Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dark Tranquillity
A banda em concerto em 2005
Informação geral
Origem Gotemburgo
País  Suécia
Gênero(s) death metal melódico
Período em atividade 1989 - atualmente
Gravadora(s) Century Media, Osmose, Spinefarm
Integrantes Mikael Stanne
Niklas Sundin
Martin Henriksson
Anders Jivarp
Martin Brändström Christopher Amott assumindo as guitarras para turne 2017 na europa
Página oficial darktranquillity.com

Dark Tranquillity é uma das bandas pioneiras de death metal melódico (a par de In Flames e At The Gates) de Gotemburgo, Suécia.[1][2]

BiografiaEditar

Primeiros anos (1989-1993)Editar

A banda foi fundada em 1989 por Mikael Stanne (no inicio guitarrista, e mais tarde vocalista) e por Niklas Sundin (guitarrista), formaram a banda sob o nome de Septic Boiler com o intuito de tocar Thrash Metal. Mais tarde, recrutaram os membros Anders Fridén (vocalista), Martin Henriksson (baixo) e Anders Jivarp (baterista), e estava formada a primeira "line-up". Após comporem a primeira demo, decidiram mudar o nome da banda para Dark Tranquillity e mudaram também o estilo musical. Foi a partir disso que ficaram conhecidos por misturar Death Metal com harmonias de guitarras e vocais distorcidos.

Mais tarde, logo após o lançamento do primeiro álbum intitulado Skydancer, despediram Anders Fridén da banda, possivelmente devido a diferenças musicais, e Mikael Stanne passou a vocalista, sendo recrutado Fredrik Johansson para guitarrista de ritmo, e foi com esta última line-up que lançaram em 1995 o primeiro álbum de reconhecimento intitulado The Gallery.[3]

Do underground ao reconhecimentoEditar

Embora Dark Tranquillity já fosse naquela altura uma banda relativamente conhecida no underground, foi somente em 1995 quando lançaram o muito aclamado The Gallery que ficaram conhecidos em toda a Europa, e passaram a ser reconhecidos como uns dos criadores do estilo musical oriundo de Gotemburgo, o Melodic Death Metal. Neste álbum está bem patente o uso de harmonias de guitarra (vindas de influências provenientes de bandas como Iron Maiden) aliadas às influências evidentes do Death Metal sueco da altura e também de Thrash Metal, com vocais rasgados e profundos.

Em 1997 lançaram The Mind's I, apesar de ser diferente do seu antecessor, era também um álbum de qualidade, e que ajudou a cimentar o reconhecimento da banda no Metal. Depois deste álbum, despediram Fredrik Johansson por falta de empenho na banda, Martin Henriksson deixou o baixo para passar para a guitarra, contrataram Michael Nicklasson para o baixo e Martin Brändström para o teclado.

Em 1999 lançaram o álbum mais experimental da história da banda, de nome Projector, com a adição de teclados, e uma abordagem de Mikael Stanne diferente (embora continuasse a usar vocais rasgados, usou também vocais limpos).

2000 foi o ano em que voltaram a apostar numa composição mais pesada, Haven, com a consolidação do teclado nas estruturas musicais em uma forma profunda e atmosférica da banda e um abandono dos vocais limpos que havia sido frequente em Projector.

Damage Done, lançado em 2002, foi o álbum que deu uma "sapatada" nas sonoridades mais calmas da banda que já vinham sendo regra desde Projector, e foi sem dúvida a proposta musical mais agressiva e intensa desde The Mind's I e que marcou uma nova fase na carreira deste sexteto sueco.

Já em 2005, depois da banda ter feito a maior sequência de concertos de sempre, lançaram o 7º álbum, ainda mais intenso que o antecessor, chamado Character e que consolida aquilo que esta banda realmente é, uns constantes inovadores dum gênero no qual foram uns dos pioneiros, sem nunca lançarem um álbum igual.

Dois anos depois, em 2007, lançaram Fiction, uma evolução natural, e que em termos líricos, pela primeira vez Mikael Stanne se focou mais em ficção, escrevendo sobre pessoas imaginárias em vez de escrever sobre ele próprio como era de costume.

Em setembro de 2009 a banda entrou em estúdio para gravar aquele que será o sucessor de Fiction. O novo álbum intitulado We Are the Void, foi lançado dia 1 de março de 2010 em todo o mundo (salvo algumas excepções).[4]

IntegrantesEditar

Ex-integrantesEditar

Músicos adicionaisEditar

Linha do tempoEditar

 

DiscografiaEditar

Referências

  1. Serba, John. «The Gallery - Dark Tranquillity». AllMusic. Consultado em 7 de dezembro de 2011 
  2. sobrevivaemsaopaulo.com.br (1 de setembro de 2017). «Invasão do metal sueco: Dark Tranquillity, In Flames e Hammerfall fazem shows no Brasil». Consultado em 15 de outubro de 2019 
  3. roadie-metal.com (17 de agosto de 2017). «Cronologia: Dark Tranquillity – The Gallery (1995)». Consultado em 15 de outubro de 2019 
  4. Century Media. «DARK TRANQUILLITY». Consultado em 15 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Dark Tranquillity