Diadumeniano

Diadumeniano (em latim: Marcus Opellius Antoninus Diadumenianus Augustus) foi imperador romano de maio de junho de 218. Nasceu em 14 de setembro de 208 ,sendo filho de Macrino, do qual era coimperador, e de Nônia Celsa, cujo nome pode ser fictício. Foi elevado a César em maio de 217 e, depois que Heliogábalo se revoltou alguns dias depois, Diadumeniano foi elevado a coimperador. Depois que Macrino foi derrotado na Batalha de Antioquia (218), em 8 de junho de 218, foi enviado à corte de Artabano V para garantir sua segurança. No entanto, foi capturado e executado ao longo do caminho, no final de junho.

Diadumeniano
Imperador Romano
Reinado maio a junho de 218
Predecessor Macrino (sozinho)
Sucessor Heliogábalo
Co-monarca Macrino
 
Nascimento 14 de setembro de 208
Morte junho de 218 (9 anos)
Zeugma, Síria Palestina, Império Romano
Pai Macrino
Mãe Nônia Celsa

HistóriaEditar

Diadumeniano nasceu em 14 de setembro de 208, chamado Marco Opélio Diadumeniano, filho de Macrino, prefeito pretoriano e futuro imperador, e sua esposa possivelmente fictícia Nônia Celsa.[1] Macrino declarou-se imperador em 11 de abril de 217, três dias após o assassinato do imperador Caracala. Pouco depois, Diadumeniano foi elevado a César em Zeugma, enquanto sua guarda o escoltava de Antioquia até a Mesopotâmia, para se juntar ao pai. Ele também recebeu o nome de Antonino, em homenagem à dinastia Antonina, naquele momento.[2] Em 16 de maio de 218, Heliogábalo - parente de Caracala através de sua mãe, Julia Soêmias, que era prima de Caracala - lançou em Emesa uma revolta contra o novo imperador. Para conter a revolta, Macrino levou suas legiões ao forte pretoriano de Apameia. Lá Macrino elevou Diadumeniano a augusto, fazendo-o coimperador. Depois que Macrino foi derrotado por Heliogábalo em 8 de junho de 218, na Batalha de Antioquia, Macrino fugiu para o norte, no Bósforo. Antes de fugir, ele confiou Diadumeniano a servos leais, instruindo-os a levá-lo ao Império Parta, corte de Artabano V, para garantir sua segurança. Diadumeniano foi capturado em Zeugma e executado no final de junho.[3][4] Sua cabeça foi levada a Heliogábalo e, supostamente, foi mantida como troféu.[5]

NumismáticaEditar

Enquanto César, um grande número de moedas foi cunhada por Diadumeniano, embora menos do que a quantia atingida por seu pai. As moedas nas quais é retratado como augusto são extremamente limitadas, e as únicas moedas conhecidas dessa época são denários. Isso levou à sugestão, proposta pela primeira vez pelo antigo numismatista Curtis Clay, de que uma grande edição de moedas estava sendo feita para o Diadumeniano, no entanto elas foram rapidamente derretidas quando as notícias da derrota de Macrino se espalharam. Notavelmente, existem algumas moedas provinciais orientais do período que dão a Diadumeniano o título sebasto, na época o equivalente grego do augusto romano.[3] Em termos de moedas de ouro, Diadumeniano tem um estilo conhecido como áureo, exibindo sua imagem no anverso e exibindo Spes de pé no reverso, e um estilo conhecido de semi-áureo, exibindo sua imagem no anverso e exibindo-se segurando um cetro e o padrão.[6]

Referências

  1. Vagi 2000, pp. 289–290.
  2. Vagi 2000, p. 289.
  3. a b Vagi 2000, p. 290.
  4. Bédoyère 2017, p. 236.
  5. Bunson 1991, p. 130.
  6. Friedberg, Friedberg & Friedberg 2017, p. 45.

BibliografiaEditar

  • Bédoyère, Guy de la (2017). Praetorian: The Rise and Fall of Rome's Imperial Bodyguard. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 9780300226270 
  • Bunson, Matthew (1991). Encyclopedia of the Roman Empire. [S.l.]: Facts On File. ISBN 9781438110271 
  • Friedberg, Arthur L.; Friedberg, Ira S.; Friedberg, Robert (2017). Gold Coins of the World - 9th edition: From Ancient Times to the Present. An Illustrated Standard Catlaog with Valuations. [S.l.]: Coin & Currency Institute. ISBN 9780871840097 
  • Vagi, David L. (2000). Coinage and History of the Roman Empire, c. 82 B.C.- A.D. 480. [S.l.]: Fitzroy Dearborn. ISBN 9781579583163 

Precedido por
Macrino
Imperador romano
218
Com Macrino
Sucedido por
Heliogábalo