Abrir menu principal

Denise (Mato Grosso)

Município de Mato Grosso

Denise é um município brasileiro do estado de Mato Grosso. Localiza-se a uma latitude 14º44'24" sul e a uma longitude 57º03'14" oeste, estando a uma altitude de 211 metros. Sua população estimada em 2014 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) era de 8 897 habitantes.[3] Denise limita-se com os municípios de Arenápolis, Barra do Bugres, Nova Olímpia e Alto Paraguai.

Município de Denise
Vista aérea da cidade de Denise

Vista aérea da cidade de Denise
Bandeira de Denise
Brasão de Denise
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 6 de Maio
Fundação 29 de julho de 1976 (40 anos)
Emancipação 6 de maio de 1982 (35 anos)
Gentílico denisense
Lema Amor por essa gente
Padroeiro(a) Sagrado Coração de Jesus
CEP 78.380-000
Prefeito(a) Eliane Lins da Silva (PV)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Denise
Localização de Denise em Mato Grosso
Denise está localizado em: Brasil
Denise
Localização de Denise no Brasil
14° 44' 24" S 57° 03' 14" O14° 44' 24" S 57° 03' 14" O
Unidade federativa Mato Grosso
Mesorregião Sudoeste Mato-Grossense IBGE/2008 [1]
Microrregião Tangará da Serra IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Arenápolis;
Noroeste: Tangará da Serra e Santo Afonso;
Nordeste Nortelândia;
Leste: Alto Paraguai;
Sul: Barra do Bugres;
Oeste: Nova Olímpia;
Distância até a capital estadual: 209 km
federal
: 1 286 km
Características geográficas
Área 1 300,924 km² [2]
População 8 897 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 6,84 hab./km²
Altitude 211 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,683 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ Aumento342 192 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 38,46 IBGE/2010[5]
Página oficial
Prefeitura http://www.denise.mt.gov.br/index.php
Câmara http://www.denise.mt.leg.br/index.php

HistóriaEditar

As primeiras pessoas que se tem registros que andaram por essas terras foram os seringueiros e o Senhor Adolpho Joseti, isso em 1924, explorando o látex das seringueiras aqui existentes. O produto extrativista recolhido era armazenado, e depois transportado até Barra do Bugres e embarcado em uma lancha, que levava o produto até Corumbá-MS, sendo depois exportado.[6]

José Gratidiano Dorileo foi o pioneiro na região na década de 1940. Dedicou-se à exploração de Ipecacuanha e Borracha, depois investiu em atividades garimpeiras. Após a constatação da queda de cotação comercial, tanto da ipecacuanha, como da borracha, abandonou o lugar, indo morar em Cuiabá.[6]

Júlio Costa Marques Filho, sobrinho do ex-presidente da província do Estado de Mato Grosso Doutor Joaquim Augusto da Costa Marques, e genro de José Gratidiano Dorileo contratou dois experientes corretores de imóveis e loteou o terreno onde seria a futura cidade. No projeto, Júlio da Costa Marques deu o nome de sua filha, ao futuro centro da Gleba, mais tarde a cidade de Denise.[6]

O primeiro morador a chegar ao loteamento foi o Senhor José Fernandes, trazendo uma serra que pôs a funcionar e serrar as primeiras tábuas, vigas, caibros, para a construção das primeiras casas.[6]

No ano de 1968, surgiu um grande empreendimento através da SUDAM que foi a construção de duas serrarias na Fazenda Rio dos Bugres, sendo seu proprietário o doutor Antônio Gonzáles de Ruiz, que residia em São Paulo - SP.[6]

Em 20 de setembro de 1968, chegaram as famílias de Vicente Jacinto Franco. Em 27 do mesmo mês e ano, o padre Edgar Muller, então pároco de Tangará da Serra, celebrou a primeira missa solene em Denise. E no ano de 1969 chegaram as famílias dos Dias Mendes.

Em 1976 foi criado o Distrito de Denise, pela Lei N.º 3.757 de 29 de Junho, com território jurisdicionado ao município de Barra do Bugres.[6]

No ano de 1981, o núcleo vivia em torno da agricultura de subsistência e pecuária extensiva. Nesse mesmo ano deu-se a instalação da Usina de álcool Usinas Itamarati S/A, embora situado em áreas não abrangidas pelo distrito de Denise, teve influência decisiva para a prosperidade e, sobretudo com o apoio decisivo do Senhor Raimundo Nonato de Abreu Sobrinho, Prefeito Municipal de Barra do Bugres. E assim Denise passou por várias obras de infraestrutura, como: posto de saúde, correio, centro comunitário, posto telefônico, energia com gerador a diesel e logo após energia elétrica , construção da praça central, hoje denominada Praça Brasília.[6]

O prefeito de Barra do Bugres, Raimundo Nonato Sobrinho, foi até a capital do Estado de São Paulo ter uma audiência com o empresário Olacyr Francisco de Moraes para auxiliar Denise na complementação de arrecadação de ICMS, para que fosse aprovado a Lei na Assembleia Legislativa para a sua emancipação político-administrativa. E, em 6 de Maio de 1982, Denise foi elevada a categoria de Município através da Lei n º 4453.

A pavimentação da Rodovia MT-343, em 1982, possibilitou um melhor acesso do município de Denise a capital do Estado e as cidades vizinhas.[6]

GeografiaEditar

Formação geológicaEditar

Esta estrutura integra a depressão correspondente a um amplo sinclinário, erodido e preenchido por sedimentos quartenários da formação do Pantanal. Estes sedimentos são constituídos de áreas de limo e argilas muito friáveis, parcialmente laterizados e em fase de retrabalhamento.[7]

Os solos são constituídos de áreas divididas, ocorrendo secundariamente latossolos vermelhos – amarelos. Coberturas dobradas do proterozóico com granito associados.[7]

 RelevoEditar

Com altitude média de 211 metros acima do nível do mar, o município assenta-se sobre a depressão do Alto Paraguai, sendo, portanto, parte de uma extensão de área drenada pelo alto curso do Rio Paraguai e seus afluentes. Nesta unidade geomorfológica, a superfície de relevo é pouca dissecada com caimento topográfico de norte para sul.[7]

ClimaEditar

Tropical quente e sub-úmido, com 5 meses de seca, de maio a setembro. Com precipitação anual de 1.750 mm, com intensidade máxima em dezembro, janeiro e fevereiro. Temperatura média anual de 24 ºC. Maior – 40 ºC. Menor – 0 ºC.[7][7]

EconomiaEditar

Cana-de-açúcarEditar

O município de Denise possui dois elementos fundamentais adequados para o cultivo da cana-de-açúcar: terras planas e arenosas. Esses dois fatores contribuíram para a invasão dessa cultura que invadiu pastagens e matas com plantações dessa cultura agrícola para abastecer a usina de álcool e açúcar Itamarati, localizada no Município de Nova Olímpia.[8]

Muitas fazendas e até mesmo pequenas propriedades rurais, que utilizavam suas terras na pecuária, passaram a arrendá-las para a produção de cana, diminuindo drasticamente a produção do rebanho bovino na região.

O Município perde muito em termos de arrecadação, pois para fins de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a arrecadação se dá no Município onde a usina está implantada Nova Olímpia.[8]

A melhoria que teve para o município se encontra na geração de empregos, onde a maioria da população ativa do Município encontra-se empregada na usina ou nos grupos de produtores independentes da cultura da cana-de-açúcar, diminuindo muito a taxa de desemprego que era muito alta antes da implantação da Usina.[8]

Projeto da plantação de seringaEditar

Existem no Município várias propriedades rurais que possuem seringais plantados e/ou produzindo, mas todos com pequenas áreas de cultivo e, consequentemente, baixa produção em virtude da quantidade plantada.[8]

A Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Agricultura, está desenvolvendo um projeto de estímulo à plantação dessa cultura, doando mudas (a preços simbólicos) aos produtores rurais.[8]

Este projeto visa aumentar a renda nas pequenas propriedades, aumentar a arrecadação de impostos no Município e propiciar o aumento de emprego, que hoje se encontra centrado na usina Itamarati.[8]

A manutenção dos seringais gera diversas atividades: preparação do solo, plantação das mudas, tratos culturais, extração e armazenamento do látex, gerando, além do emprego, uma renda permanente aos proprietários rurais.[8]

A diversificação de cultura no município (hoje centrada na cana-de-açúcar), por uma cultura perene trará vários benefícios a todos os Munícipes.[8]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b «Estimativa populacional 2014 IBGE». Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. a b c d e f g h «Prefeitura de Denise». www.denise.mt.gov.br. Consultado em 28 de abril de 2016 
  7. a b c d e «Prefeitura de Denise». www.denise.mt.gov.br. Consultado em 28 de abril de 2016 
  8. a b c d e f g h «Prefeitura de Denise». www.denise.mt.gov.br. Consultado em 28 de abril de 2016 

Ligações externasEditar