Em biologia, o dimorfismo sexual é considerado quando há ocorrência de indivíduos do sexo masculino e feminino de uma espécie com características físicas não sexuais marcadamente diferentes. Pode ocorrer em qualquer grupo de seres vivos, protistas, plantas, ou animais, que apresentem espécies com indivíduos unissexuais. A função destas diferenças, em muitos casos, está relacionada à luta dos indivíduos pelo direito de se reproduzir, usando tais caracteres para lutar por um(a) parceiro(a), ou impressioná-lo(a) com os seus dotes. Em algumas plantas, especificamente, as diferenças são puramente funcionais, e não competitivas.

O oposto do dimorfismo é o monomorfismo, quando ambos os sexos biológicos são fenotipicamente indistinguíveis um do outro. Muitos répteis, por exemplo, com os órgãos sexuais internos, não demonstram notórias diferenças externas entre os espécimes de sexos diferentes.[1]

Exemplos editar

Um tipo comum de dimorfismo é ornamentação. Um componente frequente de tal ornamentação dimórfico é dicromatismo sexual, o que significa que os sexos de uma mesma espécie diferem na coloração, como é o caso em muitas espécies de aves e répteis.[2][3]

Características dimórficas exageradas são utilizados predominantemente na competição entre companheiros.[4] A ornamentação podem ser caras para se produzir ou manter, o que tem implicações evolutivas complexas[5] mas os custos e implicações variam, dependendo da natureza da ornamentação (tal como o mecanismo de cor envolvido).

Na maioria das espécies de insetos, aranhas, anfíbios, répteis, aves de rapina, etc., as fêmeas são maiores que os machos, enquanto nos mamíferos o macho é geralmente o maior, às vezes de forma muito perceptível.

Plantas editar

A maioria das plantas são hermafroditas, mas cerca de 6% têm machos e fêmeas separados (dioicia).[6] Machos e fêmeas em espécies dependentes da polinização de insetos geralmente são semelhantes porque as plantas fornecem recompensas (por exemplo, néctar) que incentivam os polinizadores a visitarem outra flor semelhante, completando a polinização. As orquídeas Catasetum são uma exceção a esta regra, a Catasetum macho se anexa pólens às abelhas então evitam que outras flores masculinas, mas podem visitar uma flor fêmea, que tem a aparência diferente das flores macho.[7]

Humanos editar

 
Cariótipo típico de um homem com 22 pares de cromossomo autossômicos e um cromossomo X e um Y

De acordo com Clark Spencer Larsen, o Homo sapiens moderno mostra uma gama de dimorfismo sexual, com massa corporal média entre os sexos diferindo em aproximadamente 15%.[8] De acordo com Daly e Wilson, "Os sexos diferem mais nos seres humanos do que nos mamíferos monogâmicos, mas muito menos do que nos mamíferos extremamente polígamos".[9]

Os seres humanos exibem dimorfismo sexual em muitas características, muitas não apresentam nenhuma ligação direta com a habilidade reprodutiva, porém a maioria destas característica têm um papel na atração sexual. O dimorfismo sexual em seres humanos se observa sobretudo por cinco fatores ao nascer: a presença ou ausência do cromossomo Y, o tipo de gônadas, hormônios sexuais, anatomia reprodutiva interna (como o útero na fêmeas) e a genitália externa.[10]

No cérebro humano , foi observada uma diferença entre os sexos na transcrição do par de genes PCDH11X / Y exclusivo do Homo sapiens.[11]

Alguns estudos mostram que os primeiros hominidae eram muito dimórficos e que esta tendência se reduziu ao longo da evolução humana, sugerindo que os humanos se tornaram mais monógamos. Ao contrário por exemplo dos gorilas, que vivem em haréns com um único macho e várias fêmeas e que demostram um dimorfismo sexual muito maior (ver: homininae).[12]

Referências

  1. «Dictionary of Human Evolution and Biology». Human-biology.key-spot.ru. Consultado em 3 de novembro de 2017. Arquivado do original em 7 de novembro de 2017 
  2. A. Johnsen, K. Delhey, S. Andersson & B. Kempenaers (2003). «Plumage colour in nestling blue tits: sexual dichromatism, condition dependence and genetic effects» (PDF). Proceedings of the Royal Society B. 270 (1521): 1263–1270. JSTOR 3558810. PMC 1691364 . PMID 12816639. doi:10.1098/rspb.2003.2375 
  3. Bill Branch (1988). Bill Branch's Field Guide to the Snakes and Other Reptiles of Southern Africa. Cape Town: Struik. ISBN 978-0-86977-639-1 
  4. Andersson 1994
  5. Amotz Zahavi (1975). «Mate selection – a selection for a handicap» (PDF). Journal of Theoretical Biology. 53 (1): 205–214. PMID 1195756. doi:10.1016/0022-5193(75)90111-3 
  6. Renner, Susanne; Ricklefs, Robert E (1995). «Dioecy and its correlates in the flowering plants». Americal Journal of Botany. 82 (5): 596–606 
  7. Romero, Gustavo; Nelson, Craig E. (1986). «Sexual Dimorphism in Catasetum Orchids: Forcible Pollen Emplacement and Male Flower Competition». Science. 232 (4757): 1538–1540. Bibcode:1986Sci...232.1538R. doi:10.1126/science.232.4757.1538 
  8. Larsen CS (Agosto de 2003). «Equality for the sexes in human evolution? Early hominid sexual dimorphism and implications for mating systems and social behavior». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 100 (16): 9103–4. Bibcode:2003PNAS..100.9103L. PMC 170877 . PMID 12886010. doi:10.1073/pnas.1633678100  
  9. Daly M, Wilson M (1996). «Evolutionary psychology and marital conflict». In: Buss DM, Malamuth NM. Sex, Power, Conflict: Evolutionary and Feminist Perspectives. [S.l.]: Oxford University Press. p. 13. ISBN 978-0-19-510357-1 
  10. Knox, David; Schacht, Caroline. Choices in Relationships: An Introduction to Marriage and the Family. 11 ed. Cengage Learning; 2011-10-10 [cited 17 June 2013]. ISBN 9781111833220. p. 64–66.
  11. Lopes, Alexandra M.; Ross, Norman; Close, James; Dagnall, Adam; Amorim, António; Crow, Timothy J. (1 de abril de 2006). «Inactivation status of PCDH11X: sexual dimorphisms in gene expression levels in brain». Human Genetics (em inglês). 119 (3): 267–275. ISSN 1432-1203. doi:10.1007/s00439-006-0134-0 
  12. Principles of Human Evolution, by Roger Lewin, Robert Foley.