Abrir menu principal

Desfile da Vitória de Moscou de 1945

O desfile da vitória de Moscou, realizado em 24 de junho de 1945.

O desfile da vitória de Moscou de 1945 (em russo: Парад Победы, Parad Pobedi) foi realizado pelas Forças Armadas da União Soviética para celebrar sua vitória sobre a Alemanha Nazista. A mais longa e maior parada militar já realizada na Praça Vermelha da capital russa, ela envolveu 40.000 soldados do Exército Vermelho e 1.850 veículos militares e outros equipamentos militares. O desfile durou pouco mais de duas horas em um dia chuvoso de 24 de junho de 1945, mais de um mês depois de 9 de maio, o dia da rendição da Alemanha aos comandantes soviéticos.

Índice

As ordens de Stalin para a realização do desfileEditar

O desfile foi encomendado por Josef Stalin em 22 de junho de 1945, por meio da Ordem nº 370 do Gabinete do Supremo Comandante em Chefe das Forças Armadas da URSS:

Ordem do Comandante Supremo em Chefe, Forças Armadas da URSS e correspondente Comissário do Povo para a Defesa Nacional
Para marcar a vitória sobre a Alemanha na Grande Guerra Patriótica, ordeno um desfile de tropas do Exército, da Marinha e da Guarnição de Moscou, a Parada da Vitória, em 24 de junho de 1945, na Praça Vermelha de Moscou. Os regimentos combinados de todas as frentes marcharão no desfile, um regimento combinado do Comissariado do Povo para a Defesa Nacional, a Marinha Soviética, academias e escolas militares, e tropas da Guarnição de Moscou e do Distrito Militar. Meu representante, marechal da União Soviética Gueorgui Júkov, será o inspetor da parada. O marechal Konstantin Rokossovski comandará a parada em si. Confio ao Coronel Pavel Artemiev os preparativos e a supervisão da organização do desfile, devido às suas capacidades simultâneas como Comandante-Geral do Distrito Militar de Moscou e Comandante encarregado da Guarnição da Cidade de Moscou.
22 de junho de 1945. Ordem nº 370.

 
Montando o garanhão Ídolo, o Marechal Gueorgui Júkov inspecionou as tropas durante o desfile.

Esta ordem foi precedida por outra carta do General do Exército Aleksei Antonov, Chefe do Estado-Maior Geral das Forças Armadas Soviéticas, dirigida no dia 24 do mês anterior a todas as frentes em ação. O Marechal Gueorgui Júkov, que aceitara formalmente a rendição alemã à União Soviética, foi o principal homenageado na parada. Juntamente com o Marechal Konstantin Rokossovsky, eles percorreram a parada montando garanhões branco e negro, respectivamente.[1] O fato é comemorado pela estátua equestre de Júkov em frente ao Museu Histórico do Estado, na Praça do Manege. O garanhão de Júkov era chamado Ídolo (em russo: Кумир). O Secretário Geral do Partido Comunista da União Soviética, Stalin, permaneceu no topo do Mausoléu de Lenin e assistiu ao desfile ao lado de outros dignitários presentes.

De acordo com algumas edições das memórias de Júkov, Stalin pretendia desfilar ele mesmo, mas ele caiu do cavalo durante o ensaio e teve que ceder a honra a Júkov, que costumava ser um oficial de cavalaria. No entanto, esta história é contestada pelo ex-espião soviético Viktor Suvorov. Ele afirma que a história foi inserida nas memórias de Júkov como um contra-argumento à sua teoria[2] de que Stalin não participou do desfile porque considerou os resultados da guerra indignos do esforço investido pelos soviéticos. [3] Suvorov aponta várias inconsistências na história de Júkov, e apresenta evidências de que desde o princípio planejou-se que Júkov liderasse o desfile. Por exemplo, as memórias de Sergei Shtemenko, o homem responsável pela preparação do desfile, afirmam que os papéis foram decididos desde o início, [4] e Igor Bobylev, que participou dos preparativos do desfile, afirma que Stalin nunca visitou o local onde ocorreram os ensaios do desfile.

Exibições dos veículos do Exército Vermelho foram alguns dos pontos altos da cerimônia. Um dos momentos mais famosos no final do desfile de tropas ocorreu quando vários soldados do NKVD carregando bandeiras da Alemanha nazista jogaram-nas ao lado do mausoléu. Um dos estandartes descartados pertencia à 1ª Divisão SS Leibstandarte SS Adolf Hitler, o corpo de guardas-costas de Hitler.

Devido ao mau tempo naquele dia, o desfile aéreo e a parada civil foram cancelados. No entanto, este desfile de duas horas continua a ser a maior e mais longa parada militar a ter ocorrido na Praça Vermelha, e envolveu 40.000 soldados e 1.850 veículos e equipamentos militares.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar