Dick Farney

cantor brasileiro
Dick Farney
Dick Farney no Rio de Janeiro, em 1947.
Informação geral
Nome completo Farnésio Dutra e Silva
Nascimento 14 de novembro de 1921
Origem Rio de Janeiro
País Brasil
Morte 4 de agosto de 1987 (65 anos)
Gênero(s) Jazz
Samba-Canção
Bossa Nova
Instrumento(s) Vocal
Piano
Período em atividade 1944–1987
Gravadora(s) Continental
Sinter
Polydor
RGE
Columbia
EMI-Odeon
Afiliação(ões) Cyl Farney
Milionários do Ritmo

Farnésio Dutra e Silva, conhecido pelo nome artístico Dick Farney (Rio de Janeiro, 14 de novembro de 1921São Paulo,[1] 4 de agosto de 1987), foi um cantor, pianista e compositor brasileiro.

Começou a tocar piano ainda na infância, quando aprendia música erudita com o pai, enquanto a mãe lhe ensinava canto.

Em 1937, estreou como cantor no programa Hora Juvenil, na rádio Cruzeiro do Sul do Rio de Janeiro, quando interpretou a canção "Deep Purple", composta por Pete DeRose. Foi levado por César Ladeira para a Rádio Mayrink Veiga, passando a apresentar o programa Dick Farney, a Voz e o Piano. O conjunto Os Swing Maníacos, formado por Dick, tinha ao lado o irmão Cyll Farney, na bateria, e acompanhou Edu da Gaita na gravação da música "Canção da Índia", do compositor russo Nikolay Rimsky-Korsakov (1844–1908).

De 1941 a 1944, foi crooner da orquestra de Carlos Machado, no Cassino da Urca, no tempo em que o jogo era permitido no Brasil. Em 1946, foi convidado para ir para os Estados Unidos, depois do encontro com o arranjador Bill Hitchcock e o pianista Eddie Duchin, no Hotel Copacabana Palace. Nesse período, gravou o famoso tema jazzístico "Tenderly", considerado a primeira gravação mundial. Entre 1947 e 1948, fez várias apresentações na Rádio NBC, principalmente como cantor fixo no programa do comediante Milton Berle. Em 1948, apresentou-se com sucesso na boate carioca Vogue.

Em 1956, gravou ao vivo o show "Meia-Noite em Copacabana", bem ao estilo da Broadway, lançado pela gravadora Polydor, com temas americanos e brasileiros, que é considerado um marco para a Bossa Nova, devido à mistura de samba e jazz. Em 1959, era exibido o programa de TV Dick Farney Show, na TV Record de São Paulo. Em 1960, formou a banda Dick Farney e sua Orquestra, que animou muitos bailes. Em 1964, com o advento da Bossa Nova, gravou, a convite de Aloysio de Oliveira, pela gravadora Elenco, o disco Dick Farney (Elenco ME-15), com a participação especial de Norma Bengell na faixa solo "Vou Por Aí" (Baden Powell e Aloysio de Oliveira) e em dueto na faixa "Você" (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli).

Em 1965, apresentou o programa Dick e Betty na recém-inaugurada TV Globo do Rio de Janeiro, ao lado de Betty Faria e Dick Farney. Ainda nesse ano, voltou a gravar o segundo disco pela Elenco o LP Dick Farney: Piano, Gaya: Orquestra. Entre 1977 e 1987, Gogô passou a ser seu pianista acompanhador.

Foi proprietário das boates Farney's e Farney's Inn, ambas em São Paulo. Em 1971, formou um trio com Sabá (contrabaixo) e Toninho Pinheiro (bateria). Entre 1973 e 1978, tocou piano e cantou na boate Chez Régine, também na capital paulista, onde morreria, vítima de um edema pulmonar, em 1987, aos 65 anos.

ComposiçõesEditar

 
Dick Farney (1960).
  • 1955: "Sonhando com Shearing"
  • 1955: Sem nome
  • 1956: "Farney´s blues", com o Dick Farney Trio

TurnêsEditar

Apresentou-se nas cidades norte-americanas de Hollywood, Chicago e San Francisco, em Nova Iorque (Waldorf Astoria Hotel e Shell Burn Hotel),nos países Argentina, Uruguai, Cuba, República Dominicana, Porto Rico e ilhas do Caribe.

FilmesEditar

  • 1950: Somos Dois, dirigido por Milton Rodrigues
  • 1952: Carnaval Atlântida, de José Carlos Burle
  • 1953: Perdidos de Amor, de Eurides Ramos

Participação especialEditar

Espetáculo dos 20 Anos de Bossa Nova, realizado em São Paulo, ao lado de Lúcio Alves, Nara Leão, Carlos Lyra e muitos outros.

DiscografiaEditar

  • "The Music Stopped"/"Mairzy Doats", com a orquestra de Ferreira Filho, gravadora Continental (1944)
  • What's New? (fox-trot), crooner do conjunto Milionários do Ritmo (1944)
  • "San Fernando Valley"/"I Love You" (1944)
  • I Don't Want to Ealk Without You (1944)
  • "This Love of Mine"/"The Man I Love" (1945)
  • "Copacabana"/"Barqueiro do Rio São Francisco", com acompanhamento de Eduardo Patané (1946)
  • "Era Ela"/"Ela Foi Embora" (1946)
  • "Just an Old Love of Mine" (Peggy Lee/Dave Barbour)/"For Once in my Life" (Fisher/Segal), com Paul Baron e sua Orquestra (1947)
  • "Marina"/"Foi e não Voltou" (1947)
  • "Gail in Galico"/"For Sentimental Reasons" (1947)
  • "Ser ou não Ser"/"Um Cantinho e Você" (1948)
  • "Meu Rio de Janeiro"/"A Saudade Mata a Gente" (1948)
  • "Esquece"/"Somos Dois…" (1948)
  • "Ponto Final"/"Olhos Tentadores" (1949)
  • "Junto de Mim"/"Sempre teu" (1949)
  • "Não Tem Solução"/"Lembrança do Passado", gravadora Sinter (1950)
  • "Uma Loira"/"Meu Erro" (1951)
  • "Canção do Vaqueiro"/"Nick Bar" (1951)
  • "Mundo Distante"/"Não Sei a Razão" (1952)
  • "Luar sobre a Guanabara"/"Fim de Romance" (1952)
  • "Sem esse Céu"/"Alguém como Tu" (1952)
  • "Perdido de Amor"/"Meu Sonho" (1953)
  • "Nova Ilusão"/"João Sebastião Bach" (1953)
  • "April in Paris"/"All the Things You Are" (1953)
  • "Speak Low"/"You Keep Coming back like a Song" (1953)
  • "Copacabana"/"My Melancholy Baby" (1954)
  • "Tenderly"/"How soon', Majestic Records (1954)
  • "Somebody Loves me"/"There's no Sweeter Word than Sweetheart" (1954)
  • "Marina"/"For Once in your Life" (1954)
  • "Grande Verdade"/"Você se Lembra?" (1954)
  • "Outra Vez"/"Canção do Mar" (1954)
  • "Tereza da Praia"/"Casinha Pequenina", junto com o cantor Lúcio Alves (1954)
  • Música romântica com Dick Farney (1954)
  • Sinfonia do Rio de Janeiro, disco de 10 polegadas (1954)
  • A Saudade Mata a Gente (1955)
  • "Foi Você"/"Tudo Isto é Amor" (1955)
  • Dick Farney e seu Quinteto (1955)
  • "Bem Querer"/"Sem Amor Nada se Tem" (1955)
  • Dick Farney on Broadway (1955)
  • "Jingle Bells"/"White Christmas"/"Feliz Natal" (1956)
  • Jazz Festival (1956)
  • Jazz after Midnight (1956)
  • Meia-noite em Copacabana com Dick Farney (1956)
  • Dick Farney Trio (1956)
  • "Un Argentino en Brasil"/"Nem Fala meu Nome" (1957)
  • "O Ranchinho e Você"/"Só Eu Sei" (1957)
  • "Toada de Amor"/"O Luar e Eu…" (1957)
  • "Este seu Olhar"/"Se É por Falta de Adeus" (1959)
  • "Esquecendo Você"/"Amor sem Adeus" (1959)
  • Atendendo a Pedidos (1959)
  • Dick Farney em Canções para a Noite de meu Bem (1960)
  • Dick Farney e seu jazz moderno no auditório de O Globo (1960)
  • Dick Farney no Waldorf (1960)
  • "Somos Dois"/"Uma Loura" (1961)
  • Dick Farney Jazz (1961)
  • Dick Farney Show (1961)
  • Jam Session (1961)
  • Dick Farney apresenta sua orquestra no auditório de O Globo, com participação especial de Leny Andrade (1962)
  • Dick Farney, com participação especial de Norma Bengell (1964)
  • Dick Farney, piano e Orquestra Gaya, com Lindolfo Gaya (1965)
  • Penumbra e Romance (1972)
  • Dick Farney (1973)
  • Concerto de Jazz ao Vivo (1973)
  • Dick Farney e Você (1974)
  • Um Piano ao Cair da Tarde (1974)
  • Um Piano ao Cair da Tarde II (1975)
  • Dick Farney (1976)
  • Tudo Isso É Amor, com a cantora Claudette Soares (1976)
  • Cinco Anos de Jazz (1977)
  • Dick Farney (1978)
  • Tudo Isso É Amor II (1978)
  • Dick Farney: o cantor, o pianista, o diretor de orquestra, série "Retrospecto", gravadora RGE (1979)
  • Noite (1981)
  • Feliz de Amor (1983)
  • Momentos Inexplicáveis (1985)
  • Dick Farney "ao vivo", gravado no restaurante-bar Inverno & Verão, em São Paulo (1986)

Referência bibliográficaEditar

  • AZEVEDO, M. A. de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.
  • CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário biográfico da música popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume1. São Paulo: Editora: 34, 1999.
  • VASCONCELLO, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira - volume 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.

Referências

  1. «O cantor e pianista Dick Farney morre em São Paulo aos 65 anos». Folha de S.Paulo (20 211). São Paulo: Empresa Folha da Manhã. 5 de agosto de 1987. p. A-15. ISSN 1414-5723. Consultado em 5 de maio de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.