Destino em Apuros

filme de 1953 dirigido por Ernesto Remani
Destino em Apuros
Destino em Apuros (BRA)
 Brasil
1953 •  cor •  87 min 
Direção Ernesto Remani
Produção Mario Civelli
Roteiro Mario Civelli, Jacques Maret, Sérgio Brito
Elenco Hélio Souto
Paulo Autran
Beatriz Consuelo
Inezita Barroso
Waldemar Seyssel
Jaime Barcellos
Lídia Vani
Paulo Goulart
Elísio de Albuquerque
Género comédia
Música Francisco Mignone
Cinematografia H. B. Corell
Direção de arte Franco Cenni
Edição Gino Talamo; Francisco Mignone
Distribuição U.C.B. - União Cinematográfica Brasileira S.A.
Lançamento Brasil 15 de Outubro de 1953
Idioma português
Orçamento Cr$ 5,000,000
Página no IMDb (em inglês)

Destino em Apuros é um filme de comédia brasileiro lançado em 15 de outubro de 1953, e dirigido por Ernesto Remani[1]. Foi o primeiro longa metragem com cenas coloridas, e foi o responsável por introduzir os filmes coloridos no Brasil[2]. Os negativos em cores precisaram ser revelados nos Estados Unidos, o que resultou em um orçamento muito maior do que o previsto para o filme. Não obteve um bom retorno de bilheteria, não conseguindo recuperar o dinheiro investido, fazendo com que a produtora Multifilmes S.A. se endividasse e fechasse as portas alguns anos após a estreia do filme.

Apesar disso, trouxe em seu elenco atores que mais tarde despontaram no teatro, cinema e na televisão, como Paulo Goulart, Hélio Souto e Inezita Barroso.

SinopseEditar

O filme se aventura pelo terreno Sobrenatural, apresentando o Destino simbolizado por uma figura humana como outra qualquer, mas que possui hábitos estranhos. Um dia esta pessoa comete um engano, confundindo duas vidas, surgindo então grandes complicações.[3]

ProduçãoEditar

Foi gravado em São Paulo, nos estúdios da produtora Multifilmes, situada em Mairiporã[4], tendo também como locação o Museu do Ipiranga, o Cemitério São Paulo, em Pinheiros, e o prédio do Instituto Biológico, na Vila Mariana, que era usado nas tomadas externas como o escritório de Destino[5]. Apesar de ter produção nacional, o Departamento de Censura não concedeu o certificado de filme brasileiro[6], graças à utilização do estúdio americano Houston Color Films para revelar os negativos coloridos, o que gerou outras inúmeras despesas e fez com que a obra não conseguisse recuperar nas bilheterias o dinheiro que fora investido em sua produção. O filme não era totalmente colorido, havia apenas algumas cenas. O processo escolhido para colorir foi o ANSCOCOLOR, dominado pelo técnico norte-americano H.B.Corell, que também participou do longa como diretor de fotografia.[7]

ElencoEditar

 
Paulo Autran

ExibiçãoEditar

Foi lançado em 15 de outubro de 1953, em São Paulo, nas salas Ipiranga; Ópera; Alhambra; Esmeralda; Majestic; Paramount; Jóia; Itamarati; Nacional; Cruzeiro; Climax; Riviera; Piratininga; Roma; Brasil; Paris; Maracanã; Cinemar; Júpiter; Imperial; Colonial; e São Caetano. Houve uma exibição especial em 23 de Outubro do mesmo ano, na sala Ipiranga.

CuriosidadesEditar

  • Para dar um efeito fantasioso para o longa metragem, as cenas internas do escritório do personagem principal, Destino, eram gravadas no vigésimo andar de um prédio, e as cenas externas no Instituto Biológico, que tem apenas cinco andares. Segundo o próprio ator, Paulo Autran, "o Destino (ou seja, eu) olhava pelo 20º andar de um prédio de cinco andares, o que acentuava involuntariamente o tom fantástico da trama".
  • Além de revelar grandes atores, "Destino em Apuros" foi o filme em que a célebre dupla Grande Otelo e Oscarito apareceu juntos pela última vez.
  • Apesar da Multifilmes S.A ter fechado as portas em 1958, os galpões usados como estúdio ainda estão de pé, e Patrícia Civelli (filha do produtor Mario Civelli) pretendia reivindicar o tombamento dos edifícios e fundar o Museu do Cinema. A Multifilmes contava com um estúdio em um terreno de 50 mil metros quadrados, além dos estúdios propriamente ditos, laboratório de som, restaurante, escritórios e ainda uma fábrica de refletores com 200 empregados[8].

PrêmiosEditar

Ano Premiação Categoria Recpientes Resultado
1953 Prêmio Sací Melhor Fotografia em Anscolor H. B. Corell Venceu
1953 O Índio, da revista Jornal e Cinema, Rio de Janeiro Menção Especial Mario Civelli Venceu

Referências