Da Guerra

Da Guerra (em alemão, Vom Kriege) é um livro sobre guerra e estratégia militar do general prussiano Carl von Clausewitz (1780-1831), escrito principalmente após as guerras napoleônicas, entre 1816 e 1830, e publicado postumamente por sua esposa Marie von Brühl em 1832. Da Guerra é um trabalho inacabado. Clausewitz começou a revisar seus manuscritos acumulados em 1827, mas não viveu para terminar a tarefa. Sua esposa editou suas obras coletadas e as publicou entre 1832 e 1835.

Frontispício da edição de 1832

Suas obras coletadas em 10 volumes contêm a maior parte de seus escritos históricos e teóricos maiores, embora não seus artigos e papéis mais curtos ou sua extensa correspondência com importantes líderes políticos, militares, intelectuais e culturais do estado prussiano. Da Guerra é formado pelos três primeiros volumes e representa suas explorações teóricas. É um dos tratados mais importantes sobre análise e estratégia político-militar já escrito e permanece controverso e influente no pensamento estratégico.

HistóriaEditar

Clausewitz estava entre aqueles que ficaram intrigados com a maneira como os líderes da Revolução Francesa, especialmente Napoleão, mudaram a condução da guerra por meio de sua capacidade de motivar a população e obter acesso a todos os recursos do estado, desencadeando a guerra em maior escala do que antes visto na Europa. Clausewitz acreditava que as forças morais na batalha tinham uma grande influência em seu resultado. Clausewitz era bem educado e tinha fortes interesses em arte, história, ciência e educação. Ele foi um soldado profissional que passou uma parte considerável de sua vida lutando contra Napoleão. Ele lutou contra os exércitos revolucionários franceses (1792-1802). Napoleão e Frederico, o Grande, se destacam por terem feito um uso muito eficiente do terreno, do movimento e das forças à sua disposição.

As percepções que obteve com suas experiências políticas e militares, combinadas com uma sólida compreensão da história europeia, forneceram a base para seu trabalho.[1][2][3]

Uma riqueza de exemplos históricos é usada para ilustrar suas várias idéias.

Teoria de ClausewitzEditar

 
Um mapa operacional da expedição militar de Napoleão à Itália, 1796. Mapa de Clausewitz: Vom Kriege, 1857.

Definição de guerraEditar

Clausewitz argumentou que a teoria da guerra não pode ser um conselho operacional estrito para generais.[4] Em vez disso, ele queria destacar os princípios gerais que resultariam do estudo da história e do pensamento lógico. Ele argumentou que as campanhas militares só poderiam ser planejadas em um grau muito restrito, porque influências ou eventos incalculáveis, os chamados atritos, tornariam rapidamente obsoleto qualquer planejamento muito detalhado com antecedência. Os líderes militares devem ser capazes de tomar decisões sob pressão de tempo com informações incompletas, pois em sua opinião "três quartos das coisas sobre as quais a ação se baseia na guerra" estão ocultos e distorcidos pela névoa da guerra.[5]

Em seu Bekenntnisschrift de 1812 ("Notas de Confissão"), ele apresenta uma interpretação mais existencial da guerra ao imaginar a guerra como a forma mais elevada de auto-afirmação de um povo. Isso correspondia em todos os aspectos ao espírito da época em que a Revolução Francesa e os conflitos que dela surgiram causaram a evolução de exércitos e guerrilheiros conscritos. Os exércitos populares apoiaram a ideia de que a guerra é uma luta existencial.[6][7]

Nos anos seguintes, porém, Clausewitz abandonou gradativamente essa visão exaltada e concluiu que a guerra servia de mero instrumento: "Portanto, a guerra é um ato de violência para impor nossa vontade ao inimigo".[8]

Finalidade, objetivo e meiosEditar

Clausewitz analisou os conflitos de sua época ao longo das categorias Finalidade, Meta e Meio. Ele raciocinou que o Finalidade da guerra é a vontade de ser cumprida, o que é determinado pela política. O objetivo do conflito é, portanto, derrotar o oponente a fim de atingir a Finalidade. O objetivo é perseguido com a ajuda de uma estratégia, que pode ser realizada por vários meios, como a derrota ou a eliminação das forças armadas adversárias ou por meios não militares (como propaganda, sanções econômicas e isolamento político). Assim, qualquer recurso do corpo e da mente humanos e todos os poderes morais e físicos de um estado podem servir como meios para atingir o objetivo definido.[9]

Uma das citações mais conhecidas de Clausewitz resume essa ideia: "A guerra é uma mera continuação da política por outros meios".[8]

Essa citação por si só permite a interpretação de que os militares vão assumir o controle da política assim que a guerra começar, como, por exemplo, o Estado-Maior alemão fez durante a Primeira Guerra Mundial. No entanto, Clausewitz postulou a primazia da política e neste contexto elaborado: “[...], afirmamos que a guerra nada mais é do que uma continuação do processo político por meio da aplicação de outros meios. Aplicando outros meios, afirmamos simultaneamente que o processo político não termina com a conclusão da guerra ou está se transformando em algo totalmente diferente, mas que continua a existir e a prosseguir na sua essência, independentemente dos meios que possa utilizar”.[10]

De acordo com Azar Gat, a "mensagem geral" do livro era que "a condução da guerra não poderia ser reduzida a princípios universais [e é] dominada por decisões políticas e forças morais".[11][12] Essas conclusões básicas são essenciais para a teoria de Clausewitz:

  • A guerra nunca deve ser vista como tendo um propósito em si mesma, mas como um instrumento político: "A guerra não é apenas um ato político, mas um verdadeiro instrumento político, uma continuação do processo político, uma aplicação por outros meios."
  • Os objetivos militares na guerra que apoiam os objetivos políticos de alguém se enquadram em dois tipos amplos: "guerra para atingir objetivos limitados" e guerra para "desarmar" o inimigo: "para torná-lo politicamente indefeso ou militarmente impotente".
  • Tudo o mais sendo igual, o curso da guerra tenderá a favorecer o partido com as motivações emocionais e políticas mais fortes, especialmente o defensor.[1]

Algumas das idéias-chave (não necessariamente originais de Clausewitz ou mesmo de seu mentor, Gerhard von Scharnhorst) discutidas em On War incluem[13] (sem nenhuma ordem particular de importância):

  • a abordagem dialética da análise militar
  • os métodos de "análise crítica"
  • os usos e abusos dos estudos históricos
  • a natureza do mecanismo de equilíbrio de poder
  • a relação entre objetivos políticos e objetivos militares na guerra
  • a relação assimétrica entre ataque e defesa
  • a natureza do "gênio militar"
  • a "trindade fascinante" (Wunderliche Dreifaltigkeit) da guerra
  • distinções filosóficas entre "guerra absoluta ou ideal" e "guerra real"
  • na "guerra real", os polos distintivos de a) guerra limitada e b) guerra para "tornar o inimigo indefeso"
  • "guerra" pertence fundamentalmente ao reino social, ao invés dos reinos da arte ou ciência
  • "estratégia" pertence principalmente ao reino da arte
  • "táticas" pertence principalmente ao domínio da ciência
  • a imprevisibilidade essencial da guerra
  • a "névoa da guerra"
  • "atrito"
  • " centros de gravidade " estratégicos e operacionais
  • o "ponto culminante da ofensiva"
  • o "ponto culminante da vitória"

Clausewitz usou um método dialético para construir seu argumento, o que levou a frequentes interpretações errôneas porque ele explora várias idéias frequentemente opostas antes de chegar a conclusões.

As percepções modernas de guerra são baseadas nos conceitos que Clausewitz apresentou em Da Guerra, mas eles foram interpretados diversamente por vários líderes (como Moltke, Vladimir Lenin, Dwight Eisenhower, e Mao Zedong), pensadores, exércitos e povos. A doutrina, a organização e as normas militares modernas ainda são baseadas em premissas napoleônicas, mas se as premissas são necessariamente também "Clausewitzianas" é discutível.[14]

O "dualismo" da visão de Clausewitz da guerra (que as guerras podem variar muito entre os dois "polos" que ele propôs, com base nos objetivos políticos dos lados opostos e no contexto) parece ser bastante simples, mas poucos comentadores têm estava disposto a aceitar essa variabilidade crucial. Eles insistem que Clausewitz "realmente" defendeu um ou outro extremo da escala. Da Guerra foi visto por alguns críticos proeminentes como um argumento a favor da "guerra total".

Foi culpado pelo nível de destruição envolvido na Primeira e na Segunda Guerra Mundial, mas parece que Clausewitz, que não usou o termo "guerra total", apenas previu o desenvolvimento inevitável que começou com o enorme, exércitos com motivação patriótica das guerras napoleônicas. Eles resultaram (embora a evolução da guerra ainda não tenha terminado) no bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki, com todas as forças e capacidades do estado dedicadas a destruir as forças e capacidades do estado inimigo (portanto, "guerra total"). Por outro lado, Clausewitz também foi visto como "O mais proeminente estrategista militar e político da guerra limitada nos tempos modernos".[15]

Clausewitz e seus proponentes foram severamente criticados por outros teóricos militares, como Antoine-Henri Jomini[16] no século XIX, BH Liddell Hart[17] em meados do século XX, e Martin van Creveld[18] eJohn Keegan[19] mais recentemente.[20] Da Guerra é um trabalho enraizado exclusivamente no mundo do estado-nação, afirma o historiador Martin van Creveld, que alega que Clausewitz considera o estado "quase garantido", já que ele raramente olha para algo antes da Paz de Westfália, e a guerra medieval é efetivamente ignorada na teoria de Clausewitz.[18] Ele alega que Clausewitz não aborda nenhuma forma de conflito intra / supraestado, como rebelião e revolução, porque ele não poderia teoricamente explicar a guerra antes da existência do estado.[21]

Os conflitos anteriores foram rebaixados a atividades criminosas sem legitimidade e não dignas do rótulo de "guerra". Van Creveld argumenta que a "guerra de Clausewitz" exige que o estado aja em conjunto com o povo e o exército, tornando-se o estado um motor maciço construído para exercer força militar contra um oponente idêntico. Ele apoia essa afirmação apontando para os exércitos convencionais existentes ao longo do século XX. No entanto, revolucionários como Karl Marx e Friedrich Engels inspiraram-se nas ideias de Clausewitz.[21]

Referências

  1. a b Carl von Clausewitz (2 September 2008). On War. Princeton University Press. ISBN 978-1-4008-3740-3
  2. Werner Hahlweg (7 de junho de 1975). «Clausewitz und die Französische Revolution, Die methodische Grundlage des Werkes "Vom Kriege"». Brill. Zeitschrift für Religions- und Geistesgeschichte. 27 (3): 240–251. doi:10.1163/15700739-02703005. Consultado em 23 de abril de 2020 
  3. Andrew Holmes (31 January 2010). Carl Von Clausewitz's On War: A modern-day interpretation of a strategy classic. Infinite Ideas. ISBN 978-1-908189-61-5
  4. G.H.L. LeMay, "Napoleonic Warfare" History Today (Aug 1951), Vol. 1 Issue 8, pp 24-32.
  5. Vasiliĭ Efimovich Savkin (1974). The Basic Principles of Operational Art and Tactics: (a Soviet View). [S.l.]: U.S. Government Printing Office. pp. 23– 
  6. Richard Cobb (1987). Les armées révolutionnaires. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 978-0-300-02728-0 
  7. Karen Hagemann (30 de março de 2015). Revisiting Prussia's Wars against Napoleon: History, Culture, and Memory. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 132–. ISBN 978-1-316-19397-6 
  8. a b Carl Von Clausewitz (1 de outubro de 2010). On War - Volume I - Chapter II. [S.l.]: The Floating Press. ISBN 978-1-77541-926-6 
  9. LeMay, "Napoleonic Warfare"
  10. Herfried Münkler. «Clausewitz' Theorie des Krieges» (PDF). Nomos Verlagsgesellschaft. Consultado em 30 de abril de 2020 
  11. Andreas Herberg-Rothe. «Staatenkrieg und nicht-staatliche Kriege in Clausewitz, Vom Kriege». Clausewitz Com. Consultado em 23 de abril de 2020 
  12. Gat, Azar (2001). A History of Military Thought: From the Enlightenment to the Cold War. New York: Oxford University Press. p. 125. ISBN 0-19-924762-5 
  13. This list is from "Frequently Asked Questions about Clausewitz," ClausewitzStudies.org, edited by Christopher Bassford.
  14. Phillip S. Meilinger (29 de janeiro de 2020). Thoughts on War. [S.l.]: University Press of Kentucky. ISBN 978-0-8131-7891-2 
  15. Robert Osgood, 1979.
  16. Christoph Abegglen. «The influence of Clausewitz on Jomini's Précis de l'Art de la Guerre - p. 3/30» (PDF). King's College London. Consultado em 30 de abril de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 26 de setembro de 2007 
  17. Christopher Bassford. «CLAUSEWITZ IN ENGLISH - The Reception of Clausewitz in Britain and America - Chapter 15. J.F.C. Fuller and Basil Liddell Hart». Clausewitz Com. Consultado em 30 de abril de 2020 
  18. a b K. M. French. «Clausewitz vs. The Scholar: Martin Van Creveld's Expanded Theory Of War». Global Security. Consultado em 30 de abril de 2020 
  19. Bart Schuurman. «Clausewitz and the"New Wars" Scholars» (PDF). Clausewitz Com. Consultado em 30 de abril de 2020 
  20. Bradley Potter (19 de janeiro de 2016). «B. H. Liddell Hart, Strategy (1954)». Classics of Strategy and Diplomacy, Johns Hopkins University SAIS. Consultado em 30 de abril de 2020 
  21. a b Cormier, Youri (2013). «Fighting Doctrines and Revolutionary Ethics». Journal of Military and Security Studies. 15 (1). Cópia arquivada em 29 de julho de 2014 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.