Diabo na Cruz


Diabo na Cruz
Informação geral
Origem Lisboa
País Portugal Portugal
Gênero(s) Roque Popular
Período em atividade 2008 - 2019
Integrantes Jorge Cruz
Daniel Mestre
Bernardo Barata
João Pinheiro
João Gil
Manuel Pinheiro
Sérgio Pires [1]

Diabo na Cruz foi uma banda portuguesa formada por Jorge Cruz em 2008 e extinta em 2019. Combina uma base rock'n'roll com a tradição oral portuguesa, instrumentos tradicionais e influências musicais muito variadas.[1]

HistóriaEditar

Diabo na Cruz era uma ideia antiga que estava a germinar na cabeça do músico Jorge Cruz desde a altura em que integrava os Superego, um power-trio de Aveiro que formou em meados dos anos 90. No ano 2000 começou a idealizar um projecto de rock tradicional com a FanfarraMotor. O projecto foi cancelado quando ia entrar em estúdio, mas as primeiras sementes de Diabo na Cruz estavam aqui lançadas. [2]

Jorge Cruz mudou-se para Lisboa, onde conheceu uma série de músicos da família FlorCaveira com quem partilhava afinidades musicais e referências comuns. Produziu discos de João Coração e d'Os Golpes, o que o estimulou a voltar a explorar a ideia de um rock português enraizado no legado musical que é específico de Portugal. [3]

Em 2008, formou os Diabo na Cruz. Inicialmente juntou-se a João Pinheiro (bateria) e Bernardo Barata (baixo) porque encontrou neles "uma secção rítmica infalível na atitude e com afinidades evidentes com as intenções que tinha na mesa".[2] Mais tarde juntaram-se B Fachada na viola braguesa e João Gil nos teclados. Em 2009 foi editado o primeiro EP Dona Ligeirinha e o álbum de estreia Virou!, [4] que foi considerado um marco na música nacional pela forma como integrou sonoridades da música tradicional e do rock contemporâneo.[5]

Após três anos na estrada e centenas de concertos, os Diabo na Cruz sofreram uma reformulação.[6] B Fachada deixou a banda uma semana antes da gravação do segundo álbum, Roque Popular (2012),[7] mas acabou por participar em alguns temas como convidado. Com os novos elementos Manuel Pinheiro (percussões) e Sérgio Pires (braguesa), em 2012 a banda cimentou a formação que se manteve até ao seu fim.

O terceiro álbum, Diabo na Cruz, chegou em 2014. Jorge Cruz descreveu-o como um disco mais pop, "muito menos negro, muito mais positivo" e "mais aberto às pessoas", onde procuram "fazer grandes canções". [8] Jorge Cruz: "Nós podemos fazer o que quisermos que vai ser Diabo. Já percebemos que conseguimos fazer Diabo das mais diversas maneiras. Não estamos presos a um formato, a um estilo musical. O nosso estilo é Diabo na Cruz." [6]

O ano de 2015 levou a banda a percorrer Portugal de Norte a Sul num total de 50 concertos. No final de 2015, os Diabo na Cruz sagraram-se vencedores nos Portugal Festival Awards na categoria de "Melhor Actuação ao Vivo". [9]

Após dois anos sem concertos, a banda regressa aos palcos e aos discos em 2018, com o álbum Lebre.

No dia 21 de Maio de 2019, o fim dos Diabo na Cruz foi anunciado através de um comunicado. [10] A banda deixou de existir no final da digressão de 2019, em Óbidos no dia 18 de outubro desse mesmo ano, digressão essa que foi feita sem o vocalista e fundador Jorge Cruz, entrando Daniel Mestre na guitarra elétrica e Sérgio Pires como vocalista e guitarrista na viola braguesa.

FormaçãoEditar

MembrosEditar

  • Jorge Cruz (voz, guitarra eléctrica, composição)
  • Bernardo Barata (baixo)
  • João Pinheiro (bateria)
  • João Gil (teclados)
  • Manuel Pinheiro (percussão, electrónica)
  • Sérgio Pires (voz, viola braguesa)
  • Daniel Mestre (guitarra)

Membros anterioresEditar

  • B Fachada (viola braguesa)
  • Márcio Silva (viola braguesa)

DiscografiaEditar

ÁlbunsEditar

  • Virou! (2009)
  • Roque Popular (2012)
  • Diabo Na Cruz (2014)
  • Lebre (2018)

EPsEditar

  • Dona Ligeirinha (2009)
  • Combate (2010)
  • Saias (2016)

Álbuns Ao VivoEditar

  • Diabo Na Cruz Ao Vivo (2018)

Referências

  1. «MTV.PT Artistas : Diabo Na Cruz». MTV Portugal. Consultado em 8 de abril de 2016 
  2. a b «Entrevista : Diabo na Cruz - Respostas | LibertyTuga». Consultado em 8 de abril de 2016 
  3. «Jorge Cruz - entrevista na Rua de Baixo». Consultado em 25 de setembro de 2016 
  4. «Diabo Na Cruz». Discogs. Consultado em 8 de abril de 2016 
  5. "Diabo na Cruz põem fim à banda", Comunidade Cultura e Arte, Consultado 26 de maio de 2020.
  6. a b «"Vida de Estrada": o novo percurso de Diabo na Cruz - musicfest.pt». musicfest.pt. Consultado em 8 de abril de 2016 
  7. «Maria, põe a mesa, os Diabo na Cruz estão aí! | P3». P3. Consultado em 8 de abril de 2016 
  8. «Agora em grande». PÚBLICO. Consultado em 8 de abril de 2016 
  9. «Diabo na Cruz vencem os Portugal Festival Awards na categoria de melhor actuação ao vivo». Gazeta dos Artistas. Consultado em 8 de abril de 2016 
  10. «BLITZ – Diabo na Cruz anunciam o fim». Jornal blitz. Consultado em 21 de maio de 2019