Serviço (evangelicalismo)

(Redirecionado de Culto (Evangelicalismo))

No cristianismo evangélico, um serviço (também reunião ou encontro) é um evento em que os crentes se reúnem para realizar adoração e receber um ensinamento (sermão) baseado na Bíblia. Pode acontecer com a igreja e com a família. As reuniões podem ser realizadas durante a semana, mas o domingo ("serviço dominical") tem conotação especial.

Origem editar

 
Batistério na Igreja Pentecostal de Västerås, na Suécia, 2018.

A adoração é uma prática da vida cristã que tem suas origens no culto judaico.[1] Jesus Cristo e Paulo de Tarso ensinaram uma nova forma de adoração.[2] Nas Escrituras, Jesus é descrito como o encontro com os seus discípulos para compartilhar lições e discutir temas[3], orando e cantando hinos[4]; nos Atos dos Apóstolos, afirma-se que os primeiros cristãos também tinham esse hábito. Nos Primeira Epístola aos Coríntios, Paulo de Tarso disse que os principais componentes do serviço cristão ou seja, louvor, o sermão, o ofertas o Santa Ceia.[5]

Forma editar

 
Mostra sobre a vida de Jesus em Igreja da Cidade em São José dos Campos, afiliada com a Convenção Batista Brasileira, 2017.
 
Serviço em Dream City Church em Phoenix, Estados Unidos, afiliada com as Assembleias de Deus, 2007.

Nas igrejas evangélicas, o serviço é visto como um ato da adoração de Deus.[6] Não há liturgia e a concepção do serviço de adoração é mais informal.[7] Normalmente é dirigido por um pastor cristão. Geralmente contém duas partes principais, o louvor (música cristã) e o sermão, e periodicamente a Santa Ceia.[8][9][10][11] Durante o serviço, geralmente existe uma creche para bebês.[12] Crianças e adolescentes recebem educação adequada, escola dominical, em uma sala separada.[13]

Com o movimento carismático na década de 1960, várias denominações evangélicas adotaram novas práticas de adoração, como bater palmas e levantar as mãos.[14]

Nos anos 1980 e 1990, música cristã contemporânea, incluindo uma grande variedade de estilos musicais, como o rock cristão e hip hop cristão já apareceu em louvor.[15][16][17]

Nos anos de 2000 e 2010, as tecnologias digitais foram integradas em serviços, como projetor de vídeo para transmitir letras de louvor ou vídeo, em telas grandes.[18][19] O uso de mídias sociais como YouTube e Facebook, para transmitir o serviço de Internet ao vivo ou atrasada, também se espalharam.[20] Ofertas via Internet tornaram-se uma prática comum em muitas igrejas.[21][22]

Em algumas igrejas, um momento especial é reservado para curas pela fé com imposição de mãos durante serviços.[23] A cura pela fé ou cura divina é considerada um legado de Jesus adquirido por sua morte e ressurreição.[24]

Os principais festividades cristãs celebradas pelos evangélicos são Natal, Pentecostes (pela maioria das denominações evangélicas) e Páscoa para todos os crentes.[25][26][27]

Lugares de culto editar

 
Templo Salem de Cotonu, em Benin, afiliado com as Assembleias de Deus, 2018.
 
Edifício da Igreja Batista em Chumukedima, Kohima, afiliada ao Conselho da Igreja Batista de Nagaland (Índia).

Locais de culto são geralmente chamados de "templos" ou simplesmente "edifício (de igreja)".[28][29][30] Em algumas megaigrejas, a palavra "campus" é usada algumas vezes.[31][32] A arquitetura dos locais de culto é caracterizada principalmente por sua sobriedade.[33][34] A cruz latina é um dos únicos símbolos espirituais que geralmente podem ser vistos na construção de uma igreja evangélica e que identifica o pertencimento do lugar.[35][36] Alguns serviços ocorrem em teatros, escolas ou salas polivalentes, alugadas apenas para o domingo.[37][38][39] Por causa de sua compreensão do segundo dos Dez Mandamentos, os evangélicos não têm representações materiais religiosas como estatutos, ícones ou pinturas em seus locais de culto.[40][41] Geralmente há um batistério no palco do auditório (também chamado santuário) ou em uma sala separada, para batismos por imersão.[42][43]

Igrejas de casa editar

Em alguns países do mundo em que não há liberdade de culto, devido a diversos motivos, como o conservadorismo russo[44], o modelo socialista chinês ou a interpretação indevida da xaria, existem inibições governamentais que tornam a simples realização de um serviço algo complexo e até mesmo impossível.[45][46][47] Por causa da perseguição aos cristãos, as igrejas domésticas evangélicas desenvolveram diversas técnicas para driblar tais inibições legais.[48] Por exemplo, existem movimentos evangélicos de igrejas domésticas chinesas.[49] As reuniões acontecem em casas particulares, em segredo e na "ilegalidade".[50]

Megaigrejas editar

 
Serviço em Christ's Commission Fellowship Pasig, afiliada com a Christ's Commission Fellowship, em Pasig, Filipinas, 2014.
 
Serviço no El Lugar de Su Presencia em Bogotá, na Colômbia, 2019.

Serviços cristãos tomar proporções impressionantes nas chamadas megaigrejas, onde mais de 2000 pessoas se reúnem.[51] Em algumas dessas megaigrejas, mais de 10.000 pessoas se reúnem todos os domingos. Estes são chamados Gigachurch.[52][53] Em 2015, havia cerca de 100 gigigrejas nos Estados Unidos. [54]

Compartilhando grupos editar

Os International Fellowship of Evangelical Students são grupos que reúnem estudantes cristãos nos campi em 150 países do mundo para partilhar as suas ideias sobre o Bíblia.[55]

Associação de Homens de Negócio do Evangelho Pleno está presente em mais de 132 países do mundo. As reuniões são realizadas em restaurantes ou outros locais públicos e empresários cristãos estão falando sobre sua fé.[56]

Controvérsias editar

Uma doutrina particularmente controversa nas igrejas evangélicas é a da teologia da prosperidade, que se espalhou nas décadas de 1970 e 1980 nos Estados Unidos, principalmente por meio do televangelismo.[57] Esta doutrina é centrada no ensino da fé cristã como um meio de enriquecer-se financeira e materialmente, através de uma "confissão positiva" e uma contribuição para os ministérios cristãos.[58] Promessas de cura divina e prosperidade são garantidos em troca de certos montantes de doações.[59][60][61] A fidelidade no dízimo permitiria evitar as maldições de Deus, os ataques do diabo e da pobreza.[62][63][64] As ofertas e dízimo ocupam muito tempo nos serviços.[65] Muitas vezes associada ao dízimo obrigatório, esta doutrina é por vezes comparada com um negócio religioso.[63][66][67][68] É criticada por pastores e sindicatos da igreja, como o Conselho Nacional de Evangélicos da França.[69][70]

Perturbação do sossego editar

 Ver artigo principal: Perturbação do sossego

O barulho dos serviços também costuma gerar reclamações. No Brasil, inúmeras ações têm sido ajuizadas contra igrejas, sob a alegação de perturbação do sossego, com ações resultando desde multas[71] e indenizações[72] até fechamento de igrejas[73].

A relação entre a liberdade de culto, garantida pela Constituição Federal, e o direito ao sossego e à qualidade de vida, garantida pela mesma constituição, já foi objeto de pesquisas e estudos.[74] Já houve também propostas legislativas no Congresso Nacional visando limitar os ruídos emitidos por igrejas.[75][76]

Ver também editar

Notas e referências editar

  1. BBC, Christian worship, bbc.co.uk, UK, 23 de junho de 2009
  2. Geoffrey Wainwright, The Oxford History of Christian Worship, Oxford University Press , USA, 2006, p. 465
  3. Amy-Jill Levine, Dale C. Allison Jr., John Dominic Crossan, The Historical Jesus in Context, Princeton University Press, USA, 2009, p. 2
  4. Marcos 14.26, Mateus 26.30; veja John J. Pilch, "A Cultural Handbook to the Bible", Wm. B. Eerdmans Publishing, USA, 2012, p. 263
  5. John Paul Heil, The Letters of Paul as Rituals of Worship, Casemate Publishers, USA, 2012, p. 38, 41
  6. Gerald R. McDermott, The Oxford Handbook of Evangelical Theology, Oxford University Press, UK, 2013, p. 311
  7. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press , UK, 2004, p. 284
  8. Bruce E. Shields, David Alan Butzu, Generations of Praise: The History of Worship, College Press, USA, 2006, p. 307-308
  9. Robert Dusek, Facing the Music, Xulon Press, USA, 2008, p. 65
  10. Gaspard Dhellemmes, Spectaculaire poussée des évangéliques en Île-de-France, lejdd.fr, França, 7 de junho de 2015
  11. Franklin M. Segler, Randall Bradley, Christian Worship: Its Theology and Practice, B&H Publishing Group, USA, 2006, p. 207
  12. Greg Dickinson, Suburban Dreams: Imagining and Building the Good Life, University of Alabama Press, USA, 2015, p. 144
  13. Jeanne Halgren Kilde, When Church Became Theatre: The Transformation of Evangelical Architecture and Worship in Nineteenth-century America, Oxford University Press, USA, 2005, p. 159, 170, 188
  14. Robert H. Krapohl, Charles H. Lippy, The Evangelicals: A Historical, Thematic, and Biographical Guide, Greenwood Publishing Group, USA, 1999, p. 171
  15. Suzel Ana Reily, Jonathan M. Dueck, The Oxford Handbook of Music and World Christianities, Oxford University Press, USA, 2016, p. 443
  16. Mathew Guest, Evangelical Identity and Contemporary Culture: A Congregational Study in Innovation, Wipf and Stock Publishers, USA, 2007, p. 42
  17. Don Cusic, Encyclopedia of Contemporary Christian Music: Pop, Rock, and Worship: Pop, Rock, and Worship, ABC-CLIO, USA, 2009, p. 85-86
  18. Christina L. Baade, James Andrew Deaville, Music and the Broadcast Experience: Performance, Production, and Audience, Oxford University Press, USA, 2016, p. 300
  19. AARON RANDLE, Bucking a trend, these churches figured out how to bring millennials back to worship, kansascity.com, USA, 10 de dezembro de 2017
  20. Mark Ward Sr., The Electronic Church in the Digital Age: Cultural Impacts of Evangelical Mass, ABC-CLIO, USA, 2015, p. 78
  21. Michael Gryboski, Millennial-Majority Churches Detail Challenges, Success Stories in Growth and Finances, christianpost.com, USA, 18 de junho de 2018
  22. Ghana News Agency, Asoriba launches church management software, businessghana.com, Ghana, 03 de fevereiro de 2017
  23. Cecil M. Robeck, Jr, Amos Yong, The Cambridge Companion to Pentecostalism, Cambridge University Press, UK, 2014, p. 138
  24. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 212
  25. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 402
  26. Daniel E. Albrecht, Rites in the Spirit: A Ritual Approach to Pentecostal/Charismatic Spirituality, Sheffield Academic Press, UK, 1999, p. 124
  27. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 236 - 239
  28. D. A. Carson, Worship: Adoration and Action: Adoration and Action, Wipf and Stock Publishers, USA, 2002, p. 161
  29. Jeanne Halgren Kilde, Sacred Power, Sacred Space: An Introduction to Christian Architecture and Worship, Oxford University Press, USA, 2008, p. 193
  30. Harold W. Turner, From Temple to Meeting House: The Phenomenology and Theology of Places of Worship, Walter de Gruyter, Germany, 1979, p.258
  31. Justin G. Wilford, Sacred Subdivisions: The Postsuburban Transformation of American Evangelicalism, NYU Press, USA, 2012, p. 78
  32. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 2
  33. Peter W. Williams, Houses of God: Region, Religion, and Architecture in the United States, University of Illinois Press, USA, 2000, p. 125
  34. Murray Dempster, Byron D. Klaus, Douglas Petersen, The Globalization of Pentecostalism: A Religion Made to Travel, Wipf and Stock Publishers, USA, 2011, p. 210
  35. Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the Global South, Volume 2, Rowman & Littlefield, USA, 2018, p. 32
  36. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 149
  37. Annabelle Caillou, Vivre grâce aux dons et au bénévolat, ledevoir.com, Canadá, 10 de novembro de 2018
  38. Helmuth Berking, Silke Steets, Jochen Schwenk, Religious Pluralism and the City: Inquiries into Postsecular Urbanism, Bloomsbury Publishing, UK, 2018, p. 78
  39. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 1359
  40. Cameron J. Anderson, The Faithful Artist: A Vision for Evangelicalism and the Arts, InterVarsity Press, USA, 2016, p. 124
  41. Doug Jones, Sound of Worship, Taylor & Francis, Abingdon-on-Thames, 2013, p. 90
  42. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 61
  43. Wade Clark Roof, Contemporary American Religion, Volume 1, Macmillan, UK, 2000, p. 49
  44. «Bolsonaro sabe que a Rússia de Putin trata mal os evangélicos?». 14 de Fevereiro de 2022 
  45. Erwin Fahlbusch, Geoffrey William Bromiley, The Encyclopedia of Christianity, Volume 4, Wm. B. Eerdmans Publishing, USA, 2005, p. 163
  46. Yves Mamou, Yves Mamou: «Les persécutions de chrétiens ont lieu en majorité dans des pays musulmans», lefigaro.fr, França, 20 de março de 2019
  47. Wesley Rahn, In Xi we trust - Is China cracking down on Christianity?, dw.com, Alemanha, 19 de janeiro de 2018
  48. Allan Heaton Anderson, An Introduction to Pentecostalism: Global Charismatic Christianity, Cambridge University Press, UK, 2013, p. 104
  49. Brian Stiller, Evangelicals Around the World: A Global Handbook for the 21st Century, Thomas Nelson, USA, 2015, p. 328
  50. Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the Global South, Volume 2, Rowman & Littlefield, USA, 2018, p. 364
  51. Sam Hey, Megachurches: Origins, Ministry, and Prospects, Wipf and Stock Publishers, USA, 2013, p. 265
  52. Stanley D. Brunn, The Changing World Religion Map: Sacred Places, Identities, Practices and Politics, Springer, USA, 2015, p. 1683
  53. Jeff Strickler, What makes a gigachurch go?, startribune.com, USA, 19 de julho de 2008
  54. Jim Tomberlin, Multisite 2016: What’s New and What’s Next?, outreachmagazine.com, USA, 31 de dezembro de 2015
  55. IFES, OUR PEOPLE, ifesworld.org, UK, acessado em 13 de fevereiro de 2016
  56. Vinson Synan, Amos Yong, Global Renewal Christianity: Europe and North America Spirit-Empowered Movements: Past, Present and Future, Charisma Media, USA, 2017, p. 26
  57. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 562
  58. Kate Bowler, Blessed: A History of the American Prosperity Gospel, OUP USA, USA, 2013, p. 59
  59. Laure Atmann, Au nom de Dieu et… du fric!, notreafrik.com, Bélgica, 26 de julho de 2015
  60. Bob Smietana, Prosperity Gospel Taught to 4 in 10 Evangelical Churchgoers, christianitytoday.com, USA, 31 de julho de 2018
  61. Gina Meeks, Megachurch Pastor Ed Young Promises to Refund Tithe if God Doesn't Open the Windows of Heaven, charismanews.com, USA, 16 de junho de 2014
  62. John Blake, How passing the plate becomes the 'Sunday morning stickup', cnn.com, USA, 14 de junho de 2015
  63. a b Raoul Mbog, Le juteux business du pasteur évangélique Dieunedort Kamdem, lemonde.fr, França, 25 de dezembro de 2015
  64. Venance Konan, Églises évangéliques d’Abidjan - Au nom du père, du fils et... du business, koffi.net, Costa do Marfim, 10 de maio de 2007
  65. Marie-Claude Malboeuf e Jean-Christophe Laurence, Églises indépendantes: le culte de l'argent, lapresse.ca, Canadá, 17 de novembro de 2010
  66. Laurie Goodstein, Believers Invest in the Gospel of Getting Rich, nytimes.com, USA, 15 de agosto de 2009
  67. Jean-Christophe Laurence, Le business religieux, lapresse.ca, Canadá, 17 de novembro de 2010
  68. Trésor Kibangula, RDC : pasteur, un job en or, jeuneafrique.com, França, 06 de fevereiro de 2014
  69. Henrik Lindell, Théologie de la prospérité : quand Dieu devient un distributeur de miracles, lavie.fr, França, 8 de agosto de 2012
  70. AFP, Le ruineux Evangile des "théologiens de la prospérité", lepoint.fr, França, 26 de março de 2013
  71. «Igreja Universal terá que reduzir barulho durante serviços ou pagar multa». Direito Nosso. 3 de agosto de 2009. Consultado em 7 de abril de 2019 
  72. «Igreja terá que indenizar ex-vizinha por barulho excessivo em cultos». Jusbrasil. Consultado em 7 de abril de 2019 
  73. Tribuna da Massa - Curitiba e região (5 de dezembro de 2017), Igreja evangélica é fechada por conta do barulho dos cultos - Tribuna da Massa (05/12/17), consultado em 7 de abril de 2019 
  74. ALVES, José Rodrigo de Jesus; VIEIRA, Thiago Vidal. «Os Conflitos Existentes entre a Liberdade de Culto e a Perturbação do Sossego» (PDF). fag.edu.br 
  75. «CCJ aprova limites para emissão de som em templos religiosos - Notícias». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 11 de abril de 2022 
  76. «Limite de emissão sonora de templos pode ser regulamentado pelo Congresso». Senado Federal. Consultado em 11 de abril de 2022