Crise existencial

conflito interno devido à falta de sentido

Em psicologia e psicoterapia, as crises existenciais são conflitos internos caracterizados pela impressão de que a vida carece de sentido. Alguns autores também enfatizam a confusão sobre a identidade pessoal em sua definição. As crises existenciais são acompanhadas de ansiedade e estresse, muitas vezes a tal ponto que perturbam o funcionamento normal na vida cotidiana e levam à depressão. Sua atitude negativa em relação à vida e ao sentido reflete várias posições características do movimento filosófico conhecido como existencialismo. Sinônimos e termos intimamente relacionados incluem angústia existencial, vácuo existencial, neurose existencial e alienação. Os vários aspectos associados às crises existenciais são às vezes divididos em componentes emocionais, cognitivos e comportamentais. Os componentes emocionais referem-se aos sentimentos que provocam, como dor emocional, desespero, desamparo, culpa, ansiedade e solidão. Os componentes cognitivos abrangem o problema da falta de sentido, a perda de valores pessoais e reflexões sobre a própria mortalidade. Externamente, as crises existenciais muitas vezes se expressam em adições, comportamentos antissociais e compulsivos.

Sentimentos de solidão e insignificância diante da natureza são comuns nas crises existenciais

Os sintomas específicos podem variar muito de caso para caso. Os teóricos tentam abordar isto distinguindo entre diferentes tipos de crises existenciais. As categorizações são geralmente baseadas na ideia de que as questões no centro das crises existenciais diferem com o estágio de vida do indivíduo e seu desenvolvimento pessoal. Os tipos comumente encontrados na literatura acadêmica incluem a crise da adolescência, a crise do quarto de vida, a crise da meia-idade e a crise da terceira-idade. Todos eles têm em comum um conflito sobre o sentido e o propósito da própria vida. As crises cedo na vida tendem a ser mais prospectivas: o indivíduo está ansioso e confuso sobre qual caminho na vida seguir, especialmente no que diz respeito à educação e carreira, assim como à sua identidade e independência nas relações sociais. As crises tarde na vida são mais retrospectivas. Podem ser desencadeadas pela impressão de que já se passou o ponto de pico da vida e são frequentemente caracterizadas por culpa, arrependimentos e medo da morte. A idade do indivíduo geralmente corresponde ao tipo de crise que experimenta, mas nem sempre, pois há muita variação no nível de desenvolvimento pessoal. Algumas pessoas podem experimentar apenas alguns desses tipos ou nenhum. Se uma crise existencial anterior foi resolvida adequadamente, geralmente é mais fácil para o indivíduo resolver ou evitar crises posteriores.

O problema da falta de sentido desempenha um papel central em todos esses tipos. Pode surgir na forma de sentido cósmico, que está preocupado com o sentido da vida em geral ou por que estamos aqui. Outra forma diz respeito ao sentido secular pessoal, no qual o indivíduo tenta descobrir propósito e valor principalmente para sua própria vida. A questão da falta de sentido torna-se um problema devido à discrepância entre o desejo dos seres humanos de viver uma vida significativa e a aparente falta de sentido e indiferença do mundo, às vezes denominada o absurdo. Várias fontes de sentido foram sugeridas através das quais o indivíduo pode encontrar sentido. Incluem o altruísmo ou tentar beneficiar os outros, dedicar-se a uma causa, como um movimento religioso ou político, a criatividade, por exemplo, criando arte, o hedonismo ou tentar viver a vida ao máximo, a autoatualização, que se refere ao desenvolvimento dos próprios potenciais inatos, e encontrar a atitude correta em relação às próprias dificuldades.

As crises existenciais têm várias consequências negativas, tanto no nível pessoal, como a ansiedade e a formação de relacionamentos maus, quanto no nível social, como uma alta taxa de divórcio e uma diminuição da produtividade. Também podem ter efeitos positivos, empurrando os afetados para resolver o problema subjacente e, assim, desenvolver-se como pessoa. Alguns questionários, como o Purpose in Life Test, podem ser usados para medir se alguém está atualmente passando por uma crise existencial. Devido às consequências principalmente negativas, é importante que as crises existenciais sejam resolvidas. A abordagem mais comum é ajudar os afetados a encontrar sentido em sua vida. Isto pode acontecer através de um salto da fé, no qual o indivíduo deposita sua confiança em um novo sistema de sentido, ou através de uma abordagem baseada na razão, focalizando em uma avaliação cuidadosa baseada em evidências das fontes de sentido. Alguns teóricos recomendam uma abordagem niilista, na qual o indivíduo aceita que a vida não tem sentido e tenta encontrar a melhor maneira de lidar com este fato. Outras abordagens incluem a terapia cognitivo-comportamental e a prática da tomada de perspectiva social.

Fora da psicologia e da psicoterapia, o termo "crise existencial" é às vezes usado para indicar que a existência de algo está ameaçada.

DefiniçãoEditar

Em psicologia e psicoterapia, o termo "crise existencial" refere-se a uma forma de conflito interno. Caracteriza-se pela impressão de que a vida carece de sentido e é acompanhada por várias experiências negativas, como estresse, ansiedade, desespero e depressão.[1][2][3][4][5][6][7] Isso muitas vezes acontece a tal ponto que perturba o funcionamento normal da vida cotidiana.[5] A natureza interna deste conflito diferencia as crises existenciais de outros tipos de crises que se devem principalmente a circunstâncias externas, como as crises sociais ou financeiras. As circunstâncias externas podem ainda desempenhar um papel no desencadeamento ou na exacerbação de uma crise existencial, mas o conflito central acontece em um nível interno.[3] A abordagem mais comum para resolver uma crise existencial consiste em abordar este conflito interno e encontrar novas fontes de sentido na vida.[4][5][8]

A questão central responsável pelo conflito interno é a impressão de que o desejo do indivíduo de levar uma vida significativa é frustrado por uma aparente falta de sentido. A este respeito, as crises existenciais são crises de sentido. Isso é frequentemente compreendido através das lentes do movimento filosófico conhecido como existencialismo.[3] Um aspecto importante de muitas formas de existencialismo é que o indivíduo procura viver de uma maneira significativa, mas encontra-se em um mundo sem sentido e indiferente.[9][10][11][3] O termo exato "crise existencial" não é comumente encontrado na literatura existencialista tradicional na filosofia. Mas vários termos técnicos estreitamente relacionados são discutidos, como angústia existencial, vácuo existencial, desespero existencial, neurose existencial, doença existencial, ansiedade e alienação.[9][10][11][3][4][12][13][14]

Diferentes autores se concentram em suas definições de crise existencial em diferentes aspectos. Alguns argumentam que as crises existenciais são, em sua essência, crises de identidade. Nesta visão, eles surgem de uma confusão sobre a pergunta "Quem sou eu?" e seu objetivo é alcançar alguma forma de clareza sobre si mesmo e sua posição no mundo.[2][3][5] Como crises de identidade, envolvem uma autoanálise intensiva, muitas vezes na forma de explorar diferentes maneiras de ver a si mesmo.[2][3][5] Constituem um confronto pessoal com certos aspectos-chave da condição humana, como existência, morte, liberdade e responsabilidade. A este respeito, a pessoa questiona os fundamentos mesmos de sua vida.[3][5] Outros enfatizam o confronto com as limitações humanas, como a morte e a falta de controle.[4][5] Alguns sublinham a natureza espiritual das crises existenciais, apontando como as pessoas externamente bem-sucedidas ainda podem ser severamente afetadas por elas se não tiverem o desenvolvimento espiritual correspondente.[4]

O termo "crise existencial" é mais comumente usado no contexto da psicologia e psicoterapia.[3][1][5] Mas também pode ser empregado em um sentido mais literal como uma crise de existência para expressar que a existência de algo está ameaçada. A este respeito, um país, uma empresa ou uma instituição social enfrenta uma crise existencial se tensões políticas, altas dívidas ou mudanças sociais puderem ter como resultado que a entidade correspondente deixe de existir.[15][16][17]

ComponentesEditar

As crises existenciais são geralmente vistas como fenômenos complexos que podem ser entendidos como constituídos por vários componentes. Algumas abordagens distinguem três tipos de componentes pertencentes aos campos de emoção, cognição e comportamento.[3] Os aspectos emocionais correspondem ao que se sente ao ter uma crise existencial. Geralmente está associada à dor emocional, desespero, desamparo, culpa, ansiedade e solidão.[3][5][6][18] No lado cognitivo, os afetados são frequentemente confrontados com uma perda de sentido e propósito junto com a realização de seu próprio fim.[5][4][3] No aspecto comportamental, as crises existenciais podem se expressar em adições e comportamentos antissociais, às vezes acompanhados de comportamentos ritualísticos, perda de relacionamentos e degradação da saúde.[3][4] Embora as manifestações destes três componentes possam ser geralmente identificadas em cada caso de crise existencial, muitas vezes há diferenças significativas em como se manifestam. No entanto, foi sugerido que estes componentes podem ser usados para dar uma definição mais unificada de crises existenciais.[3]

EmocionalEditar

No nível emocional, as crises existenciais estão associadas a experiências desagradáveis, como medo, ansiedade, pânico e desespero.[5][6][18] Podem ser categorizadas como uma forma de dor emocional pela qual as pessoas perdem a confiança e a esperança.[3] Essa dor muitas vezes se manifesta na forma de desespero e desamparo.[5][13] O desespero pode ser causado pela incapacidade de encontrar sentido na vida, o que está associado tanto à falta de motivação como à ausência de alegria interior.[4] A impressão de desamparo surge da incapacidade de encontrar uma resposta prática para lidar com a crise e o desespero associado.[3][5] Este desamparo diz respeito especificamente a uma forma de vulnerabilidade emocional:[3] o indivíduo não está sujeito apenas a uma ampla gama de emoções negativas, mas estas emoções muitas vezes parecem estar fora do controle da pessoa. Este sentimento de vulnerabilidade e falta de controle pode por si só produzir mais impressões negativas e pode levar a uma forma de pânico ou a um estado de luto profundo.[3][19]

Mas, por outro lado, também há muitas vezes a impressão nos afetados de que eles são de alguma forma responsáveis por sua situação.[3][6] Este é o caso, por exemplo, se a perda de sentido está associada a más escolhas no passado pelas quais o indivíduo se sente culpado. Mas também pode assumir a forma de um tipo mais abstrato de má consciência como culpa existencial.[3][6] Neste caso, o agente carrega um vago sentimento de culpa livremente flutuante, ou seja, não está ligado a qualquer ato mal específico por parte do agente.[20][6] Especialmente em crises existenciais nas últimas etapas da vida, esta culpa é frequentemente acompanhada por um medo da morte.[3] Mas, assim como no caso da culpa, este medo também pode assumir uma forma mais abstrata como uma ansiedade inespecífica associada a um sentimento de deficiência e falta de sentido.[3][6]

Como crises de identidade, as crises existenciais muitas vezes levam a um senso perturbado de integridade pessoal.[3][2][5] Isto pode ser provocado pela aparente falta de sentido na própria vida, juntamente com uma falta geral de motivação. Central para a impressão de integridade pessoal são os relacionamentos estreitas consigo mesmo, com os outros e com o mundo.[3] A ausência de sentido geralmente tem um impacto negativo nessas relações. Como falta de um propósito claro, ameaça a integridade pessoal e pode levar à insegurança, alienação e autoabandono.[3][5] O impacto negativo nas relações com os outros é frequentemente experimentado como uma forma de solidão.[3][21]

Dependendo da pessoa e da crise que está sofrendo, alguns desses aspectos emocionais podem ser mais ou menos pronunciados.[3] Embora todos são experimentados como desagradáveis, muitas vezes carregam dentro de si vários potenciais positivos que podem empurrar a pessoa na direção de um desenvolvimento pessoal positivo.[4][22] Através da experiência da solidão, por exemplo, a pessoa pode alcançar uma melhor compreensão da substância e importância dos relacionamentos.[3]

CognitivoEditar

O principal aspecto cognitivo das crises existenciais é a perda de sentido e propósito.[1][2][3][4][5] Neste contexto, o termo "falta de sentido" refere-se à impressão geral de que não há um sentido, uma direção ou um propósito superior em nossas ações, ou no mundo em geral.[23] Está associado à questão de por que se está fazendo o que se está fazendo e por que se deve continuar. É um tema central na psicoterapia existencialista, que tem como um de seus principais objetivos ajudar o paciente a encontrar uma resposta adequada a essa falta de sentido.[24][3] Na logoterapia de Viktor Frankl, por exemplo, o termo "vácuo existencial" é usado para descrever este estado de espírito.[25][4] Muitas formas de psicoterapia existencialista visam resolver crises existenciais, ajudando o paciente a redescobrir sentido em sua vida.[3][5][4] Estreitamente relacionada à falta de sentido é a perda de valores pessoais. Isto significa que coisas que antes pareciam valiosas para o indivíduo, como a relação com uma pessoa específica ou o sucesso em sua carreira, podem agora parecer insignificantes ou inúteis para ele. Se a crise for resolvida, pode levar à descoberta de novos valores.[3][6]

Outro aspecto do componente cognitivo de muitas crises existenciais diz respeito à atitude para o fim pessoal, ou seja, a compreensão de que se morrerá algum dia.[3][5][2] Embora esta informação não seja nova sob uma perspectiva abstrata, ela assume um caráter mais pessoal e concreto quando se é confrontado com este fato como uma realidade concreta que se tem que enfrentar.[26][27] Este aspecto é de particular relevância para crises existenciais que ocorrem mais tarde na vida ou quando a crise foi desencadeada pela perda de um ente querido ou pelo aparecimento de uma doença terminal.[3][2] Para muitos, a questão da própria morte está associada à ansiedade.[5] Mas também foi argumentado que a contemplação da própria morte pode atuar como uma chave para resolver uma crise existencial. A razão para isto é que a percepção de que o tempo é limitado pode atuar como uma fonte de sentido, ao tornar o tempo restante mais valioso e ao facilitar o discernimento das questões maiores que importam em contraste com as questões cotidianas menores que podem atuar como distrações.[28][26][3] Fatores importantes para lidar com a morte iminente incluem a perspectiva religiosa, a autoestima e a integração social, assim como as perspectivas para o futuro.[3][5]

ComportamentalEditar

As crises existenciais podem ter vários efeitos no comportamento do indivíduo. Muitas vezes levam uma pessoa a se isolar e a se envolver menos em interações sociais.[3][5][21] Por exemplo, a comunicação com os colegas de casa pode ser limitada a respostas muito breves, como um simples "sim" ou "não" para evitar uma conversa mais prolongada ou o indivíduo reduz várias formas de contato que não são estritamente necessárias.[3] Isto pode resultar em uma deterioração e a perda dos relacionamentos a longo prazo.[5] Em alguns casos, as crises existenciais também podem se expressar em comportamentos abertamente antissociais, como hostilidade ou agressão. Estes impulsos negativos também podem ser dirigidos à própria pessoa, levando à autolesão e, no pior dos casos, ao suicídio.[3][2][29][30]

O comportamento aditivo também é observado em pessoas que passam por uma crise existencial.[3][31] Alguns recorrem às drogas para diminuir o impacto das experiências negativas, enquanto outros esperam aprender, através das experiências não ordinárias com as drogas, para lidar com a crise existencial. Embora este tipo de comportamento possa ser bem-sucedido em proporcionar um alívio de curto prazo dos efeitos da crise existencial, foi argumentado que geralmente é desadaptativo e falha no nível de longo prazo.[31] Desta forma, as crises podem agravar-se ainda mais.[3] Para os afetados, muitas vezes é difícil distinguir a necessidade de prazer e poder da necessidade de sentido, levando-os assim a um caminho errado em seus esforços para resolver a crise.[3][31] As adições em si ou o estresse associado às crises existenciais podem resultar em vários problemas de saúde, que vão desde a hipertensão arterial até danos nos órgãos a longo prazo e o aumento da probabilidade de câncer.[3][31][32]

As crises existenciais também podem ser acompanhadas de comportamento ritualístico.[3] Em alguns casos, isto pode ter efeitos positivos para ajudar os afetados na transição para uma nova perspectiva de vida. Mas também pode tomar a forma de comportamento compulsivo que atua mais como uma distração do que como um passo em direção a uma solução.[4] Outro aspecto comportamental positivo diz respeito à tendência de buscar terapia. Esta tendência reflete a consciência dos afetados da gravidade do problema e seu desejo de resolvê-lo.[3]

TiposEditar

Diferentes tipos de crises existenciais são frequentemente distinguidos com base no tempo na vida em que ocorrem.[2][4] Esta abordagem baseia-se na ideia de que, dependendo da fase da vida, os indivíduos são confrontados com diferentes questões ligadas a sentido e propósito. Levam a diferentes tipos de crises se esses problemas não são resolvidos adequadamente.[2][4] Os estágios estão geralmente ligados a grupos etários aproximados, mas esta correspondência nem sempre é precisa, pois diferentes pessoas da mesma faixa etária podem se encontrar em diferentes situações de vida e diferentes estágios de desenvolvimento.[2] Estar ciente dessas diferenças é central para avaliar adequadamente a questão no centro de uma crise específica e encontrar uma resposta correspondente para resolvê-la.

A crise existencial mais conhecida é a crise da meia-idade e muitas pesquisas são dirigidas especificamente a este tipo de crise.[4][33] Mas os pesquisadores também descobriram várias outras crises existenciais pertencentes a diferentes tipos. Não há acordo geral sobre seu número exato e sua periodização. Devido a isso, as categorizações dos diferentes teóricos nem sempre coincidem, mas têm sobreposições significativas.[2] Uma categorização distingue entre a crise da adolescência precoce, a crise sophomore, a crise adulta, a crise da meia-idade e a crise da terceira-idade. Outra enfoca apenas a crise sophomore, a crise adulta e a crise da terceira-idade, mas as define em termos mais amplos.[2] A crise sophomore e a crise adulta são frequentemente tratadas juntas como formas da crise do quarto de vida.[34][35][36]

Há um amplo consenso de que as crises anteriores tendem a ser mais prospectivas e são caracterizadas pela ansiedade e confusão sobre o caminho na vida que se quer seguir.[2] As crises posteriores, por outro lado, são mais retrospectivas, muitas vezes na forma de culpa e arrependimento, enquanto também lidam com o problema da própria mortalidade.[2][4]

Estas diferentes crises podem afetar umas às outras de várias maneiras. Por exemplo, se uma crise anterior não foi resolvida adequadamente, as crises posteriores podem impor dificuldades adicionais aos afetados.[2] Mas mesmo se uma crise anterior foi completamente resolvida, isto não garante que as crises subsequentes serão resolvidas com sucesso ou evitadas por completo.

Outra abordagem distingue as crises existenciais com base em sua intensidade. Alguns teóricos usam os termos "vácuo existencial" e "neurose existencial" para se referir a diferentes graus de crise existencial.[4][25][3][37] Nesta visão, um vácuo existencial é um fenômeno bastante comum caracterizado pela recorrência frequente de estados subjetivos como tédio, apatia e vazio.[14][25] Algumas pessoas experimentam isso apenas em seu tempo livre, mas de outra forma não são perturbadas por isso. O termo "neurose de domingo" é frequentemente usado neste contexto.[25] Um vácuo existencial torna-se uma neurose existencial se é acompanhado de sintomas neuróticos clínicos evidentes, como depressão ou alcoolismo.[4]

AdolescênciaEditar

A crise da adolescência precoce envolve a transição da infância para a idade adulta e está centrada no assunto do desenvolvimento da própria individualidade e independência.[38][39] Isto diz respeito especificamente à relação com a família e muitas vezes leva a passar mais tempo com os companheiros.[40] Vários comportamentos rebeldes e antissociais vistos às vezes nesta fase de desenvolvimento, como roubo ou invasão de propriedade, podem ser interpretados como tentativas de alcançar a independência.[41] Também pode dar origem a um novo tipo de conformidade em relação, por exemplo, à forma como o adolescente se veste ou se comporta. Esta conformidade tende a ser não em relação à família ou aos padrões públicos, mas ao grupo de companheiros ou celebridades adoradas.[35][41] Mas isto pode ser visto como um passo temporário para se distanciar de padrões previamente aceitos, com passos posteriores enfatizando a independência também do grupo de companheiros e das influências de celebridades.[41] Para resolver a crise da adolescência precoce, é importante que sentido e propósito sejam encontrados na nova identidade, já que a independência sem isso pode resultar no sentimento de estar perdido e pode levar à depressão.[35]

Quarto de vida, sophomore e adultoEditar

O termo "crise do quarto de vida" é frequentemente usado para se referir a crises existenciais que ocorrem no início da idade adulta, ou seja, aproximadamente durante as idades entre 18 e 30 anos.[34][35][36] Alguns autores distinguem entre duas crises distintas que podem ocorrer nesta fase da vida: a crise sophomore e a crise adulta. A crise sophomore afeta principalmente pessoas no final da adolescência ou no início dos 20 anos de idade.[2] Também é chamada de "sophomore slump", especificamente quando afeta os estudantes.[42][43] É a primeira vez que perguntas sérias sobre o sentido da vida e o papel do indivíduo no mundo são formuladas. Nesta fase, essas perguntas têm uma relação prática direta com o próprio futuro.[42] Se aplicam a quais caminhos se quer escolher na vida, como em qual carreira focar e como formar relacionamentos bem-sucedidos.[2] No centro da crise sophomore está a ansiedade sobre o futuro, ou seja, como levar a vida e como melhor desenvolver e empregar as próprias habilidades.[2][42][43] As crises existenciais muitas vezes afetam especificamente as pessoas de alto desempenho que temem não alcançar seu potencial máximo por falta de um plano seguro para o futuro. Para resolvê-las, é necessário encontrar respostas significativas para estas perguntas. Tais respostas podem resultar em compromissos práticos e podem informar decisões posteriores na vida.[2]

A crise adulta geralmente começa em meados dos 20 anos de idade.[2][44] Os problemas enfrentados nela se sobrepõem em certa medida aos da crise sophomore, mas tendem a ser questões de identidade mais complexas. Como tal, também giram em torno da própria carreira e do caminho na vida. Mas tendem a levar em conta mais detalhes, como a escolha da religião, a perspectiva política ou a sexualidade.[2] Resolver a crise adulta significa ter uma boa ideia de quem o indivíduo é como pessoa e se sentir confortável com essa ideia. Geralmente está associado a atingir a idade adulta, ter concluído a escola, trabalhar em tempo integral, ter saído de casa e ser financeiramente independente. Ser incapaz de resolver a crise adulta pode resultar em desorientação, falta de confiança na própria identidade pessoal e depressão.[5]

Meia-idadeEditar

Entre os diferentes tipos de crises existenciais, a crise de meia-idade é a mais discutida. Muitas vezes começa por volta dos 40 anos de idade e pode ser desencadeada pela impressão de que o próprio crescimento pessoal está obstruído.[45][46][47] Isto pode ser combinado com a sensação de que há uma distância significativa entre as próprias realizações e aspirações. Em contraste com as crises existenciais anteriores, também envolve um componente retrospectivo: as escolhas anteriores na vida são questionadas e seu significado para as realizações do indivíduo é avaliado.[46][47][48] Isto pode levar a arrependimentos e insatisfação com as próprias escolhas de vida em vários campos, como carreira, parceiro, filhos, status social ou oportunidades perdidas. A tendência de olhar para trás muitas vezes está ligada à impressão de que o indivíduo já passou do período de pico da vida.[45][46]

Às vezes se distinguem cinco etapas intermediárias: acomodação, separação, liminaridade, reintegração e individuação.[45][48] Nestas etapas, o indivíduo primeiro se adapta às demandas externas alteradas, depois aborda a distância entre seus motivos inatos e a personalidade externa, em seguida rejeita sua personalidade anteriormente adaptativa, mais tarde adota sua nova personalidade e, por último, toma consciência das consequências externas associadas a estas mudanças.[45][48]

As crises da meia-idade podem ser desencadeadas por eventos específicos como perda de um emprego, desemprego forçado, casos extraconjugais, separação, morte de um ente querido ou problemas de saúde.[5] A este respeito, a crise da meia-idade pode ser entendida como um período de transição ou reavaliação no qual o indivíduo tenta se adaptar à sua situação alterada na vida, tanto em resposta ao evento desencadeante particular quanto às mudanças mais gerais que vêm com a idade.[45]

Vários sintomas estão associados às crises da meia-idade, como estresse, tédio, autodúvida, compulsividade, mudanças na libido e nas preferências sexuais, ruminação e insegurança.[45][47][48] No discurso público, a crise da meia-idade está associada principalmente aos homens, muitas vezes em relação direta à sua carreira. Mas afeta as mulheres também. Um fator adicional aqui é o tempo limitado que resta em seu período reprodutivo ou o início da menopausa.[45][46][47] Entre 8 e 25 por cento dos americanos com mais de trinta e cinco anos passaram por uma crise de meia-idade.[45]

Tanto a gravidade quanto a duração da crise de meia-idade são frequentemente afetadas por se e quão bem as crises anteriores foram resolvidas.[2] As pessoas que conseguiram resolver bem as crises anteriores tendem a se sentir mais satisfeitas com suas escolhas de vida, o que também reflete em como sua significância é percebida quando se olha para trás. Mas isso não garante que elas ainda pareçam significativas da perspectiva atual.

Terceira-idadeEditar

A crise da terceira-idade ocorre frequentemente na segunda metade dos 60 anos de idade. Pode ser desencadeada por eventos como a aposentadoria, a morte de um ente querido, uma doença grave ou a morte iminente.[2][33] Em seu núcleo está uma reflexão retrospectiva sobre como se levou sua vida e as escolhas que se fez. Essa reflexão é geralmente motivada pelo desejo de ter vivido uma vida valiosa e significativa combinada com a incerteza se isto foi alcançado.[4][33] A contemplação dos erros do passado também pode ser motivada pelo desejo de encontrar uma maneira de compensá-los enquanto se ainda pode.[2] Também pode se expressar de uma forma mais teórica como uma tentativa de avaliar se a própria vida teve um impacto positivo no ambiente mais imediato ou no mundo em geral. Isso é frequentemente associado ao desejo de deixar um legado positivo e influente para trás.[2]

Devido à sua natureza retrospectiva, pode haver menos que se possa fazer para realmente resolver a crise. Isto é verdade especialmente para as pessoas que chegam a uma avaliação negativa de sua vida. Um fator impeditivo adicional em contraste com as crises anteriores é que os indivíduos muitas vezes são incapazes de encontrar a energia e a juventude necessárias para fazer mudanças significativas em suas vidas.[33] Alguns sugerem que desenvolver uma aceitação da realidade da morte pode ajudar no processo. Outras sugestões se concentram menos na resolução completa da crise, mas mais em evitar ou minimizar seu impacto negativo. As recomendações para este fim incluem cuidar do próprio bem-estar físico, econômico e emocional, assim como desenvolver e manter uma rede social de apoio. A melhor maneira de evitar a crise tanto quanto possível pode ser assegurar que as crises anteriores na vida sejam resolvidas.[2]

Falta de sentidoEditar

A maioria dos teóricos vê a falta de sentido como a questão central em torno da qual giram as crises existenciais. A este respeito, podem ser entendidas como crises de sentido.[3][4] A questão do sentido e da falta de sentido diz respeito a várias questões intimamente relacionadas. Entendida no respeito mais amplo, envolve as questões globais do sentido da vida em geral, por que estamos aqui ou para que propósito vivemos.[4] As respostas a esta pergunta tradicionalmente tomam a forma de explicações religiosas, por exemplo, que o mundo foi criado por Deus de acordo com Seu propósito e que cada coisa é significativa porque desempenha um papel para este propósito superior.[4][5][49][50] Isto às vezes é chamado de sentido cósmico, em contraste com o sentido pessoal secular que um indivíduo busca quando pergunta de que maneira sua vida particular tem sentido ou é valiosa.[4][51] A este respeito pessoal, muitas vezes está conectado com uma confusão prática sobre como se deve viver a própria vida ou por que se deve continuar fazendo o que se faz. Isto pode se expressar no sentimento de que não se tem nada para viver ou esperar. Isto às vezes é até interpretado como significando que não há certo e errado ou bem e mal.[4] Embora possa ser cada vez mais difícil no mundo secular contemporâneo encontrar um sentido cósmico, foi argumentado que para resolver o problema da falta de sentido, é suficiente que o indivíduo encontre um sentido pessoal secular para se agarrar.[4][51][52]

A questão da falta de sentido torna-se um problema porque os seres humanos parecem ter um forte desejo ou necessidade de sentido.[25][53] Isto se expressa tanto emocional quanto praticamente, já que metas e ideais são necessários para estruturar a própria vida.[4] O outro lado do problema é dado pelo fato de que parece não haver tal sentido ou que o mundo é em seu fundo contingente e poderia ter existido de uma forma muito diferente ou não ter existido de forma alguma.[4] A contingência e a indiferença do mundo em relação aos assuntos humanos são frequentemente referidas como o absurdo na literatura existencialista.[54][55] O problema pode ser resumido através da pergunta "Como pode um ser que precisa de sentido encontrar sentido em um universo que não tem sentido?".[4] Vários profissionais da psicoterapia existencial afirmaram que a perda de sentido desempenha um papel para a maioria das pessoas que necessitam de psicoterapia e é o tema central para um número significativo delas. Mas esta perda tem sua expressão mais característica nas crises existenciais.[4]

Vários fatores afetam se a vida é experimentada como significativa, por exemplo, relacionamentos sociais, religião e pensamentos sobre o passado ou o futuro.[4][49][50][5] Os julgamentos de sentido são bastante subjetivos. São uma forma de avaliação global, pois levam em consideração a vida como um todo.[8] Às vezes argumenta-se que o problema da perda de sentido está particularmente associado à sociedade moderna. Isto é frequentemente baseado na ideia de que as pessoas tendiam a ser mais enraizadas em seu ambiente social imediato, sua profissão e sua religião.[4][5]

Fontes de sentidoEditar

Geralmente se sustenta que os seres humanos têm uma necessidade de sentido.[4][8][25][5] Essa necessidade pode ser satisfeita ao encontrar uma fonte de sentido acessível. A fé religiosa pode ser uma fonte de sentido e muitos estudos demonstram que ela está associada ao sentido da vida autorreferido.[5][4][49][50] Outra importante fonte de sentido é devido às relações sociais.[8][3] A falta ou perda de uma fonte de sentido, por outro lado, muitas vezes leva a uma crise existencial. Em alguns casos, esta mudança está claramente ligada a uma fonte específica de sentido que se torna inacessível.[8] Por exemplo, uma pessoa religiosa confrontada com a vasta extensão da morte e do sofrimento pode encontrar sua fé em um Deus benevolente e onipotente despedaçada e, assim, perder a capacidade de encontrar sentido na vida. Para outros, uma ameaça concreta de morte iminente, por exemplo, devido à ruptura da ordem social, pode ter um efeito semelhante.[8] Se o indivíduo é incapaz de assimilar, reinterpretar ou ignorar este tipo de informação ameaçadora, a perda de sua fonte primária de sentido pode forçá-lo a reavaliar seu sistema de sentido na vida a partir do zero.[8] Neste caso, a pessoa está entrando em uma crise existencial, o que pode trazer consigo a necessidade de questionar quais outras fontes de sentido são acessíveis a ela ou se existe sentido de forma alguma.[8][3][2][4] Muitas fontes diferentes de sentido são discutidas na literatura acadêmica. Descobrir tal fonte para si mesmo é muitas vezes a chave para resolver uma crise existencial. As fontes discutidas na literatura podem ser divididas em altruísmo, dedicação a uma causa, criatividade, hedonismo, autoatualização e encontrar a atitude correta.[4]

Altruísmo refere-se à prática ou atitude baseada no desejo de beneficiar os outros. Os altruístas visam fazer do mundo um lugar melhor do que o que encontraram.[4][56][57][58] Isto pode acontecer de várias maneiras. Em pequena escala, pode-se tentar ser mais gentil com as pessoas em seu ambiente social imediato. Pode incluir o esforço de tomar consciência de seus problemas e tentar ajudá-las, direta ou indiretamente.[4] Mas a atitude altruísta também pode se expressar de uma forma menos pessoal em relação a estranhos, por exemplo, doando dinheiro para instituições de caridade. O altruísmo eficaz é um exemplo de um movimento contemporâneo que promove o altruísmo e fornece conselhos concretos sobre como viver altruisticamente.[59][60][61] Tem sido argumentado que o altruísmo pode ser uma forte fonte de sentido na vida.[4] Isto também se reflete no fato de que os altruístas tendem a desfrutar de níveis mais altos de bem-estar, assim como de maior saúde física e mental.[57][62][58]

Dedicar-se a uma causa pode atuar como uma fonte de sentido intimamente relacionada.[4] Em muitos casos, os dois se sobrepõem, se o altruísmo é a motivação principal. Mas nem sempre é assim, pois o fascínio por uma causa pode não estar explicitamente ligado ao desejo de beneficiar os outros. Consiste em dedicar-se completamente a produzir algo maior que si mesmo.[4] Um conjunto diversificado de causas pode ser seguido desta maneira, desde objetivos religiosos, movimentos políticos ou instituições sociais até empreendimentos científicos ou filosóficos. Tais causas dão sentido à própria vida na medida em que se participa do sentido da causa, trabalhando para ela e realizando-a.[4][5]

A criatividade refere-se à atividade de criar algo novo e excitante. Pode atuar como uma fonte de sentido, mesmo se não é óbvio que a criação serve a um propósito específico.[4][63] Este aspecto é especialmente relevante no campo da arte, onde às vezes se afirma que a obra de arte não precisa de uma justificativa externa, pois é "sua própria escusa para ser".[4][64][65] Foi argumentado que, para muitos grandes artistas, sua visão mais aguçada do dilema existencial da condição humana foi a causa de seus esforços criativos. Estes esforços, por sua vez, podem tê-los servido como uma forma de terapia.[4][63] Mas a criatividade não se limita à arte. Pode ser encontrada e praticada em muitos campos diferentes, tanto em grande quanto em pequena escala, como em ciência, culinária, jardinagem, trabalho regular ou relacionamentos românticos.[4][63]

A abordagem hedonista também pode constituir uma fonte de sentido. Baseia-se na ideia de que uma vida desfrutada ao máximo tem sentido, mesmo que não tenha um propósito abrangente superior.[4][66][67] Para esta perspectiva, é relevante que o hedonismo não seja entendido em um sentido vulgar, ou seja, como a busca de prazeres sensoriais caracterizados pela desconsideração das consequências a longo prazo. Embora tal estilo de vida possa ser satisfatório em certos aspectos, uma forma mais refinada de hedonismo que inclui outras formas de prazeres e considera suas consequências a longo prazo é mais comumente recomendada na literatura acadêmica.[66][67] Este sentido mais amplo também inclui prazeres mais sutis, como contemplar obras das belas artes ou envolver-se em uma conversa intelectual estimulante.[66][67] Desta forma, a vida pode ser significativa para o indivíduo se for vista como um dom que evoca um sentimento de espanto por seu milagre e uma apreciação geral do mesmo.[4]

De acordo com a perspectiva da autoatualização, cada ser humano carrega dentro de si um potencial do que ele pode se tornar.[4][68][69] O propósito da vida, então, é desenvolver-se para realizar este potencial e, ao fazê-lo com sucesso, aumentar o bem-estar e a impressão de sentido do indivíduo.[68][69] A este respeito, assim como uma bolota tem o potencial de se tornar um carvalho, uma criança tem o potencial de se tornar um adulto completamente atualizado com várias virtudes e habilidades baseadas em seus talentos inatos.[4] O processo de autoatualização é às vezes entendido em termos de uma hierarquia: certos potenciais inferiores devem ser atualizados antes que a atualização de potenciais superiores se torne possível.[4][70]

A maioria das abordagens mencionadas até agora têm claras implicações práticas, pois afetam a forma como o indivíduo interage com o mundo. A abordagem atitudinal, por outro lado, identifica diferentes fontes de sentido baseadas apenas em tomar a atitude correta em relação à vida. Isto diz respeito especificamente às situações negativas em que se enfrenta um destino que não se pode mudar.[4][25] Nas crises existenciais, isto muitas vezes se expressa no sentimento de desamparo.[5] A ideia é que em tais situações ainda se pode encontrar um sentido baseado em tomar uma atitude virtuosa ou admirável em relação ao próprio sofrimento, por exemplo, permanecendo corajoso.[4][25]

Se uma determinada fonte de sentido é acessível difere de pessoa para pessoa. Também pode depender do estágio da vida em que se encontra, semelhante a como diferentes estágios são frequentemente associados a diferentes tipos de crises existenciais.[4][2] Foi argumentado, por exemplo, que a preocupação consigo mesmo e com o próprio bem-estar, que se encontra na autoatualização e no hedonismo, tende a ser mais associada a estágios iniciais da vida. A preocupação com os outros ou com o mundo em geral encontrada no altruísmo e na dedicação a uma causa, por outro lado, está presente com mais frequência em estágios posteriores da vida, por exemplo, quando uma geração mais velha pretende transmitir seus conhecimentos e melhorar a vida de uma geração mais jovem.[4]

Consequências, manifestação clínica e mediçãoEditar

Passar por uma crise existencial está associado a uma variedade de consequências, tanto para o indivíduo afetado quanto para seu ambiente social.[2][5][6][18] A nível pessoal, os efeitos imediatos são geralmente negativos, já que experimentar uma crise existencial está ligado ao estresse, à ansiedade e à formação de relacionamentos maus. Isto pode até mesmo levar à depressão se as crises existenciais não forem resolvidas. No nível social, causam uma alta taxa de divórcio e um aumento do número de pessoas que não conseguem fazer contribuições positivas significativas para a sociedade, por exemplo, devido à falta de motivação resultante da depressão.[2] Mas, se resolvidas adequadamente, também podem ter efeitos positivos, empurrando os afetados para resolver o problema subjacente. Os indivíduos podem assim encontrar novas fontes de sentido, desenvolver-se como pessoa e, assim, melhorar seu modo de vida.[3][22] Na crise sophomore, por exemplo, isto pode acontecer planejando com antecedência e fazendo assim escolhas mais conscientes sobre como levar a vida.[2][42][43]

Estar consciente dos sintomas e consequências das crises existenciais no nível pessoal é importante para os psicoterapeutas para que possam chegar a um diagnóstico preciso. Mas isto nem sempre é fácil, pois os sintomas geralmente diferem de pessoa para pessoa.[4] A este respeito, a falta de sentido no cerne das crises existenciais pode se expressar de diversas maneiras. Para alguns, pode levá-los a se tornarem excessivamente aventureiros e zelosos.[4] Em sua tentativa de se libertar da falta de sentido, estão desesperados para se dedicar indiscriminadamente a qualquer causa. Podem fazê-lo sem muita preocupação com o conteúdo concreto da causa ou com sua segurança pessoal.[4] Foi argumentado que esse tipo de comportamento está presente em alguns ativistas hardcore. Isto pode ser entendido como uma forma de mecanismo de defesa no qual o indivíduo se envolve fanaticamente em atividades em resposta a um profundo sentimento de falta de propósito.[4] Também pode se expressar de uma maneira relacionada, mas menos dramática, como atividade compulsiva. Isto pode assumir várias formas, como o workaholismo ou a busca obsessiva de prestígio ou aquisições materiais.[71][4] Isto é às vezes referido como falsa centralização ou inautenticidade, já que a atividade é perseguida mais como uma distração e menos porque é em si gratificante para o agente.[4][72][73] Pode proporcionar um alívio temporário, ajudando o indivíduo a drenar sua energia e, assim, distraí-lo da ameaça de falta de sentido.[4]

Outra resposta consiste em uma declaração aberta de niilismo, caracterizada por uma tendência generalizada a desacreditar as atividades que outros consideram significativas.[4][51][74][52] Tal indivíduo pode, por exemplo, descartar completamente o altruísmo como uma forma desonesta de egoísmo ou ver todos os líderes como motivados por sua ânsia de poder em vez de inspirados por uma grande visão.[4] Em algumas formas mais extremas de crise, o comportamento do indivíduo pode mostrar formas graves de falta de objetivo e apatia, muitas vezes acompanhadas de depressão.[4][75][76] Sendo incapaz de encontrar boas razões para fazer um esforço, tal pessoa permanece inativa por longos períodos de tempo, como ficar na cama o dia todo. Se ela se envolver em um comportamento, pode fazê-lo indiscriminadamente sem muita preocupação com o que está fazendo.[4]

Fatores indiretos para determinar a gravidade de uma crise existencial incluem a satisfação no trabalho e a qualidade dos relacionamentos. Por exemplo, a violência física ou brigas constantes em um relacionamento podem ser interpretadas como sinais externos de uma grave crise existencial.[2] Vários estudos empíricos mostraram que a falta de sentido na vida está associada à psicopatologia.[4][77] Ter uma impressão positiva de sentido, por outro lado, está associado a crenças religiosas profundamente arraigadas, ter um objetivo de vida claro e ter se dedicado a uma causa.[4][5]

MediçãoEditar

Diferentes sugestões foram feitas sobre como medir se alguém tem uma crise existencial, em que grau ela está presente e qual abordagem para resolvê-la pode ser promissora.[4] Estes métodos podem ajudar terapeutas e conselheiros a entender se o cliente está passando por uma crise existencial e, em caso afirmativo, quão grave é sua crise. Mas também podem ser usados pelos teóricos para identificar como as crises existenciais se correlacionam com outros fenômenos, como depressão, gênero ou pobreza.[4]

Uma maneira de avaliar isto é através de questionários com foco em tópicos como o sentido da vida, por exemplo, o Purpose in Life Test e o Life Regard Index.[4][78] O Purpose in Life Test é amplamente utilizado e consiste em 20 itens classificados em uma escala de sete pontos, como "Na vida eu tenho: (1) nenhuma meta ou objetivo em absoluto ... (7) metas e objetivos muito claros" ou "Em relação à morte, estou (1) despreparado e assustado ... (7) preparado e sem medo".[78][4]

ResoluçãoEditar

Já que as crises existenciais podem ter um efeito paralisante sobre as pessoas, é importante encontrar maneiras de resolvê-las.[3][6] Diferentes formas de resolução foram propostas.[2] A abordagem correta muitas vezes depende do tipo de crise experimentada. Muitas abordagens enfatizam a importância de desenvolver um novo estágio de funcionamento intelectual para resolver o conflito interno. Mas outros se concentram mais em mudanças externas. Por exemplo, as crises relacionadas à identidade sexual e ao nível de independência podem ser resolvidas encontrando um parceiro que corresponda ao caráter e preferências do indivíduo. Indicadores positivos de sucesso conjugal incluem ter interesses semelhantes, envolver-se em atividades comuns e ter um nível de educação semelhante.[2] As crises centradas no caminho profissional também podem ser abordadas mais externamente ao encontrar o tipo certo de carreira. A este respeito, fatores importantes incluem que a carreira corresponde tanto aos interesses quanto às habilidades do indivíduo para evitar um trabalho que não seja insatisfatório, sem desafio ou avassalador.[2]

Mas a abordagem mais comum visa mudar o funcionamento intelectual e a atitude interna da pessoa. Os psicoterapeutas existenciais, por exemplo, geralmente tentam resolver as crises existenciais ajudando o paciente a redescobrir sentido em sua vida. Às vezes isto toma a forma de encontrar um propósito espiritual ou religioso na vida, como dedicar-se a um ideal ou descobrir Deus.[3][5] Outras abordagens se concentram menos na ideia de descobrir sentido e mais na ideia de criar sentido. Isto se baseia na ideia de que o sentido não é algo independente do agente, mas algo que tem que ser criado e mantido.[4] No entanto, existem também tipos de psicoterapia existencialista que aceitam a ideia de que o mundo não tem sentido e tentam desenvolver a melhor maneira de lidar com este fato.[8][4] As diferentes abordagens para resolver a questão da falta de sentido são às vezes divididas em um salto da fé, a abordagem baseada na razão e o niilismo.[8] Outra classificação categoriza as possíveis resoluções como isolamento, ancoragem, distração e sublimação.[49][50] Métodos da terapia cognitivo-comportamental também são usados para tratar crises existenciais, provocando uma mudança no funcionamento intelectual do indivíduo.

Salto da fé, abordagem baseada na razão e niilismoEditar

Já que as crises existenciais giram em torno da ideia de ser incapaz de encontrar sentido na vida, várias resoluções se concentram especificamente neste aspecto.[8][3][4] Às vezes, três formas diferentes desta abordagem são distinguidas. Por um lado, o indivíduo pode realizar um salto da fé e afirmar um novo sistema de sentido sem uma compreensão prévia e profunda de quão seguro é como fonte de sentido.[8] Outro método consiste em considerar cuidadosamente todos os fatores relevantes e, assim, reconstruir e justificar um novo sistema de sentido.[8] Uma terceira abordagem vai contra essas duas ao negar que haja um sentido. Consiste em aceitar a falta de sentido da vida e aprender a lidar com ela sem a ilusão de sentido.[8]

Um salto da fé implica comprometer-se com algo que não se compreende completamente.[79] No caso de crises existenciais, o compromisso envolve a fé de que a vida tem sentido, embora o crente não tenha uma justificação fundamentada.[8] Este salto é motivado pelo forte desejo de que a vida tenha sentido e desencadeada como resposta à ameaça que a crise existencial representa para o cumprimento deste desejo.[4] Para quem isto é psicologicamente possível, esta pode ser a maneira mais rápida de contornar uma crise existencial. Esta opção pode estar mais disponível a pessoas orientadas para o processamento intuitivo e menos a pessoas que favorecem uma abordagem mais racional, já que tem menos necessidade de uma reflexão e introspecção profundas.[8] Foi argumentado que o sentido adquirido através de um salto da fé pode ser mais robusto do que em outros casos. Uma razão para isso é que, ao não ser baseado em evidências empíricas a seu favor, também é menos vulnerável a evidências empíricas contra ele. Outra razão diz respeito à flexibilidade da intuição para desconsiderar seletivamente as informações ameaçadoras, por um lado, e concentrar-se, em vez disso, nos sinais de validação.[8]

Pessoas mais racionalmente inclinadas tendem a se concentrar mais em uma avaliação cuidadosa das fontes de sentido com base em uma justificação sólida através de evidências empíricas. Se for bem-sucedida, esta abordagem tem a vantagem de proporcionar ao indivíduo uma compreensão concreta e realista de como sua vida tem sentido.[8] Também pode constituir uma fonte de sentido muito robusta se for baseada em evidências empíricas sólidas e uma compreensão profunda. O sistema de sentido a que se chega pode ser muito idiossincrático por ser baseado nos valores, preferências e experiências do indivíduo.[8] Em um nível prático, muitas vezes leva a uma realização mais eficiente deste sentido, já que o indivíduo pode se concentrar mais exclusivamente neste fator. Se alguém determina que a vida familiar é sua principal fonte de sentido, por exemplo, pode se concentrar mais intensamente neste aspecto e tomar uma postura menos envolvida em relação a outras áreas da vida, como o sucesso no trabalho.[8] Em comparação com o salto da fé, esta abordagem oferece mais espaço para o crescimento pessoal devido ao trabalho cognitivo na forma de reflexão e introspecção envolvidas e ao autoconhecimento resultante deste processo. Uma das desvantagens desta abordagem é que pode levar um tempo considerável para completá-la e se livrar das consequências psicológicas negativas.[8] Se bem-sucedida, os fundamentos alcançados desta maneira podem fornecer uma base sólida para resistir a futuras crises existenciais. Mas o sucesso não é certo e mesmo após uma busca prolongada, o indivíduo ainda pode ser incapaz de identificar uma fonte significativa de sentido em sua vida.[8]

Se a busca por sentido de qualquer maneira falhar, ainda há outra abordagem para resolver a questão da falta de sentido nas crises existenciais: encontrar uma maneira de aceitar que a vida não tem sentido.[8] Esta posição é geralmente referida como niilismo.[4][51][74][52] Pode-se distinguir uma versão local e uma versão global desta abordagem, dependendo se a negação de sentido é dirigida apenas a uma determinada área da vida ou à vida como um todo.[8] Torna-se necessária se o indivíduo chegar à conclusão justificada de que a vida, afinal de contas, não tem sentido. Esta conclusão pode ser intolerável inicialmente, já que os seres humanos parecem ter um forte desejo de levar uma vida significativa, às vezes chamada de vontade de sentido.[8][4] Alguns teóricos, como Viktor Frankl, veem esse desejo até mesmo como a principal motivação de todos os indivíduos. Uma dificuldade com esta postura negativa em relação ao sentido é que parece fornecer muito pouca orientação prática sobre como viver a própria vida. Portanto, mesmo que um indivíduo tenha resolvido suas crises existenciais desta maneira, ainda pode lhe faltar uma resposta para a pergunta sobre o que deve fazer com sua vida.[8] Aspectos positivos desta postura incluem que pode levar a um maior sentimento de liberdade por ser desvinculada de qualquer propósito predeterminado. Também exemplifica a virtude da veracidade ao ser capaz de reconhecer uma verdade inconveniente em vez de escapar para a ilusão conveniente de sentido.[4][9][11][80]

Isolamento, ancoragem, distração e sublimaçãoEditar

Segundo Peter Wessel Zapffe, a vida é essencialmente sem sentido, mas isto não significa que estamos automaticamente condenados a crises existenciais insolúveis. Em vez disso, identifica quatro maneiras de lidar com este fato sem cair em uma depressão existencial: isolamento, ancoragem, distração e sublimação.[49][50][81] O isolamento envolve a rejeição de pensamentos e sentimentos destrutivos da consciência. Médicos e estudantes de medicina, por exemplo, podem adotar uma postura distanciada e técnica para melhor lidar com os aspectos trágicos e repugnantes de sua vocação.[49][50] A ancoragem envolve uma dedicação a certos valores e compromissos práticos que dão ao indivíduo um sentimento de segurança. Isto muitas vezes acontece coletivamente, por exemplo, através da devoção a uma religião comum, mas também pode acontecer individualmente.[49][50][5] A distração é uma forma mais temporária de retirar a atenção da falta de sentido de certas situações da vida que não fornecem nenhuma contribuição significativa para a construção do nosso eu.[49][50] A sublimação é o mais raro destes mecanismos. Sua característica essencial que a diferencia dos outros mecanismos é que usa a dor de viver e a transforma em uma obra de arte ou outra expressão criativa.[49][50]

Terapia cognitivo-comportamental e tomada de perspectiva socialEditar

Algumas abordagens do campo da terapia cognitivo-comportamental ajustam e empregam tratamentos contra a depressão para resolver crises existenciais. Uma ideia fundamental na teoria cognitivo-comportamental é que vários problemas psicológicos surgem devido a crenças imprecisas sobre si mesmo, como crenças de que se é inútil, desamparado ou incompetente.[5][82][83] Essas crenças centrais problemáticas podem permanecer adormecidas por longos períodos. Mas quando ativadas por certos eventos da vida, podem se expressar na forma de pensamentos negativos e prejudiciais recorrentes. Isto pode levar, entre outras coisas, à depressão.[82][83] A terapia cognitivo-comportamental consiste então em aumentar a consciência da pessoa afetada sobre esses padrões de pensamento tóxicos e as crenças fundamentais subjacentes, enquanto se treina para mudá-los.[82][83] Isto pode acontecer concentrando-se no presente imediato, sendo orientado por objetivos, fazendo jogos de papéis ou experimentos comportamentais.

Um método intimamente relacionado emprega a prática da tomada de perspectiva social.[2] A tomada de perspectiva social envolve a habilidade de avaliar a situação e o caráter próprio do ponto de vista de um indivíduo diferente.[84][85] Isto permite que o indivíduo saia de sua própria perspectiva imediata enquanto leva em consideração como os outros veem o indivíduo e, assim, alcança uma perspectiva mais integral.[2]

Crises não resolvidasEditar

As crises existenciais às vezes passam mesmo se o problema subjacente não for resolvida. Isto pode acontecer, por exemplo, se o problema é empurrada para segundo plano por outras preocupações e assim permanece presente apenas em um estado mascarado ou latente.[49][4] Mas mesmo neste estado, pode ter efeitos inconscientes sobre como as pessoas levam suas vidas, por exemplo, sobre escolhas de carreira. Também pode aumentar a probabilidade de sofrer outra crise existencial mais tarde na vida e pode dificultar a resolução dessas crises posteriores.[2] Foi argumentado que muitas crises existenciais na sociedade contemporânea não são resolvidas. A razão para isso pode ser uma falta de consciência clara da natureza, importância e possíveis tratamentos das crises existenciais.

Contextos culturaisEditar

No século XIX, Kierkegaard considerou que a angústia e o desespero existencial apareceriam quando uma visão de mundo herdada ou emprestada (muitas vezes de uma natureza coletiva) se mostrasse incapaz de lidar com experiências de vida extremas e inesperadas.[86] Nietzsche estendeu seus pontos de vista para sugerir que a morte de Deus — a perda da fé coletiva na religião e na moralidade tradicional — criou uma crise existencial mais ampla para os filosoficamente conscientes.[87]

A crise existencial foi de fato vista como o acompanhamento inevitável do modernismo (c. 1890-1945).[88] Enquanto Durkheim via as crises individuais como um subproduto da patologia social e uma falta (parcial) de normas coletivas,[89] outros viam o existencialismo como surgindo de forma mais ampla da crise modernista de perda de sentido em todo o mundo moderno.[90] As respostas eram ou uma religião revivificada pela experiência da anomia (como com Martin Buber), ou um existencialismo individualista baseado em enfrentar diretamente a contingência absurda do destino humano dentro de um universo estranho e sem sentido, como com Sartre e Camus.[91]

Fredric Jameson sugeriu que o pós-modernismo, com sua saturação do espaço social por uma cultura de consumo visual, substituiu a angústia modernista do sujeito tradicional, e com ela a crise existencial do antigo por uma nova patologia social de afeto achatado e um sujeito fragmentado.[92]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «APA Dictionary of Psychology: existential crisis». dictionary.apa.org (em inglês) 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am Andrews, Mary (2016). «The existential crisis». Behavioral Development Bulletin. 21 (1): 104–109. doi:10.1037/bdb0000014 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba Butenaitė, Joana; Sondaitė, Jolanta; Mockus, Antanas (2016). «Components of existential crises: a theoretical analysis». International Journal of Psychology: A Biopsychosocial Approach. 18: 9–27. doi:10.7220/2345-024X.18.1 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu bv bw bx by bz ca cb Yalom, Irvin D. (17 de março de 2020). «10. Meaninglessness». Existential Psychotherapy (em inglês). [S.l.]: Basic Books. ISBN 978-1-5416-4744-2 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj Yang, William; Staps, Ton; Hijmans, Ellen (2010). «Existential crisis and the awareness of dying: the role of meaning and spirituality». Omega. 61 (1): 53–69. ISSN 0030-2228. PMID 20533648. doi:10.2190/OM.61.1.c 
  6. a b c d e f g h i j Bugental, J. F. (1965). «The existential crisis in intensive psychotherapy.». Psychotherapy: Theory, Research & Practice (em inglês). 2 (1): 16–20. ISSN 0033-3204. doi:10.1037/h0088602 
  7. James, Richard K. (27 de julho de 2007), Crisis intervention strategies, ISBN 9780495100263, p. 13 
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Hicks, Joshua A.; Davis, William E. (27 de maio de 2013). «13. Judgments of Meaning in Life Following an Existential Crisis». The Experience of Meaning in Life: Classical Perspectives, Emerging Themes, and Controversies (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 978-94-007-6527-6 
  9. a b c Crowell, Steven (2020). «Existentialism». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  10. a b Abbagnano, Nicola. «Existentialism». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  11. a b c Burnham, Douglas. «Existentialism». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  12. «APA Dictionary of Psychology: existential dread». dictionary.apa.org (em inglês) 
  13. a b «APA Dictionary of Psychology: existential neurosis». dictionary.apa.org (em inglês) 
  14. a b «APA Dictionary of Psychology: existential vacuum». dictionary.apa.org (em inglês) 
  15. Menéndez, Agustín José (2013). «The Existential Crisis of the European Union». German Law Journal (em inglês). 14 (5): 453–526. ISSN 2071-8322. doi:10.1017/S2071832200001917 
  16. Carapico, S (2011). «No Exit: Yemen's Existential Crisis». Middle East Report Online 
  17. Caplan, L (2012). «An existential crisis for law schools». New York Times 
  18. a b c Simpson, David Welsh (1998). «Helping people with existential crises» (PDF). Journal of the Society for Existential Analysis: 17–30 
  19. Rehberger, Rainer (2014). «Viewing Camus's The Stranger from the perspective of W. R. D. Fairbairn's object relations». Fairbairn and the Object Relations Tradition. [S.l.]: Routledge. pp. 461–470. ISBN 978-0-429-47453-8. doi:10.4324/9780429474538-40 
  20. Hoffman, Louis (2018). «Existential Guilt». Encyclopedia of Psychology and Religion (em inglês). [S.l.]: Springer. pp. 1–3. ISBN 978-3-642-27771-9. doi:10.1007/978-3-642-27771-9_200194-1 
  21. a b Ettema, Eric J.; Derksen, Louise D.; van Leeuwen, Evert (2010). «Existential loneliness and end-of-life care: A systematic review». Theoretical Medicine and Bioethics. 31 (2): 141–169. ISSN 1386-7415. PMC 2866502 . PMID 20440564. doi:10.1007/s11017-010-9141-1 
  22. a b Greer, Frank (1980). «Toward a Developmental View of Adult Crisis: a Re-Examination of Crisis Theory». Journal of Humanistic Psychology. 20 (4): 17–29. ISSN 0022-1678. doi:10.1177/002216788002000404 
  23. «APA Dictionary of Psychology: meaninglessness». dictionary.apa.org (em inglês) 
  24. «APA Dictionary of Psychology: existential psychotherapy». dictionary.apa.org (em inglês) 
  25. a b c d e f g h Frankl2, Viktor E. (1 de junho de 2006). «II. Logotherapy in a nutshell». Man's Search for Meaning (em inglês). [S.l.]: Beacon Press. ISBN 978-0-8070-1427-1 
  26. a b Slote, Michael A. (1975). «Existentialism and the Fear of Dying». American Philosophical Quarterly. 12 (1): 17–28. ISSN 0003-0481. JSTOR 20009555 
  27. Crowell, Steven (2020). «Existentialism: 3.1 Anxiety, Nothingness, the Absurd». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  28. Wheeler, Michael (2020). «Martin Heidegger: 2.3.1 Death». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  29. Osafo, Joseph; Akotia, Charity S.; Boakye, Kofi E.; Dickson, Erica (1 de setembro de 2018). «Between moral infraction and existential crisis: Exploring physicians and nurses' attitudes to suicide and the suicidal patient in Ghana». International Journal of Nursing Studies (em inglês). 85: 118–125. ISSN 0020-7489. PMID 29885548. doi:10.1016/j.ijnurstu.2018.05.017 
  30. Kevlin, Frank (1 de novembro de 1988). «The Existential Crisis Called Suicide». Self & Society. 16 (6): 258–261. ISSN 0306-0497. doi:10.1080/03060497.1988.11084949 
  31. a b c d To, Siu-ming; Sek-yum Ngai, Steven; Ngai, Ngan-pun; Cheung, Chau-kiu (1 de janeiro de 2007). «Young people's existential concerns and club drug abuse». International Journal of Adolescence and Youth. 13 (4): 327–341. ISSN 0267-3843. doi:10.1080/02673843.2007.9747983 
  32. «Addiction and Health». National Institute on Drug Abuse (em inglês) 
  33. a b c d Robinson, Oliver C.; Stell, Alexander J. (1 de março de 2015). «Later-Life Crisis: Towards a Holistic Model». Journal of Adult Development (em inglês). 22 (1): 38–49. ISSN 1573-3440. doi:10.1007/s10804-014-9199-5 
  34. a b Agarwal, Shantenu; Guntuku, Sharath Chandra; Robinson, Oliver C.; Dunn, Abigail; Ungar, Lyle H. (2020). «Examining the Phenomenon of Quarter-Life Crisis Through Artificial Intelligence and the Language of Twitter». Frontiers in Psychology. 11: 341. ISSN 1664-1078. PMC 7068850 . PMID 32210878. doi:10.3389/fpsyg.2020.00341  
  35. a b c d Robinson, Oliver (7 de dezembro de 2015). «2. Emerging adulthood, early adulthood, and quarter-life crisis». Emerging Adulthood in a European Context (em inglês). [S.l.]: Psychology Press. ISBN 978-1-317-61271-1 
  36. a b Hapke, Claire. «Introduction». How to Apply Emotionally Focused Couple Therapy to Couples Experiencing a Quarter-life Crisis (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  37. Keshen, Aaron (2006). «A New Look at Existential Psychotherapy». American Journal of Psychotherapy. 60 (3): 285–298. PMID 17066759. doi:10.1176/appi.psychotherapy.2006.60.3.285 
  38. Barbera, Joseph (4 de março de 2019). «The Id follows: It Follows (2014) and the existential crisis of adolescent sexuality». The International Journal of Psychoanalysis. 100 (2): 393–404. ISSN 0020-7578. doi:10.1080/00207578.2019.1584015 
  39. Berman, Steven L.; Weems, Carl F.; Stickle, Timothy R. (2006). «Existential Anxiety in Adolescents: Prevalence, Structure, Association with Psychological Symptoms and Identity Development». Journal of Youth and Adolescence. 35 (3): 285–292. doi:10.1007/s10964-006-9032-y 
  40. McCarthy, Ellen (2021). «The loneliness of an interrupted adolescence». Washington Post (em inglês) 
  41. a b c Erikson, Erik H. (1968). «Ill. The Life Cycle: Epigenesis of Identity». Identity: Youth and Crisis (em inglês). [S.l.]: W. W. Norton & Company. ISBN 978-0-393-31144-0 
  42. a b c d Lemons, L. Jay; Richmond, Douglas R. (1 de janeiro de 1987). «A Developmental Perspective of Sophomore Slump». NASPA Journal. 24 (3): 15–19. ISSN 0027-6014. doi:10.1080/00220973.1987.11072003 
  43. a b c Richmond, D. R.; Lemons, L. J. (1985). «Sophomore slump: An individual approach to recognition and response». Journal of College Student Personnel (em inglês) 
  44. Robinson, Oliver C.; Wright, Gordon R. T.; Smith, Jonathan A. (1 de março de 2013). «The Holistic Phase Model of Early Adult Crisis». Journal of Adult Development (em inglês). 20 (1): 27–37. ISSN 1573-3440. doi:10.1007/s10804-013-9153-y 
  45. a b c d e f g h Edwards, Christopher L.; Byrd, Goldie. «Midlife Crisis». International Encyclopedia of the Social Sciences. [S.l.: s.n.] 
  46. a b c d Heckhausen, Jutta. «Midlife Crisis». Encyclopedia of Aging. [S.l.: s.n.] 
  47. a b c d Golse, Bernard. «Midlife Crisis». International Dictionary of Psychoanalysis. [S.l.: s.n.] 
  48. a b c d Mendez, Nancy (2008). «Midlife Crisis». Encyclopedia of Aging and Public Health (em inglês). [S.l.]: Springer US. pp. 565–566. ISBN 978-0-387-33754-8. doi:10.1007/978-0-387-33754-8_300 
  49. a b c d e f g h i j Zapffe, Peter Wessel. «The Last Messiah». Philosophy Now (45) 
  50. a b c d e f g h i Gualeni, Stefano; Vella, Daniel (2021). «Existential Ludology and Peter Wessel Zapffe». Perspectives on the European Videogame. [S.l.]: Amsterdam (The Netherlands): Amsterdam University Press. pp. 175–192 
  51. a b c d Pratt, Alan. «Nihilism». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  52. a b c «nihilism». www.britannica.com (em inglês) 
  53. «will to meaning». APA Dictionary of Psychology (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  54. Aronson, Ronald (2022). «Albert Camus». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  55. Mintoff, Joe (2008). «Transcending Absurdity». Ratio. 21 (1): 64–84. doi:10.1111/j.1467-9329.2007.00385.x 
  56. Xi, Juan; Lee, Matthew; LeSuer, William; Barr, Peter; Newton, Katherine; Poloma, Margaret (março de 2017). «Altruism and Existential Well-Being». Applied Research in Quality of Life. 12 (1): 67–88. doi:10.1007/s11482-016-9453-z 
  57. a b Post, Stephen G. (2005). «Altuism, happiness, and health: it's good to be good». International Journal of Behavioral Medicine. 12 (2): 66–77. ISSN 1070-5503. PMID 15901215. doi:10.1207/s15327558ijbm1202_4 
  58. a b Kahana, Eva; Bhatta, Tirth; Lovegreen, Loren D.; Kahana, Boaz; Midlarsky, Elizabeth (2013). «Altruism, Helping, and Volunteering: Pathways to Well-Being in Late Life». Journal of Aging and Health. 25 (1): 159–187. ISSN 0898-2643. PMC 3910233 . PMID 23324536. doi:10.1177/0898264312469665 
  59. Dietz, Alexander (2019). «Effective Altruism and Collective Obligations». Utilitas. 31 (1): 106–115. doi:10.1017/s0953820818000158 
  60. Gabriel, Iason (2016). «Effective Altruism and its Critics». Journal of Applied Philosophy. 33 (3): 457–473. doi:10.1111/japp.12176 
  61. Pummer, Theron; MacAskill, William (2020). «Effective Altruism». International Encyclopedia of Ethics. [S.l.: s.n.] 
  62. Schwartz, Carolyn (2007). «Altruism and Subjective Well-Being: Conceptual Model and Empirical Support». Altruism and Health. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-518291-0 
  63. a b c Grekova, V. S. (2014). «Effect of Creativity on Overcoming the Person?s Existential Crisis». Granì. 6: 54–58 
  64. Currie, Gregory (2009). «Art For Art's Sake In The Old Stone Age». Postgraduate Journal of Aesthetics. 6 (1): 1–23 
  65. Sartwell, Crispin (1998). «Art for Art's Sake». Encyclopedia of Aesthetics. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 1–118 
  66. a b c Moore, Andrew (2019). «Hedonism». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  67. a b c Weijers, Dan. «Hedonism». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  68. a b Niemiec, Christopher P. (2014). «Eudaimonic Well-Being». Encyclopedia of Quality of Life and Well-Being Research (em inglês). [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 2004–2005. ISBN 978-94-007-0753-5. doi:10.1007/978-94-007-0753-5_929 
  69. a b Waterman, Alan S. (2014). «Self-Actualization». Encyclopedia of Quality of Life and Well-Being Research (em inglês). [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 5743–5746. ISBN 978-94-007-0753-5. doi:10.1007/978-94-007-0753-5_2626 
  70. Heylighen, Francis (1992). «A cognitive-systemic reconstruction of maslow's theory of self-actualization». Behavioral Science (em inglês). 37 (1): 39–58. ISSN 1099-1743. doi:10.1002/bs.3830370105 
  71. «workaholism». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2022 
  72. Guignon, Charles B. «Existentialism: 6. Authenticity». Routledge Encyclopedia of Philosophy (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  73. Varga, Somogy; Guignon, Charles (2020). «Authenticity». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University 
  74. a b Metz, Thaddeus (2021). «The Meaning of Life: 4. Nihilism». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University 
  75. Miller, George David (1 de janeiro de 2002). «34. Nihilism and Apathy». Peace, Value, and Wisdom (em inglês). [S.l.]: Brill. pp. 143–145. ISBN 978-90-04-49607-1. doi:10.1163/9789004496071_040 
  76. Gertz, Nolen (10 de setembro de 2019). «3. What Is (Not) Nihilism?». Nihilism (em inglês). [S.l.]: MIT Press. ISBN 978-0-262-53717-9 
  77. DeAngelis, Tori. «In search of meaning». www.apa.org. Consultado em 26 de janeiro de 2022 
  78. a b Davies, Gena; Klaassen, Derrick; Längle, Alfried (2014). «Purpose in Life Test». Encyclopedia of Quality of Life and Well-Being Research (em inglês). [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 5238–5243. ISBN 978-94-007-0753-5. doi:10.1007/978-94-007-0753-5_2336 
  79. Mckinnon, Alastair (1993). «Kierkegaard and "The Leap of Faith"». Kierkegaardiana. 16 
  80. Cebik, L. B. (1971). «Freedom: An Existential Illusion». The Georgia Review. 25 (4): 395–423. ISSN 0016-8386. JSTOR 41396808 
  81. Gualeni, Stefano; Vella, Daniel (2020). «Peter W. Zapffe and the Virtual Tragic». Virtual Existentialism: Meaning and Subjectivity in Virtual Worlds (em inglês). [S.l.]: Springer International Publishing. pp. 77–88. ISBN 978-3-030-38478-4. doi:10.1007/978-3-030-38478-4_4 
  82. a b c Cognitive behavioral therapy (em inglês). [S.l.]: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG). 8 de setembro de 2016 
  83. a b c Beck, Judith S. (7 de outubro de 2020). «1. Introduction to Cognitive Behavior Therapy». Cognitive Behavior Therapy, Third Edition: Basics and Beyond (em inglês). [S.l.]: Guilford Publications. ISBN 978-1-4625-4419-6 
  84. Kim, Ha Yeon; LaRusso, Maria D.; Hsin, Lisa B.; Harbaugh, Allen G.; Selman, Robert L.; Snow, Catherine E. (1 de julho de 2018). «Social perspective-taking performance: Construct, measurement, and relations with academic performance and engagement». Journal of Applied Developmental Psychology (em inglês). 57: 24–41. ISSN 0193-3973. doi:10.1016/j.appdev.2018.05.005 
  85. Gehlbach, Hunter; Brinkworth, Maureen E.; Wang, Ming-Te (janeiro de 2012). «The Social Perspective Taking Process: What Motivates Individuals to Take Another's Perspective?». Teachers College Record: The Voice of Scholarship in Education. 114 (1): 1–29. doi:10.1177/016146811211400108 
  86. S. Kierkegaard, The Sickness unto Death (1980) p. 41
  87. Albert Camus, The Rebel (Vintage 1950[?]) p. 66-77
  88. M. Hardt/K. Weeks, The Jameson Reader (2000) p. 197
  89. E. Durkeheim, Suicide (1952) p. 214 and p. 382
  90. M. Hardt/K. Weeks, The Jameson Reader (2000) p. 265
  91. J. Childers/G. Hentzi eds., The Columbia Dictionary of Modern Literary and Cultural Criticism (1995) p. 103-4
  92. M. Hardt/K. Weeks, The Jameson Reader (2000) p. 267-8 and p. 199-200

Leitura adicionalEditar

  • J. Watson, Caring Science as Sacred Science 2005. Chapter 4: "Existential Crisis in Science and Human Sciences".
  • T.M. Cousineau, A. Seibring, M.T. Barnard, P-673 Making meaning of infertility: Existential crisis or personal transformation? Fertility and Sterility, 2006.
  • Sanders, Marc, Existential Depression. How to recognize and cure life-related sadness in gifted people, 2013.