Abrir menu principal

Wikipédia β

Desenvolvimento do cânone do Antigo Testamento

Página do Gênesis de Viena, um manuscrito da Septuaginta grega do século VI

O Antigo Testamento é a primeira das duas seções nas quais está dividida Bíblia cristã; a segunda é o Novo Testamento. O Antigo Testamento inclui os livros da Bíblia hebraica (Tanaque), chamados de livros protocanônicos, e, em várias denominações cristãs, os livros chamados "deuterocanônicos". Católicos, protestantes e ortodoxos utilizam diferentes cânones ("conjunto de livros"), que diferem entre si em quais textos devem ser incluídos no Antigo Testamento.

Martinho Lutero, baseando-se no precedente judaico e em outros,[1] excluiu os livros deuterocanônicos do Antigo Testamento de sua tradução da Bíblia, movendo-os para uma seção que ele chamou de "Apócrifos" ("escondidos"). Para conter a "heresia" de Lutero, os católicos, na quarta sessão do Concílio de Trento (1546), confirmaram que os livros deuterocanônicos tinham a mesma autoridade que os protocanônicos no chamado "Cânone de Trento",[2] publicado no ano da morte de Lutero.[3] Seguindo o princípio "veritas hebraica" ("verdade da hebraica") de Jerônimo, o Antigo Testamento protestante consiste nos mesmos livros da Bíblia hebraica, mas com a divisão dos livros e a ordem deles alterada (são 39 na Bíblia protestante e 24 na hebraica[nota 1]).

As diferenças entre a Bíblia hebraica e as outras versões do Antigo Testamento, como o Pentateuco Samaritano, a Peshitta síria, a Vulgata latina, a Septuaginta grega, a Bíblia Etíope e outros cânones são mais substanciais. Muitos destes cânones incluem livros e seções de livros que outros descartam.

Índice

Cânone da Bíblia HebraicaEditar

 
Página do Gênesis no Codex Aleppo, o mais antigo manuscrito completo da Bíblia hebraica, do século X

A Bíblia hebraica (ou Tanaque) consiste nos 24 livros do texto massorético reconhecidos pelo judaísmo rabínico.[4] Não há consenso acadêmico sobre quando o cânone da Bíblia Hebraica foi estabelecido, mas alguns estudiosos argumentam que ele teria sido fixado pela dinastia dos asmoneus (140-40 a.C.)[5] enquanto outros defendem que ele não teria sido fixado até o século II ou mesmo depois.[6] Segundo Marc Zvi Brettler, as escrituras judaicas, com exceção da Torá e dos Profetas, era fluida, com diferentes grupos aceitando a autoridade de diferentes livros.[7]

Michael Barber afirma que as primeira e mais explícitas evidências de uma lista canônica hebraica vem da obra do historiador judeu Flávio Josefo (37-100),[8] que escreveu sobre um cânone utilizado pelos judeus no século I. Em "Contra Apião" (I, 8), Josefo, em 95, dividiu as sagradas escrituras judaicas em três partes: 5 livros da Torá, 13 livros dos Profetas (Nevi'im) e 4 livros de hinos[9]:

Pois não temos uma incontável quantidade de livros entre nós, discordando entre eles e se contradizendo, [como os gregos têm] mas apenas vinte e um livros, que contém os registros de todo o passado; que são justamente acreditados como sendo divinos; e deles, cinco pertencem a Moisés, que contém suas leis e as tradições da origem da humanidade até sua morte. Este intervalo de tempo corresponde a pouco menos de três mil anos; mas para o período da morte de Moisés até o reinado de Artaxerxes, rei da Pérsia, que reinou depois de Xerxes, os profetas, que vieram depois de Moisés, escreveram o que aconteceu em suas épocas em treze livros. Os quatro livros restantes contém hinos a Deus e preceitos para a condução da vida humana. É verdade que a nossa história foi escrita desde a época de Artaxerxes com muitos pormenores, mas ela não é considerada como tendo a mesma autoridade que a antiga dos nossos antepassados, pois não houve uma exata sucessão de profetas desde aquela época; e o quão firmemente damos crédito a estes livros de nossa nação é evidente pelo que fazemos; pois durante as muitas eras que ela foi sendo passada, ninguém teve a coragem seja para adicionar alguma coisa a ela ou para remover alguma coisa dela ou para alterar qualquer coisa; mas se tornou natural para todos os judeus imediatamente após o seu nascimento considerar que estes livros contém doutrinas divinas e persistir neles e, se for o caso, morrer por eles.

Josefo menciona Esdras e Neemias em "Antiguidades Judaicas" (XI, 5) e Ester (durante o reinado de Artaxerxes) no capítulo VI.[10] Por um longo período depois do reinado de Artaxerxes, a inspiração divina de Ester, Cântico dos Cânticos e Eclesiastes esteve em dúvida.[11] Segundo Gerald A. Larue,[12] a lista de Josefo representa o que veio a se tornar o cânone judaico, embora estudiosos ainda estivessem tentando resolver a autoridade de certos livros na época que ele escreveu. Barber afirma que os 22 livros de Josefo não eram universalmente aceitos, uma vez que outras comunidades judaicas utilizavam mais do que 22 livros.[8]

Em 1871, Heinrich Graetz concluiu que houve um Concílio de Jâmnia (ou Yavne em hebraico) que decidiu sobre o cânone judaico em algum momento no século I (c. 70-90). Esta opinião se transformou no consenso majoritário entre os estudiosos por todo o século XX. Porém, a teoria do Concílio de Jâmnia está praticamente desacreditada atualmente.[13][14][15][16]

Os livros protocanônicos e deuterocanônicosEditar

Os cânones da Igreja Católica e da Igreja Ortodoxa incluem livros, chamados deuterocanônicos, cuja autoridade foi discutida pelo Rabi Akiva durante o desenvolvimento do cânone da Bíblia hebraica no século I, apesar de Akiva não ter se oposto à leitura privada deles e ter se declarado ele próprio um frequente usuário de Siraque.[17] Um dos primeiros registros dos livros deuterocanônicos aparece na antiga tradução das escrituras judaicas para o coiné chamada Septuaginta. Esta tradução foi amplamente utilizada pelos primeiros cristãos e é uma das mais citadas (300 das 350 citações, incluindo muitas palavras do próprio Jesus) no Novo Testamento quando se faz referência ao Antigo Testamento. Outros registros, em versões mais antigas dos textos em hebraico, aramaico e grego foram descobertas mais tarde entre os Manuscritos do Mar Morto e no Genizá do Cairo.[18]

A explicação tradicional para o desenvolvimento do cânone do Antigo Testamento descreve dois grupos de livros, os protocanônicos e os deuterocanônicos. Segundo ela, alguns Pais da Igreja aceitavam a inclusão dos livros deuterocanônicos com base em sua inclusão na Septuaginta (notavelmente Hipona), enquanto outros discutiam seu status com base em sua ausência na Bíblia hebraica (notavelmente Jerônimo). Michel Barber defende que esta reconstrução, aceita por muito tempo, é grosseiramente incorreta e que "o caso contra os apócrifos foi exagerado".[19] Agostinho queria simplesmente uma nova versão da Bíblia latina baseada num texto grego já que a Septuaginta já era amplamente utilizada pelas igrejas e o processo de tradução não podia confiar num único indivíduo (Jerônimo), que podia errar; ele, na realidade, defendia que a Bíblia hebraica e a Septuaginta eram igualmente inspiradas, como ele afirmou em "Cidade de Deus" 18.44.[20] Para a maior parte dos primeiros cristãos, a Bíblia hebraica era a "Sagrada Escritura", mas ela deveria ser entendida e interpretada sob a luz das convicções cristãs.[21]

Apesar de os livros deuterocanônicos sere referenciados por alguns dos Pais da Igreja como parte das escrituras, alguns, como Atanásio, defendiam que eles eram apenas para leitura e não deviam ser utilizados para a determinação da doutrina.[22] Atanásio incluiu o Livro de Baruque e a Epístola de Jeremias em sua lista do cânone do Antigo Testamento e exclui o Livro de Ester.[23] Segundo a Enciclopédia Católica, "o status inferior a que alguns deuteros foram relegados por autoridades como Orígenes, Atanásio e Jerônimo, se deu por conta de uma concepção rígida demais de canonicidade que demandava que um livro, para ser considerado a esta suprema dignidade, precisava ser recebido por todos, precisa da sanção da antiguidade judaica e precisa, além disto, se adaptar não apenas à edificação, mas também à 'confirmação da doutrina da Igreja', para tomar emprestada a frase de Jerônimo".[1]

Seguindo Martinho Lutero, os protestantes consideram os livros deuterocanônicos como apócrifos e não canônicos. Segundo J. N. D. Kelly, "deve-se observar que o Antigo Testamento admitido como autoritativo na Igreja ... sempre incluiu, embora com variados graus de reconhecimento, os assim chamados livros apócrifos ou deuterocanônicos".[24]

SeptuagintaEditar

 
Página do Codex Marchalianus, um manuscrito da Septuaginta do século VI
 Ver artigo principal: Septuaginta

A Igreja primitiva utilizava textos gregos,[25] uma vez que o grego era a língua franca do Império Romano na época e era a língua da Igreja Greco-Romana. O aramaico era a língua do cristianismo sírio, que utilizava os Targums.

A Septuaginta parece ter sido uma fonte importante para os Apóstolos, mas não a única. Jerônimo ofereceu, por exemplo, os versículos Mateus 2:15, 23, João 7:38, João 19:37 e I Coríntios 2:9[26] como exemplos não encontrados na Septuaginta e presentes nos textos hebraicos (Mateus 2:23 também não está presente na tradição massorética, embora, segundo Jerônimo, ele está em Isaías 11:1). Os autores do Novo Testamento, quando citam as escrituras judaicas ou quando citam Jesus fazendo isso, utilizaram a tradução grega, implicando que Jesus, seus Apóstolos e seus seguidores a consideravam confiável.[27][28]

No cristianismo primitivo, a presunção de que a Septuaginta havia sido traduzida por judeus antes da era cristã e de que a Septuaginta, em certos pontos, se apresenta mais para uma interpretação cristológica que os textos hebraicos do século II eram tidos como evidências de que os "judeus" haviam alterado o texto hebraico de forma a deixá-lo menos cristológico. Por exemplo, Ireneu, tratando do versículo Isaías 7:14, afirma que a Septuaginta claramente escreve sobre uma "virgem" (παρθένος) que irá conceber enquanto que o texto hebraico era na época interpretado por Teodócio e por Áquila (ambos proselitistas da fé judaica) como "uma jovem" irá conceber. Segundo Ireneu, os ebionitas usaram este fato para alegar que Flávio Josefo era o pai (biológico) de Jesus, o que, para ele, era pura heresia facilitada por alterações anticristãs nas escrituras em hebraico evidenciadas pela mais antiga e pré-cristã Septuaginta.[29]

Quando Jerônimo assumiu a tarefa de revisar as traduções antigas da Septuaginta para o latim (Vetus Latina), ele também conferiu a Septuaginta contra os textos hebraicos que tinha em mãos. Ele rompeu com a tradição da igreja e traduziu a maior parte do Antigo Testamento de sua Vulgata do hebraico e não do grego. Sua escolha foi duramente criticada por Agostinho, seu contemporâneo, e uma enxurrada de críticas ainda menos moderadas veio dos que passaram a considerar Jerônimo como um falsário. Por um lado, ele argumentava pela superioridade dos textos hebraicos para corrigir a Septuaginta, tanto em bases filológicas quanto teológicas, e, por outro, no contexto das acusações de heresia contra si, Jerônimo reconheceria os textos da Septuaginta também.[30]

A Igreja Ortodoxa ainda prefere utilizar a Septuaginta como base para traduzir o Antigo Testamento para outras línguas. Onde se fala o grego, ela é utilizada sem tradução, como é o caso na Igreja Ortodoxa de Constantinopla, na Igreja da Grécia e na Igreja Ortodoxa Cipriota. Traduções críticas do Antigo Testamento, apesar de utilizarem o texto massorético como base, consultam a Septuaginta e outras versões numa tentativa de reconstruir o significado do texto hebraico sempre que este último é pouco claro, inquestionavelmente corrompido ou ambíguo.[31][32][33]

Lista de BriênioEditar

 
Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, o local onde foi descoberto o Codex Hierosolymitanus em 1873
 Ver artigo principal: Codex Hierosolymitanus

Provavelmente a mais antiga referência a um cânone cristão é a chamada "Lista de Briênio", encontrada por Filoteu Briênio no Codex Hierosolymitanus na biblioteca do mosteiro da Igreja do Santo Sepulcro em 1873. A lista está escrita em grego koiné (transcrevendo aramaico ou hebraico) e foi datada no século I ou II[34] por Jean-Paul Audet em 1950,[35] uma datação que não é consensual entre os especialistas.[36] Audet lista 27 livros:

Gênesis, Êxodo, Levítico, Jesus Nave, Deuteronômio, Números, Juízes, Rute, 4 de Reis (Samuel + Reis), 2 de Crônicas, 2 de Esdras, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, , 12 de Profetas menores, Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel.

"Jesus Nave" é um nome antigo do Livro de Josué. "2 de Esdras" podem ser I Esdras e Esdras-Neemias, como acontece na Septuaginta, ou Esdras e Neemias, como na Vulgata. Segundo Albert Sundberg, a quantidade incomum de 27 livros e desconhecido nas listas judaicas. R.T. Beckwith afirma que como a lista de Briênio "mistura os Profetas e Hagiographa indiscriminadamente juntos, ela deve ser de origem cristã e não judaica e, como o uso do aramaico continuou na igreja palestina por séculos, não há razão para datá-la num período tão antigo (século I ou II)".[35]

MarciãoEditar

Marcião de Sinope foi o primeiro líder cristão a aparecer nos registros históricos (apesar de, mais tarde, ter sido condenado como herege) a propor e delinear um cânone unicamente cristão.[37] Ele rejeitou explicitamente o Antigo Testamento e propôs sua versão do Novo Testamento como sendo o cânone cristão.[12][38] Nas palavras de Ireneu de Lyon:

Marcião [além de abolir os profetas e a Lei ] mutilou o Evangelho segundo Lucas... Ele também persuadiu seus discípulos que ele próprio era mais digno de crédito do que os apóstolos que nos entregaram o Evangelho, entregando aos seus seguidores não o Evangelho, mas meramente um fragmento dele. De maneira similar, ele desmembrou as cartas de Paulo.
 

Com uma perspectiva diferente, diz Tertuliano:

Como Marcião separou o Novo Testamento do Antigo, ele é necessariamente subsequente àquilo que separou, pois apenas estava em seu poder separar o que estava antes unido. Tendo estado unido antes de sua separação, o fato de sua subsequente separação prova a subsequência também do homem que efetuou a separação.
 
Tertuliano, De praescriptione haereticorum 30[38].

Everett Ferguson afirma que "[Wolfram] Kinzig sugere que era Marcião que chamava frequentemente sua Bíblia de 'testamentum'"[38]:308. Ele também afirma que Tertuliano criticou Marcião por causa dos nomes dos livros em sua lista.[38] Segundo a Enciclopédia Católica, os marcionitas "foram provavelmente os mais perigosos adversários que o cristianismo já enfrentou".[39]

Outros estudiosos afirma que foi Melito de Sardis que cunhou primeiro o termo "Antigo Testamento",[40] uma tese geralmente associada ao supersessionismo.

Eusébio sobre Melito e OrígenesEditar

 
Manuscrito do século IX da Peshitta, a versão da Bíblia adotada pelo cristianismo sírio

A primeira lista de livros do Antigo Testamento compilada por uma fonte cristã está na obra do historiador do século IV Eusébio de Cesareia ao descrever uma lista preparada pelo bispo do século II Melito de Sárdis.[41] A lista de Melito, datada de cerca de 170, o resultado de sua viagem à Terra Santa (provavelmente à famosa Biblioteca Teológica de Cesareia Marítima) para determinar tanto a ordem quanto o número de livros da Bíblia hebraica, ela parece seguir a ordem dos livros apresentada na Septuaginta. A lista de Melito, citada por Eusébio, é a seguinte:

De Moisés, cinco livros: Gênesis, Êxodo, Números, Levítico e Deuteronômio; Jesus Nave; Juízes; Rute; de Reis, quatro livros; de Crônicas, dois; os Salmos de David; os Provérbios de Salomão; também a Sabedoria; Eclesiastes; Cântico dos Cânticos; ; dos Profetas, Isaías e Jeremias; dos doze profetas menores, um livro; Daniel; Ezequiel; Esdras.[41]

Segundo Archibald Alexander, a lista de Melito é tida por muitos como incluindo o Livro da Sabedoria, que é parte do Deuteronômio, o que muitos disputam.[42] O Livro de Ester não aparece na lista.

Eusébio também registrou 22 livros canônicos dos hebreus segundo Orígenes[43]:

Os vinte e dois livros, segundo os hebreus, são estes: o que entre nós se intitula Gênesis, e entre os hebreus Bresith, pelo começo do livro, que é: "No princípio"; Êxodo, Ouellesmoth, que significa: "Estes são os nomes"; Levítico, Ouikra: "E chamou"; Números, Ammesphekodeim; Deuteronômio, Elleaddebareim: "Estas são as palavras"; Jesus, filho de Navé, Josuebennoun; Juízes e Rute, para eles um só livro: Sophtein; I e II dos Reis, um só para eles: Samuel, "O eleito de Deus"; III e IV dos Reis, em um: Ouammelchdavid, que significa "Reino de Davi"; I e II das Crônicas, em um: Dabreiamein, isto é: "Palavras dos dias"; I e II de Esdras em um: Ezra, ou seja, "Ajudante"; Livro dos Salmos, Spharthelleim; Provérbios de Salomão, Meloth; Eclesiastes, Koelth; Cantar dos Cantares (e não, como pensam alguns, Cantares dos cantares), Sirassireim; Isaías, Iessia; Jeremias, junto com as Lamentações e a Carta, em um: Ieremia; Daniel, Daniel; Ezequiel, Iezekiel; Jó, Iob; Ester, Esther. E além destes estão os dos Macabeus, que são intitulados Sarbethsabanaiel.

A lista de Orígenes exclui os doze profetas menores, aparentemente por acidente, mas inclui a Epístola de Jeremias (talvez se referindo ao Livro de Baruque como um apêndice de Jeremias) e Macabeus, em cujo caso há uma disputa sobre se ele considera-o ou não como canônico.[44][45]

ConstantinoEditar

 Ver artigo principal: Cinquenta Bíblias de Constantino

Em 331, Constantino I encomendou a Eusébio cinquenta bíblias para uso nas igrejas de Constantinopla. Atanásio (Apol. Const. 4) relata que aproximadamente 340 escribas de Alexandria trabalhavam preparando bíblias para Constante. Pouco mais se sabe, mas há muitas especulações sobre o tema. Por exemplo, especula-se se este pedido teria sido a motivação para produção de listas canônicas e que o Codex Vaticanus e o Codex Sinaiticus podem ser exemplares destas bíblias. Estes códices contém versões quase completas da Septuaginta, com o Vaticanus faltando I-III Macabeus e o Sinaiticus, II-III Macabeus, I Esdras, Baruque e a Epístola de Jeremias.[46]

Juntamente com a Peshitta e o Codex Alexandrinus, o Codex Vaticanus e o Codex Sinaiticus são as bíblias cristãs mais antigas ainda existentes.[47] Não há evidências entre os cânones do Primeiro Concílio de Niceia de qualquer determinação sobre o cânone bíblico, mas Jerônimo afirma, em sua obra "Prólogo a Judite", que o Livro de Judite foi "considerado pelo Concílio de Niceia como devendo ser contado entre os que são das Sagradas Escrituras".[48]

Jerônimo e a VulgataEditar

 
Jerônimo foi o responsável pela tradução da Bíblia para o latim utilizada no cristianismo ocidental a partir do século VI. Ele era um defensor da autoridade da Bíblia hebraica na definição do cânone

O Concílio de Roma, em 382, do papa Dâmaso I — se o Decretum Gelasianum pode ser corretamente atribuído a ele — publicou um cânone bíblico idêntico ao da lista do Concílio de Trento.[49][50] Se não resultado do concílio, a lista é pelo menos do século VI[51] alegando ser uma publicação do século IV.[52] Dâmaso foi encorajado por seu secretário pessoal, Jerônimo, em sua tradução da Bíblia para o latim (a Vulgata). A encomenda desta tradução foi instrumental para a fixação do cânone no cristianismo ocidental.[53] A lista, supostamente endossada pelo papa Dâmaso I, é a seguinte (somente a parte do Antigo Testamento):

A ordem do Antigo Testamento começa aqui: Gênesis, um livro; Êxodo, um livro; Levítico, um livro; Números, um livro; Deuteronômio, um livro; Jesus Nave, um livro; Juízes, um livro; Rute, um livro; Reis, quatro livros; Paralipômenos, dois livros; Salmos, um livro; Salomão, três livros: Provérbios, um livro, Eclesiastes, um livro, Cântico dos Cânticos, um livro; da mesma forma, Sabedoria, um livro; Eclesiástico, um livro. Da mesma forma, a ordem dos profetas.. [16 livros dos profetas citados]. Da mesma forma a ordem das histórias: Jó, um livro; Tobias, um livro; Esdras, dois livros; Ester, um livro; Judite, um livro; Macabeus, dois livros.[54][55]

Os dois livros de Esdras são uma referência o Livro de Esdras e ao Livro de Neemias, similar ao que aparece como um livro só, Ezrā (Esdras-Neemias), na Bíblia hebraica; Jerônimo, no "Prefácio dos Livros de Samuel e Reis", explica que "à terceira classe pertencem os 'hagiographa', dos quais o primeiro livro começa com Jó,... o oitavo, Esdras, que também está dividido entre os gregos e latinos em dois livros; o nono é Ester".[56]

Nos seus "Prólogos da Vulgata, Jerônimo defende o conceito da veritas hebraica, a verdade do texto hebraico sobre a Septuaginta e sobre as traduções antigas do latim. O Antigo Testamento da Vulgata inclui livros fora da Bíblia hebraica, traduzidos diretamente do grego e do aramaico ou derivados de versões em latim. No "Prefácio aos livros de Samuel e Reis" está a seguinte afirmação, geralmente conhecido como "prefácio coroado"[56]:

Este prefácio às Escrituras pode servir como uma introdução "coroada" a todos os livros que traduzimos do hebraico para o latim para que possamos estar seguros de que o que não está em nossa lista possa ser colocado entre os textos apócrifos. Sabedoria, portanto, que geralmente traz o nome de Salomão, e o livro de Jesus, filho de Siraque, e Judite e Tobias e o Pastor não estão no cânone. O primeiro livro de Macabeus eu descobri ser hebraico, o segundo é grego, como se pode provar pelo seu próprio estilo.

A pedido de dois bispos,[57] porém, ele traduziu Tobias e Judite a partir dos textos hebraicos,[58] mas deixou claro em seus prólogos que os considerava apócrifos. No caso do Livro de Judite, sem usar a palavra cânone, ele mencionou que o livro foi considerado como escritural pelo Primeiro Concílio de Niceia.[59]

Em sua resposta a Rufino, Jerônimo afirmou que estava em concordância com a escolha da igreja sobre qual versão das porções deuterocanônicas de Daniel deveriam ser utilizadas, que os judeus da época não incluíam:

Que pecado terei cometido ao seguir o julgamento das igrejas? Mas quando eu repito o que os judeus dizem contra a "História de Susana" e o "Hino dos Três Jovens" e as fábulas de Bel e o Dragão, que não estão na Bíblia hebraica, aquele que faz disto uma acusação contra mim se prova um idiota e um caluniador; pois eu expliquei não o que penso, mas o que eles comumente dizem contra nós.
 
Jerônimo, Contra Rufino II:33 (c. 402).[60].

Michael Barber afirma que, apesar de Jerônimo ter suspeitado por um tempo dos apócrifos, ele posteriormente passou a considerá-los parte das escrituras. Ele argumenta que esta mudança fica clara a partir da leitura das epístolas de Jerônimo. Como exemplo, ele cita a carta a Eustóquia, na qual Jerônimo cita Siraque 13:2.[19] Em outro ponto ele também faz referência a Baruque, a História de Susana e ao Livro da Sabedoria como escriturais.[61]

Agostinho e os sínodos africanosEditar

 
Agostinho patrocinou uma série de concílios no norte da África entre 393 e 419 para afirmar o cânone do Antigo Testamento.
1637. Por José de Ribera, atualmente no Museu Nacional de Póznan, na Polônia.
 Ver artigo principal: Sínodo de Hipona

O Sínodo de Hipona (393), seguido pelo Concílio de Cartago (397) e o Concílio de Cartago (419), pode ter sido o primeiro concílio a ter aceitado explicitamente um cânone que inclui livros que não fazem parte da Bíblia hebraica.[62] Os três concílios estiveram sob forte influência de Agostinho, que considerava o cânone como uma lista já fechada.[63][64][65]

O cânone XXXVI do Sínodo de Hipona relata os textos que deveriam ser considerados canônicos. No caso do Antigo Testamento, a lista é a seguinte[66]:

Gênesis; Êxodo; Levítico; Números; Deuteronômio; Josué, o filho de Nun; Juízes; Rute; Reis, 4 livros; Crônicas, 2 livros; Jó; o Saltério; 5 livros de Salomão; 12 livros dos Profetas Menores; Isaías; Jeremias; Ezequiel; Daniel; Tobias; Judite; Ester; Esdras, 2 livros; Macabeus, 2 livros.

Em 28 de agosto de 397, o Concílio de Cartago confirmou o cânone de Hipona[67] e Agostinho publicou-o em sua obra "Sobre a Doutrina Cristã" no mesmo ano.[68] Logo depois, o Concílio de Cartago de 419, em seu Cânone 24, lista exatamente o mesmo cânone.[69]

Sobre os dois livros de Esdras (Ezra), Agostinho diz: "...e os dois livros de Ezra, que finalmente se parecem mais com uma sequência à história regular contígua que termina com os livros de Reis e Crônicas".[70] Os cinco livros de Salomão são uma referência a Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, Sabedoria e Eclesiástico (ou "Siraque").[71] Os quatro livros de Reis são uma referência aos dois livros de Samuel e os dois livros de Reis.

Segundo a Enciclopédia Católica, o cânone destes concílios corresponde ao moderno cânone da Igreja Católica.[72] Philip Schaff afirma que "esta decisão da igreja além-mar, porém, estava sujeita a ratificação; e a concordância da sé de Roma foi recebida quando o papa Inocêncio I e o papa Gelásio I (414) repetiram o mesmo índice de livros bíblicos. Este cânone permaneceu sem perturbações até o século XVI e foi sancionado pelo Concílio de Trento em sua décima-quarta sessão".[73]

Sínodo de LaodiceiaEditar

O Sínodo de Laodiceia foi um sínodo regional que reuniu aproximadamente 30 clérigos da Ásia Menor entre 363 e 364 em Laodiceia, na Frígia Pacaciana. O 59°Cânone deste sínodo proibiu a leitura de livros não cânonicos nas igrejas. O 60°Cânone listou como canônicos os 22 livros protocanônicos mais o Livro de Baruque e a Epístola de Jeremias.[74]

Contudo, a autenticidade deste último cânone é duvidosa[75] pois ele não é citado em vários manuscritos antigos, o que pode significar que ele foi incluído posteriormente[74] para clarificar o mandamento do cânone anterior.

Lista de Cheltenham/MommsenEditar

A Lista de Cheltenham (ca. 365–90)[76][77] é uma lista latina descoberta pelo acadêmico clássico alemão Theodor Mommsen num manuscrito do século X (majoritariamente com textos patrísticos) na biblioteca de Thomas Phillips, em Cheltenham, Inglaterra, e publicada em 1866. Ela provavelmente é de origem norte-africana e é de meados do século IV.

Nela constam 24 livros no Antigo Testamento,[78] Gênesis, Êxodo, Números, Levítico, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, I-IV Reinos, I-II Crônicas, I-II Macabeus, , Tobias, Ester, Judite, Salmos, Salomão (provavelmente a Sabedoria), Profetas Maiores e Profetas Menores, e 24 livros no Novo Testamento, com contagens de sílabas e linhas, mas sem Judas, Tiago e, provavelmente, Hebreus; o autor parece ainda questionar as epístolas de João e de Pedro além das primeiras.

Outros autores antigosEditar

 
Papa Dâmaso I (r. 366-383), o patrocinador do Concílio de Roma (382), do qual resultou o chamado Decretum Gelasianum, um dos mais antigos cânones do Antigo Testamento cristãos

Atanásio (367),[79] Cirilo de Jerusalém (c. 350)[80] e Epifânio de Salamina (c. 385)[81] listaram como canônicos os 22 livros protocanônicos mais o Livro de Baruque e a Epístola de Jeremias.

Epifânio, em "Panarion", escreveu que os judeus mantinham entre seus livros os deuterocanônicos Epístola de Jeremias e Baruque combinados com Jeremias e Lamentações em um único livro.[81]

O monge Rufino de Aquileia (c. 400) nomeou como canônicos os livros protocanônicos e os deuterocanônicos, chamados de "livros eclesiásticos" por ele.[82] O papa Inocêncio I (405), numa carta enviada ao bispo de Toulouse, citou como canônicos os livros protocanônicos e os deuterocanônicos.[83]

O Decretum Gelasianum, uma obra anônima escrita entre 519 e 553, contém uma lista de livros canônicos apresentada como tendo sido resultado do Concílio de Roma (382), realizado sob os auspícios do papa Dâmaso I (r. 366-383). Esta lista menciona os livros protocanônicos e os deuterocanônicos como parte do cânone do Antigo Testamento.[84]

Concílio Quinissexto e Cânones dos ApóstolosEditar

O Concílio Quinissexto (ou Concílio in Trullo), em 691-692, que foi rejeitado pelo papa Sérgio I[85] e não é reconhecido pela Igreja Católica, endossou as seguintes listas canônicas: os Cânones dos Apóstolos (c. 385), o Sínodo de Laodiceia (c. 363, o Terceiro Concílio de Cartago (397) e a 39ª Carta Festiva de Atanásio (367).[86] "Cânones dos Apóstolos" é uma coleção de antigos decretos eclesiásticos sobre o governo e a disciplina da igreja antiga, encontrada pela primeira vez como o último capítulo do oitavo livro das "Constituições Apostólicas".[87]

O Cânone 85 dos Cânones Apostólicos inclui 46 livros no cânone do Antigo Testamento, basicamente o mesmo da Septuaginta.[88] A lista é a seguinte[89]:

Do Antigo Testamento: os cinco livros de Moisés – Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio; um de Josué, filho de Nun, um de Juízes, um de Rute, quatro de Reis, dois de Crônicas, dois de Esdras, um de Ester, um de Judite, três de Macabeus, um de Jó, cento e cinquenta e um salmos, três livros de Salomão – Provérbios, Eclesiastes e Cântico dos Cânticos; dezesseis profetas. E, além destes, cuidem para seus jovens aprendam a Sabedoria do erudito Siraque.

Karl Josef von Hefele afirma que "este é provavelmente o menos antigo cânone de toda a coleção"[89]:n.3826; mesmo ele e William Beveridge acreditam que os textos dos Cânones Apostólicos datam do final do século II ou início do século III, mas outros concordam que eles não podem ter sido escritos antes do Sínodo de Antioquia (341) e nem antes do final do século IV.[87][90]

ReformaEditar

 
Martinho Lutero, o grande responsável pela Reforma Protestante e autor da chamada Bíblia de Lutero, na qual ele propôs a sua visão do que seria o cânone do Antigo Testamento
 Ver artigo principal: Reforma Protestante

Um dos pilares da Reforma Protestante (a partir de 1517) é que as traduções das escrituras deveriam se basear nos textos originais, ou seja, na Bíblia hebraica ou na Bíblia aramaica para o Antigo Testamento e nos textos gregos para o Novo Testamento), e não na Vulgata de Jerônimo, o que era, na época, o padrão da Igreja Católica.

Os reformadores entendiam que os apócrifos estão em discordância com o restante da Bíblia. Os católicos os utilizam para suportar a doutrina do Purgatório, das orações e missas pelos mortos (II Macabeus 12:43-45) e para a eficácia das boas obras para a salvação (Tobias 12:9, Eclesiástico 7:33), doutrinas que, na época e hoje, os protestantes defendem que são contraditórias com outras partes da Bíblia.

Martinho LuteroEditar

 Ver artigo principal: Cânone de Lutero

Lutero não removeu os livros deuterocanônicos do Antigo Testamento de sua tradução da Bíblia, mas moveu-os para a seção de "apócrifos", para livros que ele não considerava como tendo o mesmo status das Sagradas Escrituras, mas que eram "úteis e bons para leitura".[91] Lutero argumentou, sem sucesso, pela remoção do Livro de Ester do cânone, pois o seu texto, sem as seções deuterocanônicas, este livro sequer menciona Deus.[92] Por conta destas movimentações, católicos e protestantes continuam a utilizar cânones diferentes para o Antigo Testamento. O próprio Lutero afirmou que seguia o ensinamento de Jerônimo sobre a "veritas hebraica".

Há algumas evidências de que a primeira decisão para omitir os livros deuterocanônicos completamente nas edições da Bíblia foi de leigos e não do clero protestante. Foram encontradas Bíblias editadas logo depois da Reforma cujas tabelas de índice incluem todo o cânone católico, mas sem os textos dos livros em disputa, o que levou alguns historiadores a sugerir que os impressores tomaram a decisão de omiti-los. Bíblias anglicanas e luteranas geralmente ainda traziam estes livros até o século XX, mas as calvinistas não.

Contrarreforma: Concílio de TrentoEditar

 Ver artigos principais: Contrarreforma e Concílio de Trento

O Concílio de Trento, em 8 de abril de 1546, aprovou a afirmação do cânone bíblico católico, incluindo os livros deuterocanônicos, como artigo de fé (o conteúdo deste cânone já havia sido reafirmado de forma unânime) e a decisão foi confirmada com a votação de um anátema (24 a favor, 15 contra e 16 abstenções)[93] contra quaisquer alterações. A lista, conhecida como "Cânone de Trento", era a mesma produzida pelo Concílio de Florença (sessão 11 de 4 de fevereiro de 1442),[94] dos concílios de Cartago de Agostinho de Hipona (397, 419)[73] e, possivelmente, do Concílio de Roma (382) do papa Dâmaso I.[49][50] Os livros em disputa foram denominados deuterocanônicos, um termo que não indica um grau inferior de inspiração divina e sim uma data posterior de confirmação e aprovação. Além destes livros, algumas edições da Vulgata incluem o Salmo 151, a Prece de Manassés, I Esdras (chamado de "III Esdras"), II Esdras (chamado de "IV Esdras") e a Epístola aos Laodicenses num apêndice chamado "Apogryphi".

Em 2 de junho de 1927, o papa Pio XI decretou que o Comma Johanneum, no Novo Testamento, estava aberto a disputas; em 3 de setembro de 1943, o papa Pio XII reiterou o ensinamento da Igreja em sua encíclica "Divino afflante Spiritu", reafirmando que as traduções católicas da Bíblia em línguas vernaculares com base em textos hebraicos, aramaicos e gregos eram permitidas desde a época do Concílio de Trento.[95]

Igreja da InglaterraEditar

 
Edição de 1612 da Bíblia do Rei Jaime, a mais utilizada por diversas denominações cristãs de língua inglesa, incluindo a Igreja da Inglaterra, a Igreja da Escócia e as igrejas presbiterianas
 Ver artigos principais: Trinta e nove Artigos e Bíblia do Rei Jaime

A Igreja da Inglaterra se separou da Igreja Católica em 1534 e publicou seus Trinta e nove Artigos em latim em 1563 e em inglês elisabetano em 1571[96] O artigo 6 é chamado "Of the Sufficiency of the Holy Scriptures for Salvation" ("Da Suficiência das Sagradas Escrituras para a Salvação")[97]:

...em nome das Sagradas Escrituras entendemos que os livros canônicos do Antigo e do Novo Testamento cuja autoridade jamais esteve em dúvida na Igreja. Dos nomes e números dos livros canônicos: Gênesis; Êxodo; Levítico; Números; Deuteronômio; Josué; Juízes; Rute; o livro I de Samuel; o livro II de Samuel; o I Livro de Reis; o II Livro de Reis; o I Livro de Crônicas; o II Livro de Crônicas; o I Livro de Esdras; o II Livro de Esdras; o Livro de Ester; o Livro de Jó; os Salmos; os Provérbios; Eclesiastes, ou o Pregador; Cantica ou Canções de Salomão; Quatro Profetas Maiores; Doze Profetas Menores. E os outros livros (como disse Jerônimo), a Igreja os lê como exemplo de vida e instrução dos modos; mas, apesar disto, não os utiliza para estabelecer nenhuma doutrina. Estes são os seguintes: o III Livro de Esdras; o IV Livro de Esdras; o Livro de Tobias; o Livro de Judite; o resto do Livro de Ester†; o Livro de Sabedoria; Jesus, filho de Siraque; Baruque, o Profeta†; o Cântico dos Três Jovens†; a História de Susana; de Bel e o Dragão; a Prece de Manassés†; o I Livro de Macabeus; o II Livro de Macabeus. Todos os Livros do Novo Testamento, como são aceitos comumente, recebemos e os contamos como Canônicos.
Livros marcados com † foram acrescentados em 1571.

A Bíblia do Rei Jaime original (1611) incluía os apócrifos, o que não acontece geralmente nas edições modernas. Estes textos são: I Esdras, II Esdras, Tobias, Judite, Resto de Ester, Sabedoria, Eclesiástico (ou Siraque), Baruque, Epístola de Jeremias, Cântico dos Três Jovens, História de Susana, Bel e o Dragão, Prece de Manassés, I Macabeus e II Macabeus.[98]

A Guerra Civil Inglesa irrompeu em 1642 e durou até 1649. O Long Parliament de 1644 decretou que apenas os livros protocanônicos deveriam ser lidos pela Igreja da Inglaterra e, em 1647, a "Confissão de Fé de Westminster[99] foi outorgado e decretou um Antigo Testamento com 39 livros e um Novo Tetamento com 27, excluindo todos os apócrifos.

Atualmente, este decreto é uma característica comum entre igrejas protestantes, um consenso que inclui não apenas a Igreja da Escócia, o presbiterianismo e o calvinismo, mas também as igrejas batistas e anabatistas.[100]

Com a restauração da monarquia com Carlos II (r. 1660-1685), a Igreja da Inglaterra passou a ser governada novamente pelos 39 Artigos conforme impressos no "Livro de Oração Comum" (1682), que exclui explicitamente os apócrifos dos livros inspirados por serem inadequados para a formulação de doutrina, mas irenicamente afirmando o valor deles para a educação, o que permite a leitura pública e o estudo privado.[101]

Cânone da Igreja OrtodoxaEditar

 
Dositeu Notaras, o patriarca grego-ortodoxo de Jerusalém responsável pela convocação do Sínodo de Jerusalém (1672), que afirmou o cânone ainda hoje utilizado pela Igreja Ortodoxa
 Ver artigo principal: Sínodo de Jerusalém (1672)

A Igreja Ortodoxa afirma como canônicos os livros encontrados em suas próprias tradições litúrgicas, patrísticas, greco-bizantinas. Na época do Sínodo de Jerusalém, reunido em 1672, esta era a lista considerada canônica (além dos livros protocanônicos):

... especificamente "A Sabedoria de Salomão", "Judite", "Tobias", "A História do Dragão", "A História de Susana", "Os Macabeus" e "A Sabedoria de Siraque". Pois julgamos estes também juntamente com os outros genuínos Livros de Divina Escritura como partes genuínas das Escrituras. Pois o costume antigo ou, melhor, a Igreja Católica, que nos entregou como genuínos os Sagrados Evangelhos e outros Livros das Escrituras, também indubitavelmente nos entregou estes como parte das Escrituras e a negação destes é a rejeição daqueles. E se, talvez, pareça que nem sempre todos estes foram considerados do mesmo nível daqueles, ainda assim estes foram contados e reconhecidos com o resto das Escrituras, por Sínodos e por muitos dos mais antigos e eminentes Teólogos da Igreja Católica. Todos estes julgamos como sendo Livros Canônicos e os confessamos como sendo Sagradas Escrituras.[102]

NotasEditar

  1. A Bíblia hebraica conta Samuel, Reis e Crônicas como um livro cada, os doze profetas menores como um livro só e o par Esdras e Neemias como um só (Esdras-Neemias).

Referências

  1. a b   "Canon of the Old Testament" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  2. Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia) (em inglês) de 1901–1906 (artigo "Sirach, The Wisdom of Jesus the Son of"), uma publicação agora em domínio público.
  3. Samuel Fallows et al., eds. (1910) [1901]. The Popular and Critical Bible Encyclopædia and Scriptural Dictionary, Fully Defining and Explaining All Religious Terms, Including Biographical, Geographical, Historical, Archæological and Doctrinal Themes (em inglês). [S.l.]: The Howard-Severance company. 521 páginas 
  4. Darshan, G. “The Twenty-Four Books of the Hebrew Bible and Alexandrian Scribal Methods,”, in: M.R. Niehoff (ed.), Homer and the Bible in the Eyes of Ancient Interpreters: Between Literary and Religious Concerns (JSRC 16), Leiden: Brill 2012, pp. 221–244. (em inglês)
  5. Philip R. Davies in The Canon Debate, page 50:
  6. McDonald & Sanders, The Canon Debate, 2002, page 5, cited are Neusner's Judaism and Christianity in the Age of Constantine, pages 128–145, and Midrash in Context: Exegesis in Formative Judaism, pages 1–22.
  7. Brettler, Marc Zvi (2005), How to read the Bible, ISBN 978-0-8276-1001-9 (em inglês), Jewish Publication Society, p. 274 
  8. a b Barber, Michael. «Loose Canons: The Development of the Old Testament (Part 1)» (em inglês) 
  9. Flavius Josephus, Against Apion (em inglês), Early Jewish Writings 
  10. Flavius Josephus, Antiquities of the Jews – Book XI, Internet Sacred Text Archive 
  11. Henshaw, T. The Writings: The Third Division of the Old Testament Canon. George Allen & Unwin Ltd., 1963, pp. 17
  12. a b Gerald A. Larue (1968), «Chapter 31. Development of the Canon», Old Testament Life and Literature (em inglês), Allyn and Bacon 
  13. W. M. Christie, The Jamnia Period in Jewish History (PDF) (em inglês), Biblical Studies.org.uk 
  14. Jack P. Lewis (1964), «What Do We Mean by Jabneh?», Journal of Bible and Religion (em inglês), 32, Oxford University Press, pp. 125–132, JSTOR 1460205 
  15. Anchor Bible Dictionary Vol. III, pp. 634–7 (New York 1992).
  16. McDonald & Sanders, editors, The Canon Debate, 2002, chapter 9: Jamnia Revisited by Jack P. Lewis. (em inglês)
  17. W. Bacher, Ag. Tan. i. 277; H. Grätz, Gnosticismus, p. 120.
  18. Abegg, Martin; Flint, Peter; Ulrich, Eugene (1999). The Dead Sea Scroll Bible (em inglês). [S.l.]: HarperOne. p. 597,628,636. ISBN 978-0-06-060064-8 
  19. a b Barber, Michael (6 de março de 2006). «Loose Canons: The Development of the Old Testament (Part 2)» (em inglês) 
  20. Ernst Wurthwein; Alexander Achilles Fischer (2014), The Text of the Old Testament, ISBN 9780802866806 (em inglês), Wm. B. Eerdmans Publishing, pp. 142–143 
  21. Grant, Robert M. (1948). The Bible in the Church (em inglês). New York: The Macmillan Company. pp. 43 ff. 
  22. Philip Schaff and Henry Wace, Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, vol. VI, St. Athanasius, Letter 39.7, (Grand Rapids: Eerdmans, 1953), p. 552. (em inglês)
  23. Aboagye-Mensah, Robert (2015), «Bishop Athanasius: His Life, Ministry and Legacy to African Christianity and the Global Church», in: Gillian Mary Bediako; Bernhardt Quarshie; J. Kwabena Asamoah-Gyadu, Seeing New Facets of the Diamond, ISBN 9781498217293 (em inglês), Wipf and Stock Publishers 
  24. Kelly, J. N. D. Early Christian Doctrines (em inglês). [S.l.]: Harper Collins. pp. 53–54 
  25. «Bible Translations – The Septuagint» (em inglês). JewishEncyclopedia.com 
  26. St. Jerome, Apology Book II.
  27. H. B. Swete, An Introduction to the Old Testament in Greek, revised by R.R. Ottley, 1914; reprint, Peabody, Massachusetts: Hendrickson, 1989.
  28. «Bible Translations – The Septuagint» (em inglês). JewishEncyclopedia.com 
  29. Ireneu, Contra Heresias, III.
  30. Rebenich, S., Jerome (Routledge, 2013), p. 58. ISBN 9781134638444 (em inglês)
  31. Ernst Würthwein, The Text of the Old Testament, trans. Errol F. Rhodes, Grand Rapids, Mich.: Wm. Eerdmans, 1995.
  32. Jerusalem Bible Readers Edition, 1990: London, citing the Standard Edition of 1985
  33. Preface to the New International Version, "Life Application Bible" (NIV), 1988: Tyndale House Publishers, using "Holy Bible" text, copyright International Bible Society 1973
  34. Edward Earle Ellis (1991), The Old Testament in Early Christianity, ISBN 9783161456602 (em inglês), Mohr Siebeck, p. 22, N.70 
  35. a b Albert C. Sundberg, Jr, 'The Old Testament of the Early Church' Revisited (em inglês), Department of Classics – Monmouth College 
  36. Lee Martin McDonald. The Formation of the Biblical Canon: Volume 1: The Old Testament: Its Authority and Canonicity (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. p. 359. ISBN 978-0-567-66877-6 
  37. Bruce Metzger (1997), The canon of the New Testament (em inglês), Oxford University Press, p. 98 
  38. a b c d e Everett Ferguson (2001), «18. Factors Leading to the Selection and Closure of the New Testament Canon: A Survey of Some Recent Studies», in: Lee Martin McDonald, James A. Sanders, The Canon Debate, ISBN 9781441241634 (em inglês), Baker Academic 
  39. Arendzen, John (1910), «Marcionites», The Catholic Encyclopedia (em inglês), 9, New York: Robert Appleton Company 
  40. Edward Kessler; Neil Wenborn (2005), A Dictionary of Jewish-Christian Relations, ISBN 9781139447508 (em inglês), Cambridge University Press, p. 316 
  41. a b Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica 4.26.12–14
  42. Archibald Alexander, «Section II, Constitution of the Canon of the Old Testament by Ezra», The Canon of the Old and New Testaments Ascertained (em inglês) 
  43. Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica 6.25.1–2, disponível em português aqui (página 137)
  44. James Waterworth; R. Simpson (1835), An Examination of the Distinctive Principle of Protestantism, W. M. Watson, pp. 93–95 
  45. John Goldingay (2004), Models for Scripture, ISBN 9781894667418 (em inglês), Clements Publishing Group, p. 148, n.37 
  46. Martin Hengel (2004), Septuagint As Christian Scripture, ISBN 9780567082879 (em inglês), A&C Black, p. 57 
  47. The Canon Debate, pages 414–415
  48.   "Book of Judith" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  49. a b Lindberg, Carter (2006). A Brief History of Christianity (em inglês). [S.l.]: Blackwell Publishing. p. 15. ISBN 1-4051-1078-3 
  50. a b F.L. Cross; E.A. Livingstone, eds. (1983), The Oxford Dictionary of the Christian Church (em inglês) 2nd ed. , Oxford University Press, p. 232 
  51. Bruce, F. F. (1988). The Canon of Scripture (em inglês). [S.l.]: InterVarsity Press. p. 234 
  52. Burkitt, F. C. (1913). «The Decretum Gelasianum». Journal of Theological Studies (em inglês). 14: 469–471 
  53. Bruce, F. F. (1988). The Canon of Scripture (em inglês). [S.l.]: InterVarsity Press. p. 225 
  54. Ernst von Dobschütz (ed.), Decretum Gelasianum De Libris Recipiendis Et Non Recipiendis (em inglês), www.tertullian.org 
  55. James Akin, Defending the Deuterocanonicals (em inglês), Eternal Word Television Network 
  56. a b «Jerome's Preface to Samuel and Kings», Jerome: The Principal Works of St. Jerome, CCEL 
  57. Jerome (2006). «Prologue to Tobit» (em inglês) 
  58. McDonald & Sanders, editors of The Canon Debate, 2002, chapter 5: The Septuagint: The Bible of Hellenistic Judaism by Albert C. Sundberg Jr., page 88.
  59. «Jerome's Prologue to Judith» (em inglês) 
  60. Jerome, «Apology Against Rufinus (Book II)», in: Philip Schaff; Henry Wace, Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series (em inglês), 3 1892 ed. , Buffalo, New York: Christian Literature Publishing Co. (retrieved from New Advent) 
  61. Jerônimo, Epístola 58 (A.D. 395)
  62. McDonald & Sanders, editors of The Canon Debate, 2002, chapter 5: The Septuagint: The Bible of Hellenistic Judaism by Albert C. Sundberg Jr., page 72, Appendix D-2, note 19.
  63. Everett Ferguson, "Factors leading to the Selection and Closure of the New Testament Canon", in The Canon Debate. eds. L. M. McDonald & J. A. Sanders (Hendrickson, 2002) p. 320.
  64. F. F. Bruce (1988), The Canon of Scripture. Intervarsity Press, p. 230.
  65. Augustine, De Civitate Dei 22.8
  66. «Canon XXIV. (Greek xxvii.)», The Canons of the 217 Blessed Fathers who assembled at Carthage (em inglês), Christian Classics Ethereal Library 
  67. B. F. Westcott, A General Survey of the History of the Canon of the New Testament (5th ed. Edinburgh, 1881), pp. 440, 541-2. (em inglês)
  68. Agostinho de Hipona, Sobre a Doutrina Cristã II, 8:2
  69.   "Council of Carthage (A.D. 419) Canon 24" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  70. Agostinho de Hipona, Sobre a Doutrina Cristã II,8.
  71. Innocent I (em inglês), Bible Research 
  72.   "African Synods" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  73. a b Philip Schaff, «Chapter IX. Theological Controversies, and Development of the Ecumenical Orthodoxy», History of the Christian Church (em inglês), CCEL 
  74. a b «Council of Laodicea» (em inglês). bible-researcher 
  75. "Synod of Laodicea" Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 14. Philip Schaff and Henry Wace (eds). Buffalo, New York: Christian Literature Publishing Co., (1900). (em inglês)
  76. «The Cheltenham List» (em inglês). Bible Research. Consultado em 8 de julho de 2007 
  77. «The Cheltenham Canon» (em inglês). NT canon 
  78. Cheltenham (em inglês), Bible researcher 
  79. Atanásio, Epístola 39
  80. Cirilo de Alexandria, Aula Catequética 4, 35
  81. a b Epiphanius of Salamis (1987). Williams, Frank, ed. The Panarion of Epiphanius of Salamis 8:6:1-3 (em inglês) 2. impression. ed. Leiden: E.J. Brill. ISBN 9004079262 
  82. Rufino de Aquileia, Comentário sobre os Apóstolos, Credo 39
  83. Westcott, Brooke Foss (2005). A general survey of the history of the canon of the New Testament Page 570 (em inglês) 6th ed. Eugene, Oregon: Wipf & Stock. ISBN 1597522392 
  84. Decretum Gelasianum
  85. Andrew J. Ekonomou (2007), Byzantine Rome and the Greek Popes, Lexington Books, ISBN 978-0-73911977-8, p. 222. (em inglês)
  86.   "Council in Trullo" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  87. a b «Apostolic Canons» (em inglês) 
  88. Michael D. Marlowe. «The "Apostolic Canons" (about A.D. 380)». Bible Research (em inglês). Cópia arquivada em 29 de agosto de 2010 
  89. a b James Donaldson, D.D. (ed.), «Ecclesiastical Canons of the Same Holy Apostles», Constitutions of the Holy Apostles (em inglês), Christian Classics Ethereal Library 
  90.   "Apostolic Canons" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  91. Fallows, Samuel; et al., eds. (1910) [1901]. The Popular and Critical Bible Encyclopædia and Scriptural Dictionary, Fully Defining and Explaining All Religious Terms, Including Biographical, Geographical, Historical, Archæological and Doctrinal Themes (em inglês). [S.l.]: The Howard-Severance co. p. 521 
  92. «Martin Luther». WELS Topical Q&A (em inglês). Wisconsin Evangelical Lutheran Synod. Cópia arquivada em 20 de abril de 2014 
  93. Metzger, Bruce M. The Canon of the New Testament: Its Origin, Development, and Significance (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 246 páginas. ISBN 0-19-826954-4 
  94. «Council of Basel 1431-45 A» (em inglês). Papalencyclicals.net 
  95. Papa Pio XII. «Divino afflante Spiritu». pp. #22 
  96. «Schaff's Creeds of Christendom, The Elizabethan Articles. A.D. 1563 and 1571» (em inglês) 
  97. Artigo 6 segundo revisão americana de 1801.
  98. The Bible: Authorized King James Version with Apocrypha, Oxford World's Classics, 1998, ISBN 978-0-19-283525-3 (em inglês)
  99. «Westminster Confession of Faith» (em inglês) 
  100. Hall, Peter (1842). The Harmony of Protestant Confessions, Exhibiting the Faith of the Churches of Christ Reformed after the Pure and Holy Doctrine of the Gospel throughout Europe, Revised edition (em inglês). London: J. F. Shaw 
  101. «The Apocrypha, Bridge of the Testaments» (PDF) (em inglês). Arquivado do original (PDF) em 9 de agosto de 2007 
  102. Dennis Bratcher (ed.), The Confession of Dositheus (Eastern Orthodox, 1672) (em inglês), CRI / Voice, Institute 

Ligações externasEditar