Cultura política

A cultura política descreve como a cultura impacta a política. Todo sistema político está embutido em uma cultura política particular.[1]

Mapa de valores Inglehart-Weltzel.

DefiniçãoEditar

Gabriel Almond a define como "o padrão particular de orientações para ações políticas em que todo sistema político está inserido".

A definição de Lucian Pye é que "cultura política é o conjunto de atitudes, crenças e sentimentos, que dão ordem e significado a um processo político e que fornecem os pressupostos e regras subjacentes que governam o comportamento no sistema político".

María Eugenia Vázquez Semadeni define cultura política como "o conjunto de discursos e práticas simbólicas por meio dos quais indivíduos e grupos articulam sua relação com o poder, elaboram suas demandas políticas e as colocam em jogo".[1][2]

AnáliseEditar

Os limites de uma determinada cultura política são baseados na identidade subjetiva. A forma mais comum de tal identidade hoje é a identidade nacional e, portanto, os estados-nação estabelecem os limites típicos das culturas políticas. O sistema sociocultural, por sua vez, dá sentido a uma cultura política por meio de símbolos e rituais compartilhados (como o dia da independência nacional) que refletem valores comuns. Isso pode evoluir para uma religião civil. Os próprios valores podem ser mais hierárquicos ou igualitários e vão definir os limites da participação política, criando assim uma base para a legitimidade. Eles são transmitidos por meio da socialização e moldados por experiências históricas compartilhadas que formam a memória coletiva ou nacional. Os intelectuais continuarão a interpretar a cultura política através do discurso político na esfera pública. De fato, a cultura política de elite é mais conseqüente do que em nível de massa.[1][3]

ElementosEditar

A confiança é um fator importante na cultura política, pois seu nível determina a capacidade de funcionamento do Estado.

O pós-materialismo é o grau em que uma cultura política se preocupa com questões que não são de interesse físico ou material imediato, como direitos humanos e ambientalismo.

A religião também tem um impacto na cultura política.[1][3]

ClassificaçõesEditar

Diferentes tipologias de cultura política têm sido propostas.

Almond e VerbaEditar

Gabriel Almond e Sidney Verba em The Civic Culture delinearam três tipos puros de cultura política com base no nível e tipo de participação política e na natureza das atitudes das pessoas em relação à política:

  • Paroquial – Onde os cidadãos estão apenas remotamente cientes da presença do governo central, e vivem suas vidas suficientemente perto, independentemente das decisões tomadas pelo Estado, distantes e alheios aos fenômenos políticos. Eles não têm conhecimento nem interesse em política. Este tipo de cultura política é em geral congruente com uma estrutura política tradicional.
  • Assunto – Onde os cidadãos estão cientes do governo central e estão fortemente sujeitos às suas decisões com pouca margem para dissidência. O indivíduo está ciente da política, seus atores e instituições. É afetivamente orientado para a política, mas está no lado do "fluxo descendente" da política. Em geral congruente com uma estrutura autoritária centralizada.
  • Participante – Os cidadãos são capazes de influenciar o governo de várias maneiras e são afetados por ele. O indivíduo é orientado para o sistema como um todo, tanto para as estruturas e processos políticos quanto administrativos (para os aspectos de entrada e saída). Em geral congruente com uma estrutura política democrática.

Almond e Verba escreveram que esses tipos de cultura política podem se combinar para criar a cultura cívica, que mistura os melhores elementos de cada um.

ElazarEditar

Daniel J. Elazar identificou três tipos de cultura política:[3]

  • Cultura individualista – em que a política é um mercado entre indivíduos que buscam maximizar seu interesse próprio, com envolvimento mínimo da comunidade e oposição ao governo, além de alto grau de clientelismo. Veja também: Neopatrimonialismo.
  • Cultura moralista – Em que o governo é visto como importante e como forma de melhorar a vida das pessoas.
  • Cultura tradicionalista – Aquela que busca preservar o status quo sob o qual as elites têm todo o poder e a participação cidadã não é esperada.

HuntingtonEditar

Samuel P. Huntington classificou as culturas políticas de acordo com as civilizações com base na geografia e na história:[3]

Culturas políticas nacionaisEditar

RússiaEditar

A Rússia é uma sociedade de baixa confiança, com até mesmo as instituições mais confiáveis ​​da igreja e dos militares tendo mais cidadãos desconfiados do que confiantes, e com baixa participação na sociedade civil. Isso significa que a Rússia tem uma cultura política cívica fraca. Além disso, as tradições autoritárias da Rússia significam que há pouco apoio às normas democráticas, como a tolerância à dissidência e o pluralismo. A Rússia tem uma história de governantes autoritários, de Ivan, o Terrível, a Joseph Stalin, que se engajaram na repressão maciça de todos os potenciais concorrentes políticos, desde ooprichnina ao Grande Expurgo. Os sistemas políticos resultantes da autocracia czarista e do comunismo soviético não tinham espaço para instituições independentes.[3][4][5]

Estados UnidosEditar

A cultura política dos Estados Unidos foi fortemente influenciada pelo passado de seus primeiros imigrantes, pois é uma sociedade de colonos. Samuel P. Huntington identificou a política americana como tendo um caráter "Tudor", com elementos da cultura política inglesa daquele período, como direito comum, tribunais fortes, autogoverno local, soberania descentralizada entre instituições e dependência de milícias populares em vez de um exército permanente, tendo sido importado pelos primeiros colonos. Outra fonte de cultura política foi a chegada de Americanos escoceses-irlandeses, que vieram de uma região violenta da Grã-Bretanha, e trouxeram consigo um forte senso de individualismo e apoio ao direito de portar armas. Esses colonos forneceram o apoio à democracia jacksoniana, que foi uma revolução de seu tempo contra as elites estabelecidas, e os restos da qual ainda podem ser vistos no populismo americano moderno.[6][7]

ReferênciasEditar

  1. a b c d Morlino, Leonardo (2017). Political science : a global perspective. London, England: [s.n.] pp. 64–74. ISBN 978-1-5264-1303-1. OCLC 1124515503 
  2. [Vázquez Semadeni, M. E. (2010). La formación de una cultura política republicana: El debate público sobre la masonería. México, 1821-1830. Serie Historia Moderna y Contemporánea/Instituto de Investigaciones Históricas; núm. 54. México: Universidad Nacional Autónoma de México/El Colegio de Michoacán. ISBN 978-607-02-1694-7]
  3. a b c d e Hague, Rod. (14 de outubro de 2017). Political science : a comparative introduction. [S.l.: s.n.] pp. 200–214. ISBN 978-1-137-60123-0. OCLC 970345358 
  4. Schmidt-Pfister, Diana (2008), «What Kind of Civil Society in Russia?», in: White, Stephen, Media, Culture and Society in Putin's Russia, ISBN 978-0-230-58307-8, Studies in Central and Eastern Europe (em inglês), Palgrave Macmillan UK, pp. 37–71, doi:10.1057/9780230583078_3 
  5. White, Stephen; Gitelman, Zvi Y.; Sakwa, Richard, eds. (2005). Developments in Russian politics 6. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 978-1-4039-3668-4. OCLC 57638942 
  6. Huntington, Samuel P. (2006). Political order in changing societies. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 978-0-300-11620-5. OCLC 301491120 
  7. Fukuyama, Francis. (30 de setembro de 2014). Political order and political decay : from the industrial revolution to the globalization of democracy First ed. New York: [s.n.] ISBN 978-0-374-22735-7. OCLC 869263734 

Leitura adicionalEditar

  • Almond, Gabriel A., Verba, Sidney The Civic Culture. Boston, MA: Little, Brown and Company, 1965.
  • Aronoff, Myron J. “Political Culture,” in International Encyclopedia of the Social and Behavioral Sciences, Neil J. Smelser and Paul B. Baltes, eds., (Oxford: Elsevier, 2002), 11640.
  • Axelrod, Robert. 1997. “The Dissemination of Culture: A Model with Local Convergence and Global Polarization.” Journal of Conflict Resolution 41:203-26.
  • Barzilai, Gad. Communities and Law: Politics and Cultures of Legal Identities. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2003.
  • Bednar, Jenna and Scott Page. 2007. “Can Game(s) Theory Explain Culture? The Emergence of Cultural Behavior within Multiple Games” Rationality and Society 19(1):65-97.
  • Clark, William, Matt Golder, and Sona Golder. 2009. Principles of Comparative Government. CQ Press. Ch. 7
  • Diamond, Larry (ed.) Political Culture and Democracy in Developing Countries.
  • Greif, Avner. 1994. “Cultural Beliefs and the Organization of Society: A Historical and Theoretical Reflection on Collectivist and Individualist Societies.” The Journal of Political Economy 102(5): 912-950.
  • Kertzer, David I. Politics and Symbols. New Haven, CT: Yale University Press, 1996.
  • Kertzer, David I. Ritual, Politics, and Power. New Haven, CT: Yale University Press, 1988.
  • Kubik, Jan. The Power of Symbols Against The Symbols of Power. University Park, PA: The Pennsylvania State University Press, 1994.
  • Inglehart, Ronald and Christian Welzel, Modernization, Cultural Change and Democracy. New York: Cambridge University Press, 2005. Ch. 2
  • Laitin, David D. Hegemony and Culture. Chicago, IL: The University of Chicago Press, 1986.
  • Igor Lukšič, Politična kultura. Ljubljana: The University of Ljubljana, 2006.
  • Wilson, Richard "The Many Voices of Political Culture: Assessing Different Approaches," in World Politics 52 (January 2000), 246-73
  • Gielen, Pascal (ed.), 'No Culture, No Europe. On the Foundation of Politics'. Valiz: Amsterdam, 2015.