Abrir menu principal

Darci Vargas

15.ª e 18.ª Primeira-dama da República Federativa do Brasil
Darcy Vargas
18.ª Primeira-dama do Brasil
Período 31 de janeiro de 1951
até 24 de agosto de 1954
Presidente Getúlio Vargas
Antecessor Carmela Dutra
Sucessor Jandira Café
15.ª Primeira-dama do Brasil
Período 3 de novembro de 1930
até 29 de outubro de 1945
Presidente Getúlio Vargas
Antecessor Sofia Pais de Barros
Sucessor Luzia Linhares
Primeira-dama do Rio Grande do Sul
Período 25 de janeiro de 1928
até 9 de outubro de 1930
Governador Getúlio Vargas
Antecessor Carlinda Borges
Sucessor Delminda Aranha
Dados pessoais
Nome completo Darcy Sarmanho Vargas
Nascimento 12 de dezembro de 1895
São Borja, Rio Grande do Sul
Morte 25 de junho de 1968 (72 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileira
Cônjuge Getúlio Vargas (1911–1954)
Assinatura Assinatura de Darci Vargas

Darci Sarmanho Vargas[1] (São Borja, 12 de dezembro de 1895Rio de Janeiro, 25 de junho de 1968) foi a esposa de Getúlio Vargas, 14.º e 17.º Presidente do Brasil, e a primeira-dama do país por dois períodos.

Na condição de primeira-dama, Darcy Vargas tornou-se um exemplo e uma referência para suas contemporâneas, devido à sua preocupação com as questões sociais e assistenciais.[2]

A fundação de diversas instituições criadas em sua honra e por ela mesma formam o seu maior legado.

Índice

Família e casamentoEditar

 
Dona Darci, ao lado de Getúlio.

Darcy Sarmanho nasceu em uma família gaúcha de elite. Era a filha mais moça de Antônio Sarmanho, estancieiro e comerciante, e de Alzira Lima Sarmanho. Entre seus irmãos estava o Dr. Walder ou Válder de Lima Sarmanho, Oficial da Ordem Militar de Cristo a 20 de Janeiro de 1934.[3]

Em 1911, aos quinze anos de idade, Darcy casou-se com o então advogado Getúlio Dornelles Vargas, natural da mesma cidade. As meninas, à época, eram criadas desde cedo para o casamento, às vezes interrompendo a vida escolar, o que aconteceu à Darcy. O casal Vargas, em seis anos de casamento, teve cinco filhos: Lutero (1912), Jandira (1913), Alzira (1914), Manuel Antônio (1917) e Getúlio Filho (1918).[4] Sua filha Alzira casou-se com Ernani do Amaral Peixoto.

Darcy, como esposa, sempre esteve ao lado de Getúlio nas cenas políticas. Antes da Revolução de 30, já havia demonstrado seu compromisso com o Brasil, através de obras sociais. Criou em Porto Alegre a chamada "Legião da Caridade", formada por mulheres da elite gaúcha que ajudavam a produzir roupas e angariar e distribuir alimentos para famílias cujos homens participavam, ao lado de Getúlio, da Revolução.

Os adultérios de VargasEditar

O diário de Getúlio Vargas, que cita mais de 1300 pessoas, menciona uma mulher misteriosa alcunhada de bem-amada, luz balsâmica e encanto da minha vida, por quem declarou estar apaixonado em abril de 1937. A mulher é supostamente a paranaense Aimée Sotto Mayor Sá, que foi esposa de Luís Simões Lopes, chefe de gabinete de Vargas. Aimée significa amada em francês. Os lugares de encontro mencionados são Poços de Caldas e São Lourenço.[5]

Independente de quem fora realmente a bem-amada, o relacionamento durou até maio de 1938 e causou uma crise doméstica entre Getúlio e Darcy Vargas.[6] Em um dado momento do casamento, eles passaram a dormir em camas separadas.[7]

Na mesma época da bem-amada, houve boatos de que Getúlio estava tendo um caso com a poetisa Adalgisa Nery. O próprio Benjamim Vargas, irmão de Getúlio, alertou o presidente de tais rumores; porém, este teria respondido: "Bobagem! Isso é gabolice do Lourival! Ele é que espalha para se gabar!". De acordo com Ivan Nery, filho de Adalgisa, sua mãe e a primeira-dama eram amigas.

A amante mais famosa de Getúlio Vargas foi a jovem atriz Virgínia Lane (1920-2014); eles tiveram um relacionamento que durou mais de dez anos.

Ao longo de todo o diário, Getúlio insinua dezenas de vezes ter tido aventuras extraconjugais passageiras, chamadas de amores mercenários por ele mesmo.

Primeira-dama do BrasilEditar

 
Os casais Vargas e Roosevelt.

Período (1930-1945)Editar

Nas décadas de 1930 e 1940, a primeira-dama trabalhou no Abrigo Cristo Redentor e criou a Fundação Darcy Vargas em 1938, cujo principal projeto foi a Casa do Pequeno Jornaleiro, a qual atua até hoje no bairro da Saúde educando 300 jovens pobres e cuidando deles.

Após a declaração do ingresso do Brasil na Segunda Guerra Mundial em 1942, a primeira-dama criou a Legião Brasileira de Assistência (LBA), da qual se tornou a primeira presidente. A LBA tinha como função ajudar familiares de soldados brasileiros enviados à Segunda Guerra Mundial.

Em fevereiro de 1943, Dona Darcy sofreu a perda de seu filho mais jovem, Getúlio Filho, que morreu de pólio aos vinte e três anos. De luto, afastou-se da presidência da Legião Brasileira de Assistência até outubro daquele ano. Passou a compor álbuns e a coletar recortes de jornais, em memória do filho falecido.

Darcy e outras mulheres, através de campanhas na imprensa, conseguiram popularizar a Legião Brasileira de Assistência, e milhares de mulheres voluntárias inscreveram-se nos cursos do órgão. Algumas foram preparadas para atuar na proteção da população caso houvesse bombardeio; outras foram encarregas de ensinar às donas de casa a prática da economia de alimentos; as socorristas samaritanas responsabilizavam-se pelo o atendimento de enfermagem; e legionárias da costura produziam materiais médico-hospitalares e roupas para os soldados. Havia também outros tipos de serviços, como a organização da biblioteca do combatente (pelas madrinhas).

Período (1951-1954)Editar

Durante a grande seca no início da década de 1950, Dona Darcy visitou e ajudou os flagelados nos estados atingidos.

A primeira-dama promoveu a aquisição de toneladas de leite em pó dos Países Baixos para a população infantil e, graças à ajuda de empresas privadas, obteve o meio de transporte gratuitamente.

Além disso, Darcy Vargas adquiriu, por doações, na Alemanha, o primeiro hospital volante.

Promoveu a assistência a vítimas das enchentes do rio Amazonas.

Mesmo após o suicídio de Vargas, ela continuou trabalhando na Fundação.

MorteEditar

Dona Darcy Vargas faleceu às 8 horas do dia 25 de junho de 1968, aos setenta e dois anos de idade (mesma idade em que Getúlio Vargas cometeu suicídio).

Seu corpo, após o velório na capela da Casa do Pequeno Jornaleiro, foi enterrado no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, próximo à lápide de Getúlio Vargas Filho, conforme seu desejo.

Representações na culturaEditar

Foi interpretada pela atriz Clarisse Abujamra no filme Getúlio, em 2014.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Na antiga norma ortográfica, grafava-se Darcy Sarmanho Vargas
  2. «Escola Darcy Vargas». Consultado em 1 de julho de 2008. Arquivado do original em 1 de março de 2009 
  3. [1]
  4. A construção de uma personagem: a trajetória de Darcy Vargas[ligação inativa]
  5. Blog do Itaim
  6. «A vida sexual no Estado Novo». Consultado em 8 de novembro de 2008. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2008 
  7. Trabalhadores do Brasil - Darcy Vargas
  8. «Encontro reúne cinema e história em torno de 'Getúlio'». O Globo. 6 de maio de 2014. Consultado em 8 de agosto de 2019 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Darci Vargas


Precedido por
Carmela Dutra
18.ª Primeira-dama do Brasil
19511954
Sucedido por
Jandira Café
Precedido por
Sofia Pais de Barros
15.ª Primeira-dama do Brasil
19301945
Sucedido por
Luzia Linhares
Precedido por
Carlinda Borges
Primeira-dama do Estado do Rio Grande do Sul
19281930
Sucedido por
Delminda Aranha