Daytona 500

Daytona 500
Daytona International Speedway.svg
Traçado do circuito
Detalhes da corrida
Categoria NASCAR
Circuito Daytona International Speedway
Local Daytona Beach, Flórida, EUA
Voltas 200
Distância 500 milhas/800 km
Detalhes da história
Primeira prova 1959
Mais vitórias
(piloto)
Richard Petty (7)
Mais vitórias
(construtores)
Petty Enterprises (9)
Mais vitórias
(motor)
Chevrolet (24)
Nomes anteriores Inaugural 500 Mile International Sweepstakes (1959)

Second Annual 500 Mile International Sweepstakes (1960)

Daytona 500 by STP (1991–1993)

Daytona 500 by Dodge (2001)

Daytona 500 by Toyota (2007)

Daytona 500 (1961–1990, 1994–2000, 2002–2006, 2008–presente)

Detalhes do circuito
Superfície Asfalto
Distância 2,5 milhas/4 km
Curvas 4

A Daytona 500 ou as 500 Milhas de Daytona é uma corrida automobilística da NASCAR Cup Series realizada anualmente no Daytona International Speedway, em Daytona Beach, na Flórida. A prova percorre 500 milhas (800 km) e é disputada desde 1959 percorrendo 200 voltas no circuito de Daytona International Speedway na cidade de Daytona Beach, na Flórida. É a primeira de duas corridas da Copa realizadas todos os anos em Daytona, sendo a segunda a Coca Zero 400, e uma das três realizadas na Flórida, com o confronto anual de primavera Ford EcoBoost 400 que é realizado em Homestead, ao sul de Miami. A Daytona 500 inaugural foi realizado em 1959 coincidindo com a abertura da pista e desde 1982 é a corrida de abertura da temporada da NASCAR.[1]

A Daytona 500 é considerada a corrida mais importante e prestigiosa do calendário da NASCAR, levando de longe a maior premiação. Os pontos do campeonato concedidos são iguais aos de qualquer outra corrida da NASCAR Cup Series. É também a primeira corrida do ano na série; esse fenômeno é único nos esportes, que tendem a ter campeonatos ou outros eventos importantes no final da temporada, e não no início. Desde 1995, a audiência da televisão dos Estados Unidos para o Daytona 500 tem sido a mais alta em qualquer corrida de automóveis do ano, superando a líder tradicional, as 500 milhas de Indianápolis que, por sua vez, supera em muito a Daytona 500 em público na pista e audiência internacional. O Daytona 500 de 2006 atraiu a sexta maior audiência média global de TV ao vivo de qualquer evento esportivo daquele ano, com 20 milhões de telespectadores.[2]

A corrida serve como evento final da Speedweeks e também é conhecida como "The Great American Race" ou " Super Bowl of Stock Car Racing". Desde o seu início, a corrida foi realizada em meados de fevereiro. De 1971 a 2011, e novamente desde 2018, o evento esteve associado ao fim de semana do Dia dos Presidentes, que ocorre no domingo antes da terceira segunda-feira de fevereiro. Em oito ocasiões, a corrida foi disputada no Dia dos Namorados. Desde 1997, o vencedor do Daytona 500 foi presenteado com o Harley J. Earl Trophy em Victory Lane, e o carro vencedor é exibido na condição de vencedor da corrida por um ano no Daytona 500 Experience, um museu e galeria adjacente ao Daytona International Speedway.

HistóriaEditar

A corrida é a sucessora direta das corridas mais curtas realizadas no Daytona Beach Road Course. Essa longa praça ficava parcialmente na areia e também na rodovia perto da praia. Eventos anteriores incluíram corridas de 200 milhas (320 km) com stock cars. Uma corrida de stock car de 500 milhas (805 km) foi realizada na Daytona International Speedway em 1959. Foi a segunda corrida de 500 milhas da NASCAR, após a Bojangles' Southern 500, e tem sido realizada todos os anos desde então. Em 1961, ela começou a ser referida como o Daytona 500,[3] pelo qual ainda é conhecida.

 
Vista aérea do circuito.

Daytona International Speedway tem 2,5 milhas (4 km) de comprimento e uma corrida de 500 milhas requer 200 voltas para ser concluída. No entanto, a corrida foi considerada oficial após a metade (100 voltas/250 milhas) ter sido completada de 1959-2016. De 2017-2019, a corrida foi considerada oficial após a conclusão da Etapa 2 (120 voltas/300 milhas) quando a corrida por etapas foi introduzida. Em 2020, eles revisaram a regra na qual uma corrida é considerada oficial no meio do caminho ou na conclusão da Etapa 2 (o que ocorrer primeiro, neste caso no meio do caminho). A corrida foi encurtada quatro vezes devido à chuva (em 1965, 1966, 2003 e 2009) e uma vez em resposta à crise energética de 1973. Desde a adaptação da regra de chegada sem bandeira amarela em 2004, a corrida passou de 500 milhas em nove ocasiões (2005, 2006, 2007, 2010, 2011, 2012, 2015, 2019 e 2020). Foram necessárias duas tentativas para terminar a corrida em 2010, 2011 e 2020. A corrida de 2020 é a mais longa disputada do Daytona 500, com duração de 209 voltas/522,5 milhas.

1959-1969Editar

Lee Petty, patriarca de uma famosa família de corredores, cujo membro mais famoso é seu filho Richard Petty, ganhou a primeira Daytona 500 em 22 de fevereiro de 1959 ao derrotar Johnny Beauchamp de uma forma incomum. Petty e Beauchamp ultrapassaram Joe Weatherly na reta final, após o que os oficiais inicialmente concederam a Beauchamp a vitória depois que três carros cruzarem a linha de chegada lado a lado. Depois de ver fotos e clipes de filmes várias vezes, o veredicto foi revisado três dias depois e Lee Petty foi declarado o vencedor. Em 1964, Richard Petty conduziu seu Plymouth com o novo motor Hemi 184 nas 200 voltas e venceu a Daytona 500 daquele ano. O Plymouth conquistou o primeiro, segundo e terceiro lugares.

A primeiro Daytona 500 a ser interrompida prematuramente devido à chuva foi a corrida de 1965. O líder Marvin Panch e Fred Lorenzen bateram na volta 129, quando começou a chover. Panch saiu da pista e Lorenzen venceu a corrida após um total de 133 voltas. Richard Petty venceu a Daytona 500 de 1966, que também teve de ser interrompida prematuramente na volta 198 devido à chuva. A corrida de 1967 viu um Mario Andretti formidável. Ele liderou 112 de 200 voltas, incluindo as últimas 33 voltas, e venceu a corrida. Foi a única corrida da NASCAR que Andretti conseguiu vencer.[4]

1970-1979Editar

A corrida de 1970 teve Cale Yarborough ditando o ritmo desde o início e dirigindo com uma velocidade média de 194,015 mph (312,237 km/h). Sua velocidade extrema teve consequências ruins, porque logo após a bandeira verde, alguns pilotos começaram a ter problemas. Primeiro foi Richard Petty, depois o próprio Yarborough, que teve de terminar a corrida cedo após 31 voltas, das quais liderava 26. Donnie Allison e A. J. Foyt foram os próximos pilotos a desistir. Mais tarde na corrida, Pete Hamilton, um piloto até então desconhecido, lutou pela liderança com Charlie Glotzbach e David Pearson. Na volta 192, Hamilton ultrapassou Pearson e assumiu a liderança, e embora Pearson continuasse tentando recuperar a liderança, Hamilton venceu a corrida. Foi a primeira das quatro vitórias de Hamilton que correu por pouco tempo, mas teve uma carreira respeitável na NASCAR. A Daytona 500 teve o maior número de espectadores até o momento nesta corrida, um total de 103.800.[5]

Em 1973, houve um duelo clássico de dois carros entre Petty e Buddy Baker. Das primeiras 150 voltas, Baker liderava 118 voltas, mas Petty estava logo atrás depois de evitar alguns problemas de motor de outros pilotos e um acidente na volta 155. Depois que os líderes Petty e Baker completaram seu último pit stop dez voltas antes do final, Petty conseguiu uma vantagem de 4,4 segundos sobre Baker. Mas Baker estava se aproximando dele, volta a volta, e a liderança era de apenas 2,5 segundos a cinco voltas do fim, mas o motor de Baker falhou. Ele teve que abandonar a corrida e Petty obteve sua quarta vitória na Daytona 500.

No início da temporada de 1974, a distância foi encurtada em dez por cento em algumas corridas devido à crise de energia. Richard Petty foi capaz de vencer a Daytona 500 duas vezes consecutivas, que teve apenas 180 voltas (450 milhas). As duas corridas de qualificação de 125 milhas também foram reduzidas para 45 voltas (112,5 milhas). Em 1976, Richard Petty foi o primeiro a cruzar a linha de largada com uma volta antes do final da corrida, mas foi ultrapassado por David Pearson na reta posterior. Petty tentou ultrapassar Pearson na última curva, mas não conseguiu completar a manobra. Eles colidiram e giraram na grama no campo interno a poucos metros da linha de chegada. Petty não conseguiu ligar o carro, mas Pearson manteve o carro funcionando e cruzou a linha de chegada como o vencedor. A corrida de 1978 não foi fácil para Bobby Allison. Ele veio para a corrida com uma sequência de 67 derrotas consecutivas, mas com onze voltas para o final, ele dirigiu seu Bud Moore Ford passando por Buddy Baker para assumir a liderança. Ele não desistiu nas últimas voltas e comemorou sua primeira vitória na Daytona 500.[6]

A Daytona 500 de 1979 foi a primeira corrida de 500 milhas a ser transmitida ao vivo pela televisão nacional. A transmissão de televisão mostrou várias imagens a bordo e várias câmeras montadas ao longo do percurso. Por causa de um acidente na última volta que levou a uma briga entre os líderes Cale Yarborough e Donnie Allison (junto com o irmão de Donnie, Bobby Allison), a NASCAR teve muita publicidade negativa. Donnie Allison liderou a corrida na última volta. Cale Yarborough tentou ultrapassá-lo no final da reta traseira, mas Allison bloqueou sua passagem. Não querendo perder terreno, Yarborough decidiu ultrapassar Allison por dentro, mas suas rodas esquerdas saíram da pista e bateram na grama. Ele perdeu o controle do carro e atingiu Allison na lateral no final da reta traseira. Quando os dois pilotos tentaram manter seus carros na pista, eles se tocaram várias vezes antes de finalmente colidirem com a parede na curva três. Depois que os dois carros foram parar na grama, Donnie Allison e Cale Yarborough começaram a discutir violentamente. Depois que eles pareceram resolver a situação Bobby Allison, que já havia levado uma volta, dirigiu até os dois e defendeu seu irmão. Então uma briga selvagem começou. Richard Petty, que estava meia volta atrás, se manteve na frente e venceu. Houve muita repercursão e a notícia saiu na primeira página da seção de esportes do The New York Times.[7]

1980-1989Editar

Buddy Baker iniciou a nova década com a Daytona 500 mais rápida da história. Ele venceu com uma velocidade média de 177,602 mph (285,809 km/h). A corrida de 1981 viu Richard Petty assumir um grande risco para ganhar sua sétima Daytona 500. Faltando 24 voltas para o fim, Petty fez sua última parada programada, mas em vez de colocar quatro pneus novos, seu carro foi apenas reabastecido. Acabou sendo uma decisão muito boa e Petty ganhou a corrida. Ele se tornou o único piloto que conseguiu vencer a Daytona 500 em três décadas diferentes.

Em 1983, Cale Yarborough se tornou o primeiro piloto a gerenciar uma volta de qualificação de mais de 200 mph (320 km/h). No entanto, Yarborough sofreu um acidente em sua segunda volta de qualificação e capotou na Curva 4. Seu carro teve que ser retirado da participação e a volta recorde não contou. Apesar do acidente, Yarborough chegou à vitória no dia seguinte com um carro substituto. Um ano depois - 1984 - ele estabeleceu o recorde com uma velocidade média de 201,848 mph (324,828 km/h). Em 1987, Bill Elliott estabeleceu o recorde que ainda hoje se mantém: ele fez uma volta de qualificação de 338,532 km/h (210,364 mph). Ele então venceu a corrida pela segunda vez em sua carreira, tendo vencido a corrida dois anos antes, em 1985.[8]

Entre os dois anos - em 1986 - houve uma corrida espetacular entre Dale Earnhardt e Geoff Bodine, que lutou pela vitória nas últimas 70 voltas. Earnhardt liderou dez voltas e Bodine 60. Quando faltavam três voltas para o final, Earnhardt entrou no box porque ficou sem gasolina. Quando ele saiu dos boxes novamente, Earnhardt destruiu seu pistão e Geoff Bodine venceu com uma vantagem de 11,26 segundos porque ele era um pouco mais econômico com sua gasolina.

Na Daytona 500 de 1988, as novas placas restritoras foram usadas nas corridas de superspeedway pela primeira vez. Eles tiveram a tarefa de desacelerar os carros por meio de limitadores de fluxo de ar, pois eles haviam atingido uma velocidade muito alta nos últimos anos. Antes da corrida, ninguém sabia realmente como seria a nova introdução. No final, Bobby Allison venceu à frente de seu filho Davey Allison. Ambos celebraram juntos na Victory Lane. Isso fez de Bobby Allison o piloto mais velho a vencer a Daytona 500. Na corrida também houve um grave acidente com Richard Petty na volta 106. Petty girou, ficou no ar e seu carro subiu e foi jogado na cerca de segurança. Depois de parar na pista, A. J. Foyt e Brett Bodine colidiram com seu carro, que se partiu ao meio. No entanto, Petty conseguiu escapar sem ferimentos significativos. Darrell Waltrip venceu o Daytona 500 em 1989 após 17 tentativas. Os fãs aplaudiram o vencedor com gritos altos e, após ser questionado por um repórter, Waltrip gritou para a câmera: “Ganhei o Daytona 500! Ganhei o Daytona 500!” Ele também dançou na Victory Lane.[9]

1990-1999Editar

 
Trabalho de troca de pneus nos boxes.

Depois de anos tentando vencer a Daytona 500, Dale Earnhardt teve a melhor chance em 1990. A sete voltas do final, estava em terceiro e, portanto, com grandes chances. Com a bandeira amarela, todos foram para os boxes, exceto Derrike Cope. Após o reinício na volta 195, Earnhardt ultrapassa Derrike Cope e assumiu a liderança novamente. Mas na última volta Earnhardt passou por cima de uma pequena peça de metal, que foi jogada na pista por Rick Wilson depois que o motor dele explodiu e seu pneu estourou. Derrike Cope ultrapassou Earnhardt e venceu sua primeira corrida da NASCAR. Earnhardt também não se saiu melhor em 1991. Quando faltavam seis voltas para o fim, foi ultrapassado por Ernie Irvan enquanto estava em primeiro lugar e, mais tarde, quando faltavam ainda duas voltas para o fim, chegou a rodopiar e colidir com Davey Allison e Kyle Petty. Irvan chegou à vitória sob a bandeira amarela.

Em 1992, Davey Allison ganhou sua única Daytona 500 depois de superar um acidente "Big One" na volta 92 sem nenhum arranhão. Ele então liderou as últimas 102 voltas até a vitória. Em 1993, Jeff Gordon dirigiu na sua primeira Daytona 500 e terminou entre os cinco primeiros. Na volta 170, Rusty Wallace tentou evitar um acidente, mas perdeu o controle e rodou várias vezes no campo interno da reta oposta. A duas voltas do fim, Dale Jarrett, terceiro colocado, foi empurrado por Geoff Bodine e ultrapassou o segundo Jeff Gordon. Ele até tentou passar por Earnhardt e conseguiu isso com um pequeno toque. Jarrett venceu a corrida e foi a quarta vez que Dale Earnhardt estava na liderança a menos de dez voltas do fim e não conseguiu vencer. Sterling Marlin venceu a corrida de 1994 com a última gota de gasolina no tanque. Muitos de seus outros competidores não conseguiram lutar pela vitória devido à falta de combustível. Lake Speed ​​teve que ir para os boxes novamente com três voltas para terminar em quarto lugar. Foi exatamente o mesmo para Mark Martin, que teve de ir para o box em terceiro lugar a duas voltas do fim.[10]

Em 1995, Sterling Marlin crucou a linha de chegada em primeiro novamente, tornando-se o primeiro piloto desde Cale Yarborough a vencer a Daytona 500 duas vezes consecutivas. Dale Earnhardt terminou em segundo depois de melhorar de 17 para segundo nas últimas voltas. Mas Earnhardt não encontrou nenhuma maneira de ultrapassar Sterling Marlin e seguiu sem uma vitória do Daytona 500 até aquele ano. Em 1998, Dale Earnhardt conseguiu vencer o Daytona 500 pela primeira vez após 20 tentativas.[11]

2000-2009Editar

Na última curva da última volta na Daytona 500 em 2001, o super astro da NASCAR Dale Earnhardt morreu após um acidente aparentemente inofensivo em que foi empurrado por Rusty Wallace. Ele perdeu o controle de seu carro e bateu na parede externa quase de frente depois de outro contato. O impacto foi tão forte que sua cabeça disparou para a frente e a base do crânio se quebrou. Ele morreu a caminho do hospital. Em um acidente na volta 173 envolvendo 18 carros, Tony Stewart capotou e a corrida recebeu a bandeira vermelha brevemente para limpar os muitos destroços. Michael Waltrip fez sua primeira corrida pela equipe Dale Earnhardt, Inc. e venceu. Seu companheiro de equipe, Dale Earnhardt Jr., filho da vítima, ficou em segundo. Ambos os carros pertenciam a Dale Earnhardt, que estava em terceiro lugar até seu acidente fatal.[12]

Em 2002, Sterling Marlin e Jeff Gordon lutaram pela liderança. Mas ambos se tocaram e Gordon apareceu, enquanto um acidente em massa se desenvolvia atrás dele. A corrida foi brevemente interrompida com a bandeira vermelha quando Marlin recebeu uma mensagem de rádio informando que seu para-lama estava dobrado e danificado. Marlin saiu do carro e endireitou o para-choque. Mas os funcionários da NASCAR lhe interromperam imediatamente, já que ninguém tem permissão para fazer alterações em seus carros enquanto a bandeira vermelha estiver em curso. Sterling Marlin foi enviado para o final do grid, abrindo caminho para a vitória de Ward Burton. Em 2003 Michael Waltrip venceu depois que a corrida terminou na volta 109 devido à chuva. No ano seguinte, Dale Earnhardt Jr. ganhou sua primeiro Daytona 500. Também foi algo especial, já que seu falecido pai venceu a corrida pela primeira vez exatamente três anos antes.

Em 2005, Jeff Gordon venceu sua terceira Daytona 500 e um ano depois seu companheiro de equipe Jimmie Johnson venceu a corrida. A Daytona 500 de 2007 aconteceu exatamente seis anos depois que Dale Earnhardt perdeu a vida em um acidente na última volta. Foi a primeira corrida da NASCAR Nextel Cup com um fabricante não americano, a Toyota. Kevin Harvick venceu a corrida com 0,020 segundos à frente de Mark Martin, que foi ultrapassado por Harvick a poucos metros da linha de chegada. Foi o segundo resultado mais próximo na época, após a corrida de 1959, quando Lee Petty foi declarado o vencedor três dias depois.

2010-2019Editar

 
A corrida de 2004.

A 52ª edição da Daytona 500 em 2010 foi a mais longa Daytona 500 de todos os tempos até então, com uma duração total de cerca de 6 horas e 10 minutos. Como parte do asfalto da pista se soltou na curva 2 e os trabalhadores da pista tiveram que consertá-la, a corrida foi interrompida duas vezes pela bandeira vermelha. Isso resultou em um atraso total de aproximadamente 2 horas e 30 minutos. Já o ano de 2011 marcou o décimo ano após a morte de Dale Earnhardt. Em homenagem a Dale Earnhardt, a terceira rodada se transformou em uma volta silenciosa, em que os apresentadores de TV e rádio ficaram em silêncio e os fãs ergueram três dedos no ar, o que corresponde ao seu número inicial mais famoso, o número 3.

Em 2012 a corrida teve que ser adiada de domingo para segunda-feira pela primeira vez na história devido à forte chuva. O início foi adiado das 13h00 para as 19h00 devido a mais chuvas Então houve outra estreia: a corrida foi realizada pela primeira vez à noite e sob holofotes. Durante uma bandeira amarela na volta 160, Juan Pablo Montoya perdeu o controle de seu carro e bateu em um caminhão de segurança equipado com uma turbina de helicóptero (para secar a pista). Montoya e o motorista do caminhão sobreviveram ao acidente ilesos, apesar da explosão. Após um intervalo de duas horas, a corrida voltou. A prova então durou até a 1h da manhã da terça-feira. Matt Kenseth levou a vitória à frente de Dale Earnhardt, Jr. e Greg Biffle. Em 2013, Danica Patrick foi a primeira mulher a garantir a pole position em uma corrida da Sprint Cup Series. Patrick também foi a primeira mulher a liderar em duas voltas (90, 91) e alcançou a 8ª colocação, a melhor posição que uma mulher já alcançou na Sprint Cup. A vitória da corrida foi para Jimmie Johnson pela segunda vez desde 2006 .

Em 2014, o lendário carro número 3 - agora pilotado por Austin Dillon - fez seu retorno e foi capaz de reivindicar a pole position. Depois de quase 40 das 200 voltas concluídas, a corrida teve de ser interrompida porque a chuva forte e um alerta de tornado impossibilitaram a continuação da jornada. A corrida continuou sob holofotes após o intervalo de seis horas. Uma bandeira amarela pouco antes do final da corrida reuniu o leque de pilotos que entretanto haviam sido severamente dizimados por vários acidentes. No final, Dale Earnhardt Jr., que liderava após o reinício, prevaleceu no sprint de chegada e garantiu seu segundo sucesso na Daytona 500 depois de 2004. Denny Hamlin venceu a corrida em 2016 com uma vantagem de 0,010 segundos sobre Martin Truex junior, com a chegada mais próxima da história da corrida.[13] Anteriormente, Hamlin já tinha feito 94 voltas na frente, mas no início da última volta ele estava apenas em quarto lugar.

2020-presenteEditar

Na corrida de 2020 chuvas contínuas fizeram com que a disputa fosse adiada por um dia, pela primeira vez em oito anos.[14] Na retomada Denny Hamlin venceu sua terceira Daytona 500, naquela que foi considerada a segunda chegada mais apertada da história da corrida, embora a vitória tenha sido ofuscada por um terrível acidente de Ryan Newman na volta final, que foi enviado para um hospital próximo.[15] Em 2021 a volta 14 teve um acidente envolvendo 16 carros que ocorreu antes da corrida receber a bandeira vermelha devido à chuva. Após uma paralisação de 5 horas e 40 minutos, a corrida foi retomada com Denny Hamlin vencendo as duas primeiras etapas. Na última volta, Joey Logano e Brad Keselowski, ambos da equipe Penske, bateram na curva 3 quando estavam em primeiro e segundo lugar, abrindo caminho para Michael McDowell alcançar primeira vitória de sua carreira.[16]

Procedimento de qualificaçãoEditar

 Ver artigo principal: Can-Am Duels

O procedimento de qualificação é exclusivo para o Daytona 500. A primeira linha é definida por uma rodada cronometrada de qualificação, realizada uma semana antes da corrida (antes de 2003, eram duas rodadas; antes de 2001, eram três). O restante do grid é definido por duas corridas de qualificação separadas (estas foram 100 milhas (160 km) de 1959 a 1967; 125 milhas (201 km) de 1969 a 2004; e 150 milhas (240 km) com duas voltas extras, se necessário, a partir de 2005 (essas corridas não foram realizadas em 1968 devido à chuva). Os dois primeiros pilotos das corridas de qualificação que não estavam entre os 35 primeiros em pontos de dono receberam vagas no grid, e o resto do grid foi fixado pela ordem de chegada dos duelos, com vagas garantidas aos 35 primeiros. As vagas restantes, 40 a 43, são preenchidas pelos melhores tempos de qualificação daqueles que ainda não estavam no grid da corrida de qualificação. Se houver um campeão da NASCAR sem vaga, ele conseguiria uma dessas quatro vagas, caso contrário, o quarto carro mais rápido seria adicionado ao grid.

Antes de 2005 - e começando novamente em 2013 - depois que os dois primeiros carros são definidos, os quatorze melhores carros nas corridas de qualificação avançam para o grid, e então entre seis (1998-2003), oito (1995-97, 2004) ou 10 (até 1994) carros mais rápidos que não avançam da corrida de qualificação são adicionados, em seguida, os carros entre os 35 primeiros em pontos do proprietário não bloqueados na corrida e, em seguida, o piloto com o campeonato provisório, exceto em 1985, quando esse carro não foi elegível para um ponto inicial provisório, sendo a única vez que aconteceu na Daytona 500 desde quando o provisório foi adicionado em 1976 até 2004.[17]

Vencedores da Daytona 500Editar

Ano Data Grid No. Piloto Equipe Marca Distância Tempo Média de veloc.
(mph)
Voltas Milhas (Km)
1959 22 de fevereiro 15º 42 Lee Petty Petty Enterprises Oldsmobile 200 500 (804.672) 3:41:22 135.521
1960 24 de fevereiro 27 Junior Johnson John Masoni Chevrolet 200 500 (804.672) 4:00:30 124.74
1961 26 de fevereiro 20 Marvin Panch Smokey Yunick Pontiac 200 500 (804.672) 3:20:32 149.601
1962 18 de fevereiro Pole 22 Fireball Roberts Jim Stephens Pontiac 200 500 (804.672) 3:10:41 152.529
1963 24 de fevereiro 12º 21 Tiny Lund Wood Brothers Racing Ford 200 500 (804.672) 3:17:56 151.566
1964 23 de fevereiro 43 Richard Petty Petty Enterprises (2) Plymouth 200 500 (804.672) 3:14:23 154.334
1965 14 de fevereiro 28 Fred Lorenzen Holman-Moody Ford 133* 332.5 (535.106) 2:22:56 141.539
1966 27 de fevereiro Pole 43 Richard Petty (2) Petty Enterprises (3) Plymouth 198* 495 (796.625) 3:04:54 160.927
1967 26 de fevereiro 12º 11 Mario Andretti Holman-Moody (2) Ford 200 500 (804.672) 3:24:11 146.926
1968 25 de fevereiro Pole 21 Cale Yarborough Wood Brothers Racing (2) Mercury 200 500 (804.672) 3:23:44 143.251
1969 23 de fevereiro 19º 98 LeeRoy Yarbrough Junior Johnson & Associates Ford 200 500 (804.672) 3:09:56 157.95
1970 22 de fevereiro 40 Pete Hamilton Petty Enterprises (4) Plymouth 200 500 (804.672) 3:20:32 149.601
1971 14 de fevereiro 43 Richard Petty (3) Petty Enterprises (5) Plymouth 200 500 (804.672) 3:27:40 144.462
1972 20 de fevereiro 21 A. J. Foyt Wood Brothers Racing (3) Mercury 200 500 (804.672) 3:05:42 161.55
1973 18 de fevereiro 43 Richard Petty (4) Petty Enterprises (6) Dodge 200 500 (804.672) 3:10:50 157.205
1974 17 de fevereiro 43 Richard Petty (5) Petty Enterprises (7) Dodge 180* 450 (724.205) 3:11:38 140.894
1975 16 de fevereiro 32º 72 Benny Parsons L.G. DeWitt Chevrolet 200 500 (804.672) 3:15:15 153.649
1976 15 de fevereiro 21 David Pearson Wood Brothers Racing (4) Mercury 200 500 (804.672) 3:17:08 152.181
1977 20 de fevereiro 11 Cale Yarborough (2) Junior Johnson & Associates (2) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:15:48 153.218
1978 19 de fevereiro 33º 15 Bobby Allison Bud Moore Engineering Ford 200 500 (804.672) 3:07:49 159.73
1979 18 de fevereiro 13º 43 Richard Petty (6) Petty Enterprises (8) Oldsmobile 200 500 (804.672) 3:28:22 143.977
1980 17 de fevereiro Pole 28 Buddy Baker Ranier-Lundy Oldsmobile 200 500 (804.672) 2:48:55 177.602‡
1981 15 de fevereiro 43 Richard Petty (7) Petty Enterprises (9) Buick 200 500 (804.672) 2:56:50 169.651
1982 14 de fevereiro 88 Bobby Allison (2) DiGard Motorsports Buick 200 500 (804.672) 3:14:49 153.991
1983 20 de fevereiro 28 Cale Yarborough (3) Ranier-Lundy (2) Pontiac 200 500 (804.672) 3:12:20 155.979
1984 19 de fevereiro Pole 28 Cale Yarborough (4) Ranier-Lundy (3) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:18:41 150.994
1985 17 de fevereiro Pole 9 Bill Elliott Melling Racing Ford 200 500 (804.672) 2:54:09 172.265
1986 16 de fevereiro 5 Geoffrey Bodine Hendrick Motorsports Chevrolet 200 500 (804.672) 3:22:32 148.124
1987 15 de fevereiro Pole 9 Bill Elliott (2) Melling Racing (2) Ford 200 500 (804.672) 2:50:12 176.263
1988 14 de fevereiro 12 Bobby Allison (3) Stavola Brothers Racing Buick 200 500 (804.672) 3:38:08 137.531
1989 19 de fevereiro 17 Darrell Waltrip Hendrick Motorsports (2) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:22:04 148.466
1990 18 de fevereiro 12º 10 Derrike Cope Whitcomb Racing Chevrolet 200 500 (804.672) 3:00:59 165.761
1991 17 de fevereiro 4 Ernie Irvan Morgan-McClure Motorsports Chevrolet 200 500 (804.672) 3:22:30 148.148
1992 16 de fevereiro 28 Davey Allison Robert Yates Racing Ford 200 500 (804.672) 3:07:12 160.256
1993 14 de fevereiro 18 Dale Jarrett Joe Gibbs Racing Chevrolet 200 500 (804.672) 3:13:35 154.972
1994 20 de fevereiro 4 Sterling Marlin Morgan-McClure Motorsports (2) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:11:10 156.931
1995 19 de fevereiro 4 Sterling Marlin (2) Morgan-McClure Motorsports (3) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:31:42 141.71
1996 18 de fevereiro 88 Dale Jarrett (2) Robert Yates Racing (2) Ford 200 500 (804.672) 3:14:25 154.308
1997 16 de fevereiro 24 Jeff Gordon Hendrick Motorsports (3) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:22:18 148.295
1998 15 de fevereiro 3 Dale Earnhardt Richard Childress Racing Chevrolet 200 500 (804.672) 2:53:42 172.712
1999 14 de fevereiro Pole 24 Jeff Gordon (2) Hendrick Motorsports (4) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:05:42 161.551
2000 20 de fevereiro Pole 88 Dale Jarrett (3) Robert Yates Racing (3) Ford 200 500 (804.672) 3:12:43 155.669
2001 18 de fevereiro 19º 15 Michael Waltrip Dale Earnhardt, Inc. Chevrolet 200 500 (804.672) 3:05:26 161.783
2002 17 de fevereiro 19º 22 Ward Burton Bill Davis Racing Dodge 200 500 (804.672) 3:29:50 130.81
2003 16 de fevereiro 15 Michael Waltrip (2) Dale Earnhardt, Inc. (2) Chevrolet 109* 272.5 (438.546) 2:02:08 133.87
2004 15 de fevereiro 8 Dale Earnhardt Jr. Dale Earnhardt, Inc. (3) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:11:53 156.341
2005 20 de fevereiro 15º 24 Jeff Gordon (3) Hendrick Motorsports (5) Chevrolet 203* 507.5 (816.742) 3:45:16 135.173
2006 19 de fevereiro 48 Jimmie Johnson Hendrick Motorsports (6) Chevrolet 203* 507.5 (816.742) 3:33:26 142.667
2007 18 de fevereiro 34º 29 Kevin Harvick Richard Childress Racing (2) Chevrolet 202* 505 (812.719) 3:22:55 149.333
2008 17 de fevereiro 12 Ryan Newman Penske Racing Dodge 200 500 (804.672) 3:16:30 152.672
2009 15 de fevereiro 39º1 17 Matt Kenseth Roush Fenway Racing Ford 152* 380 (611.551) 2:51:40 132.816
2010 14 de fevereiro 13º 1 Jamie McMurray Earnhardt Ganassi Racing Chevrolet 208* 520 (836.859) 3:47:16 137.284
2011 20 de fevereiro 32º 21 Trevor Bayne Wood Brothers Racing (5) Ford 208* 520 (836.859) 3:59:24 130.326
2012 27–28* de fevereiro 17 Matt Kenseth (2) Roush Fenway Racing (2) Ford 202* 505 (812.719) 3:36:02 140.256
2013 24 de fevereiro 48 Jimmie Johnson (2) Hendrick Motorsports (7) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:08:23 159.25
2014 23 de fevereiro 88 Dale Earnhardt Jr. (2) Hendrick Motorsports (8) Chevrolet 200 500 (804.672) 3:26:29 145.29
2015 22 de fevereiro 22 Joey Logano Team Penske (2) Ford 203* 507.5 (816.742) 3:08:02 161.939
2016 21 de fevereiro 11º 11 Denny Hamlin Joe Gibbs Racing (2) Toyota 200 500 (804.672) 3:10:25 157.549
2017 26 de fevereiro 41 Kurt Busch Stewart-Haas Racing Ford 200 500 (804.672) 3:29:31 143.187
2018 18 de fevereiro 14º 3 Austin Dillon Richard Childress Racing (3) Chevrolet 207* 517.5 (832.836) 3:26:15 150.545
2019 17 de fevereiro 10º 11 Denny Hamlin (2) Joe Gibbs Racing (3) Toyota 207* 517.5 (832.836) 3:45:55 137.440
2020 16-17* de fevereiro 39º2 11 Denny Hamlin (3) Joe Gibbs Racing (4) Toyota 209* 522.5 (840.882) 3:42:10 141.11
2021 14-15* de fevereiro 17º 34 Michael McDowell Front Row Motorsports Ford 200 500 (804.672) 3:28:05 144.416

‡ – Recorde para o Daytona 500 mais rápida em 177,602 mph (285,823 km/h) estabelecido por Buddy Baker em 1980.

NotasEditar

  • 1965–66, 2003, 2009: A corrida foi encurtada devido à chuva.
  • 1974: Corrida programada para 90% de distância em resposta à crise energética; pontuação começou na volta 21.
  • 2005–07, 2010–12, 2015, and 2018–20: A corrida foi estendida devido a uma bandeira amarela nas últimas voltas.
  • 2012: A corrida foi adiada de domingo para segunda-feira devido à chuva. (O evento de 2012 marca a primeira vez que a Daytona 500 foi transferida para segunda-feira, e a primeira corrida noturna do Daytona 500.)[18]
  • 2020, 2021: A corrida começou no domingo, mas foi concluída na madrugada de segunda-feira devido à chuva.

1 - Originalmente começou na 39ª posição, mas teve que voltar para a 43ª posição devido à mudança para um carro reserva após bater na qualificação corridas. Um piloto que bate durante a corrida de qualificação e vai para um carro reserva, ou depois de 2003, muda o motor entre o primeiro treino após a corrida de qualificação e o Daytona 500, é relegado para o fim do grid.
2 - Começou originalmente em 21º, mas teve que voltar para a 39ª posição devido a várias inspeções reprovadas.

Pilotos com mais vitóriasEditar

Nº de vitórias Pilotos Corridas vencidas
7 Richard Petty 1964, 1966, 1971, 1973, 1974, 1979, 1981
4 Cale Yarborough 1968, 1977, 1983, 1984
3 Bobby Allison 1978, 1982, 1988
Dale Jarrett 1993, 1996, 2000
Jeff Gordon 1997, 1999, 2005
Denny Hamlin 2016, 2019, 2020
2 Bill Elliott 1985, 1987
Sterling Marlin 1994, 1995
Michael Waltrip 2001, 2003
Matt Kenseth 2009, 2012
Jimmie Johnson 2006, 2013
Dale Earnhardt Jr. 2004, 2014

Equipes com mais vitóriasEditar

Nº de vitórias Equipe Corridas vencidas
9 Petty Enterprises 1959, 1964, 1966, 1970, 1971, 1973, 1974, 1979, 1981
8 Hendrick Motorsports 1986, 1989, 1997, 1999, 2005, 2006, 2013, 2014
5 Wood Brothers Racing 1963, 1968, 1972, 1976, 2011
4 Joe Gibbs Racing 1993, 2016, 2019, 2020
3 Ranier-Lundy 1980, 1983, 1984
Morgan-McClure Motorsports 1991, 1994, 1995
Robert Yates Racing 1992, 1996, 2000
Richard Childress Racing 1998, 2007, 2018
Dale Earnhardt, Inc. 2001, 2003, 2004
2 Holman-Moody 1965, 1967
Junior Johnson & Associates 1969, 1977
Melling Racing 1985, 1987
Roush Fenway Racing 2009, 2012
Team Penske 2008, 2015

Vitórias das montadorasEditar

Nº de vitórias Montadora Corridas vencidas
24 Chevrolet 1960, 1975, 1977, 1984, 1986, 1989, 1990, 1991, 1993, 1994, 1995, 1997, 1998, 1999, 2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2010, 2013, 2014, 2018
16 Ford 1963, 1965, 1967, 1969, 1978, 1985, 1987, 1992, 1996, 2000, 2009, 2011, 2012, 2015, 2017, 2021
4 Plymouth 1964, 1966, 1970, 1971
Dodge 1973, 1974, 2002, 2008
3 Mercury 1968, 1972, 1976
Oldsmobile 1959, 1979, 1980
Pontiac 1961, 1962, 1983
Buick 1981, 1982, 1988
Toyota 2016, 2019, 2020

Estatísticas e recordes da corridaEditar

Vencedores que largaram na pole position
Piloto Ano da vitória Notas
Fireball Roberts 1962 Ganhou o Twin 125s
Richard Petty 1966
Cale Yarborough 1968, 1984 Ganhou o Twin 125s de 1984
Buddy Baker 1960
Bill Elliott 1985, 1987 Ganhou o Twin 125s de 1985 e Advance Auto Parts Clash de 1987
Jeff Gordon 1999
Dale Jarrett 2000 Ganhou o Advance Auto Parts Clash
Vitórias em família
Família Pilotos
Allison Bobby Allison (1981), Donnie Allison (1975, 1977), Irmãos; e Davey Allison (1991), Filho de Bobby.
Earnhardt Dale Earnhardt (1996), Pai; e Dale Earnhardt, Jr. (2011), Filho.
Elliott Bill Elliott (1985, 1986, 1987, 2001), Pai; e Chase Elliott (2016); Filho.
Petty Richard Petty (1966), Pai; e Kyle Petty (1993), Filho.
Vencedor como piloto e dono de equipe
Piloto/Dono de Equipe Corridas vencidas
Lee Petty Dono/Piloto:1959
Junior Johnson Piloto: 1960 e Dono de equipe: 1969, 1977
Richard Petty Dono/Piloto: 1964, 1966, 1971, 1973, 1974, 1979, 1981 e Dono: 1970
Dale Earnhardt Piloto: 1998 e Dono de equipe: 2001, 2003, 2004, 2010
Jeff Gordon Piloto: 1997, 1999, 2005 e Dono de equipe: 2006, 2013
Vitórias consecutivas
Pilotos Anos das vitórias
Richard Petty 1973, 1974
Cale Yarborough 1983, 1984
Marlin Sterling 1994, 1995
Denny Hamlin 2019, 2020
Pilotos com mais poles positions
Piloto Anos das poles
Buddy Baker 1969, 1973, 1979, 1980
Cale Yarborough 1968, 1970, 1978, 1984
Bill Elliott 1985, 1986, 1987, 2001
Ken Schrader 1988, 1989, 1990
Dale Jarrett 1995, 2000, 2005
Donnie Allison 1975, 1977
Jimmie Johnson 2002, 2008
Jeff Gordon 1999, 2015
Mais jovem e mais velho vencedor
Categoria Piloto Ano Notas
Mais velho Bobby Allison 1988 50 anos, 73 dias
Mais jovem Trevor Bayne 2011 20 anos, 1 dia
Primeira piloto mulher a correr
Janet Guthrie 1977

Vitórias em corridas importantesEditar

Pilotos que venceram a Daytona 500, alguma outra corrida importante ou o título da NASCAR no mesmo ano
Piloto Advance Auto Parts Clash Can-Am Duel Brickyard 400 Daytona 400 NASCAR (título)
Bobby Allison 1982 1988 1982
Bill Elliott 1987 1985
Dale Jarrett 1996, 2000 1998 1996
Jeff Gordon 1997 1997
Denny Hamlin 2016
Fireball Roberts 1962 1962
Cale Yarborough 1977, 1984 1968 1977
Marlin Sterling 1995
Dale Earnhardt Jr. 2004
Matt Kenseth 2012
Jimmie Johnson 2006 2013 2006, 2013
Jamie McMurray 2010
LeeRoy Yarbrough 1969
Lee Petty 1959
Richard Petty 1964, 1971, 1974, 1979
Pilotos que venceram a Daytona 500, outras corridas importantes ou títulos de campeonatos ao longo da carreira em anos diferentes
Piloto Daytona 500 500 milhas de Indianápolis Fórmula 1 (título) 24 Horas de Le Mans 24 Horas de Daytona
Mario Andretti 1967 1969 1978 1972
A.J. Foyt 1972 1961, 1964, 1967, 1977 1967 1983, 1985
Jamie McMurray 2010 2015
Pilotos cuja primeira vitória da NASCAR Cup Series foi na Daytona 500
Piloto Ano Notas
Tiny Lund 1963
Mario Andretti 1967 Única vitória da NASCAR Cup Series veio na Daytona 500
Pete Hamilton 1970
Derrike Cope 1990
Marlin Sterling 1994 Até agora o único piloto cujas duas primeiras vitórias da carreira foram o Daytona 500 de 1994 e 1995
Michael Waltrip 2001 Ganhou o Daytona 500 depois de 462 corridas sem uma vitória
Trevor Bayne 2011 Primeiro estreante a ganhar a Daytona 500; venceu a corrida em sua primeira tentativa
Michael McDowell 2021

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Chad Culver (2014). Dover International Speedway: The Monster Mile. 53: Arcadia Publishing. p. 127. ISBN 1467121371 
  2. «World's most watched TV sports events: 2006 Rank & Trends report». Initiative. 19 de janeiro de 2007. Consultado em 30 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2007 
  3. 1959, 1960, and 1961 Daytona 500 Programs
  4. Martin, Bruce (20 de fevereiro de 2015). «1967 DAYTONA 500 WIN STILL SPECIAL TO MARIO ANDRETTI». Indy Car. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  5. «PETE HAMILTON WINS THE 1970 DAYTONA 500». NASCAR. 22 de março de 2017 
  6. «1978 Daytona 500». Racing Reference. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  7. Tuite, James (19 de fevereiro de 1979). «Petty Wins Daytona After Leaders Crash on Last Lap». The New York Times. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  8. «Before restrictor plates, Bill Elliott set a winning pace that will never be equaled». ESPN. 25 de fevereiro de 2017 
  9. «DARRELL'S DAY: REMEMBERING THE 1989 DAYTONA 500, 30 YEARS LATER». NASCAR 
  10. Barclay, Corby (23 de julho de 2020). «The Unfortunate Events Of The 1994 Daytona 500». Hot Cars. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  11. Sheldon, Kathy (6 de fevereiro de 2018). «Dale Earnhardt's 1998 Daytona 500 victory». NASCAR 
  12. Dalton, Kyle (11 de fevereiro de 2021). «Did You Know Dale Earnhardt's Death at 2001 Daytona 500 Was NASCAR's Fourth Fatal Crash in a Matter of Months?». Sports Racing 
  13. «Denny Hamlin wins thrilling Daytona 500». 10 de fevereiro de 2017 
  14. «NASCAR: 2020 Daytona 500 postponed until 4 p.m. ET Monday». Sports.yahoo.com. 16 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2021 
  15. Jenna Fryer. «"Denny Hamlin wins 3rd Daytona 500; Ryan Newman hospitalized"». Washington Post. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  16. Spencer, Reid (14 de fevereiro de 2021). «Michael McDowell misses last-lap crash, scores first victory in Daytona 500». NASCAR.com. NASCAR Digital Media, LLC. Consultado em 15 de fevereiro de 2021 
  17. Martin, Mark; Bob Zeller; General Reviewer (2000). «8: First, They Gotta Qualify: How the champion's provisionals got started». In: Tere Drenth. NASCAR for Dummies. Col: A Reference for the Rest of Us. Lara Albert, Corey Bowen, John Greenough 10 ed. 909 Third Ave., New York, NY., 10022: Wiley Publishing Inc. pp. 131 of 316. ISBN 0-7645-5219-8 
  18. Blount, Terry (28 de fevereiro de 2012). «Bizarre moments dominate Daytona 500 weekend». ESPN. Consultado em 28 de fevereiro de 2012 

Ligações ExternasEditar

Sequência das Provas
Can-Am Duels << Daytona 500 >> Folds of Honor QuikTrip 500