Damião (paracemomeno)

Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja Damião.

Damião ou Damiano (em grego: Δαμιανός; romaniz.: Damianós) foi um oficial eunuco bizantino sênior do século IX que esteve ativo durante o reinado do imperador Miguel III, o Ébrio (r. 842–867), servindo como camareiro chefe (paracemomeno) do imperador.

Damião
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Oficial
Religião Cristianismo
Soldo de Miguel III, o Ébrio (r. 842–867)

BiografiaEditar

Teófanes Continuado relata que Damião foi um eunuco de origem eslava. Ele manteve o posto influente de camareiro chefe (paracemomeno), com o posto de patrício, sob Miguel III, o Ébrio (r. 842–867), e talvez, segundo a posterior Pátria de Constantinopla, já desde o reinado de Teófilo (r. 829–842), pai de Miguel III.[1] O bizantinista Henri Grégoire sugere que Damião pode ser identificado com o almirante bizantino, conhecido apenas das fontes árabes como "ibn Qatuna", que liderou o saque de Damieta em 853, ao interpretar que o nome árabe é uma corruptela do título epi tou koitonos ("no comando do aposento imperial").[2]

Ele pertenceu ao círculo de altos oficiais que opuseram-se a Teoctisto, o poderoso ministro que monopolizou o poder durante a primeira metade do reinado de Miguel III. Ele foi instrumento em assegurar a reconvocação de Bardas, tio de Miguel III, do exílio, culminando na morte de Teoctisto e a ascensão de Bardas perante os assuntos de Estado em 855. Em 865, contudo, ele caiu em desgraça com Bardas, que começou a tramar contra ele, e persuadiu Miguel a demiti-lo e tê-lo tonsurado. Foi sucedido por Basílio, o Macedônio, o futuro fundador da dinastia macedônica.[1] Damião retirou-se à igreja do palácio do quarteirão de São Mamas. Segundo a Pátria, ele também construiu um templo chamado "Mosteiro de Damião" (em grego: τα Δαμιανού; romaniz.: ta Damianou).[2]

Ver tambémEditar

Precedido por
Desconhecido
Último mencionado: Escolástico
paracemomeno bizantino
Antes de 842–865
Sucedido por
Basílio, o Macedônio

Referências

  1. a b Guilland 1967, p. 204.
  2. a b Lilie 2013, Damianos (#1212).

BibliografiaEditar

  • Guilland, Rodolphe (1967). Recherches sur les Institutions Byzantines, Tomo I. Berlim: [s.n.] 
  • Lilie, Ralph-Johannes; Ludwig, Claudia; Zielke, Beate et al. (2013). Prosopographie der mittelbyzantinischen Zeit Online. Berlim-Brandenburgische Akademie der Wissenschaften: Nach Vorarbeiten F. Winkelmanns erstellt