jogo é infinito

RecepçãoEditar

A maioria das análises da versão para PlayStation 2 de Mind Over Mutant foram positivas. Dakota Grabowski da GameZone achou o jogo "ligeiramente" melhor do que Crash of the Titans, elogiando a melhoria nos controles, e a jogabilidade e o enredo. Porém, disse que a câmera "quase arruina todo o pacote"[1].

A versão para Wii também se saiu bem, embora não tanto quanto a do PlayStation 2. Louis Bedigan da GameZone disse que os jovens "podem se sentir incomodados com a câmera e/ou com os objetivos repetitivos, mas é um Crash divertido, o que não se vê há algum tempo - é um dos melhores clones de Mario do Nintendo Wii". Neal Ronaghan da Nintendo World Report disse que "a história encantadora e humor genuíno" foram "ofuscados pela jogabilidade superficial".

As análises da versão para Xbox 360 foram misturadas. Christopher Ewen da GameZone elogiou o ambiente do jogo, mas o achou muito fácil. Matt Casamassina da IGN disse que o jogo é "exatamente como o antecessor: um jogo de plataforma agradável que satisfaz os jogadores mais jovens, mas não traz muita coisa que os jogadores mais experientes não tenham experimentado antes". Andy Eddy do TeamXbox elogiou a dublagem, mas criticou a jogabilidade. Justin Calvet do GameSpot afirmou que "o jogo tem muitos problemas de câmera para torná-lo recomendável". Official Xbox Magazine disse que "há muito pouco em Mind Over Mutant que faça valer os 50$ ou as quatro horas perdidas ao concluí-lo". Dan Pearson, da Eurogamer criticou a câmera, a queda de quadros por segundo, as missões inúteis e conceitos datados. Andrew Reiner de Game Informer, disse que o jogo "tem queda na taxa de frames por segundo imprevisível, e o jogo é morte certa por falhar no posicionamento da câmera", além de dizer que "é mais um jogo ruim do nosso marsupial preferido".

A versão para Nintendo DS recebeu criticas negativas. Mike David da GameZone disse que "é o primeiro jogo realmente decepcionante da série Crash", enquanto que Neal Ronaghan da Nintendo World Report achou que o jogo "deixa muito a desejar em termos de profundidade e nível de design". Craig Harris da IGN disse que o jogo é "chato, monótono e não faz nada que o jogo anterior fez tão bem no DS ano passado".

Referências

  1. «Análise da GameZone» (em inglês). Consultado em 7 de março de 2010. Arquivado do original em 3 de novembro de 2008