Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: ""Um Grito de Liberdade"" redireciona para este artigo. Para o álbum musical, veja Um Grito de Liberdade (álbum).
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, cine e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cry Freedom
Grita Liberdade[1] (PRT)
Um Grito de Liberdade[2] (BRA)
Pôster promocional
 Reino Unido  Estados Unidos  Itália África do Sul
1987 •  cor •  157 min 
Direção Richard Attenborough
Produção Richard Attenborough
Roteiro John Briley
Elenco Denzel Washington
Kevin Kline
Penelope Wilton
Kevin McNally
Gênero Drama
Música George Fenton
Jonas Gwangwa
Cinematografia Ronnie Taylor
Edição Lesley Walker
Companhia(s) produtora(s) Marble Arch Productions
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 6 de novembro de 1987
Reino Unido 26 de novembro de 1987
Portugal 4 de março de 1988
Idioma inglês
africâner
xhosa
zulu
Receita US$5,899,797[3]
Site oficial

Cry Freedom é um filme de drama britânico de 1987 dirigido por Richard Attenborough, situado no final de 1970, durante a era do apartheid da África do Sul. O roteiro foi escrito por John Briley baseado nos livros do jornalista Donald Woods. O filme centra-se nos acontecimentos da vida real envolvendo ativista negro Steve Biko e seu amigo Donald Woods, que inicialmente o encontra destrutivo, e as tentativas de entender o seu modo de vida. Denzel Washington estrela como Biko, enquanto o ator Kevin Kline retrata Woods. Cry Freedom investiga os pensamentos de discriminação, corrupção política, e as repercussões da violência.

O filme foi rodado em locações principalmente no Zimbabwe devido à turbulência política na África do Sul, no momento da produção. Como um filme mostrando principalmente na versão cinematográfica limitada, ele foi nomeado para vários prêmios, incluindo indicações ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Trilha Sonora Original e Melhor Canção Original. Também ganhou uma série de prêmios, incluindo aqueles do Festival Internacional de Berlim e os British Academy Film Awards.

Um esforço coletivo conjunto para comprometer-se com a produção do filme foi feita pela Universal Pictures e Marble Arch Productions. Comercialmente Foi distribuído pela Universal Pictures nos cinemas, e por MCA Home Video para a mídia de casa. Cry Freedom estreou nos cinemas em todo o país nos Estados Unidos em 6 de novembro de 1987 arrecadou $5,899,797 das receitas de bilhetes domésticos. O filme estava em seu maior lançamento mostrando em 479 salas de todo o país. Ele foi recebido com críticas positivas Geralmente opiniões antes de sua exibição inicial em cinemas.

Índice

SinopseEditar

É um relato da amizade entre dois homens, o editor liberal de um jornal Donald Woods e o ativista negro sul-africano Steve Biko. Depois de ter conhecimento dos verdadeiros horrores do apartheid, através das descrições de Biko, Woods descobre que o seu amigo foi silenciado pela polícia. Determinado a levar a verdade ao conhecimento de todo o mundo, Woods embarca numa perigosa aventura para escapar da África do Sul e divulgar a história de coragem de Biko.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

 
Mapa Racial-demográfico da África do Sul no final de 1970.

A premissa de Cry Freedom é baseado na história real de Steve Biko, o carismático sul-africano do Movimento da Consciência Negra que tenta liderar para trazer a consciência para a injustiça do apartheid; e Donald Woods, o liberal editor branco do jornal Daily Dispatch que se esforça para fazer o mesmo depois que Biko é assassinado. Em 1972, Biko foi um dos fundadores da Convenção das Pessoas Negras trabalhando em projetos de elevação social em torno de Durban.[4] O BPC reuniu cerca de 70 diferentes grupos de consciência negra e associações: como Movimento Estudantil Sul-Africano (SASM), que desempenhou um papel significativo nos levantes de 1976, e do Projeto Preto Trabalhadores que apoiou os trabalhadores negros cujo sindicatos não foram reconhecidos no regime do Apartheid.[4] Atividades políticas de Biko chamou a atenção eventualmente do governo da África do Sul que muitas vezes o perseguiu, prendeu, e deteve-o. Estas situações resultaram em ele ser banido em 1973.[5] A proibição restritou Biko de falar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, em uma tentativa de reprimir o movimento político anti-apartheid em ascensão. Após uma violação de sua proibição, Biko foi preso e depois morto enquanto estava sob custódia da polícia. As circunstâncias que levaram à morte causaram raiva mundial por Biko, como ele se transformou em um mártir e símbolo da resistência negra.[4] Como resultado, o governo da África do Sul proibiu um número de indivíduos (incluindo Donald Woods) e Organizações, especialmente aqueles intimamente associadas com Biko.[4] O Conselho de Segurança das Nações Unidas reagiu rapidamente à morte mais tarde impondo um embargo de armas contra a África do Sul.[4] Após um período de perseguição de rotina contra sua família por parte das autoridades, bem como temendo por sua vida,[6] Woods fled the country after being placed under house arrest by the South African government.[6] Woods, mais tarde escreveu um livro em 1978, intitulado: Biko, expondo a cumplicidade da polícia em sua morte.[5]Esse livro, junto com a autobiografia de Woods Asking For Trouble, ambos foram publicados no Reino Unido, tornando-se a base para o filme.[5]

FilmagemEditar

Filmagem principal ocorreu principalmente no Zimbabwe devido à tensa situação política na África do Sul, no momento da gravação. Outras locações incluíram Quênia, bem como estúdios de cinema em Shepperton, Inglaterra.[7] O filme inclui uma representação dramatizada do Levante de Soweto, que ocorreu em 16 de junho de 1976. Centenas de disparos indiscriminados por parte da polícia, mortos e feridos de crianças em idade escolar africanos durante um protesto em março.[5]

Trilha sonoraEditar

A trilha sonora original para filme Cry Freedom foi lançado pela MCA Records em 25 de outubro de 1990.[8] Possui canções compostas pelos músicos veteranos George Fenton, Jonas Gwangwa e Thuli Dumakude. No funeral de Biko Eles cantam o hino Nkosi Sikelel 'iAfrika. Jonathan Bates editou a música do filme.[9]

RecepçãoEditar

Resposta da críticaEditar

Entre os críticos tradicionais nos EUA, o filme recebeu críticas em sua maioria positivas. Rotten Tomatoes relatou que 81% dos 21 amostrados críticos deram ao filme uma crítica positiva, com uma pontuação média de 6,4 de 10.[10]

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Oscar 1988 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Denzel Washington), Melhor Canção Original (Cry Freedom) e Melhor Trilha Sonora Original.

BAFTA 1988 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Som.
  • Indicado nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (John Thaw), Melhor Fotografia, Melhor Direção, Melhor Edição, Melhor Filme e Melhor Trilha Sonora"

Festival de Berlim 1988 (Alemanha)

  • Recebeu o Prêmio da Paz - Menção Honrosa.

Globo de Ouro 1988 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Diretor - Cinema, Melhor Filme - Drama, Melhor Trilha Sonora Original - Cinema e Melhor Ator de Cinema - Drama (Denzel Washington).

Grammy 1989 (EUA)

  • Indicado na categoria de Melhor Canção Escrita Especialmente para Cinema (Cry Freedom).

Political Film Society 1989 (EUA)

  • Venceu na categoria Direitos Humanos.

BilheteriaEditar

O filme estreou nos cinemas em 6 de novembro de 1987 em edição limitada em todo os EUA. Durante sua semana de estreia, ficou num distante 19º lugar e arrecadou $318,723[necessário esclarecer] em 27 cinemas.[11] O filme Fatal Attraction abriu em primeiro lugar, com $7,089,680[necessário esclarecer] de triagem em 1.351 cinemas.[3] A receita do filme caiu de 10,6% em sua segunda semana de lançamento, ganhando $284,853. Particularmente naquele fim de semana, o filme caiu para 25º lugar, mostrando em 19 cinemas. O filme The Running Man, destituíu Fatal Attraction para abrir em primeiro lugar, com $8,117,465 em receitas de bilheteria que indica a 1.692 cinemas.[3][11]

Cry Freedom teve uma semana de lançamento mais amplo que começa com o fim de semana em 19-21 fevereiro de 1988.[3] O filme estreou em 14 lugar mostrando a 479 cinemas e com bilheteria de $802,235 no negócio de bilheteria. O filme passou a cobrir para fora no mercado interno em $5,899,797 em vendas de ingressos através de todo um prazo de quatro semanas de cinema.[3] Para 1987 como um todo, o filme faria uma classificação cumulativamente um desempenho em bilheteria na posição 103.[3]

Home mediaEditar

Depois de seu lançamento cinematográfico nos cinemas, o filme foi lançado em formato de vídeo VHS em 5 de maio de 1998.[12] A edição widescreen do Código de Região 1 do filme foi lançado em DVD nos Estados Unidos em 23 de fevereiro de 1999. Características especiais para o DVD incluem: notas de produção, elenco e biografias dos cineastas, destaques de filmes, links, e o trailer.[13] Currently, não há data de lançamento definida agendada para um futuro Blu-ray versão do filme, embora esteja disponível em outros formatos de mídia: como vídeo sob demanda.[14]

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • Biko, Steve (1979). Steve Biko: Black Consciousness in South Africa; Biko's Last Public Statement and Political Testament. [S.l.]: Random House. ISBN 978-0-394-72739-4 
  • Biko, Steve (2002). I Write What I Like: Selected Writings. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-04897-0 
  • Clarke, Anthony J.; Fiddes, Paul S., eds. (2005). Flickering Images: Theology and Film in Dialogue. Col: Regent's Study Guides. 12. Macon, GA: Smyth & Helwys Publishing. ISBN 1-57312-458-3 
  • Goodwin, June (1995). Heart of Whiteness: Afrikaners Face Black Rule In the New South Africa. [S.l.]: Scribner. ISBN 978-0-684-81365-3 
  • Harlan, Judith (2000). Mamphela Ramphele. [S.l.]: The Feminist Press at CUNY. ISBN 978-1-55861-226-6 
  • Juckes, Tim (1995). Opposition in South Africa: The Leadership of Z. K. Matthews, Nelson Mandela, and Stephen Biko. [S.l.]: Praeger Publishers. ISBN 978-0-275-94811-5 
  • Magaziner, Daniel (2010). The Law and the Prophets: Black Consciousness in South Africa, 1968-1977. [S.l.]: Ohio University Press. ISBN 978-0-8214-1918-2 
  • Malan, Rian (2000). My Traitor's Heart: A South African Exile Returns to Face His Country, His Tribe, and His Conscience. [S.l.]: Grove Press. ISBN 978-0-8021-3684-8 
  • Omand, Roger (1989). Steve Biko and Apartheid (People & Issues). [S.l.]: Hamish Hamilton Limited. ISBN 978-0-241-12640-0 
  • Paul, Samuel (2009). The Ubuntu God: Deconstructing a South African Narrative of Oppression. [S.l.]: Pickwick Publications. ISBN 978-1-55635-510-3 
  • Pityana, Barney (1992). Bounds of Possibility: The Legacy of Steve Biko & Black Consciousness. [S.l.]: D. Philip. ISBN 978-1-85649-047-4 
  • Price, Linda (1992). Steve Biko (They Fought for Freedom). [S.l.]: Maskew Miller Longman. ISBN 978-0-636-01660-6 
  • Tutu, Desmond (1996). The Rainbow People of God. [S.l.]: Image. ISBN 978-0-385-48374-2 
  • Van Wyk, Chris (2007). We Write What We Like: Celebrating Steve Biko. [S.l.]: Wits University Press. ISBN 978-1-86814-464-8 
  • Wa Thingo, Ngugi (2009). Something Torn and New: An African Renaissance. [S.l.]: Basic Civitas Books. ISBN 978-0-465-00946-6 
  • Wiwa, Ken (2001). In the Shadow of a Saint: A Son's Journey to Understand His Father's Legacy. [S.l.]: Steerforth. ISBN 978-1-58642-025-3 
  • Woods, Donald (2004). Rainbow Nation Revisited: South Africa's Decade of Democracy. [S.l.]: Andre Deutsch. ISBN 978-0-233-00052-7 

Referências

  1. Grita Liberdade (em português) no CineCartaz (Portugal)
  2. Um Grito de Liberdade (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  3. a b c d e f «Cry Freedom». Box Office Mojo. Consultado em 15 de junho de 2010  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "BoxOfficeMojo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "BoxOfficeMojo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "BoxOfficeMojo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. a b c d e «Stephen Bantu (Steve) Biko». About.com. Consultado em 20 de junho de 2010 
  5. a b c d «Stephen Bantu Biko». South African History Online. Consultado em 15 de junho de 2010 
  6. a b 1978: Newspaper editor flees South Africa. BBC. Retrieved 20 June 2010.
  7. Attenborough, Richard (Director). (1987). Cry Freedom [Motion picture]. United States: Universal Pictures.
  8. «Cry Freedom: Original Motion Picture Soundtrack». Amazon. Consultado em 15 de junho de 2010 
  9. «Cry Freedom». Yahoo! Movies. Consultado em 15 de junho de 2010 
  10. Cry Freedom (1987). Rotten Tomatoes. IGN Entertainment. Retrieved 2010-06-15.
  11. a b «Cry Freedom». The Numbers. Consultado em 15 de junho de 2010 
  12. «Cry Freedom VHS Format». Amazon.com. Consultado em 15 de junho de 2010 
  13. «Cry Freedom: On DVD». MSN Movies. Consultado em 15 de junho de 2010 
  14. «Cry Freedom: VOD Format». Amazon.com. Consultado em 6 de setembro de 2010 

Ligações externasEditar