Abrir menu principal

Crise presidencial na Venezuela em 2019

disputa pela presidência e controle do poder executivo na Venezuela em 2019
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento político atualmente em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 8 de março de 2019) Sami Parliament Sweden election apportionment diagram.svg

Crise presidencial na Venezuela em 2019 refere-se às circunstâncias políticas de questionamento da legitimidade sobre quem ocupa a presidência da República Bolivariana da Venezuela, desde 10 de janeiro de 2019. Na eleição presidencial de maio de 2018, Nicolás Maduro foi reeleito, mas o processo eleitoral foi acusado de várias irregularidades, considerando-o assim inválido.[2] Desde então, políticos interna e externamente à Venezuela trataram da legitimidade da eleição, posse e exercício da Presidência por Maduro. O resultado eleitoral foi reconhecido pela Rússia, China, México e a ALBA. Maduro é apoiado pela Assembleia Constituinte, enquanto Guaidó é apoiado pela oposição da Assembleia Nacional. Maduro tomou posse em 10 de janeiro de 2019.[3]

Crise presidencial na Venezuela em 2019
Parte da(o) Crise na Venezuela
Nicolás Maduro 2019 Inauguration.jpgCaracas 02 febrero 2019 Juan Guaido Presidente Interino Venezuela Por fotógrafo Venezolano AlexCocoPro.jpg
Nicolás Maduro em sua posse para o segundo mandato (topo) e Juan Guaidó durante pronunciamento para a população (abaixo).
Período 10 de janeiro de 2019 - presente
Local  Venezuela
Situação Em curso
  • Guaidó declara-se presidente interino da Venezuela;
  • Vários países reconhecem Guaidó. Maduro então rompe relações com os Estados Unidos e depois com a Colômbia, sendo que ambos reconheceram Guaidó.
  • Bloqueio do acesso à Internet durante os protestos de 23 de janeiro.
  • O governo dos EUA impõe sanções à empresa de petróleo estatal da Venezuela, PDVSA, e transfere os ativos da Venezuela para Guaidó
  • O Supremo Tribunal de Justiça pró-Maduro congela os ativos financeiros de Guaidó e impõe uma proibição de viagem contra ele
Causas Suspeitas de fraudes na eleição presidencial de 2018;

Posse de Maduro para seu segundo mandato.

Características Protestos, campanhas de apoio, pressão diplomática estrangeira e sanções
Participantes do conflito
Governo de transição

Órgãos internos


Governo de Maduro

Órgãos internos


Líderes
Juan Guaidó Nicolás Maduro

Índice

Suposição da presidência de GuaidóEditar

Juan Guaidó evocou os artigos 233, 333 e 350 da constituição venezuelana para anunciar sua disposição a assumir a Presidência da Venezuela, desde que conte com a ajuda do povo e das Forças Armadas.[4] No mesmo dia, Guaidó recebeu uma carta do presidente do Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela no exílio, solicitando que ele se tornasse presidente.[5] Também anunciou mudanças e protestos em todo o país em 23 de janeiro, incitando o lema "Sim, Nós Podemos".[6] Esta data foi a mesma em que depuseram o presidente Marcos Pérez Jiménez em 1958.

Em 23 de janeiro, Juan Guaidó se autoproclamou presidente encarregado da Venezuela e fez um juramento simbólico para sua "posse" informal em meio ao protestantes contrários ao regime de Maduro. Sua autoproclamação foi reconhecida pelos governos dos Estados Unidos, Brasil, Colômbia, Canadá, dentre outros países do continente americano.[7]

Prisão e liberação de GuaidóEditar

Em 13 de janeiro de 2019, Guaidó foi preso pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional,[8] mas foi libertado pouco tempo depois. Segundo a BBC News, os agentes que interceptaram seu carro e o levaram em custódia foram demitidos de seus cargos. O ministro da Informação, Jorge Rodríguez Gómez diz que os agentes não tinham instruções e que a prisão foi orquestrada por Guaidó como um "golpe de imprensa" para obter popularidade. Correspondentes da BBC dizem que parece ser uma verdadeira emboscada e um show para enviar uma mensagem para aqueles que se opõem a Maduro.[9] Luís Almagro, chefe da OEA, condenou a prisão, que ele chamou de "sequestro"; Mike Pompeo, o secretário de estado dos Estados Unidos também denunciou, referindo-se a ela como uma "detenção arbitrária".[10] Em um discurso, Guaidó disse que a fala de Rodríguez mostra como o governo perdeu o controle de suas forças de segurança.[11]

Protestos de 23 de janeiroEditar

Desde da madrugada de 22 para 23 de janeiro, ocorre grandes protestos contrários ao governo de Nicolás Maduro e protestos minoritários a favor de Maduro.[12][13] As manifestações contrárias ao regime de Maduro foram conclamadas pelo presidente interino, Juan Guaidó e pela Assembleia Nacional, dominada por partidos oposicionistas ao regime de Maduro.[14]

Resposta de MaduroEditar

em 25 de janeiro de 2019, Maduro realizou uma conferência de imprensa no período da tarde. Durante o evento, ele disse que as ações de Guaidó eram parte de um "roteiro bem escrito de Washington" para criar um governo fantoche dos Estados Unidos.[15] Maduro pediu diálogo com Guaidó, dizendo: "Se eu tiver que ir ao encontro desse menino [...] às três da manhã, eu vou, [...] se eu tiver que ficar nu, eu vou [Eu acredito] que hoje, mais cedo ou mais tarde, o caminho está aberto para um diálogo razoável e sincero".[16] Ele também afirmou que não iria deixar o gabinete presidencial, explicando que ele foi eleito em conformidade com a Constituição venezuelana.[17]

Guaidó falou publicamente em Caracas ao mesmo tempo que Maduro, pedindo apoio militar e advertindo as pessoas que protestavam que nunca se cansassem. Durante o discurso, Guaidó também respondeu rapidamente ao chamado de Maduro para o diálogo, dizendo que ele não iria iniciar conversações diplomáticas com Maduro, porque ele acreditava que seria uma farsa e uma diplomacia falsa que não poderia conseguir nada.[18]

No final do dia foi informado que no início da semana, mercenários russos do Grupo Wagner voaram para a Venezuela para defender o governo de Maduro.[19] Esta afirmação já foi rejeitada pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, chamando-a de "notícia falsa".[20][21]

Intervenção militarEditar

No início de 2019, com forças de segurança cubanas e apoiadas por russos no país, havia rumores de envolvimento militar dos Estados Unidos.[22] John Bolton declarou que "todas as opções estão na mesa" mas também disse que "nosso objetivo é uma transferência pacífica de poder".[23] Segundo o professor Erick Langer, da Universidade de Georgetown, "Cuba e Rússia já intervieram"

Uma presença militar cubana de 15.000 pessoas estava na Venezuela no início de 2019,[24] enquanto estimativas variam centenas de milhares de forças cubanas relatadas em 2019. O professor Robert Ellis do United States Army War College descreveu os 400 mercenários do Grupo Wagner fornecidos pela Rússia como o "guarda do palácio de Nicolás Maduro". Guerrilheiros colombianos do Exército de Libertação Nacional prometeram defender Maduro, com líderes do ELN em Cuba afirmando que estão elaborando planos para fornecer assistência militar à Maduro.[25]

Entrada de ajuda humanitáriaEditar

Um dia depois de assumir a presidência interina, Guaidó solicitou ajuda humanitária dos Estados Unidos; depois, o secretário de estado Mike Pompeo se comprometeu a oferecer US$ 20 milhões em ajuda ao país.[26] Ele também pediu ajuda das Nações Unidas, mas foi negada porque a ONU diz que o pedido deve vir de Maduro.[27]

Guaidó disse que os vizinhos da Venezuela, "em uma coalizão global para enviar ajuda à Venezuela", ajudarão a levar ajuda humanitária e remédios para o país. O Canadá prometeu $ 53 milhões de dólares canadenses em ajuda humanitária. Alemanha, Suécia, Argentina, Chile, Colômbia, Porto Rico e a Comissão Europeia também prometeram ajuda.[28]

Maduro está determinado a impedir a entrada de ajuda, chamando-a de parte de invasão americana. Logo após do anúncio que a ajuda humanitária entraria pela fronteira colombiano-venezuelana, o político do Partido Socialista Unido da Venezuela e ex-policial de elite Freddy Bernal apareceu na fronteira com membros das forças armadas e do FAES.[29] Maduro negou que a Venezuela precisa de ajuda, dizendo "não somos mendigos".[30] Enquanto caminhões escoltados pela polícia colombiana se aproximavam de uma ponte bloqueada em 7 de fevereiro, ativistas de direitos humanos o recebiam.[31] Durante um discurso em 8 de fevereiro, maduro expressou suas opiniões sobre porque ele havia negado ajuda internacional, e depois de afirmar que "com a ajuda humanitária eles querem nos tratar como mendigos... na Venezuela temos a capacidade de cuidar nossos filhos e mulheres. Não há crise humanitária aqui", a eletricidade do Palácio de Miraflores sofreu um apagão.[32] Carlos Veccio, designado pela Assembleia Nacional como embaixador da Venezuela nos Estados Unidos, anunciou uma conferência para coordenar a ajuda humanitária à Venezuela, com data marcada para acontecer em 14 de fevereiro de 2019 na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Washington, nos EUA.[33]

O empresário btânico Richard Branson produziu um concerto em Cúcuta, chamado de Venezuela Aid Live.[34] O concerto foi realizado em 22 de fevereiro, com o objetivo de arrecadar fundos para a ajuda humanitária na Venezuela e para a autorização de Maduro para a chegada de ajuda humanitária na Venezuela. Maduro também promoveu um concerto, mas nenhum músico foi confirmado. No concerto, havia 40 artistas venezuelanos e dezenas de militares.

Fechamento da fronteira da Venezuela com o Brasil e ColômbiaEditar

Em 21 de fevereiro, Maduro determinou que a fronteira Brasil-Venezuela fosse fechada, durante reunião com o Estado Maior das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB). Depois, enviou tanques para a cidade de Santa Elena de Uairén.[35] Soldados leais a Maduro abriram fogo à um grupo de civis da oposição, matando uma pessoa. No dia 23 de fevereiro, a Venezuela anunciou o fechamento da fronteira com a Colômbia.[36] Em uma grande manifestação em Caracas, Maduro anunciou rompimento das relações com a Colômbia.

Onda de confrontosEditar

Na manhã de 23 de fevereiro, dia marcado para a chegada de ajuda humanitária à Venezuela, policiais abriram fogo contra cerca de 200 venezuelanos que tentaram atravessar a ponte em direção à Colômbia. Na tarde, vários confrontos aconteceram na cidade de Ureña.[37] Na cidade aconteceram protestos violentos entre a polícia e manifestantes que aguardaram a ajuda humanitária.

Bloqueio da WikipédiaEditar

Várias fontes relatam que foram bloqueadas todas as versões da Wikipédia na Venezuela, pois na página de Guaidó, entre seus deveres, está o de presidente, papel não reconhecido pelo governo de Maduro.[38][39]

Reconhecimento internacionalEditar

 
Reconhecimento internacional dos países.
  Reconhecem Guaidó como presidente
  Reconhecem Maduro como presidente
  Países que apoiam a Assembleia Nacional Venezuelana
  Países neutros em relação a Crise Presidencial Venezuelana
  Não pronunciaram-se oficialmente
  Venezuela

Reconhecimento de GuaidóEditar

Estados-membros da ONU

Estados não-membros da ONU

Organizações intergovernamentais

Organizações internacionais

Organizações nacionais

  • Comitê de Credores de Venezuela
  • Conferência Episcopal da Venezuela
  • Fedecâmaras
  • Frente Institucional de Militares
  • ​Frente Ampla Venezuela Livre
  • Confederação de Trabalhadores da Venezuela (CTV)

Reconhecimento da Assembleia NacionalEditar

Estados-membros da ONU

Estados não-membros da ONU

Organizações internacionais

Reconhecimento de MaduroEditar

Estados-membros da ONU

Estados observadores da ONU

Estados não-membros da ONU

Organizações intergovernamentais

Organizações internacionais

Organizações domésticas

Organizações terroristas

Organizações armadas

Parcialmente neutroEditar

Estados-membros da ONU

Estados observadores da ONU

Organizações intergovernamentais

Reação internacionalEditar

  •   Brasil - O presidente Jair Bolsonaro manifesta seu apoio a Juan Guaidó via Twitter e declara: "Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para devolver democracia e paz social à Venezuela."[107]

Ver tambémEditar

Referências

  1. [1]
  2. «Maduro vence eleição na Venezuela marcada por denúncias de fraude, boicote da oposição e alta abstenção». G1. 20 de maio de 2018. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  3. Manetto, Francesco (10 de janeiro de 2019). «Segunda posse de Nicolás Maduro marca falência institucional da Venezuela». EL PAÍS. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  4. Leon, Ibis (11 de janeiro de 2019). «Prensa de la AN rectifica comunicado que proclama a Juan Guaidó Presidente de la República». efectococuyo.com. Efecto Cocuyo. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  5. «Tribunal Supremo de Justicia pide a Asamblea Nacional tomar la presidencia de Venezuela». elsalvador.com (em espanhol). 12 de janeiro de 2019. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  6. Phillips, Tom (11 de janeiro de 2019). «Venezuela: opposition leader declares himself ready to assume presidency». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  7. «Juan Guaidó se declara presidente interino da Venezuela e é reconhecido por Brasil e EUA». G1. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  8. «Presidente do Parlamento, opositor Juan Guaidó é preso na Venezuela». noticias.uol.com.br. UOL. 13 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  9. «Venezuela opposition leader briefly detained». BBC News (em inglês). 13 de janeiro de 2019 
  10. Phillips, Tom (13 de janeiro de 2019). «Venezuela opposition leader briefly detained after challenging Maduro». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  11. «Juan Guaidó desde Vargas: "Hay un presidente legítimo de la AN y de toda Venezuela"». albertonews.com (em espanhol). AlbertoNews. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  12. «Oposição vai às ruas na Venezuela para emparedar Maduro». EXAME. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  13. «Manifestantes marcham nas ruas da Venezuela em protesto contra Maduro». Estado de Minas. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  14. «Protestos na Venezuela em meio ao impasse entre Maduro e Guaidó». EL PAÍS. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  15. Lapatilla (25 de janeiro de 2019). «Maduro: Hay un golpe mediático internacional contra Venezuela para desfigurar la situación real». LaPatilla.com (em espanhol). Lapatilla. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  16. «Maduro está dispuesto a reunirse con Guaidó "desnudo o a las tres de la mañana en el Humboldt"». LaPatilla.com (em espanhol). Lapatilla. 25 de janeiro de 2019. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  17. Lapatilla (25 de janeiro de 2019). «Maduro se atornilló en la silla: No he abandonado, ni dejaré el cargo». LaPatilla.com (em espanhol). Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  18. «Venezuela's Guaido rejects Maduro talks». BBC News (em inglês). 26 de janeiro de 2019 
  19. Reuters (26 de janeiro de 2019). «Private military contractors linked to Russia are reportedly in Venezuela to protect Maduro». Business Insider. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  20. «Russia denies sending mercenaries to protect Venezuela's president». South China Morning Post (em inglês). 28 de janeiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  21. «Russia warns against foreign interference in Venezuela». www.aa.com.tr. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  22. «¿Cómo sería una invasión de Estados Unidos en Venezuela?». ELMUNDO (em espanhol). 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  23. February 1, Tim Hains On Date; 2019. «John Bolton: "All Options Are On The Table" For Venezuela; Hope For "Peaceful" Transfer Of Power». www.realclearpolitics.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  24. Cárdenas, José R. «Cuba Is Making the Crisis in Venezuela Worse». Foreign Policy (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  25. Charles, Mathew (2 de fevereiro de 2019). «ELN interview: Colombian Marxist guerrillas 'will fight' US troops if they invade Venezuela». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  26. «Pompeo pledges $20M aid package to Venezuela after request from Maduro opposition leader». Washington Examiner (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  27. «UN tells Venezuela's Guaido that government must agree to aid». news.yahoo.com (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  28. «Venezuela opposition warns military against preventing entry of aid». France 24 (em inglês). 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  29. «Freddy Bernal recorre frontera con Cúcuta tras anuncio de llegada de ayuda humanitaria». NTN24 | www.ntn24.com (em espanhol). 3 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  30. Sang, Lucia Suarez (6 de fevereiro de 2019). «Venezuela military sets up blockade on bridge to stop aid from Colombia». Fox News (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  31. Armario, Christine; Haberkorn, Leonardo (8 de fevereiro de 2019). «US emergency aid for Venezuela arrives at Colombian border». AP NEWS. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  32. Lapatilla (8 de fevereiro de 2019). «Maduro niega crisis humanitaria en Venezuela pero se le fue la luz (VIDEO)». LaPatilla.com (em espanhol). Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  33. «The Latest: Guaido calls for aid conference on Venezuela». AP NEWS. 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  34. «Colômbia reúne artistas para grande concerto 'Venezuela Aid Live'». R7.com. 22 de fevereiro de 2019. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  35. «Maduro envia tanques para cidade próxima ao Brasil, diz opositor». EXAME. 21 de fevereiro de 2019. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  36. «Venezuela anuncia fechamento total da fronteira com a Colômbia». O Globo. 23 de fevereiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  37. «Militares venezuelanos abrem fogo contra manifestantes em Ureña». VEJA.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  38. «Venezuela blocks Wikipedia amid presidential dispute». PPC Land (em inglês). 13 de janeiro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  39. «Wikipedia blocked in Venezuela as internet controls tighten». NetBlocks (em inglês). 12 de janeiro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  40. Rama, Edi (24 de janeiro de 2019). «#Albania recognizes Juan Guaidó as the Interim President of Venezuela. On behalf of the people of #Albania I wish to @JGuaido and the brave venezuelans to succeed in getting rid of the illegitimate power that has turned their country in a hell for its own people #VenezuelaLibre». Twitter. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  41. «Alemania aboga por restaurar el Parlamento en Venezuela». Deutsche Welle (em espanhol). 7 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  42. Vella, Redacció, Agències, Andorra la (5 de fevereiro de 2019). «Andorra reconeix Guaidó com a president veneçolà». DiariAndorra.ad (em catalão). Consultado em 15 de fevereiro de 2019 
  43. «Sobre la situación en Venezuela: 10 de enero / Comunicado del Gobierno argentino». www.cancilleria.gob.ar. Ministerio de Relaciones Exteriores y Culto. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  44. «Statement on Venezuela». Departamento de Negócios Estrangeiros e Comércio (em inglês). Governo da Austrália. Consultado em 28 de janeiro de 2019. Australia recognises and supports the President of the National Assembly, Juan Guaidó, in assuming the position of interim president 
  45. «Austria recognizes Guaido as interim president of Venezuela: Kurz». Reuters (em inglês). 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 4 de fevereiro de 2019 
  46. Kurz, Sebastian (4 de fevereiro de 2019). «El régimen de #Maduro se ha negado hasta la fecha a aceptar unas elecciones presidenciales libres y justas. Por este motivo, consideramos desde este momento al Presidente @jguaido como Presidente interino legítimo de conformidad con la Constitución venezolana.» (em espanhol). twitter. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  47. a b c «Special Meeting of the Permanent Council Thursday January 24, 2019». Organização dos Estados Americanos (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  48. «Brasil reconoce a Juan Guaidó como presidente interino de Venezuela». Diario Gestíon. 12 de janeiro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  49. «Canada rejects the Maduro regime's illegitimate mandate in Venezuela». Global Affairs Canada. Governo do Canadá. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  50. Long, Gideon (13 de janeiro de 2019). «Venezuela's opposition vows to help end Maduro's rule». Financial Times (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2019. Sebastián Piñera, Chile’s president, agreed: 'Chile does not recognise the regime of Nicolás Maduro . . . We give our full support to the National Assembly . . . and its new head Juan Guaidó.' 
  51. Denise Chrispim Marin (11 de janeiro de 2019). «Juan Guaidó se declara presidente da venezuela e tem apoio do brasil». VEJA. Consultado em 12 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2019 
  52. «Ministerio de Relaciones Exteriores y Culto». Ministry of Foreign Affairs and Culture of Costa Rica. Government of Costa Rica. 13 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  53. a b c d «The Latest». The Tribune (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  54. JUricare. «Pedro Sánchez habla con Guaidó y pide elecciones democráticas en Venezuela como "salida idónea" de la crisis». albertonews.com. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  55. «E.UU. recuerda que no reconoce toma de posesión de Maduro». EC. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  56. Suju, Tamara (24 de janeiro de 2019). «Ministro de relaciones exteriores finlandes reconoce a @jguaido y dice que Maduro ya no tiene derechos como presidente. Ulkoministeri Soini: Venezuelan presidentti Madurolla ei ole oikeutta olla vallassahttps». Twitter. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  57. Macron, Emmanuel (24 de janeiro de 2019). «Après l'élection illégitime de Nicolás Maduro en mai 2018, l'Europe soutient la restauration de la démocratie. Je salue le courage des centaines de milliers de Vénézuéliens qui marchent pour leur liberté.». Twitter. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  58. «El Salvadorian Assembly now rejects Maduro and will back Guaidó for Venezuela». El Mundo (em Spanish). Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  59. «Mamuka Bakhtadze: Georgia recognizes Juan Guaido as Interim President of Venezuela and supports courageous people of Venezuela in their fight for democracy». 1TV. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  60. «Sistema de Noticias-Cancillería Guatemala». Ministry of Foreign Affairs of Guatemala. Government of Guatemala. 13 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  61. «Comunicado» (PDF). Secretary of Foreign Affairs and International Cooperation. Governo de Honduras. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  62. «Japón lamenta investidura de Maduro y Honduras también se pronuncia - Efecto Cocuyo». efectococuyo.com 
  63. «Comunicado Oficial». Ministry of Foreign Affairs of Panama. Governo de Panamá. 12 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  64. «Paraguay cuts diplomatic ties with Venezuela after Maduro sworn in». Reuters. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  65. «Medidas adoptadas por el Gobierno del Perú ante el inicio del ilegítimo periodo presidencial de Nicolás Maduro». Ministry of Foreign Affairs of Peru (em espanhol). Governo do Peru. 10 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  66. «Venezuela: Marcelo acompanha decisão do Governo de reconhecer Guaidó para convocar eleições». SAPO.pt. 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 4 de fevereiro de 2019 
  67. «UK supports Venezuela's Guaido as National Assembly head - PM May's spokesman». Thomson Reuters Foundation. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  68. a b c d e f Trujillo, Carlos (10 de janeiro de 2019). «Permanent Council Approves Resolution to Not Recognize the Legitimacy of the Maduro Regime». U.S. Mission to the Organization of American States (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  69. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Miami Herald
  70. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Twitter
  71. a b «CARICOM remains divided on Venezuela - St. Lucia News Online». St. Lucia News Online (em inglês). 11 de janeiro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  72. Klimkin, Pavlo (24 de janeiro de 2019). «Respondiendo con fuerza a las exigencias de los manifestantes pacíficos es una via más corta para que las autoridades pierdan su legitimidad. Apostamos a la Asamblea Nacional y la sabiduría de su Presidente Juan Guiaidó por una salida de la crisis política #VenezuelaLibre». Twitter. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  73. «President Cyril Ramaphosa congratulates President of Venezuela on his inauguration | South African Government». Governo da África do Sul. Consultado em 20 de janeiro de 2019 
  74. «Maduro wins backing of Venezuelan senior military figures». Irish Times (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  75. Rapoza, Kenneth (15 de janeiro de 2019). «Venezuela's Great Depression: Opposition Gets More Aggressive Against Maduro». Forbes (em inglês). Consultado em 17 de janeiro de 2019 
  76. «The Latest: Iran backs Maduro in Venezuela crisis». The Washington Post. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  77. «Viceministro para Asia, Medio Oriente y Oceanía recibe a Embajadora Designada por la República Democrática Popular Lao». Correodelorinoco.gob.ve. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  78. a b Manetto, Francesco (11 de janeiro de 2019). «Nicolás Maduro desafía a Occidente aferrado a China y Rusia y busca el apoyo de México» [Nicolás Maduro challenges the West, clinging to China and Russia and seeks the support of Mexico]. El País (em Spanish). Consultado em 12 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2019 
  79. «Prime Minister attends Venezuelan President Maduro's inauguration». St Kitts & Nevis Observer (em inglês). 11 de janeiro de 2019. Consultado em 17 de janeiro de 2019 
  80. Bernal, Rafael (10 de janeiro de 2019). «Maduro starts new term in Venezuela facing US sanctions, lack of legitimacy abroad». The Hill (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2019 
  81. «Venezuela and Palestine reaffirm ties of cooperation and brotherhood • Ministerio del Poder Popular para Relaciones Exteriores». Mppre.gob.ve. 11 de janeiro de 2019 
  82. «Angola seeks negotiated solution in Venezuela». EIN News Desk (em inglês). 16 de fevereiro de 2019 
  83. «Jamaica Observer Limited». Jamaica Observer (em inglês) 
  84. «Armenia follows developments in Venezuela, hopes for peaceful solution: MFA spokesperson». Aysor (em inglês) 
  85. Writer, Staff (29 de janeiro de 2019). «CARICOM optimistic of peaceful solution to Venezuelan crisis» (em inglês). Barbados Today Newspaper. Consultado em 4 de fevereiro de 2019. St Kitts-Nevis, Trinidad and Tobago, Antigua and Barbuda, Barbados, and Belize abstained during the vote while Grenada was not present. 
  86. «Prime Minister Barrow speaks out against foreign intervention in Nicaragua and Venezuela» (em inglês). Breaking Belize News. 20 de janeiro de 2019 
  87. «MOFA Spokesperson's Statement on Crisis in Venezuela». Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul (em inglês). Governo da República da Coreia. 1 de fevereiro de 2019. Consultado em 5 de fevereiro de 2019 
  88. «UN Security Council's African members support Venezuela's Maduro». Africa Times (em inglês). 27 de janeiro de 2019 
  89. «Jamaica Observer Limited». Jamaica Observer (em inglês) 
  90. Chaudhury, Dipanjan (25 de janeiro de 2019). «India refuses to join efforts to recognise self-declared president of Venezuela». The Economic Times (em inglês) 
  91. «India calls for dialogue in Venezuela». Agência Anadolu (em inglês). 25 de janeiro de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  92. «Indonesia calls for restraint in Venezuela». The Jakarta Post (em inglês). 26 de janeiro de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  93. «Kuwait urges dialogue to end political standoff in Venezuela». Kuwait News Agency (em inglês). 27 de janeiro de 2019 
  94. «Maduro v Guaido: Who is backing whom amid crisis in Venezuela». The Straits Times (em inglês). 28 de janeiro de 2019. Consultado em 5 de fevereiro de 2019 
  95. «The Latest: Venezuela opposition leader backs US sanctions». Star Tribune (em inglês). Associated Press. 29 de janeiro de 2019. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  96. «Mexico still recognizes Maduro as Venezuela president, 'for now': spokesman». Reuters (em inglês). 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  97. «Press release on recent political developments in Venezuela - Ministry of Foreign Affairs Nepal MOFA» (em inglês). Governo do Nepal, Ministério dos Negócios Estrangeiros. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  98. Roy, Eleanor Ainge (29 de janeiro de 2019). «Venezuela crisis: New Zealand refuses to back Guaidó as interim president». The Guardian (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  99. «FSM, RMI support Guido's presidency, Palau neutral on Venezuela crisis». IslandTimes (em inglês). 22 de fevereiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  100. «Venezuela: San Marino, "Riceviamo l'auspicio del Papa per una soluzione pacifica della crisi"». SMTV San Marino (em italiano). 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 10 de fevereiro de 2019 
  101. Geiser, Urs. «Swiss concerned about the deepening crisis in Venezuela». SWI swissinfo.ch (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  102. https://newsday.co.tt/2019/02/15/tt-preserving-neutral-position-on-venezuela/
  103. Christopher, Peter (11 de janeiro de 2019). «Local Venezuelans wary of T&T's support of Maduro». Trinidad & Tobago Guardian (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  104. «Vatican calls for end to suffering in Venezuela but takes no sides». Reuters (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  105. «CARICOM on Venezuela: Non-interference, facilitate dialogue». Trindad and Tobago Guardian (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  106. «UN political chief calls for dialogue to ease tensions in Venezuela; Security Council divided over path to end crisis». UN News (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  107. Jair Bolsonaro (23 de janeiro de 2019). «Venezuela:». Twitter. Consultado em 23 de janeiro de 2019