Õs daeva ( Avéstico: 𐬛𐬀𐬉𐬎𐬎𐬀 daēuua; Sânscrito: देव deva ) é uma entidade sobrenatural zoroástrica com características desagradáveis. Nos Gathas, os textos mais antigos do cânone zoroastriano, os daeva são "deuses que devem [ser] rejeitados". Este significado é- sujeito a interpretação- talvez também evidente na "inscrição daiva" do persa antigo do século V AEC. No Novo Avestá, os daeva são divindades que promovem o caos e a desordem. Em tradições e folclores posteriores, os dēws (persa médio zoroástrico; Novo Persa: divs) são personificações de todos os males imagináveis.

Daeva, o termo da língua iraniana, compartilha a mesma origem de "Deva" da mitologia indiana, mais tarde incorporada às religiões indianas. Embora a palavra para os espíritos védicos e a palavra para as entidades zoroastrianas sejam etimologicamente relacionadas, sua função e desenvolvimento temático são completamente diferentes. Originalmente, o termo era usado para denotar seres do folclore cultural anterior ao uso nas escrituras.

Equivalentes para o avéstico daeva em línguas iranianas incluem dew dos idiomas pashto, baluchi e curdo e dīv ou deev do persa, todos os que se aplicam aos ogros, monstros e outras criaturas vis. A palavra iraniana foi emprestada ao armênio antigo como dew, em georgiano como devi, em urdu como deo e em turco como div, com as mesmas associações negativas nessas línguas. Em inglês, a palavra aparece como daeva, div, deev, e nos romances de fantasia do século 18 de William Thomas Beckford como dive.

Especula-se que o conceito dos daevas como uma força malévola pode ter sido inspirado nos deuses citas.

BibliografiaEditar

  • Dhalla, Maneckji Nusservanji (1938), History of Zoroastrianism, New York: OUP .
  • Duchesne-Guillemin, Jacques (1982), «Ahriman», Encyclopaedia Iranica, 1, New York: Routledge & Kegan Paul, pp. 670–673 .
  • Gnoli, Gherardo (1993), «Daivadana», Encyclopaedia Iranica, 6, Costa Mesa: Mazda, pp. 602–603 .
  • Gershevitch, Ilya (1975), «Die Sonne das Beste», in: Hinnels, John R., Mithraic Studies. Proceedings of the First International Congress of Mithraic Studies, 1, Lantham: Manchester UP/Rowman and Littlefield, pp. 68–89 .
  • Herrenschmidt, Clarisse; Kellens, Jean (1993), «*Daiva», Encyclopaedia Iranica, 6, Costa Mesa: Mazda, pp. 599–602 .
  • Kent, Roland G (1937), «The Daiva-Inscription of Xerxes», Language, 13 (4): 292–305, doi:10.2307/409334 .
  • Lommel, Hermann (1930), Die Religion Zarathustras nach dem Awesta dargestellt, Tübingen: JC Mohr .
  • Lommel, Hermann (1970), «Die Sonne das Schlechteste?», in: Schlerath, Bernfried, Zarathustra. Wege der Forschung, Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, pp. 360–376 .
  • Omidsalar, Mahmoud (1996), «Dīv», Encyclopedia Iranica, 7, Costa Mesa: Mazda .
  • Shaked, Saul (1967), «Notes on Ahreman, the Evil Spirit and His Creation», Studies in Mysticism and Religion, Jerusalem: Magnes, pp. 227–234 .
  • Stausberg, Michael (2002), Die Religion Zarathushtras, Vol. 1, Stuttgart: Kohlhammer Verlag .
  • Stausberg, Michael (2004), Die Religion Zarathushtras, Vol. 3, Stuttgart: Kohlhammer Verlag .
  • Widengren, Geo (1965), Die Religionen Irans, Die Religion der Menschheit, Vol. 14, Stuttgart: Kohlhammer Verlag .
  • Williams, Alan V (1989), «The Body and the Boundaries of Zoroastrian Spirituality», Religion, 19 (3): 227–239, doi:10.1016/0048-721X(89)90022-5 .
  • Williams, Alan V (1996), «Dēw», Encyclopaedia Iranica, 7, Costa Mesa: Mazda, pp. 333–334 .
  Este artigo sobre mitologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.