Cultura do Paraná

cultura do Paraná é o conjunto de manifestações artístico-culturais desenvolvidas pelo povo paranaense. É possível observar a cultura local no artesanato, nos costumes, nos hábitos, na culinária, na religiosidade, no folclore, ou seja, nas diferentes maneiras de expressão dos paranaenses.[1][2][3][4][5][6]

No começo do período colonial, os hábitos e as lendas dos índios redimensionaram a cultura da Europa, principalmente de Portugal e da Espanha.[5] O povo paranaense recebeu, como legado dos indígenas, vários hábitos, como o costume de ingerir plantas herbáceas, milho, mandioca, mel e tabaco. Depois, os tropeiros colaboraram com o hábito de consumir o chimarrão, o café e o feijão-de-tropeiro. Os escravos africanos trouxeram como legado a feijoada, a cachaça, suas danças e ritos.[1][2][3][4][5][6]

Posteriormente, durante o período imperial, os imigrantes europeus, que se estabeleceram, especialmente no sul e leste do Paraná, deixaram manifestações próprias, que se mesclaram à pré-existente cultura popular estadual. Tradições estrangeiras como, por exemplo, polonesas, alemãs, ucranianas, libanesas e japonesas, adicionaram-se às manifestações originárias dos povos indígenas, da África, de Portugal e da Espanha, diversificando ainda mais a cultura do Paraná.[1][2][3][4][5][6]

Dessa forma, o Paraná constitui uma imensa formação cultural que recebeu influência de grupos que vieram de seus países ou Estados por diversos motivos. Toda essa miscigenação diz respeito à cultura paranaense, representada e manifestada na arquitetura, na literatura, na música e em demais artes cênicas e visuais.[1][2][3][4][5][6]

Composição étnica e paranaenses ilustresEditar

 Ver artigo principal: Etnias do Paraná
 
Índios caiouás em 1860, no Paraná. Aos indígenas, o paranaense deve o nome de seu estado e de muitas de suas cidades.

Em sua composição étnica, a cultura do Paraná soma uma grande quantidade de etnias como portugueses, espanhóis, italianos, alemães, neerlandeses, eslavos, poloneses, ucranianos, árabes, coreanos, japoneses, indígenas e africanos, além dos próprios gaúchos, catarinenses, paulistas, mineiros e nordestinos, que colaboraram para o fortalecimento da identidade do povo paranaense.[6][4][5]

Entre os principais paranaenses ilustres podemos destacar: David Carneiro, um dos mais renomados historiadores brasileiros[7] e pai do historiador David Carneiro Júnior;[8] Moysés Paciornik, médico curitibano;[9] Michel Teló, medianeirense, ex-integrante do Grupo Tradição;[10] Tony Ramos, araponguense, ator da Rede Globo;[11] entre os escritores, Dalton Trevisan, Helena Kolody e Paulo Leminski;[12] os cientistas César Lattes, Metry Bacila, João José Bigarella e Newton Freire-Maia, este último mineiro radicado em Curitiba;[13] Sônia Braga, maringaense;[14] a dupla sertaneja Chitãozinho e Xororó, astorguense;[15] Jaime Lerner, político, arquiteto e urbanista curitibano;[16] Anízio Alves da Silva, inventor do supletivo (atualmente conhecido como Educação de Jovens e Adultos);[17] Deivid Willian da Silva, londrinense, jogador do Clube Atlético Paranaense;[18] Dirceu José Guimarães;[19] Fábio Campana, natural de Foz do Iguaçu, jornalista;[20] Aramis Millarch;[21] os ex-governadores Roberto Requião de Mello e Silva[22] e Moysés Lupion;[23] Laurentino Gomes, maringaense, escritor;[24] Grazi Massafera;[25] Maria Fernanda Cândido;[26] dentre vários outros.

CulináriaEditar

 Ver artigo principal: Culinária do Paraná
 
Um barreado em um prato de porcelana.

A culinária do Paraná envolve saberes e técnicas de preparo de alimentos regionais. Tem como tradição a carne de charque, o churrasco, o barreado, o pinhão e as influências de hábitos culinários de gaúchos, paulistas e mineiros, e influências da imigração no Brasil.[27][28] A alimentação diária é feita basicamente em três refeições, envolve o consumo de café com leite, pão, frutas, bolos e doces no café da manhã, feijão com arroz no almoço - refeição básica do brasileiro, aos quais são somados, por vezes, massas (como o macarrão), proteína animal (carnes) e salada (legumes e verduras) - e, no jantar, também as várias comidas locais. O prato mais conhecido é o barreado da região litorânea do Paraná.[29] As bebidas mais típicas do Paraná são o café e o chimarrão. As destiladas foram trazidas pelos portugueses ou, como a cachaça, fabricadas na região. O vinho é também muito consumido, por vezes somado à água e açúcar. Já a cerveja é hoje uma das bebidas alcoólicas mais comuns em todo o estado.[30]

Em diversas regiões do estado é possível encontrar peculiaridades, destacando-se a culinária de muitos dos 399 municípios.[27] Na capital paranaense, Curitiba, há três pratos principais: o barreado, o pinhão e a carne de onça.[31] No litoral observa-se a culinária caiçara e portuguesa.[28] Na região sul e nos campos gerais pode ser observado a comida tropeira, que é uma comida campeira e mais rústica, a exemplo do entrevero de pinhão e a quirera com carne de porco, como na Lapa, em Castro, Tibagi, Telêmaco Borba e Jaguariaíva.[29][32] Na região metropolitana de Curitiba é facilmente encontrada a culinária italiana, assim como ao sul e norte do estado. A culinária germânica deixou uma herança em diversas cidades, como em Rio Negro, Palmeira, Marechal Cândido Rondon, Rolândia, Cambé e Guarapuava. Em Carambeí está presente a culinária holandesa com as tradicionais tortas.[33][34] Na região centro-sul é comum encontrar a cozinha eslava, como em Pitanga, Prudentópolis, Ivaí, Irati, Mallet, São Mateus do Sul e União da Vitória.[27] No norte pioneiro, há a presença da cozinha espanhola e mineira. A comida paraguaia também pode ser encontrada nas cidades de fronteira, como na região de Guaíra. A comida árabe é muito comum em Foz do Iguaçu, e em redutos de outras cidades, como Curitiba e Maringá. A comida japonesa pode ser encontrada em Curitiba e no norte do Paraná, como em Londrina, Assaí, Apucarana e Maringá.[27][28][32][35]

TrajesEditar

 
Bordados ucranianos que podem ser encontrados no Paraná.

Os trajes refere-se aos usos, hábitos e costumes do vestuário. Os trajes são abordados como um fenômeno sociocultural que expressa os valores da sociedade, que acompanha o vestuário e o tempo, que integra o simples uso das roupas no dia a dia a um contexto maior, político, econômico e sociológico.[36][37][38] No Paraná não há um traje típico oficial para representar o estado. Os trajes mais marcantes que podem ser encontrados são o do caiçara do litoral, do tropeiro dos Campos Gerais e do gaúcho da região oeste.[39][40][41][42]

Historicamente, muitos grupos desenvolveram suas atividades na confecção de roupas e trajes na região, deixando uma rica herança cultural e econômica.[36] Com características marcantes, a diversidade étnica e a miscigenação no estado contribuíram com cores, traços, cortes e texturas, recebendo influências desde da cultura indígena, portuguesa e africana, até de outras nações europeias, árabes e asiáticas, sendo observado, sobretudo, a forte tradição de influência eurocêntrica.[2]

Na cultura paranaense, estão identificados peças de vestuários bem específicas, remetendo aos trajes típicos,[3] como de grupos étnicos,[28] folclóricos, como de gaúchos, tropeiros e caipiras,[39] com influência ibérica, e com adaptações de origens indígenas, como o uso de bombachas, botas, chiripás, guaiacas, palas, pilchas, ponchos, vestidos de prendas, além de fitas, bordados, lenços (adorno), cintos, fivelas, chapéus e boinas.[39] Pode-se notar ainda, por exemplo, traços indígenas em aldeais,[43] traços lusitanos no litoral, africanos na Lapa,[44][45][46] italianos em Curitiba,[47] eslavos em Ponta Grossa,[48][49] germânicos em Guarapuava,[50] asiáticos no norte[51] e árabes no oeste.[52][53][54][55]

ArquiteturaEditar

Conjunto arquitetônico e urbanístico do centro histórico da cidade de Paranaguá.

A arquitetura é uma parte expressiva da história e da cultura de um povo, de modo que hábitos, tendências e técnicas de cada época são refletidas pelas edificações. As primeiras construções paranaenses foram fortemente influenciadas pela arquitetura europeia, mesclando estilos, a partir do eclético, neoclássico, colonial, oriental e bizantino até a arquitetônica moderna e minimalista.[56]

Muitas das edificações representativas da arquitetura do Paraná localizam-se em Curitiba, em que pode ser encontrada a construção clássica do Castelo do Batel, que recebeu influência dos castelos do Vale do Loire, e do Paço Municipal, com arquitetônica eclética de elementos “art-nouveau”, patrimônio histórico tombado.[56]

Uma das fortes influências mostradas nas construções existentes no estado constitui a arquitetura ucraniana que se encontra especialmente nas igrejas, que constituem o mais importante símbolo da cultura destes imigrantes. Outro “item” que existe na arquitetura do Paraná, legado de imigrantes, é o lambrequim, um recorte de madeira ou tecido, utilizado como adorno nas telhas das edificações.[56] Ademais das expressões arquitetônicas tradicionais, há edificações inovadoras como o Museu Oscar Niemeyer em Curitiba.[57][58]

O mais extenso conjunto arquitetônico do estado localiza-se no município da Lapa, a qual mantém edificações religiosas, teatros, museus e residências, que ainda trazem um pouco do passado de cada século. Há ainda os centros históricos das cidades litorâneas de Paranaguá e Antonina, que incluem famosos exemplares da arquitetura do Brasil Colônia.[56]

Dessa forma, foi por meio da influência que os imigrantes e a colaboração dos vários arquitetos paranaenses e brasileiros trouxeram, que se estabeleceram as marcas da arquitetura paranaense, que dispõe de especialistas renomados como Jaime Lerner, Romeu Paulo da Costa, Vilanova Artigas, Ayrton Lolô Cornelsen, Eligson Ribeiro Gomes, Rubens Meister, Frederico Kirchgässner, etc.[56]

LiteraturaEditar

Bienal Internacional de Curitiba, evento de arte contemporânea que possui diversos circuitos paralelos, passando a incluir atividades literárias e artistas que contemplam a poesia visual.
Rascunho, sediado em Curitiba, é um jornal de circulação mensal voltado para a literatura.

A literatura do Paraná é tida como uma parte da cultura a qual ainda precisa se identificar mais com o estado. Várias obras escritas por autores paranaenses têm assuntos que não possuem ligação com o povo, o território ou a cultura paranaense, o que causa várias críticas por parte de demais literários.[1]

De acordo com os críticos, a literatura paranaense tem várias fontes as quais podem ser usadas em suas publicações como as araucárias e os Campos Gerais, os mitos e as histórias contadas pelo povo, fatos históricos e personagens como o tropeiro, que fundou muitos municípios no estado. Mesmo com uma pequena quantidade de obras as quais podem ser tidas como regionalistas, são encontrados no Paraná certos expoentes de movimentos artísticos de importância nacional, dentre eles o Modernismo, Simbolismo e Parnasianismo, mas sem grande significado na história do Brasil.[1] Um dos setores que contribuíram significativamente para a literatura paranaense foi o da comunicação, por meio da imprensa jornalística. O jornalismo impresso paranaense foi por muito tempo o principal meio que promoveu o espaço literário e cultural do estado, indo além da publicação de notícias.[59] Existem diversos jornais paranaenses no estado, como, por exemplo, Folha de Londrina, Tribuna do Paraná, Tribuna do Norte, Diário Popular, Gazeta do Iguaçu, Diário dos Campos, Jornal do Oeste, Gazeta do Povo, Rascunho, que é especializado em literatura,[60] entre outros.[61][62] O Paraná também concentra um grande número de editoras que produzem algumas das principais publicações do estado. Entre elas se destaca a Imprensa da Universidade Federal do Paraná, editora de livros didáticos, técnicos e científicos, teses, revistas e periódicos, e encadernadora de brochuras e confeccionadora de impressos de qualquer natureza, de interesse aos setores, cursos, departamentos e unidades aos membros do corpo docente da UFPR.[63]

Entre as instituições literárias podem ser citadas: Academia Paranaense de Letras,[64] Centro de Letras do Paraná,[65] Academia de Letras dos Campos Gerais,[66] Centro Paranaense Feminino de Cultura,[67] entre outros. Entre os mais importantes autores paranaenses, destacam-se os curitibanos Dalton Trevisan, Paulo Leminski, Alice Ruiz, Emiliano Perneta, Emílio de Meneses, Andrade Muricy e Tasso da Silveira. Há também os que vieram do litoral, Nestor Vítor e Silveira Neto; dos Campos Gerais, Helena Kolody e Noel Nascimento; e da região norte, o londrinense Domingos Pellegrini.[1] Embora duramente criticadas, as novas obras produzidas da literatura paranaense vem sendo desenvolvidas com iniciativas como os concursos literários e, para sua realização, os vários festivais existentes.[1] Uma das mais importantes premiações do gênero no estado é o Prêmio Paraná de Literatura criado pelo governo estadual, que busca reconhecer obras inéditas de autores não só da região, como de todo o Brasil.[68]

Artes plásticas e artesanatoEditar

Porto de Paranaguá no fim do século XIX, por Alfredo Andersen.
Mosaico de Poty Lazzarotto, no Monumento ao Tropeiro, na Lapa.

A mais antiga imagem iconográfica da cidade de Curitiba é uma pintura de autoria do francês Jean-Baptiste Debret, criada em 1827. Várias obras cujo assunto são as paisagens do Paraná em uma viagem feita ao Brasil com a Missão Artística Francesa, de 1816 até 1831, foram produzidas pelo pintor francês. Foi somente em meados do século XIX que a sociedade paranaense foi organizada e as artes começaram a ser desenvolvidas no estado. Naquele tempo, nasceu em Paranaguá a primeira pintora paranaense, Iria Correa, que se destacou com a exibição de seus trabalhos em 1866. Em Curitiba, as mais antigas escolas artísticas paranaenses foram introduzidas pelo português Mariano de Lima e pelo norueguês Alfredo Andersen, tido como o “pai” da pintura paranaense. Naquele momento, surgiram os primeiros registros da história e da cultura do Estado por meio das artes plásticas.[1]

No Museu Paranaense, o terceiro mais antigo do Brasil, que teve sua inauguração ocorrida em 1876, pode ser acompanhada a história do estado através de pinturas e objetos históricos, sem falar do trabalho de pintores nascidos no Paraná.[1] Obras de artistas marcantes na história da pintura no Paraná como Guido Viaro, Miguel Bakun e Alfredo Andersen podem ser observadas no Museu Oscar Niemeyer, um dos mais extensos da América Latina. O acervo do MON dispõe também de obras produzidas por pintores de mundialmente renomados como Tarsila do Amaral e Cândido Portinari.[1][69]

O Paraná tem ainda vários demais espaços reservados à exibição das artes visuais. Podem ser mencionadas a Casa Andrade Muricy e o Solar do Rosário. O Memorial de Curitiba, a Escola de Música e Belas Artes do Paraná e a Secretaria de Cultura do Paraná também são espaços destinados para a exibição das obras.[1]

O artesanato é caracterizado pela influência trazida pela imigração italiana, alemã e polonesa à região, além do legado português e indígena. Dentre os mais importantes produtos podem ser destacados os trançados, as redes e as cestas, os objetos de madeira, usando técnicas italianas. Nestes artigos feitos de madeira são reproduzidas as histórias da colonização, a paisagem tranquila do local, possuindo na araucária, e na erva-mate, um dos mais importantes objetos inspiradores.[1] Em relação a herança artística indígena no Paraná, o artesanato dos índios paranaenses reúne uma diversidade de técnicas que ainda podem ser encontradas no interior do estado. São diversas peças com artefatos caracterizados por cerâmicas, cestarias, instrumentos musicais, adornos, máscaras ritualísticas, arte plumária e outros objetos utilitários.[70][71][72][73]

Entre os principais artistas nascidos dentro e/ou fora do Paraná incluem Theodoro De Bona, Frederico Lange de Morretes, Arthur Nísio, João Ghelfi, Nilo Previdi, Poty Lazzarotto, Oswald Lopes, Paul Garfunkel, Alice Yamamura e Antonio Petrek.[74][75][1]

Dança e músicaEditar

Grupo Folclórico Polonês de Araucária.
Dança típica alemã no Paraná.

Diversas danças folclóricas ainda existem em povoados do sertão: o curitibano, a dança de roda aos pares, o pau-de-fita, a valsada, quebra-mana e o nhô-chico, no litoral.[76][77] As diversas comunidades originárias da Europa mantêm danças, cantos e trajes de seus países. As danças e as músicas podem destacar-se na cultura paranaense começando através das brincadeiras infantis (como as canções de roda e os brinquedos cantados) até a famosa viola sertaneja, onde a paixão e a angústia do intérprete musical lírico são embaladas pelas modas.[6][76] Muitas danças envolvem sapateados, dança de roda, canto, palmas e muita música.[76]

Nas manifestações culturais da região, são observadas as marcas do legado europeu. As danças e a musicalidade podem ser encontradas no fandango, no boi-de-mamão, nas congadas, na romaria de São Gonçalo, nas folias do divino, na folia de reis e nas cavalhadas.[5][78][79][80]

Os primeiros colonizadores açorianos trouxeram o fandango ao litoral do Paraná, em 1750.[6] Os açorianos, os escravos e os indígenas começaram a praticar o fandango durante o entrudo, evento antecessor do carnaval. Durante os quatro dias de festas, o povo recorria com exclusividade para tocar o fandango e degustar o mais importante prato típico regional, que é o barreado. No Paraná, os bailarinos são chamados de folgadores ou folgadeiras, até porque dançavam na folga do sábado para o domingo.[77] Eles interpretam diversas coreografias as quais ganham nomes específicos como Andorinha, Xarazinho, Tonta, etc. O fandango é acompanhado com duas violas (as quais de maneira geral tem cinco cordas), uma rabeca e o adulto, ou maxixe.[6]

Para obter um batido ritmado e forte, os homens usam botas ou tamancos. Possui uma coreografia espontânea, podendo ser valsada, com participantes que dançam com os pés rastejados no chão, ou podendo ser sapateadas, tendo acompanhamento de palmadas. O fandango paranaense mais famoso é o da região de Morretes. Sua singularidade pode ser observada na escala que eles utilizam, semelhante aos cânticos litúrgicos e populares da Idade Média.[6] O fandango caiçara típico do litoral é considerado uma expressão musical-coreográfica-poética e festiva reconhecida como bem imaterial pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).[81][82][83][84]

O boi-de-mamão é um drama originário da Europa e formado por personagens e animais.[6] O auto de morte e de ressurreição do boi veio ao Brasil através dos portugueses e é famoso em todas as unidades federativas brasileiras. Na região Nordeste do Brasil chama-se Bumba-meu-Boi,[76] no Norte do país é chamado de Boi-Bumbá. O mais importante ponto do auto é o falecimento de Mateus que foi violentamente chifrado pelo Boi e que depois foi atendido por um médico. Dentre os personagens do Boi-de-mamão podem ser encontrados: Mateus, Vaqueiro, Doutor, Benzedeiras, Maricota, Cavalinho, Barão e a Bernunça (personagem mais famosa que mata menores de idade para comer).[6]

A Dança de São Gonçalo é uma tradicional manifestação cultural e religiosa que ocorre no Paraná e em demais regiões do Brasil. Foi trazida pelos portugueses e é praticada tanto no litoral do estado como no interior. A cerimônia envolve reza e procissão, acompanhada de música de viola. A dança é dividida em partes, chamadas de "voltas" que recebem nomes específicos no Paraná como: marcapasso; parafuso; despotam; confissão; e casamento.[76][85][86][87][88] Entre as comunidades quilombolas do Paraná, a dança ou romaria é uma forma de pagamento de promessa por uma graça recebida.[89] Também de origem de descendentes de escravos africanos, foi mantida a prática de roda de capoeira, misturando dança e música, sendo que Paranauê é uma das canções mais conhecidas e cantadas nas rodas que homenageia o rio Paraná. Embora a prática possa ter surgido antes no estado, oficialmente chegou ao Paraná em 1970, em Curitiba.[90]

TeatroEditar

O teatro paranaense surgiu primeiramente na vila de Paranaguá nos primeiros anos do século XIX. A cultura começou a ser desenvolvida na cidade porque informações de pessoas de outros lugares do Brasil e do mundo circulavam através do porto de Paranaguá.[91][92] As mais antigas exibições teatrais da cidade aconteceram em ambiente geográfico fora dos teatros, com espectáculos de peças de Molière.[91][92]

Teatro Municipal de Antonina.
Teatro São João inaugurado em 1876.

A posterior inauguração do Teatro Paranaguense ocorreu em 1840. O espaço caracterizou a história do teatro no Paraná com uma representação teatral em homenagem à coroação de Pedro II do Brasil, promovida em 1841, e também acolheu companhias europeias e cariocas, vivenciando seu ponto culminante na arte até 1860.[91][92]

A inauguração do mais antigo teatro construído em Curitiba, o São Theodoro, ocorreu em 1884, uma década antes de sua desativação na época da Revolução Federalista. A reinauguração do teatro São Theodoro como Guayrá se deu em 1900 e, posteriormente, após sua demolição, em 1935, teve suas portas reabertas em 1974 com o nome Guaíra, um dos mais extensos da América Latina. Seu mais extenso auditório, o Bento Munhoz da Rocha Netto, comporta 2 173 pessoas.[93] Curitiba possui demais palcos como a Ópera de Arame,[94] o Teatro Paiol[95] e o Positivo.[96]

O Teatro São João localizado na Lapa foi inaugurado em 1876 e é um dos mais antigos do Paraná ainda em atividade.[93] No interior do Estado, os mais extensos espaços são os Teatro Municipal de Cascavel e o Teatro Municipal de Toledo, ambos na região oeste do Paraná.[97][98] Outros municípios mais populosos possuem espetáculos em seus teatros como o Cine Ouro Verde de Londrina,[99] o Cine-Teatro Ópera de Ponta Grossa[100] e o Teatro Calil-Haddad, localizado em Maringá.[101]

A partir de 1992, a cada ano a capital do Paraná sedia o Festival de Teatro de Curitiba, o qual transformou a cidade numa referência teatral no Brasil. O evento apresenta oficinas e cursos a respeito de teatro e também exibições de peças dos mais diversificados tipos. Os palcos do Festival não são restritos aos teatros e espaços culturais, porque invadem ruas, praças e bares curitibanos.[102]

CinemaEditar

 Ver artigo principal: Cinema do Paraná

No Paraná as primeiras exibições cinematográficas pré-Lumière aconteceram em Curitiba em 1897, no antigo Teatro Hauer.[103] As companhias começaram a dedicar-se somente à exibição do cinematógrafo a partir do ano de 1900. Já as primeiras filmagens realizadas no Paraná eram produzidas por cineastas estrangeiros, que abordavam o cotidiano da sociedade, como paradas militares e comemorações cívicas, a natureza exuberante, como as Cataratas do Iguaçu e até a Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá, na Serra do Mar.[103] Annibal Requião foi o pioneiro do cinema paranaense, considerado o patrono do cinema no Paraná. O cineasta registrou em 1907 o desfile comemorativo ao aniversário da República no dia 15 de novembro. Outros pioneiros foram João Groff, José Cleto, Arthur Rogge e Hikoma Udihara.[103][104]

 
Cinemateca de Curitiba.

A partir da década de 1930 o Paraná sofre forte influência da atuação do Departamento de Imprensa e Propaganda do Paraná (DIP), predominando produções para o Governo do Estado, como os cinejornais estatais e cenas de registros de eventos oficiais.[105] Já na década de 1940 Eugênio Felix, proprietário da produtora chamada Companhia Cinematográfica Paranaense, implantou o primeiro laboratório com som no Paraná e, como muitos cinegrafistas da época, também trabalhou para o DIP, e foi um dos principais realizadores dos cinejornais locais.[105] Na década de 1950 o destaque foi Wladimir Kosak e na década de 1960, Sylvio Back.[105] A partir da década de 1970 teve um aumento significativo de cineastas e de produções cinematográficas.[106] Em abril de 1975 foi realizado em Curitiba o I Festival Brasileiro do Filme Super-8.[106] Outro festival que permitiu o intercâmbio de informações e consolidação do movimento paranaense foi a Mostra Nacional de Filme em Super-8, da Escola Técnica Federal do Paraná, com apoio da Cinemateca de Curitiba.[106] Já em 1976 é fundada, em Londrina, a Associação Londrinense de Cineastas Amadores - ALCA.[106] Nos anos de 1980, é sentida a modernização do setor e o cinema documentário paranaense passa a não se ater apenas ao descritivo, mas também se voltando ao posicionamento político, à denúncia e ao questionamento.[106]

 
Festival de Cinema da Lapa em 2016.

Na década de 1990 o Paraná começa a produzir filmes com a criação de leis de incentivo.[107] Além dos incentivos fiscais, a mão de obra também começou a se profissionalizar com a criação de cursos livres de cinema, como a Academia de Artes Cinematográficas - Artcine (1998), O Núcleo de Cinema da PUC (1993), o Curso Especialização de Cinema da Universidade Tuiuti do Paraná (1996) e as oficinas de cinema do Festival de Cinema e Vídeo de Curitiba (1996).[107] Também no interior do Estado, como em Londrina, Maringá, Umuarama e Cascavel.[107] Alguns eventos ajudaram a difundir o cinema no estado e acabaram consolidando-se, como o Festival de Cinema da Bienal Internacional de Curitiba, o Festival de Cinema da Lapa,[108][109] o Festival de Cinema de Maringá e a Mostra Londrina de Cinema. Em 2019 um levantamento mostrou que apenas 30 cidades paranaenses possuíam salas de cinemas, sendo 55 complexos cinematográficos e 200 salas de exibição.[110] A maioria dos cinemas estão concentrados em Curitiba, que tinha cerca de 81 salas. O setor tem crescido nos últimos anos no Paraná, já que em 2011, por exemplo, havia 152 salas de cinema em 25 municípios.[110]

Patrimônio cultural, instituições e bibliotecasEditar

A Universidade Federal do Paraná foi criada em 1912,[111] e a Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em 1959.[112] As demais universidades públicas também contribuem significativamente com a cultura paranaense, são elas: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Universidade Federal da Fronteira Sul, Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Universidade Estadual de Londrina, Universidade Estadual de Maringá, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Universidade Estadual do Norte do Paraná, Universidade Estadual do Oeste do Paraná e Universidade Estadual do Paraná.[113][114][115][116]

Dos museus que existem no estado, o principal é o Museu Paranaense, em Curitiba, criado em 1876 pelo historiador Agostinho Ermelino de Leão, com coleções históricas, etnográficas e arqueológicas, além de sua biblioteca especializada.[117] Outra instituição de importância é o Museu Coronel Davi Antônio da Silva Carneiro, também na capital.[118] O Patrimônio Histórico e Artístico Nacional tombou suas coleções, como as do Paranaense.[119] Seu acervo tem peças arqueológicas, etnográficas e numismáticas.[118] Outros museus de relevância para o patrimônio cultural do Paraná são o Museu do Tropeiro, em Castro, o Museu Campos Gerais, em Ponta Grossa, o Museu Histórico de Londrina, o Museu Visconde de Guarapuava, a Casa da Memória do Parque Histórico de Carambeí, a Casa Fazenda Cancela, na Colônia Witmarsum, a Casa Lacerda, na Lapa.[4] Em Paranaguá, dois museus constituem um atrativo aos visitantes: o Museu de Arqueologia e Artes Populares, vinculado à Universidade Federal do Paraná e que opera no antigo Colégio dos Jesuítas, e o do Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá.[120]

O Patrimônio Histórico também catalogou, no estado, vários monumentos arquitetônica e historicamente valiosos, como a igreja matriz de São Luís, em Guaratuba, a casa na qual faleceu o general Carneiro, em Lapa, a histórica residência dos jesuítas, e a fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, na ilha do Mel, em Paranaguá.[121]

As maiores bibliotecas encontram-se em Curitiba: a Biblioteca Pública do Paraná,[122] a do Museu Paranaense,[123] as da UFPR[124] e a da PUCPR em Curitiba.[125] Há também bibliotecas especializadas, como a Gibiteca de Curitiba no Centro Cultural Solar do Barão, a do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural, que possui um grande acervo relacionado com tecnologias agrícolas,[126] e a do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná, especializada em assuntos relacionados com o cooperativismo.[127]

Festivais, eventos, feriados e símbolos estaduaisEditar

 Ver artigos principais: Turismo no Paraná e Símbolos do Paraná

A quantidade de eventos artístico-culturais paranaenses é riquíssima e variada.[128] Tanto na capital como no interior há diversas festas e celebrações que formam as diferentes manifestações culturais do estado. Há eventos folclóricos, étnicos, gastronômicos, religiosos, carnavalescos, esportivos, além de eventos mais específicos como festivais, cavalgadas, festas juninas e natalinas.[3] Inúmeras tradições populares, porém, estão em vias de desaparecer ou desapareceram no Paraná, como as festas de São Gonçalo, o Boi de Mamão, o Pau-de-Fita. As Folias de Reis são um bom exemplo desse fenômeno, são hoje pequenas rememorações praticadas pelos mais velhos em alguns municípios, com o desinteresse das gerações mais novas.[2]

O "Natal do Palácio Avenida", em Curitiba.
Cavalgada na cidade de Fênix.

Os eventos que mais se destacam a nível estadual são: o Festival de Teatro de Curitiba;[129] o Festival Folclórico e de Etnias do Paraná;[130] o Festival Internacional de Londrina; o Festival Internacional de Música de Londrina;[131] o Festival de Dança de Cascavel;[132] o Festival de inverno de Antonina;[133] a Festa Nacional do Charque;[134][135][136] as cavalhadas de Guarapuava;[137] o Matsuri, realizado em várias cidades;[138][139][140][141][142][143][144][145][146] a Festa Nacional do Chope Escuro, conhecida como Münchenfest;[147][148][149] a Oktoberfest de Marechal Cândido Rondon;[150][151] a Oktoberfest de Rolândia;[152][153] e o Carnaval de Tibagi.[154][155] Atraem ainda considerável interesse as feiras agropecuárias de grande porte, em especial a Expovel[156] e a Expo Londrina.[157]

Uma das principais festas populares no Paraná é a Congada da Lapa, originária da África e que homenageia São Benedito, na cidade de Lapa.[158] Já as principais festas religiosas do estado são a de Nossa Senhora da Luz, em Curitiba,[159] a do Rocio, em Paranaguá, seguido de grande procissão,[160] a Festa de Nossa Senhora das Brotas, realizada desde 1880, com procissões e celebrações religiosas em Piraí do Sul,[161][162], a Festa de Nossa Senhora de Czestochowa,[163][164][165][166] as procissões de Corpus Christi[167] e as festividades pascais.[168][169] O Paraná não possui data magna nem feriados estaduais. Em 2014 foi apresentado e aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná uma lei que instituía a dissolução do polêmico feriado da emancipação política do estado, passando a ser ponto facultativo. O feriado não era cumprido pelas empresas públicas e particulares.[170]

Os símbolos do estado do Paraná são: a bandeira, o brasão e o hino.[171]

CarnavalEditar

 
Desfile de carnaval em Curitiba.

O carnaval, embora atualmente pouco representativo no estado, é uma das mais tradicionais festas em várias cidades. Litoral do Paraná, região de Curitiba e Campos Gerais é onde concentram os maiores eventos carnavalescos.[172] Os eventos carnavalescos, do final do século 19 até a segunda década do século 20, se caracterizavam principalmente pelas brincadeiras de rua, onde pessoas pintavam-se e vestiam-se de cores alegres e saiam às ruas jogando água perfumada uns nos outros.[173]

Na região dos Campos Gerais do Paraná é realizado um dos mais antigos carnavais do Sul do Brasil. Em Tibagi registros históricos datados em 1910 mostram que no início carros eram puxados por cavalos, enfeitados ainda sem muitas cores e alegorias, percorrendo as ruas no entorno da praça da igreja matriz. Já na década de 1950 popularizou-se os carnavais realizados em clubes, disseminando cores e as típicas marchinhas. A população se organizava em dois clubes: o Clube Tibagiano e o Clube Estrela da Manhã.[174][175]

Na década de 1970 brancos e negros encontraram na terça-feira de carnaval a oportunidade de integração da festa, que quebrou com a distinção de públicos nos clubes. Na década de 1980 o carnaval voltou às ruas através dos desfiles. A partir do ano 2000, o carnaval de Tibagi passou a ser organizado na praça Edmundo Mercer, com tenda para shows e a profissionalização do desfile das escolas de samba e carros alegóricos.[176][177] Flor de Lis, Unidos do Nequinho, Unidos da Vila São José e 18 de Março são as escolas de samba da cidade.[178] Um evento de pré-carnaval reúne o encontro das baterias na praça, com alas, passistas, rodas de samba e alegorias.[179][180][181][182]

No carnaval de Ponta Grossa há desfiles de escolas de samba e de blocos. Escola de Samba Ases da Vila, Escola de Samba Baixada Princesina, Escola de Samba Gaviões da Beira da Linha, Escola de Samba Globo de Cristal, Clube Escola de Samba Portal das Águas, Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Nova Princesa, e, Sociedade Recreativa Escola de Samba Águia de Ouro, são as escolas de samba da cidade.[183][184] No litoral paranaense, em 1920, em Antonina foi fundado o primeiro Bloco do Boi que se chamava Boi Barroso, hoje denominado Boi do Norte. Foram fundados também diferentes blocos carnavalescos e escolas de samba: Batuqueiros do Samba, Brinca pra não Chorar, Escola de Samba do Batel, Grêmio Recreativo Cultural Filhos da Capela, Grêmio Recreativo Escola de Samba Leões de Ouro da Caixa d'água, são as agremiações que participam do carnaval de Antonina.[185][186]

Em Paranaguá há os tradicionais desfiles das agremiações e concurso que elege a escola de samba campeã. Escola de Samba União da Ilha dos Valadares, Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Filhos da Gaviões, Grêmio Recreativo Escola de Samba Leão da Estradinha, Grêmio Recreativo Escola de Samba Mocidade Unida do Jardim Santa Rosa, GRES Acadêmicos do Litoral Paranaense, GRDC São Vicente e Unidos da Ponta do Caju são as escolas de samba da cidade.[187][188] Ainda no litoral há os carnavais de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná.[189][190][191][192] No carnaval de Curitiba há também desfile das escolas de samba e de blocos carnavalescos, tradicionalmente na rua Marechal Deodoro.[193][194] O bloco pré-carnavalesco Garibadis e Sacis, referência na comemoração do carnaval de rua em Curitiba, sai nos domingos antes do carnaval.[195] No centro, a Zombie Walk atrai grande público e ocorre também durante o carnaval curitibano, como uma alternativa às festividades momescas, tendo pessoas fantasiadas de mortos-vivos ou zumbis.[196][197][198]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n Wachowicz 1972, pp. 173–181.
  2. a b c d e f «Paraná da Gente: História e costumes paranaenses - breve estudo.». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  3. a b c d e f «Paraná da Gente: O inventário cultural». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  4. a b c d e f Viaje Paraná (2019). «O Paraná». Secretaria de Comunicação Social do Paraná. Consultado em 26 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  5. a b c d e f g Viaje Paraná (2019). «Cultura». Secretaria de Comunicação Social do Paraná. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  6. a b c d e f g h i j k Verano 2009, p. 4511–4512.
  7. João Carlos da Silva (2006). «David Carneiro». História da Educação Brasileira. Consultado em 9 de julho de 2012. Arquivado do original em 31 de julho de 2013 
  8. Aramis Millarch (7 de agosto de 1990). «David Carneiro, o que construiu o Cine Ópera». Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 31 de julho de 2013 
  9. GARCIA, Euclides (26 de dezembro de 2008). «Morre, aos 94 anos, o médico curitibano Moyses Paciornik». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  10. «O fenômeno internacional que veio do Paraná». Gazeta do Povo. 7 de janeiro de 2012. Consultado em 9 de julho de 2012. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2012 
  11. Editora Abril. «Tony Ramos: Vida». Revista Contigo!. Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  12. G1 (21 de maio de 2012). «Escritor curitibano Dalton Trevisan vence o Prêmio Camões 2012». G1. Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 24 de junho de 2012 
  13. Rui Cavallin Pinto. «Paraná: Um Surto Improvável na Ciência». Academia Paranaense de Letras. Consultado em 30 de março de 2017. Arquivado do original em 31 de março de 2017 
  14. Editora Abril. «Sônia Braga: Vida». Revista Contigo!. Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 28 de março de 2013 
  15. Chitãozinho e Xororó. «Biografia». Consultado em 8 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  16. Governo do Paraná. «Jaime Lerner». Casa Civil do Paraná. Consultado em 10 de julho de 2012 [ligação inativa]
  17. MORAIS, Andréa (20 de fevereiro de 2012). «O homem que inventou o curso supletivo». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 26 de junho de 2013 
  18. «Deivid». Clube Atlético Paranaense. Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 2 de março de 2017 
  19. Marcelo de Paula Dieguez. «Dirceu de Curitiba». O Historiador. Consultado em 9 de março de 2013. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  20. Fábio Campana. «Biografia». Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 24 de julho de 2012 
  21. Aramis Millarch (2009). «Quem foi Aramis Millarch». Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 18 de março de 2012 
  22. Governo do Paraná. «Roberto Requião de Mello e Silva». Casa Civil do Paraná. Consultado em 10 de julho de 2012 [ligação inativa]
  23. Governo do Paraná. «Moysés Lupion». Casa Civil do Paraná. Consultado em 10 de julho de 2012 [ligação inativa]
  24. GOMES, Laurentino. «Quem sou eu?». Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2013 
  25. Editora Abril. «Grazi Massafera». Revista Contigo!. Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 28 de março de 2013 
  26. Editora Abril. «Maria Fernanda Cândido». Revista Contigo!. Consultado em 16 de outubro de 2012. Arquivado do original em 29 de agosto de 2013 
  27. a b c d «Cadernos - Paraná da Gente nº1 - Pratos Típicos Paranenses» (PDF). Secretaria de Estado de Cultura. 2004. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 22 de novembro de 2020 
  28. a b c d «Etnias: O Paraná é um dos estados com a maior diversidade étnica do Brasil.». Paraná Turismo. 2018. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2020 
  29. a b Viaje Paraná (2019). «O Paraná». Secretaria de Comunicação Social do Paraná. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  30. Governo do Paraná. «Cerveja e Vinho». Paraná Turismo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2021 
  31. La Violetera (5 de março de 2014). «Copa do Mundo e culinária: as comidas típicas de Curitiba». Cozinha do Mundo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 29 de maio de 2016 
  32. a b «Calendário fortalece a gastronomia estadual e promove o turismo de experiência». Retur - Rede de Turismo Regional. 2 de março de 2018. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2020 
  33. «Festival de Tortas de Carambeí». Festival de Tortas. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2020 
  34. «Da Holanda para o Paraná, uma receita que dá sorte ao Ano Novo». Caminhos do Campo - Rede Globo. 28 de dezembro de 2014. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2014 
  35. Governo do Paraná. «Turismo Gastronômico no Paraná». Paraná Turismo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2020 
  36. a b Nathaly Paulo da Cruz de Oliveira, Ana Carolina Siqueira Martins, Marcio José Silva (2017). «PUBLICAÇÕES ACERCA DA HISTÓRIA DA INDÚSTRIA DE VESTUÁRIO/MODA NO PARANÁ: UMA ANÁLISE». ConTexMod - Congresso Científico Textil e Moda. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  37. Garschagen, Donaldson M. (1998). «Vestuário». Nova Enciclopédia Barsa: Macropédia. 14. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações. pp. 356–360 
  38. Arruda, Ana (1988). «Vestuário». Enciclopédia Delta Universal. 14. Rio de Janeiro: Delta. pp. 7902–7914 
  39. a b c Paraná, Estado do (2008). «História e costumes paranaenses: breve estudo». Paraná da Gente. Secretaria de Estado da Cultura. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2008 
  40. Carlos Zatti (2007). «Campeiros Do Paraná Tradicional». Consultado em 8 de janeiro de 2021 
  41. Carlos Zatti (2009). «O Paraná de Bombachas». Consultado em 8 de janeiro de 2021 
  42. Carlos Zatti (2010). «O Paraná e o Paranismo». Consultado em 8 de janeiro de 2021 
  43. «Povos indígenas no Paraná». Site Oficial do Museu Paranaense. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  44. Gazeta do Povo (27 de junho de 1971). «A congada da Lapa». Jangada Brasil. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  45. «Comunidades Quilombolas e comunidades negras tradicionais» (PDF). MPPR. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 15 de janeiro de 2020 
  46. Jackson Gomes Júnior; Geraldo Luiz da Silva; Paulo Afonso Bracarense Costa (2008). «Paraná Negro» (PDF). Grupo de Trabalho Clóvis Moura. Universidade Federal do Paraná (UFPR). FUNPAR. Governo do Paraná. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  47. Wons 1994, p. 93.
  48. «Imigração eslava no sul». Universitário. 2009. Consultado em 9 de março de 2020. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  49. «Imigração Polonesa no Paraná». Imigrantes Brasil. Consultado em 9 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de julho de 2011 
  50. «Cultura». Site Oficial da Cooperativa Agrária Entre Rios. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2020 
  51. «História da Imigração: Parte 3». Site Não-Oficial da Imigração Japonesa no Brasil. 2008. Consultado em 9 de março de 2020. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  52. «Comunidade árabe de Foz do Iguaçu celebra o fim do ramadã». G1. 2008. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  53. Poliana Fabiula Cardozo. «A imigração árabe em Foz do Iguaçu: conservando sua cultura através de suas instituições representativas» (PDF). Universidade de Caxias do Sul. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 12 de setembro de 2018 
  54. «Filme documenta colônia árabe de Foz do Iguaçu». Foz do Iguaçu Destino do Mundo. 2016. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  55. Alexandre Rocha (25 de outubro de 2005). «Pioneirismo de família árabe gera pólo industrial no Paraná». Agência de Notícias Brasil-Árabe. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  56. a b c d e IMAGUIRE JUNIOR, Key. A arquitetura no Paraná: uma contribuição metodológica para a história da arte. Curitiba, PR: Ed. da UFPR, 1982.
  57. «Tecnicalc: Museu Oscar Niemeyer». Consultado em 2 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2019 
  58. «MON | SOBRE O MON». www.museuoscarniemeyer.org.br. Consultado em 15 de março de 2019. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2020 
  59. Pilotto, Osvaldo (1976). Cem anos de imprensa no Paraná (PDF). Curitiba: Instituto Histórico Geográfico e Etnográfico Paranaense. pp. 14–16. Cópia arquivada (PDF) em 8 de janeiro de 2021 
  60. «Evento do jornal Rascunho traz a Curitiba jovem escritor gaúcho». Gazeta do Povo. 17 de abril de 2007. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2017 
  61. «Jornais do Paraná». Consultado em 27 de outubro de 2020 
  62. Paulino Motter (2008). The role of the media in educational policy formation and legitimation in Brazil: 1995-2008. [S.l.]: Universidade do Wisconsin-Madison 
  63. «Criação da Imprensa». Imprensa da Universidade Federal do Paraná. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2015 
  64. APL (2021). «História». Academia Paranaense de Letras. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2020 
  65. Centro de Letras do Paraná (2021). «Apresentação». Centro de Letras do Paraná. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2020 
  66. «UEPG e Academia de Letras dos Campos Gerais discutem parceria para publicação de livro de crônicas». Universidade Estadual de Ponta Grossa. 1 de outubro de 2020. Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  67. Centro Paranaense Feminino de Cultura (2014). «CPFC». Centro Paranaense Feminino de Cultura. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2014 
  68. Mauricio Meireles (13 de julho de 2019). «Prêmio Paraná de Literatura será cancelado». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 14 de julho de 2019 
  69. Museu Oscar Niemeyer (2021). «Visita virtual 3D». Museu Oscar Niemeyer. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  70. «Artesanato indígena pode ser visto e comprado numa feira em Curitiba». Folha de Londrina. 18 de abril de 1997. Consultado em 13 de março de 2021. Cópia arquivada em 13 de março de 2021 
  71. «Museu de Arte Indígena - Acervo». MAI - Museu de Arte Indígena. Consultado em 13 de março de 2021. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2020 
  72. Bruna Bertoldi Gonçalves (12 de abril de 2019). «Arte indígena contemporânea é tema de evento promovido pela UFPR e pelo Museu Paranaense». Universidade Federal do Paraná. Consultado em 13 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de abril de 2019 
  73. «A arte dos índios do Paraná em exposição». Tribuna do Paraná. 19 de outubro de 2004. Consultado em 13 de março de 2021. Cópia arquivada em 13 de março de 2021 
  74. «24/07/2016 - 5º Salão Nacional de Cerâmica promove palestra com Gerson Carvalho». revistamuseu.com.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2020 
  75. «ANTÔNIO PETRECK VIVE!». www.revelandoosbrasis.com.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  76. a b c d e Anderson Gonçalves (28 de novembro de 2011). «As danças típicas que embalam os paranaenses». Gazeta do Povo. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  77. a b Léslier Maria Pelegrini; Ieda Parra Barbosa Rinaldi (2013). «Roseira do Paraná: Resgate de uma dança do folclore paranaense na educação básica» (PDF). Secretaria de Estado da Educação. Governo do Paraná. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  78. «Morretes - Festa do Divino Espírito Santo 2019». Nosso Litoral do Paraná. 2019. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  79. «Festa do Divino atrai devotos da região dos Campos Gerais». A Rede. 11 de junho de 2019. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  80. «Paraná da Gente: festas tradicionais - Festa do Divino». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  81. Parecer do DPI. Portal.iphan.gov.br. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Parecer_DPI_fandango_caicara(1).pdf Arquivado em 31 de outubro de 2020, no Wayback Machine.>. Acesso em: 12 de outubro de 2020.
  82. Parecer do Conselho Consultivo. Portal.iphan.gov.br. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Parecer_conselho_consultivo_fandango_cai%C3%A7ara(1).pdf Arquivado em 31 de outubro de 2020, no Wayback Machine.>. Acesso em: 12 de outubro de 2020.
  83. Titulação. Portal.iphan.gov.br. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Titulacao_fandango_caicara.pdf Arquivado em 31 de outubro de 2020, no Wayback Machine.>. Acesso em: 12 de outubro de 2020.
  84. Certidão. Portal.iphan.gov.br. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Certid%C3%A3o_FANDANGO_CAI%C3%87ARA(1).pdf Arquivado em 31 de outubro de 2020, no Wayback Machine.>. Acesso em: 12 de outubro de 2020.
  85. Colégio Estadual Pedro Marcondes Ribas (2010). «Projeto Político Pedagógico» (PDF). Secretaria de Estado da Educação. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  86. Silvano Carneiro Junior (2005). «Identidades locais: a comunidade de Ventania PR e sua identidade religiosa num contexto sócio-cultural-econômico no período entre 1950 e 2000» (PDF). ANPUH - XXIII Simpósio Nacional de História. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  87. «Cooperativa lança trio de documentários sobre os Campos Gerais». Diário dos Campos. 2 de outubro de 2019. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  88. «Projeto "Identidade" chega a municípios da AMCG». Associação dos Municípios dos Campos Gerais - AMCG. 17 de setembro de 2019. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  89. Jackson Gomes Júnior; Geraldo Luiz da Silva; Paulo Afonso Bracarense Costa (2008). «Paraná Negro» (PDF). Grupo de Trabalho Clóvis Moura. Universidade Federal do Paraná (UFPR). FUNPAR. Governo do Paraná. Consultado em 12 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  90. Jeferson do Nascimento Machado (2017). «História da Capoeira na região de Imbituva-PR: cultura negra entre brancos». Revista de História Bilros. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  91. a b c COSTA, Marta Morais da. Teatro no Paraná. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Artes Cênicas, 1986. 55 p
  92. a b c LACERDA, Maria Thereza B. O teatro no Paraná: do Cacique Tingui ao Grande Circo Místico. Curitiba, PR: Biblioteca Pública do Paraná, 1984.
  93. a b Centro Cultural Teatro Guaíra (2021). «Histórico». Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 11 de junho de 2020 
  94. Prefeitura de Curitiba (2018). «Ópera de Arame». Instituto Municipal Curitiba Turismo. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2018 
  95. Prefeitura de Curitiba (2020). «Teatro do Paiol». Fundação Cultural de Curitiba. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 10 de julho de 2020 
  96. Grupo Positivo (2018). «Quem somos». Teatro Positivo. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 29 de junho de 2018 
  97. AEN (11 de abril de 2015). «Em Cascavel, governador inaugura maior teatro do interior». Bem Paraná. Consultado em 7 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2011 
  98. Prefeitura de Toledo (26 de agosto de 2016). «Teatro Municipal de Toledo». Prefeitura de Toledo. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2017 
  99. Universidade Estadual de Londrina (2021). «Cine Teatro Universitário Ouro Verde». Universidade Estadual de Londrina. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2020 
  100. Prefeitura de Ponta Grossa (2021). «Cine-Teatro Ópera». Fundação Municipal de Cultura. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2021 
  101. Prefeitura de Maringá (2021). «Teatros: Calil Haddad». Secretaria Municipal da Cultura. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 30 de julho de 2018 
  102. Festival de Teatro de Curitiba (2021). «História». Festival de Teatro de Curitiba. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2021 
  103. a b c Governo do Estado do Paraná. «Cinema Paranaense - 1a. época. A primeira época (1897-1930)». Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2021 
  104. «Palestra: Pioneiros do cinema paranaense». Serviço Social do Comércio - Sesc Departamento Regional no Paraná. 2019. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  105. a b c Governo do Estado do Paraná. «Cinema Paranaense - 2a. época. A segunda época (1931-1968)». Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  106. a b c d e Governo do Estado do Paraná. «Cinema Paranaense - 3a. época. A terceira época (1969-1991)». Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  107. a b c Governo do Estado do Paraná. «Cinema Paranaense - 4a. época. A quarta época (1992-2002)». Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  108. «VII Festival de Cinema da Lapa começa nesta terça-feira». Gazeta do Povo. 2014. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 27 de julho de 2019 
  109. «Calendário de Eventos - Eventos fixos». Prefeitura Municipal da Lapa. Consultado em 5 de março de 2020. Arquivado do original em 1 de outubro de 2016 
  110. a b «Em todo o Paraná, apenas 30 cidades possuem salas de cinema!». Coluna Italo. 23 de julho de 2019. Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  111. «Histórico». Universidade Federal do Paraná. Consultado em 10 de julho de 2012. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  112. «Apresentação». Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Consultado em 21 de julho de 2011. Arquivado do original em 15 de agosto de 2016 
  113. UTFPR. «Informações Câmpus». Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Consultado em 27 de junho de 2016. Cópia arquivada em 1 de junho de 2016 
  114. UFFS (2021). «Apresentação». Universidade Federal da Fronteira Sul. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  115. Unila (2021). «Sobre a Unila». Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Consultado em 7 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 9 de julho de 2020 
  116. Governo do Paraná. «Universidades Estaduais». Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Consultado em 5 de julho de 2012. Cópia arquivada em 19 de maio de 2012 
  117. «Conheça a história do Museu». Museu Paranaense. Consultado em 21 de julho de 2011. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  118. a b «Estado adquire acervo histórico do Museu Coronel David Carneiro». Paraná Online. 27 de novembro de 2004. Consultado em 8 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  119. «Bens arqueológicos tombados». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Janeiro de 2011. Consultado em 21 de julho de 2011. Cópia arquivada em 23 de julho de 2014 
  120. Prefeitura Municipal de Paranaguá. «Museus». Consultado em 21 de julho de 2011. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2011 
  121. Garschagen 1998, p. 136.
  122. «A Biblioteca: Histórico». Biblioteca Pública do Paraná. Consultado em 4 de junho de 2012. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2012 
  123. «Biblioteca Romário Martins». Museu Paranaense. 2008. Consultado em 4 de junho de 2012. Cópia arquivada em 19 de julho de 2013 
  124. Universidade Federal do Paraná (2010). «Acervo bibliográfico e aquisições de livros e periódicos - Biblioteca Central e sub-unidades da UFPR» (PDF). Consultado em 4 de junho de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 22 de novembro de 2012 
  125. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. «Biblioteca Central - Campus Curitiba». Consultado em 4 de junho de 2012. Arquivado do original em 23 de março de 2017 
  126. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural. «Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural». Consultado em 4 de junho de 2012. Cópia arquivada em 13 de junho de 2012 
  127. Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná. «Biblioteca». Consultado em 4 de junho de 2012. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  128. «Paraná da Gente: Festas Populares do Paraná». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  129. Universo Online (18 de fevereiro de 2016). «Festival de Teatro de Curitiba chega à 25ª edição com 340 atrações». UOL Entretenimento. Consultado em 28 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  130. Governo do Paraná. «Teatro Guaíra recebe 52º Festival Folclórico e de Etnias do Paraná». Teatro Guaíra. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  131. G1 PR (7 de julho de 2016). «Festival de Música de Londrina terá 15 dias de apresentações e cursos». RPC Curitiba. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  132. G1 PR (13 de maio de 2016). «27º Festival de Dança de Cascavel começa domingo com várias atrações». RPC Cataratas. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  133. G1 PR (16 de julho de 2016). «Antonina recebe a 26ª edição do festival de inverno da UFPR». RPC Curitiba. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  134. «19° ExpoCandói e Festa do Charque». Calendário do Agronegócio. 2019. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 1 de março de 2020 
  135. «Fernando e Sorocaba será uma das atrações da Festa Nacional do Charque, em Candói». Gmais. 4 de abril de 2019. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  136. Viaje Paraná (2019). «Candói - Alagado». Secretaria de Comunicação Social do Paraná. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  137. «Paraná da Gente: Cavalhadas». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  138. «Festival em Curitiba reverencia a primavera». Made in Japan. 25 de setembro de 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 21 de julho de 2012 
  139. Mylle Silva (5 de junho de 2009). «História dos Matsuris de Curitiba». Tadaima - Cultura Japonesa. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  140. Anderson Gonçalves (11 de outubro de 2011). «Descubra cinco festas tradicionais». Gazeta do Povo. Consultado em 3 de março de 2020 
  141. «Tanabata Matsuri». Visite Assaí. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 18 de março de 2011 
  142. «Londrina Matsuri 2011 começa nesta sexta-feira no Parque Ney Braga». Paraná Online. 8 de setembro de 2011. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  143. «Começa amanhã o 14º Festival Primavera, no SPDC». Paranavaí Online. 29 de setembro de 2009. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  144. «FESTA DA PRIMAVERA DA SPDC». Diário do Nordeste. 5 de agosto de 2011. Consultado em 3 de março de 2020 [ligação inativa]
  145. Thiago Ramari (15 de setembro de 2010). «Festival Nipo Brasileiro tem público recorde». Gazeta Maringá. Consultado em 3 de março de 2020 [ligação inativa]
  146. «Maringá em festa». Made in Japan. 1 de setembro de 2008. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 30 de julho de 2012 
  147. Giovani Ferreira (26 de novembro de 1999). «Começa em Ponta Grossa a Festa do Chope Escuro». Folha de Londrina. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2019 
  148. «Ponta Grossa realiza 24ª edição da festa nacional do chope escuro». Diário do Transporte. 9 de dezembro de 2013. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2016 
  149. «Primeiro dia da 28ª Münchenfest, a Festa Nacional do Chope Escuro, em Ponta Grossa». Paraná Shop. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2019 
  150. «Está chegando a 31ª OktoberFest de Marechal Cândido Rondon; confira a programação». RPC. 8 de outubro de 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2019 
  151. «Começou a 31° Oktoberfest em Marechal Cândido Rondon». Tarobá News. 18 de outubro de 2009. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  152. «30ª Oktoberfest de Rolândia começa nesta quinta-feira». O Bonde. 10 de outubro de 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  153. Prefeitura Municipal de Rolândia (7 de junho de 2012). «Novidades marcam lançamento da 25ª oktoberfest de Rolândia». Portal Rolândia. Consultado em 29 de outubro de 2019 [ligação inativa]
  154. «Aspectos característicos do município de Tibagi». Docplayer. 2015. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  155. «Eventos Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  156. «40ª edição da Expovel é lançada à imprensa». catve.com. 3 de setembro de 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2019 
  157. Sociedade Rural do Paraná. «O evento». Expo Londrina 2012. Consultado em 29 de outubro de 2019. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2014 
  158. Gazeta do Povo (27 de junho de 1971). «A congada da Lapa». Jangada Brasil. Consultado em 5 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  159. «Festa da Luz». Festa da Luz. Consultado em 21 de julho de 2011. Arquivado do original em 16 de maio de 2014 
  160. LEITÓLES, Fernanda (12 de novembro de 2012). «Paranaguá: festa de Nossa Senhora do Rocio segue até quarta-feira». Gazeta do Povo. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  161. G1 (26 de dezembro de 2013). «Moradores de Piraí do Sul celebram dia de Nossa Senhora das Brotas». Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014 
  162. Gisele Rossi (14 de dezembro de 2005). «Nascimento de Jesus motiva as celebrações religiosas do mês». Gazeta do Povo. Consultado em 29 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014 
  163. «Paraná da Gente: festas tradicionais - Festa à Nossa Senhora de Czestochowa». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  164. Viaje Paraná (2019). «São Mateus do Sul». Secretaria de Comunicação Social do Paraná. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2019 
  165. Cláudia Burdzinski (2 de agosto de 2018). «Acompanhe as festividades da 26ª edição da Tradycje Polskie que iniciam em agosto». Gazeta Informativa. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 1 de março de 2020 
  166. «Baile da Imigração Polonesa marca a abertura da 27ª Tradycje Polskie; conheça as candidatas». Rádio Difusora do Xisto. 25 de julho de 2019. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 1 de março de 2020 
  167. «Paraná da Gente: Procissão de Corpus Christi». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  168. «Paraná da Gente: Sviatchéne - Bênção de Alimentos Pascais». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  169. «Paraná da Gente: Swieconka - Bênção dos Alimentos». Secretaria de Estado da Cultura. 2004. Consultado em 3 de março de 2020. Arquivado do original em 13 de março de 2010 
  170. Antonio Senkvoski e Euclides Lucas Garcia (16 de dezembro de 2014). «Alep aprova lei que revoga feriado do dia 19 de Dezembro no Paraná». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2014 
  171. KHURY, Aníbal (5 de outubro de 1988). «Constituição do Estado do Paraná». Sistema Estadual de Legislação do Paraná. Consultado em 4 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  172. «Com ou sem festa, Carnaval movimenta economia do Paraná». Agência de Notícias do Paraná. 1 de março de 2019. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  173. RPC TV Curitiba (27 de fevereiro de 2017). «Blocos e concurso das Escandalosas levam milhares às ruas de Antonina». G1 Paraná. Consultado em 26 de abril de 2017. Cópia arquivada em 26 de abril de 2017 
  174. «Clube Estrela da Manhã, de Tibagi, comemora 59 anos». Plantão da Cidade. 24 de setembro de 2009. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  175. «1º Encontro dos Clubes Sociais Negros do Paraná». Fundação Cultural de Curitiba. 2014. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  176. «Carnaval de Tibagi deve receber 70 mil pessoas». G1. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  177. «Tibagi pretende reunir 70 mil pessoas no carnaval». Diário dos Campos. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  178. «Tibagi já 'respira' carnaval». Diário dos Campos. 2 de março de 2011. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  179. «106 anos de história marcam o Carnaval de Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  180. «Tibagi: 100 anos de folia». Folha de Londrina. 3 de fevereiro de 2018. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  181. «Mais de 10 mil pessoas curtem show do Exalta em Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  182. «Abertura do Carnaval anima população na Praça». Prefeitura Municipal de Tibagi. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  183. «Escolas de samba firmam parceria com grupos teatrais». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. 14 de novembro de 2007. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  184. Merylin Ricieli dos Santos (2019). «Territórios negros plurais: dois clubes, duas cidades e duas histórias. De Ponta Grossa a Tibagi.» (PDF). UFPR. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  185. «Carnaval de Antonina reúne foliões em tradicional desfile das 'Escandalosas'». G1 Paraná. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  186. Simone Giacometti (1 de março de 2019). «Antonina se prepara para receber turistas no Carnaval». Paraná Portal. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  187. «União da Ilha é a campeã do Carnaval 2020 em Paranaguá». Folha do Liotral. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  188. Harrison Moreira de Camargo (21 de fevereiro de 2020). «Carnaval 2020: a programação em Paranaguá». CBN Curitiba. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  189. Harrison Moreira de Camargo (fevereiro de 2020). «Confira a programação do Carnaval Guaratuba 2020». Prefeitura Municipal de Guaratuba. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  190. Alex Silveira (21 de fevereiro de 2020). «Vai pro litoral? Veja o que vai rolar em Matinhos e Guaratuba neste carnaval!». Tribuna do Paraná. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  191. «Trios elétricos, blocos, bailinhos. Veja a programação do Carnaval no Litoral do PR». Bem Paraná. 21 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2020 
  192. «Carnaval no Paraná: blocos e desfiles atraem 800 mil pessoas para o Litoral». Paraná Portal. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  193. «Escolas de samba de Curitiba levam brilho à avenida; domingo é dia do grupo de acesso». Bem Paraná. 3 de março de 2019. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  194. «Enamorados do Samba é a campeã do carnaval 2020 de Curitiba». G1 Paraná. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  195. «Bloco Garibaldis e Sacis agita o Centro em domingo de pré-carnaval». Prefeitura Municipal de Curitiba. 7 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  196. «FOTOS: Veja imagens da Zombie Walk de 2019 em Curitiba». G1 Paraná. 3 de março de 2019. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  197. Shirley Pacelli (11 de fevereiro de 2020). «Curitiba realiza 11ª edição da Zombie Walk: o Carnaval dos foliões mortos-vivos». O Tempo. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  198. «Zumbis invadem Curitiba em mais uma Zombie Walk. Veja fotos e vídeos». Bem Paraná. 23 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Garschagen, Donaldson M. (1998). «Paraná». Nova Enciclopédia Barsa. 11. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Houaiss, Antônio; Malheiros, Eglê; Barbosa, Francisco de Assis; Andrade, Fernando Moretzsohn de; Guimarães, Alberto Passos (1993). «Paraná». Enciclopédia Mirador Internacional. 16. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Verano, Paulo Nascimento (2009). «Paraná». Enciclopédia Barsa Universal. 13. Rio de Janeiro: Barsa Planeta. Consultado em 9 de janeiro de 2021 
  • Wachowicz, Ruy Christovam (1972). História do Paraná. Curitiba: Editar 
  • Wons, Iaroslaw (1994). Geografia do Paraná 6 ed. Curitiba: Ensino Renovado 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cultura do Paraná


Paraná
História • Política • Geografia • Demografia • Economia • Cultura • Esporte • Turismo • Portal • Imagens