Crueldade Mortal

filme de 1976 dirigido por Luiz Paulino dos Santos

Crueldade Mortal é um filme brasileiro de 1976, do gênero drama, escrito e dirigido por Luiz Paulino dos Santos.[1] De acordo com os letreiros finais, o roteiro foi baseado em um fato real ocorrido em janeiro de 1970 no Morro Agudo, na Baixada Fluminense. Música de Geraldo Azevedo, Lael Rodrigues foi creditado como Assistente de Direção e Pedro Carlos Rovai como produtor executivo.

Crueldade Mortal
 Brasil
1976 •  cor •  105 min 
Direção Luiz Paulino dos Santos
Roteiro Luiz Paulino dos Santos
Elenco Jofre Soares
Marieta Severo
Maurício do Valle
Género drama
Música Geraldo Azevedo
Idioma português

ElencoEditar

SinopseEditar

O filme começa com um delegado acusando vários moradores da comunidade do Morro Agudo de terem cometido um linchamento. Logo a seguir os fatos aparecem em retrospectiva: A vítima, Antonio, é um migrante nordestino e idoso senil, que vagueia pelos lugares onde mora, invadindo casas e outros locais como cemitério e igrejas, irritando a todos. Quando numa noite é visto pela insatisfeita e maldosa Jurema que tomava banho em seu quintal, imediatamente é perseguido por ela e por outros populares que o acusam de obcenidade e tentativa de roubo da casa. A turba não mostra piedade, apenas o aspirante a futebolista Deca e a sonhadora e pobre Arlete procuram defender Antonio.

PremiaçãoEditar

  • Festival de Gramado de 1977 - Melhor Atriz Coadjuvante para Marlene França
  • INC - Prêmio Adicional de Qualidade, 1976


Referências