Craveiro

O craveiro (Dianthus caryophyllus) é uma planta herbácea, pertencente à família Caryophyllaceae, gênero Dianthus, que alcança até um metro de altura.[1] As suas flores são denominadas cravos. Actualmente existem 300 espécies de craveiros e várias centenas de híbridos.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaCraveiro
Gartennelke 1.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Caryophyllaceae
Género: Dianthus
Espécie: D. caryophyllus
Nome binomial
Dianthus caryophyllus
L.

CaracterísticasEditar

O craveiro é constituído por uma flor com múltiplas pétalas, com bordas recortadas, e cuja cor original é um púrpura rosado (actualmente existem mais variedades de cor - branco, rosa, vermelho e amarelo, além de inúmeras tonalidades e misturas). Tem o caule reto, com várias ramificações.

À mesma família das cariofiláceas, pertence a cravina ou cravo-bordado (Dianthus plumarius), cujas pétalas abundantes emergem de seu cálice verde e tubular. Nos trópicos a cravina só se reproduz em grandes altitudes. A espécie Dianthus fimbriatus, originária da Europa, é cultivada em grande escala na América do Sul.

Certas variedades exalam um aroma delicado, motivo pelo qual são utilizadas na fabricação de perfumes. Os cravos reproduzem-se por meio de sementes, e necessitam de solo quente, sem excessiva humidade.

A maioria das espécies de formigas domésticas são altamente repulsivas ao cravo, sendo este um bom agente para combater invasões.

PlantaçãoEditar

As diferentes variantes desta planta, permitem que ela seja anual ou perene. As anuais (semeadas na Primavera e no Verão) tendem a florescer no Verão e as perenes, nas condições adequadas, podem florir durante o ano.

Os craveiros tem preferência por solos arenosos, férteis e bem drenados, podendo ser cultivados a sol pleno ou em meia-sombra. Estas plantas exigem regas regulares e são sensíveis à falta de arejamento.

História e significadosEditar

Há mais de 2000 anos esta planta já era utilizada pelos gregos em coroas de cerimónias. Ao longo da história, esta flor tem assumido vários significados - fidelidade matrimonial (Renascimento) e o amor pelos pais (Coreia).

Em Portugal o cravo-vermelho é o símbolo da Revolução dos Cravos (25 de Abril de 1974). Símbolo das mães em vida e os cravos brancos o símbolo das mães que já partiram (Anna Jarvis).

ReferênciasEditar

  1. «Dianthus caryophyllus». INaturalist (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  Este artigo sobre a ordem Caryophyllales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.