Diabolik

Diabolik é uma série de histórias em quadrinhos italiana criado pelas irmãs Angela Giussani (1922-1987) e Luciana Giussani (1928-2001).[2]

Diabolik
Diabolik e sua namorada Eva Kant
Outro(s) nome(s) desconhecido
Sexo masculino
Características Intelecto genial, incrível detetive, físico avantajado, mestre em artes marciais, especialista em armas de fogo,piloto experiente, especialista em mecânica, química e eletrônica, estrategista e bom combatente corpo-a-corpo, disfarces e fugas, tecnologia de ponta e força física.
Criado por Angela e Luciana Giussani
Primeira aparição Diabolik n. 1 Il re del terrore
1 de Novembro de 1962
Editora(s) Astorina[1]

Uma das séries mais populares da história dos quadrinhos italianos, o Diabolik foi criado em 1962[2] e consiste em mais de 800 volumes, levando ao nascimento do subgênero "fumetti neri" e inspirou diversos personagens italianos que possuem a letra "K",[3] uma delas é o "Paperinik" (Superpato no Brasil), uma identidade super-heróica do Pato Donald.[4]

A série tem o nome de seu protagonista, um ladrão anti-heroico, inspirado em vários personagens anteriores da Itália e de outros países. Suas histórias consistem em volumes revistas em quadrinhos mensais em preto e branco num formato de formato de bolso (12 x 17 cm).[2][5]

A série tem lugar na cidade fictícia de Clerville e estrelas do titular Diabolik, inicialmente representado como um ladrão cruel e implacável que não hesita em matar alguém, a fim de realizar seus atos,[6]. auxiliado por sua parceira e amante Eva Kant. Com o passar do tempo, o personagem evoluiu sua personalidade, desenvolvendo raízes saudáveis e princípios éticos como a honra, o sentimento de amizade e gratidão e o respeito pelas almas nobres, roubando e matando também outros criminosos. Ao longo de suas aventuras, ele é perseguido principalmente pelo Inspetor Ginko.


A série vendeu mais de 150 milhões de cópias,[7] tornando-se uma das séries de histórias em quadrinhos mais conhecidas e mais vendidas da Europa. Seu sucesso também inspirou um filme de ação live-action, um programa de rádio, uma série animada de televisão, videogames, romances e inúmeras paródias.


Criação e desenvolvimentoEditar

A ideia para o personagem Diabolik nasceu de ver os passageiros todos os dias. A co-criadora Angela Giussani, que morava perto da estação ferroviária Milano Cadorna, pensou em fazer quadrinhos em um formato projetado para viajar e carregar no bolso. Para entender melhor os gostos de seus potenciais leitores, Angela fez uma pesquisa sobre o mercado, a partir da qual concluiu que muitos passageiros liam romances de mistério. Outra versão da história afirma que a própria ideia veio dela encontrar um romance de Fantômas abandonado em um trem. Assim nasceu o "formato Diabolik" (medindo 12 x 17 cm, sendo menor que um formatinho),[8][9] que se mostrou popular com outras publicações do mesmo gênero. O formato de bolso contribuiu, de fato, para o sucesso do personagem.



No BrasilEditar

No Brasil o personagem foi publicado pelas editoras Nueva Frontera, Vecchi e Record,[6] em maio de 2018, a Editora 85 lançou uma campanha de financiamento coletivo no Catarse para voltar a publicar a série no país, a editora havia usado a mesma plataforma para financiar a publicar de Dampyr da Sergio Bonelli Editore.[10] Em agosto de 2018, a Editora 85 lançou a primeira edição de Diabolik através do site Amazon Brasil.[11]

Outras mídiasEditar

FilmeEditar

O cineasta italiano Mario Bava adaptou a história de um filme de 1968, Danger: Diabolik, produzido por Dino De Laurentiis e estrelado por John Phillip Law[6] como Diabolik, Marisa Mell como Eva e Michel Piccoli como Ginko.

O filme foi usado no episódio final da 10ª temporada da série de televisão de longa duração, Mystery Science Theatre 3000.

TelevisãoEditar

  • Em 1 de Janeiro de 2000, uma série animada,[6] produzida pela Saban International Paris, estreou na Europa na Fox Kids e durou 36 episódios, antes de terminar em 1 de Janeiro de 2001. A série apresentava Diabolik e a sua companheira Eva, enquanto lutavam e gradualmente expuseram a Irmandade e Dane, enquanto fugia do inspetor Ginko. Foi dirigido por Jean Luc Ayach com Paul Diamond e Larry Brody como redatores principais.
  • Em 2012, a Sky TV, em conjunto com a Sky France e Sky Italy, começou a trabalhar em uma série de televisão live-action de Diabolik. Um teaser foi feito para a produção,[12] mas em 2016 a produção não havia sido lançada e não havia mais informações divulgadas pelo estúdio.


Referências

  1. Érico Assis e Pedro Hunter (13 de Dezembro de 2001). «Conheça a Panini - A Marvel italiana». Omelete 
  2. a b c Kenneth D. Nordin, Joseph Ursitti, Understanding the funnies: critical interpretations of comic strips, Procopian Press, 1997
  3. Simone Castaldi (2010). Drawn and Dangerous: Italian Comics of the 1970s and 1980s. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. 14 páginas. 9781604737493 
  4. Roberto Elísio dos Santos (29 de Abril de 2003). «Mickey X». Omelete 
  5. Luca Raffaelli, Il fumetto: un manuale per capire, un saggio per riflettere, Il Saggiatore,1997
  6. a b c d «Morre Luciana Giussiani, uma das criadoras de Diabolik». Universo HQ. 3 de abril de 2001 
  7. Diabolik
  8. Kenneth D. Nordin, Joseph Ursitti, Understanding the funnies: critical interpretations of comic strips, Procopian Press, 1997
  9. Luca Raffaelli, Il fumetto: un manuale per capire, un saggio per riflettere, Il Saggiatore,1997
  10. Diabolik volta ao Brasil pela Editora 85 com campanha no Catarse
  11. Diabolik já está à venda pela Editora 85
  12. Sky1 adapting Italian comic Diabolik as new TV series

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) personagem de Banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.